Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

sew2Investimentos feitos nos últimos anos pelos maiores produtores de açúcar e etanol no Brasil vêm revelando uma tendência importante: o uso do bagaço de cana de açúcar para produção do etanol de segunda geração. Como fornecedora de tecnologias de acionamento fundamentais para todas as usinas do setor, a SEW-EURODRIVE BRASIL apresenta nesta FENASUCRO & AGROCANA 2022 diversas soluções testadas pelos principais players da indústria de bioenergia brasileira.

Os maiores players que atuam no negócio de etanol de segunda geração contam com diversos redutores industriais e motoredutores da SEW-EURODRIVE BRASIL. Até o momento, a SEW já forneceu cerca de 80 equipamentos para projetos de etanol de segunda geração.

Os próximos cinco anos têm, pelo menos, cinco novos projetos de etanol de segunda geração no radar. Para cada um deles, estima-se que em média dez novos equipamentos de acionamento — entre redutores industriais de grande porte, motoredutores e motores elétricos — deverão ser fornecidos. E a SEW-EURODRIVE BRASIL está atenta e preparada para atender o mercado neste momento de crescimento.

Uma característica especialmente interessante da SEW-EURODRIVE BRASIL para este mercado é a possibilidade de modularizar os sistemas de acionamentos. Nenhuma usina será igual à outra. Por isso, o fornecedor que atende demandas específicas sai na frente.

A nossa tecnologia movimenta o mundo –  A Série XP de redutores planetários da SEW-EURODRIVE BRASIL é um excelente exemplo de como o setor sucro-energético pode se beneficiar de componentes modulares. Com suas diversas configurações, é possível atender as demandas específicas de cada projeto de usina, o que permite o avanço do etanol de segunda geraçãono país.

Os redutores planetários modulares da série XP têm torques que vão de 500 a 9.000 kNm, e estão disponíveis nas configurações coaxial, ortogonal, coaxial + helicoidal e duplex. Com isso, mais a oferta de motoredutores e motores de ampla faixa de potência, a SEW-EURODRIVE BRASIL é capaz de responder praticamente qualquer demanda do setor de usinas de cana.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

07A Mitsubishi Electric do Brasil já entregou mais de 20 mil certificados em 23 cursos de sua plataforma de treinamentos gratuitos à distância, desde fevereiro de 2021. A organização já vinha investindo, desde 2017, na oferta de cursos presenciais, formando cerca de mil alunos por ano. Com a chegada da pandemia, o modelo foi adaptado para EAD, atraindo milhares de pessoas em busca de conhecimento sobre automação industrial.
Inicialmente, os cursos eram ministrados nas escolas técnicas e universidade e, posteriormente, passaram a ser feitos nas instalações da Mitsubishi Electric, em Barueri (SP).

Hélio Sugimura, gerente de marketing da Mitsubishi Electric Brasil, comenta que muitas pessoas, contudo, tinham interesse pelas formações e não conseguiam comparecer presencialmente. A possibilidade de realizar os cursos de forma on-line ampliou o acesso a engenheiros, técnicos e para o público geral.

“Ampliamos nossa cobertura geográfica, oferecemos flexibilidade de horário e recebemos diversos depoimentos de alunos de outros estados e até de outros países de língua portuguesa, como Portugal e Angola”, conta Sugimura.

Thiago Turcato, gerente de suporte técnico e de treinamentos, explica que os cursos surgiram da necessidade de transformar a teoria em prática e que, no estudo para o formato on-line, foram priorizadas as simulações. “A proposta é pegar uma máquina, embarcar uma simulação em um software e, a partir disso, desenvolver exercícios. Com isso, o aluno tem um software demo que simula o real e, em termos de aprendizado, tem uma experiência muito mais rica”, destaca Turcato.

O engenheiro mecânico Otávio Basílio, de Belo Horizonte, Minas Gerais, é um dos alunos que têm aproveitado a plataforma de cursos para se atualizar e aplicar o conhecimento. “Como consultor, a minha atuação é multidisciplinar. Com a experiência, você adquire conhecimento, mas sempre fica faltando informação. O primeiro curso que fiz foi o Inversor de Frequência e agora já fiz todos os cursos, tanto do módulo Iniciante quanto do Básico e do Intermediário. Também participo dos webinars e do Digital Talks”, comenta.

