Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

gustavokleinPor Gustavo Klein*

Proporcionar uma boa experiência para o cliente. O que isso significa na prática? Significa ter o cliente no centro da operação da sua empresa. Significa ter uma visão do todo que envolve seu segmento e conhecer bem seus clientes. É o tal olhar de fora para dentro: você observa, conversa e ouve seus clientes para então colocar em prática seu plano de ação. Afinal, ele é o protagonista da sua empresa, hoje e sempre, e não somente no Dia do Cliente, celebrado em 15 de setembro.
Mas experiência onde, em qual momento? Em todos os canais e momentos. A experiência do cliente começa no primeiro contato com a sua marca, antes mesmo dele efetivar a primeira compra, seja nas redes sociais, seja em seu site, seja no cafezinho que você oferece na sua loja física – ele não pode estar frio. Tudo deve ser pensando: o que eu quero transmitir e entregar ao meu público?
A relação com o cliente é construída dia a dia. São as suas ações que ficarão marcadas na memória dele e o fará indicar ou denegrir e desistir da sua marca. Segundo um estudo da Deloitte Digital, os clientes costumam comentar suas boas experiências com 9 pessoas. Mas, ao ter uma experiência ruim, este número aumenta para 16. O pior disso tudo é que, além de ir embora, ele pode fazer propaganda ruim sobre sua empresa.
Por isso é tão importante investir em relacionamento e, também, ter enraizado na sua equipe a importância do bom atendimento. Todos, sem exceção, são responsáveis pela experiência do cliente. Não é só o vendedor ou atendente do Suporte.
Facilitar a vida do cliente também faz parte de proporcionar uma boa experiência. A pandemia nos mostrou que a tecnologia é uma grande aliada das empresas e de seus clientes. No seu dia a dia, por exemplo, adotar a assinatura digital pode abrir portas para você contratar fornecedores com muito mais facilidade e rapidez. Você faz tudo on-line.
Já a assinatura eletrônica pode ser usada para protocolar o recebimento de mercadorias. Em vez do seu entregador pedir que o cliente assine um papel, ao receber o produto, ele pode simplesmente assinar na tela de um celular ou tirar uma selfie. Muito mais simples e rápido, não é? E ainda facilita o controle da sua empresa, porque tudo passar a ser digital.
Por fim, vamos recapitular: você e o seu time devem: (1) olhar para fora, para o cliente. (2) Trazer as necessidades dele para dentro – lembre-se de que ele é o protagonista. (3) Resolver as questões e sempre trabalhar em melhorias… E, claro, medir a eficácia das ações. Uma das ferramentas que pode te ajudar nesta empreitada é pesquisa NPS (Net Promoter Score). Você, inclusive, já deve ter sido questionado por alguma empresa: “De 0 a 10, qual a probabilidade de indicar nossa empresa ou produto?
A metodologia do NPS dá a direção para resolver problemas e proporcionar uma melhor experiência. Ela vai te indicar quem são seus clientes promotores, neutros e detratores. E aí cabe a você e ao seu time ouvir todos os respondentes, realizar as tratativas e fazer o seu negócio decolar.

*Gerente de Comunicação e Experiência do Cliente da CertiSign

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Cummins_LinhaProducao21_bxA história da Cummins Engine Company no Brasil tem início da década de 1950, quando a empresa decidiu atuar na América do Sul, por meio de distribuição de seus produtos fabricados nos Estados Unidos. Em 1954, a Cummins abre a sua primeira oficina própria em São Paulo (SP).

Somente em 1971, a Cummins constituiu filial na cidade de São Paulo, adquiriu as fábricas de motores Otto Deutz, em Guarulhos (SP) por US$ 2,9 milhões e, no ano seguinte, a de chassis Magirus, em Simões Filho (BA), quando foi constituída a Cummins Nordeste SA. Em 1974, iniciou a produção de motores em Guarulhos (SP), inicialmente destinados a uso estacionário e de equipamentos de construção; no ano seguinte, a Cummins ingressou no mercado de motores veiculares ao lançar o N-855, de 14 litros, seis cilindros e 240 cavalos de potência. Ainda em 75, a empresa se associou à Caemi – Cia. Auxiliar de Empresas de Mineração, um dos maiores grupos brasileiros do setor de extração de minérios, e passou a deter 51% das ações da nova sociedade, a Caemi Cummins Motores S.A.

Em 1976, a Cummins já era fornecedora oficial (ou a principal) de diversos fabricantes nacionais de máquinas de construção (Clark, Komatsu, Tema Terra, Terex, Villares e Wabco; a estes se juntou a Müller, em 1978). Sua gama de motores industriais e veiculares (todos do ciclo Diesel com seis cilindros em linha) era apresentada em três versões: N, aspirado, com 240 cv; NT, turbo, com potências entre 250 cv e 340 cv; e NTA, turbo com aftercooler (pela primeira vez no Brasil), entre 350 cv e 406 cv.

Em 1980, a produção já ultrapassava 3 mil unidades, sendo 50% destinadas à exportação. Em junho de 1981 foi encerrada a participação da Caemi na Cummins. No mês seguinte, a empresa (agora denominada Cummins Brasil S.A.) iniciou um programa de exportação que propiciou seu primeiro salto de crescimento, elevando as vendas externas a 80% da produção total em 1984.

Em termos absolutos, porém, em função de sua estratégia inicial de concentrar-se na fabricação de unidades de elevada potência, era ainda muito reduzida a parcela do mercado ocupado pela empresa.

Com a introdução de nova família de motores médios e semipesados (Série C, de seis cilindros, 8,3 litros e potência entre 150 cv e 250 cv, dependendo da versão aspirada, turbo e turbo com aftercooler), em 1986, a empresa elevou radicalmente a sua participação no mercado brasileiro. E para acelerar o lançamento, a Cummins adquiriu da Fiat Diesel, que encerrava a sua fábrica de caminhões, a linha de produção de motores herdade da FNM. Também em 1986, iniciou a produção da Cummins Turbo Technologies.

Os primeiros veículos de série a utilizar os novos motores, lançados simultaneamente no Brasil e nos EUA e com 40% menos peças do que os equivalentes do mercado, foram os ônibus Mafersa.

Em ritmo acelerado expansão, a Cummins Brasil introduziu em 1989 a Série B para caminhões na faixa de 14 t – linha de motores médios com quatro ou seis cilindros (3,9 litros ou 5,9 litros) e potências entre 130 cv e 180 cv. Com estas duas famílias, a elevada dependência do mercado externo começou a reverter. Ainda naquele ano, a Cummins Brasil inaugurou o Centro de Desenvolvimento Tecnológico, responsável por introduzir vários produtos para o mercado latino-americano e outras regiões mundo afora.

Essa tendência de acelerada expansão se consolidou no início da década seguinte, a partir do momento em que a Cummins passou a equipar a linha de caminhões Ford Cargo nacionais (1992), ano em que a empresa lançou a linha de motores movidos a gás natural, e iniciou a participação, como fornecedora de motores, no consórcio modular da Volkswagen Caminhões, em Resende (RJ).

A partir daí sua produção (com índice de nacionalização médio de 85%) avançou ainda mais, atendendo 10% do mercado brasileiro de caminhões em 1995, 12% no ano seguinte e 17% em 1997; em 2004 este indicador estaria em 35%.

Com apenas 25% de nacionalização, no ano 2000, a Cummins iniciou a produção nacional da série ISM, com 11 litros e gerenciamento eletrônico (Interact System M). Também em 2000, iniciou-se a produção da Cummins Filtration e inauguração de uma nova fábrica em Guarulhos (SP). Dois anos depois, a Cummins Brasil deu inicio à produção de geradores de energia, também em sua unidade fabril de Guarulhos.

Além de atender a normas mais rigorosas de controle de poluição, o motor “interativo” (que foi de imediato aplicado aos caminhões International para exportação) continha ferramentas de coleta de dados em tempo real, com 120 itens programáveis, permitindo autodiagnóstico, avaliação de desempenho do equipamento e até corte da potência do motor em casos de falhas graves.