De olho no mercado de trabalho

Os cursos da plataforma EAD da Mitsubishi Electric Brasil também servem como atividades extracurriculares em muitas universidades e colégios técnicos. “Ainda existe uma grande dificuldade de inserção no mercado por falta de experiência. O que nós provemos para essas pessoas é uma certa experiência, é algo adicional, que vai contribuir para que elas tenham mais oportunidades no mercado de trabalho, com sucesso”, acrescenta Turcato.

Os cursos também são muito procurados por profissionais que buscam uma recolocação no mercado de trabalho. “Os cursos sempre foram abertos a todos os interessados, não importa se é um jovem aprendiz ou um profissional em busca de atualização. E o mercado também gosta muito, porque sabem que poderão contar com profissionais com conhecimento nos equipamentos”, aponta Sugimura.

Atualmente, a plataforma EAD disponibiliza 23 cursos gratuitos, entre os níveis Iniciante, Básico e Intermediário, com entrega de certificado após avaliação. A cada dois meses um novo curso é inserido na plataforma, e os temas são definidos a partir da demanda do mercado pelos produtos e lançamentos.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

FernandoPor Fernando Caprioli*

Já sabemos que a pandemia impôs uma nova realidade às nossas vidas em diferentes âmbitos – pessoal, profissional, social e mais. O necessário distanciamento social criou uma demanda por novos modelos de comunicação e trabalho – especialmente para a indústria, tradicionalmente muito calcada no formato presencial. Capacitação e retenção de talentos, manutenção da produtividade e oferta de novas tecnologias que viabilizem um modelo remoto de trabalho são apenas alguns dos tantos desafios enfrentados por empresas do mundo todo neste cenário.

Os modelos remotos – ou híbridos – vieram para ficar. Para citar alguns dados, o número de ofertas de trabalho no modelo home office cresceu mais de 300% durante a pandemia, de acordo com um estudo realizado pelo Vagas.com, site especializado em recrutamento. As vagas remotas correspondem hoje a cerca de 41% das oportunidades abertas na plataforma.

Hoje, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), cerca de 11% de todos os trabalhadores do país (8 milhões de pessoas) trabalham de forma exclusivamente remota, índice expressivo em um país em que a maior parte das oportunidades compõem a chamada economia de base e são presenciais – trabalho doméstico, varejo, obras e a própria indústria são alguns exemplos.

Nesses quase dois anos de pandemia, a indústria foi particularmente impactada, atravessada por desafios específicos que até recentemente sempre foram endereçados por dinâmicas presenciais, como por exemplo – os treinamentos e capacitações necessários aos operadores e manutentores dos maquinários. A importância destes processos para a continuidade da atividade industrial está mais relevante do que nunca e, como tudo no mercado, está tendo de se adaptar à nova realidade: como garantir a qualidade e segurança da operação industrial remotamente?

Neste contexto, muitas indústrias têm investido em formatos remotos de capacitação profissional. Diferentes ferramentas têm sido colocadas em prática como forma de viabilizar sessões online ou virtuais de capacitação. E isso tem ocorrido por meio de ferramentas digitais em que é possível a realização de treinamentos virtuais ao vivo, gravados ou ainda de maneira híbrida, onde uma parte do treinamento é feita de maneira remota e a outra parte de maneira presencial.

Os benefícios dessas novas ferramentas são evidentes, especialmente para a indústria de alimentos e bebidas, cujas fábricas muitas vezes se localizam em lugares distantes, o que demanda uma logística complexa, aumentando o tempo necessário de todos os envolvidos para a realização dos treinamentos, sejam eles os instrutores ou “alunos”. O treinamento virtual otimiza, de maneira eficaz, o tempo do operador e/ou manutentor da fábrica, que pode aprender sem ter que se deslocar e de acordo com a sua necessidade, visto que a customização é uma das vantagens dessa ferramenta.

Além disso, quando pensamos que as máquinas instaladas na indústria exigem um conhecimento aprofundado e especializado, temos nas ferramentas de capacitação remota uma forma de acelerar a curva de aprendizado dos profissionais, minimizando impactos na produtividade das plantas, especialmente nas fábricas que possuem altos índices de turnover – e que a partir das ferramentas remotas podem capacitar seus novos times com mais agilidade e eficiência.

Fato é que, cada vez mais, as empresas precisarão se adaptar – e seus colaboradores também – a um cenário em constante transformação, criando processos, serviços e tecnologias otimizadas, que alcancem remotamente um público amplo, permitindo reduzir custos e contribuindo para a autonomia e produtividade dos colaboradores, muitas vezes espalhados em diferentes praças.