Na sequência ao ISM, que gerava até 405 cv de potência, foi lançado o ISB, com 8,3 l e 330 cv. Na Fenatran de 2003, a eletrônica chegou aos motores médios e semipesados, que passariam a equipar os caminhões Ford e VW a partir do ano seguinte – a família Interact 4 e 6, com os mesmos 3,9 litros e 5,9 litros, porém com nova arquitetura, quatro válvulas por cilindro e o moderno sistema de injeção common rail.

Para 2004 a Cummins desenvolveu a série Euromec III, derivado da série B, um motor “mecânico” (isto é, sem gerenciamento eletrônico) mais barato, para aplicações leves (3,9 l e 120 cv), porém ainda atendendo às exigências das autoridades ambientais brasileiras. Em 2005, também na Fenatran, foram lançados o ISC, versão eletrônica da bem-sucedida série C, com potência elevada para 320 cv, e o Euromec C, o correspondente ao EuroMec II na família C.

Em 2004, ano de seu 30º aniversário como fabricante, a Cummins chegou à marca de 430 mil motores produzidos.

Na edição seguinte da Fenatran, em 2007, a empresa apresentou a série ISL, com 8,9 litros e 400 cv, importada da Inglaterra, com previsão de lançamento futuro no Brasil. Apta a atender as normas Conama previstas para 2009, dispunha do novo sistema de controle de emissões SCR (Selective Catalytic Reduction) a base de solução de água e ureia com catalisador; tinha módulo de controle eletrônico com velocidade de processamento duas vezes maior e opção de freio-motor integrado ao cabeçote, atuando diretamente sobre as válvulas de escape.

A década de 2010 ficou marcada para a Cummins Brasil com a decisão estratégica de diversificar suas atividades industriais e comerciais por meio de Unidades de Negócios, compostas em Motores, Turbocompressores, Geradores de Energia, Filtros (unidade fabril inaugurada em 2011) e Distribuição, sem se descuidar dos novos marcos regulatórios de emissões veiculares, oriundos da Europa, o Euro V, e, na sequência, o Euro VI.

Foi nesse cenário que a Cummins bateu recorde de produção e de vendas de motores, em 2011, ano que precedeu a entrada em vigor do Euro V, em janeiro de 2012. Com as vigorosas vendas em 2011, a Cummins Brasil chegava à marca de 1 milhão de motores em 2012.

Nessa fase, a Cummins inicialmente importava os motores ISF 2.8 litros e 3.8 litros, que – em 2016 – foram nacionalizados.

A partir da metade da década de 2010, a Cummins Brasil – mesmo com o fortalecimento das Unidades de Negócio, mas com céleres movimentações mundiais por sustentabilidade – passou a investir, não só mais em produtos, mas em soluções energéticas para a mobilidade, em especial em eletrificação veicular e células de combustível, lembrando que a companhia – no País – já está pronta para atender ao Euro VI, legislação que deve entrar em vigor no Brasil em 2023.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Haggenmueller_VetterEm 2021, a MULTIVAC celebra 60 anos de história e desde o primeiro mês do ano,  faz sorteios e ofertas exclusivas para os seus clientes. Em Janeiro, a empresa sorteou um dia de workshop em seu Corporate Training & Innovation Center (Centro Corporativo de Inovação & Treinamento), localizado na matriz da empresa, em Wolfertschwenden. Os 4 vencedores irão desfrutar de um dia de muito aprendizado, como também de uma consultoria exclusiva e adaptada as suas necesidades individuais.

“Nossa oferta foi muito bem recebida entre os nossos clientes de todo o mundo, os quais pertencem aos mais diferentes setores de negócio. Um dos ganhadores trabalha na Indústria Frigorífica na Turquia, outro na Suiça.”, revela Stefan Scheibel, vice-presidente do Corporate Training & Innovation Center d MULTIVAC. “O terceiro ganhador foi um cliente da Costa Rica que trabalha na Indústria Láctea e o quarto, um cliente da Alemanha, da Indústria de Medicamentos”.

Os workshops ocorrerão nas próximas semanas, tanto de forma presencial, quanto virtual, no Centro de Inovação da Multivac. “Nestes workshops falaremos detalhadamente sobretodas as tendências atuais de embalagens e esboçaremos novas ideias em torno de temas de embalamento e sustentabilidade. Com base nas necessidades específicas de cada cliente, desenvolveremos com eles projetos para obter uma solução de embalagem sob medida e adequada para o futuro”.

O Centro de Inovações oferece as condições ideais para isso, pois ele dispõe de um time de especialistas e de uma infraestrutura únicapara desenvolver soluções inovadoras de embalagens,otimizar conceitosexistentes, assim como realizar análises, oferecer consultorias personalizadas e realização de amostras.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

diadainternetDia 09 de fevereiro é comemorado o Dia da Internet Segura. A data foi criada com o intuito de unir pessoas e empresas para promover atividades que conscientizem sobre os riscos e ajudar no uso seguro das tecnologias da informação. Um dos problemas mais recorrentes relacionados com a segurança na internet é o vazamento de dados. De acordo com a dfndr lab, laboratório de cibersegurança da PSafe, indica que mais de 5 bilhões de credenciais foram vazadas na internet somente no ano de 2020.

2021 mal começou e também já conta com um vazamento histórico em massa de mais de 220 milhões de pessoas. Informações como nome, data de nascimento, CPF, chassi, placa, CNPJ e razão social, entre outros, foram vazados nas redes, podendo ser usados em crimes, fraudes ou vendidos na Dark Web ou Deep Web como forma de lucro.

Pensando nisso, Jeferson D’Addario, CEO do Grupo Daryus, referência em consultoria empresarial e educação nas áreas de tecnologia e gestão, elencou dicas para as pessoas se protegerem e saber como evitar fraudes na internet:

Não abra e-mails suspeitos

Você já deve ter ouvido falar sobre phishing na internet, que são as tentativas de fraudes para obter informações confidenciais como nomes do usuário e senhas por meio de comunicação eletrônica. Um dos lugares mais comuns de um ataque de phishing é o e-mail, portanto, não esqueça de verificar a veracidade do remetente, o assunto, o conteúdo do e-mail, erros de gramática na mensagem e por fim, certifique-se que de que a comunicação que você recebeu é oficial. Além do e-mail, WhatsApp e SMS também são alvos corriqueiros.

Crie senhas fortes

É sempre bom evitar o uso de palavras simples, como o seu nome e sobrenome ou datas de aniversário, porque são combinações fáceis de serem achadas e, portanto, hackeadas. O ideal é adicionar elementos que dificultem a descoberta, como símbolos, letras maiúsculas ou minúsculas e número aleatórios que não tenham ligação com você.

Use um gerenciador de senhas

Um programa de gerenciamento é ótimo para auxiliar quem tem dificuldade em lembrar o que cadastrou na sua última senha. Eles são aplicativos que oferecem praticidade, agilidade, e acima de tudo, segurança.

Troque as senhas com frequência

Evite usar a mesma senha em sites diferentes, isso pode colocar os seus dados em risco. Se por acaso uma palavra-chave for hackeada, a tendência é que os cibercriminosos vão buscar outras contas do usuário usando a mesma palavra-chave para a senha. Por isso, o ideal, é trocar com frequência, pelo menos a cada 45 dias ou a cada 3 meses.

Cuidado ao usar computadores compartilhados

Ao usar um computador que não é o seu, tenha cuidado e nunca salve suas senhas nos navegadores ou programas que acessar. E principalmente, evite realizar qualquer ação que peça seus dados bancários ou documentos.