Podemos ser mais produtivos e manter relações profissionais construtivas e saudáveis trabalhando remotamente. Para isso, precisamos estar dispostos a aprender com as novas tecnologias para aumentarmos nosso nível de conhecimento e diminuir distâncias.

 Diretor de Serviços da Tetra Pak Brasil*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Um homem corajoso, inovador e apaixonado pela vida. Este é Clovis Tramontina, que por 30 anos esteve à frente de um negócio que produz mais de 22 mil itens para facilitar a vida das pessoas. Considerado uma das figuras empresariais mais emblemáticas do país, Clovis demonstrou aptidão para ideias criativas ainda na infância.

O-vencedor-da-Dona-LauraDesde muito cedo, frequentou os corredores da empresa fundada pelo avô, Valentin, há 111 anos, na cidade de Carlos Barbosa, interior do Rio Grande do Sul. Com apenas oito anos, criou o time de futsal River, que mais tarde ganhou o nome de Associação Carlos Barbosa de Futsal (ACBF), se tornou reconhecido mundialmente e concedeu à cidade o título de Capital Nacional do Futsal.

Em 1980, aos 25 anos, levou o talento para os negócios à Tramontina. Trabalhou com vendas por mais de uma década e, aos 36, foi promovido como presidente do empreendimento. Na época, a marca, que era conhecida apenas no Rio Grande do Sul, tinha grande número de concorrentes.

Clovis, com uma capacidade criativa ímpar, fez do marketing o maior aliado para expandir os negócios. Com forte investimento em propagandas na grande mídia, a Tramontina passou a ser conhecida e admirada por milhões de brasileiros. Tornar a empresa da família uma das favoritas no país foi apenas um dos grandes desafios da vida do gaúcho.

Anos mais tarde, em 1986, recebeu o diagnóstico de esclerose múltipla, uma doença degenerativa autoimune que compromete o sistema nervoso. Os sintomas o motivaram ainda mais a expandir a multinacional. Hoje, a Tramontina é uma potência mundial presente em mais de 120 países.

Em 2021, o empresário lançou sua biografia Clovis Tramontina: Paixão Força e Coragem, que reúne memórias de sua trajetória pessoal e profissional. A obra, disponível em lojas virtuais como a Amazon e em livrarias de todo o país, retrata a visão de mundo de um homem apaixonado pela vida, que nunca se deixou abalar pelas dificuldades.

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Programa de Educação AmbientalTer consciência ambiental é compreender que a sobrevivência dos ecossistemas depende de ações do cotidiano dos indivíduos. Para contribuir com essa conscientização, o Grupo Aço Cearense realizará, nos dias 29 e 30 de julho, a 3ª edição do Programa de Educação Ambiental. A iniciativa é fruto de uma parceria da área de sustentabilidade e do Instituto Aço Cearense.

No dia 29, será realizado um evento interno para os colaboradores da Aço Cearense Industrial, localizada em Caucaia, Região Metropolitana de Fortaleza. A ação terá palestra sobre sustentabilidade, exposição de produtos tecnológicos sustentáveis e gincana com quiz.

“Essa exposição será composta pelo trabalho dos parceiros Eco Museu e Resíduos Tecnológicos Sustentáveis, que trabalham com produtos ou ideias sustentáveis. Esses itens são todos de natureza reciclável ou reutilizável e são de origem eletrônica, ou seja, foram feitos a partir de peças de informática ou de mecânica que não são mais utilizados pela empresa, então são doados para eles”, explica Carlos Yves, gerente da área de sustentabilidade.

Já no dia 30, alguns voluntários e os filhos dos colaboradores que foram inscritos para participar da ação, irão para o Parque do Cocó. Lá eles terão um momento educacional com palestras sobre a história do Parque do Cocó e a sua biodiversidade, trilhas, arvorismo e visita ao Museu do Cocó.

As ações do Programa de Educação Ambiental são realizadas mensalmente com os colaboradores e seus filhos e tem o objetivo de fortalecer o senso de responsabilidade ambiental por meio do ensinamento de boas práticas ambientais e ações sociais de sustentabilidade.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

gerdaoA Gerdau  publica (21/07) seu Relatório Anual 2021, com informações sobre suas iniciativas de sustentabilidade, estratégia de negócios e desempenho financeiro. Pelo terceiro ano, os dados são baseados nas normas da Global Reporting Initiative (GRI), reforçando o compromisso da companhia com a transparência com seus públicos de interesse. Neste ano, a empresa também aderiu ao padrão da Sustainability Accounting Standards Board (Sasb) Iron & Steel Producers e Metal & Mining e submeteu o relatório a uma auditoria externa, a Bureau Veritas, com o objetivo de evoluir em nossa prestação de contas com transparência e equilíbrio.