Evite Wi-Fi público

Sabe quando vamos a um estabelecimento como restaurante ou shoppings e acessamos o Wi-Fi gratuito? São conexões muitas vezes não seguras, principalmente se você for colocar qualquer dado confidencial ou realizar pagamentos. Se possível, dê sempre preferência para a internet do seu aparelho celular, o 4G. Outra opção é utilizar aplicativos que protejam seu celular criando uma VPN (virtual private network), como por exemplo, o Norton Secure VPN.

Desative contas em sites que você não acessa mais

Não existe um site que seja completamente seguro, por isso, o ideal é sempre manter os seus dados em lugares limitados aos que você usa normalmente. E os que você não acessa mais, é importante desativar. Uma boa dica é utilizar um aplicativo de cofre de senhas, pois, eles ajudam a gerenciar, guardar e podem gerar palavras chaves seguras. O Lastpass e o 1password são soluções que fazem bem essa função. Um detalhe: a única senha que você não pode perder ou esquecer é a principal que dá acesso a esses cofres, é muito trabalhoso recuperá-las.

Evite fazer o download de softwares piratas

Softwares desconhecidos muitas vezes são alvos de vírus e golpes de cibercriminosos, podendo roubar dados e senhas do computador. Inclusive, isso vale para extensão de navegador. O ideal é sempre buscar analisar as avaliações de usuários antes de baixar qualquer coisa. De preferência compre as versões oficiais, são mais caras, porém, tem suporte e a segurança do fabricante.

Use um bloqueador de Pop-Ups

Os pop-ups podem espalhar malwaresransomware e aplicar golpes de phishing, então, a maneira de evitar que aconteça é ativar a função do navegador que bloqueia automaticamente. Entenda a necessidade de cada pop-up e libere-os sob demanda e quando precisar.

Cuidado ao clicar em links de redes sociais

Não é novidade para ninguém que redes sociais como WhatsApp e Facebook são alvos comuns de golpes, então, sempre fique atento com link de vídeos, promoções ou lojas que você vê ou recebe, mesmo que o remetente seja alguém conhecido. Neste caso, mande uma mensagem para o autor e confirme se realmente foi ele (a) quem escreveu e a autenticidade da mensagem.

Ative a segurança do seu WhatsApp

Aplicativos como WhatsApp são muito usados e algumas dicas podem protegê-lo de golpes bem comuns neste tipo de aplicativo. Primeiro ative as senhas e/ou biometria para abri-los. Nas configurações ative seu nível desejado de privacidade. Ative as notificações de segurança e a verificação em duas etapas (two-step verification).

Compras na internet com cartão virtual

Tenha um cartão para suas compras na internet ou emita um cartão virtual no seu banco, dessa forma é mais seguro e fácil de controlar seus gastos e evitar fraudes. Outra dica é utilizar hubs de pagamentos como o PayPal, que tem níveis de segurança adicionais e você não compra diretamente do vendedor e sim por meio do PayPal.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

prolataA Prolata reciclou 8.059,6 toneladas de aço em 2019 por meio de 51 cooperativas e 37 Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) espalhados pelo país.

Para o meio ambiente, os resultados também são relevantes: no acumulado do ano, a extração de minério de ferro foi reduzida em 9.188 toneladas e a de carvão mineral em 1.241.240 toneladas. Além disso, a emissão de gases do efeito estufa diminuiu em 29.822 m³. Esses números representam 164.247 mil árvores que deixaram de ser cortadas e uma economia de 70% de água na fabricação de novo aço. Desde sua criação, em 2012, a Prolata soma quase 33 mil toneladas de aço reciclado.

Outra ação feita pela Prolata em 2019 foi a implantação dos primeiros PEVs na Baixada Santista. Os PEVs fazem parte da estratégia da cadeia de produção e comercialização de tintas para cumprir todas as etapas da chamada logística reversa, garantindo que as embalagens de tinta vazias possam ser coletadas e recicladas da forma correta, sem serem descartadas no meio ambiente, e gerando valor para toda a cadeia de reciclagem, especialmente para os catadores.