O documento reúne dezenas de indicadores, entre conteúdo geral e desempenhos específicos, para orientar o leitor na análise do desempenho econômico, social, ambiental e de governança em 2021 da empresa. O material traz também a matriz de materialidade da Gerdau faz correlação entre os indicadores e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

“Com nosso esforço coletivo de olhar para o que importa, nos tornamos mais ágeis e eficientes nas soluções que o mundo pede, o que nos permitiu estar em áreas que antes não atuávamos. A Gerdau Next é o exemplo mais consistente nesse sentido. Ao apostar em segmentos como energia renovável, grafeno, logística e construtechs, estamos moldando um futuro melhor na perspectiva social e de sustentabilidade aliado ao sucesso empresarial e desempenho financeiro”, afirma Gustavo Werneck, diretor-presidente (CEO) da Gerdau. “Em 2021, por exemplo, anunciamos nossos planos para a construção de dois parques solares, um no Texas, nos Estados Unidos, e outro no Brasil, em Minas Gerais, que abastecerão nossos processos industriais com energia limpa.”

“Cada vez mais a agenda ESG está sendo levada em consideração no planejamento e nas nossas tomadas de decisão. Um exemplo é que, em 2021, fizemos dois importantes anúncios de investimentos em projetos de matriz energética limpa: a construção de parques solares no Brasil e nos Estados Unidos. Também acredito que nossa indústria deve avançar em suas iniciativas de diversidade e inclusão. Nesse contexto, estabelecemos a meta de chegarmos a 30% de mulheres em posições de liderança em 2025. Começamos com 17%, em 2017, e agora estamos com 23%”, afirma Gustavo Werneck, diretor-presidente (CEO) da Gerdau.

“Acredito que 2021 ficará marcado na história da Gerdau não só pelo aniversário de 120 anos, o que já é um marco extraordinário para uma organização empresarial, mas por mostrar que os alicerces dos próximos 120 anos da companhia estão fortes, sólidos e também flexíveis, assim como o aço”, completa Werneck.

O conteúdo completo do Relatório Anual 2021 da Gerdau pode ser acessado neste link. Abaixo, destacamos alguns dados ESG:

.R$ 638 milhões investidos na melhoria de práticas de ecoeficiência, em tecnologias para a proteção do ar, da água e do solo;

.Redução nas emissões de gases de efeito estufa de 0,93 tCO2e/t para 0,90 tCO2e/t de aço produzido, o que representa aproximadamente a metade da média global da indústria do aço; compromisso de reduzir as emissões para 0,83 tCO2e/ até 2031.

.Retomada das atividades em viveiro próprio a fim de potencializar a produtividade florestal;

.11 milhões de toneladas de sucata ferrosa reciclada pela Gerdau no mundo – 71% do aço produzido nas usinas da Gerdau é a partir de sucata (cada tonelada de aço produzida com sucata ferrosa equivale a deixar de emitir 1,5 tonelada de gases de efeito estufa);

.R$ 128 milhões investidos em programas sociais, para projetos de educação empreendedora, habitação e reciclagem, com mais de 4,2 milhões de pessoas beneficiadas, incluindo ações voltadas à pandemia da covid-19;

.Lançamento do G.Future, maior programa de trainees de todos os tempos, com 221 vagas em diversas áreas — sendo 46% preenchidas por mulheres e 33% por negros e negras — e recorde de 42 mil pessoas inscritas;

.Superação das metas de mulheres na operação (de 5% para 8% do contingente) e de mulheres em cargos de liderança (de 23% para 23,6%). A porcentagem de negros e negras em cargos de liderança ao fim de 2021 foi de 26%;

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

abiPensar em indústria 4.0 e sustentabilidade é pensar não somente no presente, como também no futuro, principalmente diante de uma era voltada para automação industrial e integração de tecnologias como jamais visto. É impossível não falar sobre gestão de energia na indústria, uma vez que a automação pneumática é uma fonte tão presente em todas as funcionalidades do parque fabril e representa, em média, cerca de 20% do consumo elétrico na indústria de forma geral.

Apesar do fato dos sistemas pneumáticos serem responsáveis por uma grande fatia do consumo de energia elétrica das empresas, e que medidas de eficiência energética para sistemas de ar comprimido normalmente oferecerem grandes oportunidades para economia de energia e de seus custos, pouca atenção tem sido dada ao uso deste recurso. Há um grande potencial inexplorado para as indústrias.

A ABII – Associação Brasileira de Internet Industrial conversou com dois profissionais da empresa associada SMC: Marcos Silva, especialista de produto, e Waldemar Nicolau Junior, especialista do segmento de Energy Saving, para esclarecer algumas dúvidas sobre mensuração do consumo de ar comprimido e também sobre as soluções voltadas para o monitoramento e redução do consumo de energia propostas pela SMC.

A SMC nasceu no Japão pós-guerra em 1959, com a intenção de trabalhar de acordo com a sustentabilidade, além de propor a redução de custos e quantidade de material utilizado para fabricação dos produtos. Já na era da digitalização, o programa Energy Saving da SMC surgiu com a intenção de auxiliar os clientes a entender o seu consumo de energia na planta, tratar os dados coletados de forma adequada, e propor soluções para reduzir o consumo ineficiente.

Em síntese, isso acontece, por exemplo, ao mensurar o quanto o usuário gasta em quilowatts (kW) para gerar 1m³ de ar comprimido — unidades de medida referentes aos custos de geração e operações nas unidades de produção de qualquer segmento da indústria.

De acordo com Waldemar Nicolau Junior, a SMC dispõe de sensores de vazão, pressão e temperatura, que possibilitam monitorar o consumo de ar comprimido e as variáveis de processos em qualquer etapa. O objetivo é identificar aumentos na curva de consumo dos equipamentos, gerenciar seu número de ciclos, reduzir paradas de produção indesejadas e tomar rapidamente medidas para melhorar a eficiência e elevar os níveis dos processos, como por exemplo, nas manutenções preditivas, preventivas e corretivas.

Por meio de seu Programa de Gestão Sustentável das emissões de CO2, a SMC tem como compromisso utilizar como base a metodologia de “Processo de Projeto de Topologia Otimizada”, desenvolvendo assim produtos menores, mais compactos e com menor consumo de energia. Independentemente da aplicação e do tempo de existência das fábricas, os resultados dos clientes acabam sendo as reduções de consumo de energia e de emissões de CO2.

Case de sucesso com o gerenciamento do consumo de ar comprimido

Para exemplificar de forma prática, usaremos como exemplo um case de sucesso da SMC com um cliente da indústria automotiva no ano de 2021. No processo de manufatura automotiva existem diversas etapas que utilizam a tecnologia de vácuo para realizar a manipulação e movimentação das peças conforme necessidades.

Os geradores de vácuo utilizados nesta aplicação trabalham com o princípio de funcionamento do tipo Venturi Multiestágio, em que o ar comprimido é utilizado como fonte de energia para gerar vácuo. O desgaste dos componentes internos ao longo do tempo tem como consequência o aumento do consumo de ar comprimido, resultando em custos maiores no processo de fabricação.

A SMC atuou em conjunto com o cliente na substituição dos geradores de vácuo ineficientes e na análise da redução de custos que este trabalho resultaria. O trabalho constituiu-se da mensuração do volume de ar comprimido necessário para realizar a operação antes e depois desta substituição e, para isto, foram utilizados os sensores de monitoramento de vazão e pressão de ar comprimido.

Como resultado, houve uma redução de consumo elétrico anual de 372.812 KW/h, equivalente à diminuição de cerca de 28 toneladas de CO2e, e o retorno do investimento (ROI) ao final do projeto foi atingido em apenas seis meses.

A lição desse exemplo é que quando existe o monitoramento dos equipamentos e dos pontos de uso nas fábricas, é possível observar desvios no padrão de funcionamento, o que facilita a tomada de decisão para solucionar um problema que não estava tão evidente, evitando assim o aumento dos custos dos processos.

Relação entre a sustentabilidade e a indústria 4.0

Embora os CLPs, que marcaram a Terceira Revolução Industrial, desempenhem uma função crucial no processo, existem funções que são complexas de serem realizadas com este tipo de componente, como por exemplo a análise de uma quantidade massiva de dados, a definição de padrões desses dados obtidos e até mesmo a visualização gráfica de informações que possuam uma grande quantidade de informações.

A indústria 4.0 vem para aprimorar conceitos que já existiam na sua versão anterior, mas que não resolviam muitos problemas. Dentre suas características podemos destacar a integração entre as tecnologias de automação (OT), provenientes do chão de fábrica, com as tecnologias de informação (IT), como banco de dados e computação em nuvem.