A instalação dos nove postos da Prolata na Baixada Santista faz parte do plano de ação definido no Termo de Cooperação Ambiental celebrado, em novembro de 2018, entre o Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente (GAEMA), do Ministério Público de São Paulo; a Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço), criadora e coordenadora da Prolata; a Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (ABRAFATI); e a Associação dos Revendedores de Tintas do Estado de São Paulo (Artesp).

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

cbaA Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) acaba de conquistar as certificações internacionais ASI (Aluminium Stewardship Initiative) nos Padrões de Performance e de Cadeia de Custódia (CoC), relativas às suas diversas instalações no Brasil. As Certificações ASI abrangem as três unidades de bauxita da Companhia, no estado de Minas Gerais, uma refinaria de alumina, salas fornos, produção de anodos, tratamento de resíduos gerados na reforma de fornos, fundição e produtos transformados, bem como o escritório da CBA localizado em São Paulo.

“A conquista dessa certificação chancela o nosso compromisso com a sustentabilidade e nos remete a uma posição mais competitiva no mercado mundial do alumínio, gerando ainda mais valor a nossos clientes, empregados, fornecedores e comunidades onde estamos presentes “, diz Ricardo Carvalho, CEO da CBA. Para ele, o diferencial da empresa está no número de unidades e tipos de produtos certificados no âmbito dos Padrões de Performance e de Cadeia de Custódia, simultaneamente.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

silsenaiEspecializada na fabricação de fios e cabos elétricos de baixa tensão, a SIL sempre teve como uma de suas premissas, ao lado da seriedade na relação com seus clientes e fornecedores, promover treinamentos para educação e aperfeiçoamento técnico de estudantes e profissionais do setor elétrico e, desta forma, aumentar a oferta de mão de obra qualificada para o segmento de energia e instalações elétricas.
Uma ação nesse sentido é o bem-sucedido convênio estabelecido com o Senai/SP – Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, que, desde 2009, promove treinamentos na Escola Senai “Orlando Laviero Ferraiuolo”, localizada no bairro Tatuapé, na Capital paulista, e especializada no atendimento à cadeia produtiva da construção civil.
A parceria coloca em prática, em estreita colaboração, programas de treinamento e palestras que visam a preparação e o aperfeiçoamento de mão de obra dos cursos realizados na unidade para as áreas de eletricista instalador e de comandos elétricos. Em 2017, os treinamentos tiveram a participação de 497 alunos.
A importância da parceria empresa-escola
Durante os cursos, são ministradas palestras técnicas, sempre por um profissional da equipe de engenharia de produtos da SIL, tem como tema principal “Condutores Elétricos de Baixa Tensão” e aborda assuntos como: matérias-primas dos condutores de baixa tensão; normatização; aplicações de produtos – traz as recomendações de uso e as diferenças entre fios sólidos, cabos rígidos e flexíveis; isolação e cobertura; e norma NBR 5410 – específica sobre as instalações elétricas de baixa tensão. Todos os condutores elétricos utilizados nas aulas práticas são fornecidos pela SIL Fios e Cabos Elétricos.
O engenheiro eletricista e gerente de engenharia de produto da SIL, Nelson Volyk, explica que o conteúdo foi totalmente elaborado pela empresa: “No início apresentávamos, apenas, temas básicos, mas percebemos que poderíamos aumentar o escopo, alinhando ao material do Senai. Assim, reforçamos o que os professores já apresentavam ou que, em algum momento, abordarão em aula. Para os alunos é saudável e estimulante ouvir da indústria o que aprendem na escola”.
Além de agregar conhecimento prático aos aspectos técnicos e normatizados relacionados aos materiais, os profissionais da SIL que ministram tais palestras e podem esclarecer aos alunos aquelas questões bem específicas que apenas um profissional técnico do fabricante saberia responder.
“Na área da formação profissional é importante e necessário ter empresas de confiança e com preocupação com a qualidade de seus produtos”, afirma o Instrutor de Formação Profissional do SENAI, Walter Wanderley Teixeira: “A SIL é uma dessas empresas, pois acompanha de perto o avanço do mercado e se preocupa não só com a qualidade do produto, mas também com a segurança na sua utilização, garantindo assim o sucesso final da instalação”.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

diadoeconomistaOs economistas são aqueles que buscam compreender os processos coletivos, individuais e institucionais ligados aos fenômenos econômicos e socioeconômicos. Ou seja, o profissional desta área, em suma, pesquisa e organiza a produção, distribuição e consumo dos bens materiais e serviços.