Esta integração entre os dois sistemas permite elevar o nível de automação das fábricas e desempenhar funções que até então eram complexas de serem realizadas utilizando os conceitos da então indústria 3.0. Com todos esses recursos provenientes da indústria 4.0, existe um grande potencial no desenvolvimento de práticas que podem atuar diretamente nos problemas ambientais e de economia de energia.

Com a possibilidade de monitorar em tempo real as condições e variáveis dos processos, é possível proporcionar maior competitividade às indústrias e, ao mesmo tempo, auxilia-las no cumprimento de metas estratégicas relacionadas ao meio ambiente, de acordo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

A indústria 4.0 influencia no desenvolvimento de produtos no sentido de que os fabricantes estão cada vez mais se preocupando em facilitar a disponibilização de dados desses produtos e a integração deles com os sistemas de TI. O que se vê é o surgimento e a adoção de inúmeras novas tecnologias de comunicação entre os dispositivos, como o IO-Link, OPC/UA e o MQTT, que por sua vez está cada vez mais sendo utilizado nas aplicações relacionadas à indústria 4.0.

Em relação aos sensores, vemos uma grande evolução com a tecnologia IO-Link, que é uma evolução natural da forma de conexão de sensores e atuadores com o sistema de controle, que até pouco tempo disponibilizava apenas sinais digitais ou analógicos.

Com esta nova tecnologia, temos como principal recurso um aumento significativo na quantidade de dados e informações disponibilizadas pelo sensor, que podem então ser usados para fins de manutenção preditiva, parametrização remota e diagnóstico em tempo real, tudo isso mantendo suas características de dimensão e custos.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

NanotecnologiaA nanotecnologia é uma forma de controle de moléculas em escala atômica e molecular. É usada para o desenvolvimento de materiais e componentes com o objetivo de tornar as estruturas mais estáveis e com um desempenho melhor. Assim, é possível que um elemento ganhe propriedades únicas, sendo mais forte, fino, resistente ou durável e que pode ser usado em diversos setores da indústria.

No setor de lubrificação não é diferente. Percebendo uma necessidade do mercado que procura sempre alta performance no desempenho de maquinários, seja no agronegócio, indústria de alimentos, automotivo ou offshore, o setor de lubrificação inovou trazendo lubrificantes que utilizam a nanotecnologia em seus produtos.

A lubrificação é parte importante de um mecanismo complexo para garantir o funcionamento da cadeia de produção dos vários setores e produtos de qualidade que, além de aumentar a vida útil dos maquinários, garantem uma produção sem paralisações. “Os lubrificantes precisam entregar benefícios básicos para a produção, como maior intervalo de relubrificação, maior tempo de vida das peças e maior produtividade. Os produtos existentes no mercado já entregam essas qualidades, mas com a nanotecnologia, conseguimos potencializar as propriedades”, explica Luiz Maldonado, CEO da Lubvap Lubrificantes Especiais.

Os lubrificantes produzidos com nanotecnologia apresentam uma performance superior aos lubrificantes comuns, fornecendo vantagens que somente o controle molecular é capaz de oferecer, como redução de atrito das peças, alcançando áreas que os produtos comuns não alcançam, ou a formação de barreira mais eficiente. “Observamos também que os aditivos nano não apresentam rápida exaustão como os aditivos químicos, o que aumenta o intervalo de troca do produto no maquinário”, completa Maldonado.

Além disso, a tecnologia é capaz de atender as mais diversas especificidades, como o Lubvap Super Blue, indicado para períodos longos de lubrificação, como rolamentos ou o Lubvap Super Temp 2, que mantém sua performance em altas temperaturas. “Nós temos também o Lubvap Super Load para cargas elevadas e o Lubvap Super Elétric, para motores elétricos. Existe uma linha completa que pode ser usada por todos os setores”, finaliza o CEO.

A Lubvap é referência no mercado de lubrificantes biodegradáveis para diversos setores, como Offshore, Agronegócio e muitos outros. Possui em seu portfólio de produtos diversas opções que atendem qualquer necessidade, como Graxas Especiais Biodegradáveis; Fluidos Hidráulicos e, para engrenagens, Fluidos de Corte; Protetivos contra Corrosão; Desengraxantes; e Hand Cleaner Biodegradáveis.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

cimentoA redução da emissão de gases de efeito estufa, visando alcançar a neutralidade em carbono até 2050, tem sido um dos principais desafios do setor industrial nos tempos atuais. Em apoio à agenda climática, a indústria do cimento tem promovido esforços significativos para reduzir o impacto gerado ao meio ambiente, com ações que levaram o Brasil a se tornar uma referência mundial como um dos países que emite a menor quantidade de CO2por tonelada de cimento produzida no mundo.

Considerada uma atividade intensiva na emissão de gases de efeito estufa, a indústria cimenteira responde, globalmente, por cerca de 7% de todo o gás carbônico emitido pelo homem. Entretanto, em função de ações que vêm sendo conduzidas há décadas pelo setor, bem como do próprio perfil de emissões nacionais, no Brasil essa participação é de quase um terço da média mundial – ou 2,3% – segundo o Inventário Nacional de Gases de Efeito Estufa.

A agenda de carbono é o maior e mais importante compromisso com o meio ambiente já firmado pela indústria do cimento. Tanto que, há quase 20 anos, o setor criou o que é hoje considerado o maior banco de dados de emissões e indicadores ambientais de uma atividade industrial no mundo, com o objetivo permanente de mitigar as referidas emissões. Este banco de dados é abastecido por oito associações e 48 das maiores empresas cimenteiras do planeta, cobrindo cerca de 850 fábricas no mundo todo.

“Mas esta posição de destaque, ao mesmo tempo em que é um reconhecimento ao esforço do setor no combate às mudanças climáticas, representa um enorme desafio: produzir o cimento necessário ao desenvolvimento do país, buscando ao mesmo tempo soluções para reduzir ainda mais as suas emissões de CO2”, destaca o presidente do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento, Paulo Camillo Penna.

Diante desse cenário, o setor tem aprimorado e ampliado o uso de tecnologias como o coprocessamento de combustíveis alternativos para substituição de um insumo intensivo em carbono: o coque de petróleo – combustível fóssil usado na queima do calcário para se obter o clínquer, o principal insumo do cimento.

Iniciativas da indústria

Desde a década de 90, a Votorantim Cimentos realiza de forma pioneira no Brasil o coprocessamento com o objetivo de substituir o coque de petróleo por matérias-primas alternativas para gerar energia térmica para produção de cimento. Esta tecnologia permite promover a economia circular, destinando corretamente resíduos e biomassas, fortalecendo a cadeia de reciclagem e gerando renda para comunidades locais. O primeiro resíduo utilizado pela empresa no coprocessamento foi o pneu e, hoje, ampliou sua atuação para diversos tipos de biomassas, como o carroço de açaí, no Pará, e resíduos, como o CDR (Combustível Derivado de Resíduo) que usa o resíduo urbano não utilizado na reciclagem e na compostagem para produção de cimento, em São Paulo e Paraná. Somente em 2021, com a substituição energética, a empresa evitou o consumo de 525 mil toneladas de coque de petróleo, ou seja, cerca de mais de 13 mil caminhões desse combustível fóssil e importado que deixaram de ser comercializados, transportados e utilizados nos fornos de cimento.

“A agenda de mudanças climáticas é importante pelo nosso compromisso com a sustentabilidade e também significa competitividade. As indústrias mais competitivas serão aquelas com menor emissão de gases de efeito estufa. Já se observa uma intensa pressão dos diferentes stakeholders em relação a essa agenda. Afinal, a emergência climática é, em última instância, uma crise também econômica. Temos um plano robusto de investimentos para ampliar globalmente nossa capacidade de gerenciamento de resíduos”, afirma Álvaro Lorenz, diretor Global de Sustentabilidade, Relações Institucionais, Desenvolvimento de Produto e Engenharia.

A InterCement é outra empresa do setor que tem empregado esforços para reduzir o consumo de derivados de petróleo e consumir combustíveis alternativos por meio do coprocessamento. Em 2021, a iniciativa Biomassa Brasil, um projeto de economia circular integrado com o investimento social privado da empresa, disponibilizou a associações e cooperativas de agricultores oportunidades de desenvolvimento pessoal e fortalecimento de seus negócios. Tal processo viabilizou a compra e uso de cascas de baru, babaçu e licuri em substituição aos combustíveis fósseis, gerando renda para as famílias produtoras das comunidades da Bahia e de Goiás. Vale ressaltar que a quantidade total dos resíduos coprocessados pela InterCement Brasil no ano de 2021 foi de 352.935 toneladas — equivalente à geração de resíduos de uma cidade de cerca de 900mil pessoas, como Campo Grande/MS, João Pessoa/PB ou Natal/RN.