No dia 13 de agosto comemorou-se o Dia do Economista, eles que ajudam as pessoas a entenderem os acontecimentos econômicos, por meio de ferramentas oferecidas de acordo com cada escola de pensamento. Para Klaus Schwab, presidente do Fórum Econômico Mundial, e Nicholas Davis, líder de Sociedade e Inovação do Fórum, o novo e principal fenômeno a ser estudado é a atual revolução industrial, inclusive, lançaram dois livros, no Brasil pela Edipro, sobre a temática: A Quarta Revolução Industrial e Aplicado a Quarta Revolução Industrial.

As mais recentes tecnologias estão reformulando a economia global, desde a forma como produzimos e transportamos os bens e serviços até o modo como nos comunicamos. Aplicando a Quarta Revolução Industrial aponta caminhos para que líderes e gestores possam gerenciar os riscos e complexidades dessas mudanças.

Alguns pontos são discutidos mundialmente na imprensa, e muitos deles são expostos nos dois livros do presidente do Fórum Econômico Mundial. Alguns dos mais importantes são: Novas tecnologias podem provocar saída de multinacionais do Brasil, Avanço de robôs desafiam trabalhadores do futuro e A Quarta Revolução Industrial

 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

A usina de Maracanaú (CE), mais conhecida como Gerdau Cearense, comemora neste mês 35 anos de atividade. A unidade é responsável pela produção de aços longos e perfis industriais para os mercados de construção civil, indústria, energia eólica e para exportação.

usinaA unidade foi a primeira usina produtora de aço do Ceará e é a maior recicladora de sucata ferrosa do Estado, sua principal matéria-prima.

 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

okNa noite de 18 de janeiro, dealers e jornalistas da América Latina participantes da 17ª edição do EFI Connect se reuniram no restaurante LAVO, em Las Vegas, para um jantar exclusivo. Durante o evento, os parceiros que mais se destacaram em vendas na região foram homenageados com o Prêmio Award for Sales Excelence.

O diretor de vendas para América Latina da EFI, Ernande Ramos, fez uma breve apresentação, brindou as conquistas da EFI em 2016 e o sucesso de mais uma edição do Connect e falou sobre as expectativas da empresa para 2017. “O último ano foi de muitos desafios para toda a indústria, mas estamos otimistas com a melhora da economia latino-americana. Acompanhamos de perto o trabalho de nossos dealers e notamos o compromisso em buscar o crescimento no cenário atual”, disse o executivo.

O Senior Regional Manager da EFI, Javier Rodriguez, foi responsável pela entrega do prêmio de Dealer of the Year na América Central ao representante da empresa INKTRADE S.A., Thomas Lange. Já a placa de Dealer of the Year na América do Sul foi entregue pelo Gerente de Vendas para a linha de Inkjet da América do Sul, Carlos Henrique Leão, ao dealer da Nova Print S.A., Pablo Graña.

“Este prêmio reforça o compromisso da EFI com o sucesso de trabalho de nossos parceiros”. O jantar para dealers da América Latina foi uma pausa na intensa programação do EFI Connect 2017, que aconteceu entre os dias 17 e 20 de janeiro, no hotel Wynn, em Las Vegas, reunindo mais de mil participantes, incluindo nove jornalistas latino-americanos que também participaram do jantar.

TAGS: ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas IBGE importação PIB CNI máquina Revista P&S Evento Feira Internacional da Mecânica Pesquisa inovação Artigo Investimento FIESP meio ambiente sustentabilidade Lançamento máquinas e equipamentos mercado Economia Feimafe tecnologia Feira Site P&S Radar Industrial indústria