“Entendemos que o nosso papel como empresa é impulsionar impactos positivos nas regiões onde atuamos. Ter uma operação cada vez mais sustentável é um dos nossos caminhos para isso. Somente no último ano, deixamos de emitir 341 mil toneladas de CO2 por meio do uso de combustível alternativo como fonte de energia térmica para nossos fornos. Além disso, revisamos nossa estratégia de coprocessamento, ampliando nossa atuação como indústria recicladora e, até 2030, temos a meta de atingir 50% de substituição dos combustíveis fósseis em toda a cadeia produtiva, melhorando ainda mais nossos indicadores de emissões”, afirma Livio Kuze, CEO da InterCement Brasil.

Alinhada a seu compromisso com a sustentabilidade e as gerações futuras, a LafargeHolcim Brasil acredita que a descarbonização da indústria do cimento traz benefícios operacionais, econômicos, sociais e ambientais. Para tanto, a companhia já pratica uma matriz energética consolidada com mais de 50% de combustíveis alternativos com algumas unidades já atingindo patamares superiores a 80%. Para 2022, está prevista a utilização de mais de 350 mil toneladas de biomassa. Adicionalmente e muito alinhado aos princípios da economia circular, a empresa investe também no uso de CDRU (Combustível Derivado de Resíduo Urbano) com uma previsão de mais de 50 mil toneladas em 2022.

Só a utilização de biomassas e CDRU evitarão em 2022 a utilização de mais de 220 mil toneladas de combustível fóssil tradicional. “Como resultado destas e outras ações, do total de cimento hoje produzido pela empresa, mais da metade já apresenta emissão de CO2 inferior a 430 kg CO2/ton cimento. Ações para reduzir emissões são prioridade e fundamentais para a consolidação de um processo industrial mais sustentável. A empresa investe em pesquisa e já registra um dos menores níveis mundiais de emissão de CO2 por tonelada de produto. Vamos continuar avançando nesse tema”, destaca Adrianno Arantes, Diretor Industrial, Sustentabilidade e Geocycle da LafargeHolcim Brasil.

Em 2021, a Cimento Nacional, atingiu o percentual de 13% de redução de dióxido de carbono em relação a 2020, chegando a um importante resultado global nacional de 479 kg CO/t de cimento. Essa marca é fruto da jornada da descarbonização da empresa. Entre suas diversas ações, destaca-se o aumento gradativo da substituição térmica de combustíveis fósseis nos fornos de clínquer com o aumento das taxas de queima de resíduos, que chegou a 28% no ano passado. Ademais, a indústria tem ampliado as adições nos produtos e assegurado a diminuição do fator clínquer, investindo continuamente na otimização de seus processos produtivos, visando reduzir o consumo de energia elétrica e térmica. “Nossos desafios não param por aqui, afinal, a sustentabilidade é uma prática contínua na nossa empresa. Temos o compromisso, por meio de uma equipe qualificada e engajada, de contribuir para a preservação ambiental e trabalhar fortemente na redução da pegada de carbono dos nossos produtos, respeitando as pessoas, as instituições e o planeta”, afirma José Eduardo Ramos, CEO da Cimento Nacional.

Ciente do compromisso coletivo da indústria cimenteira nacional para a descarbonização da atividade industrial, em 2018, a Mizu — Cimentos Especiais deu início à implantação de um moderno sistema de coprocessamento nos dois fornos de clínquer na planta de Baraúna/RN, evoluindo de 5% para 35% a substituição térmica (média alcançada em 2022). Atualmente, o combustível alternativo adotado pela empresa é um blend energético composto por: biomassa; resíduos industriais e pneus inservíveis triturados e coletados na região Nordeste do Brasil. Com isso, a empresa deixou de queimar no período de 2019 a 2022 (1. Sem), em torno de 150.000 t de coque de petróleo, contribuindo para uma redução na emissão de CO2 acumulada de aproximadamente 300.000 t de CO2.

A CIPLAN investe em projetos de redução das emissões de CO2 como também na redução de custos de produção. Em uma de suas ações, foi inaugurada em março de 2022 a instalação de coprocessamento localizada na Fábrica Matriz, no Distrito Federal. A unidade está preparada para trabalhar com diversos tipos de combustíveis alternativos, como pneu picado, biomassas, CDRU (Combustível Derivado de Resíduos Sólidos Urbanos) e resíduo classe II, substituindo os combustíveis fósseis, como coque de petróleo, podendo chegar a taxas de substituição térmica acima de 50% nos fornos. Em outra ação, a CIPLAN iniciou a operação da moagem e dosagem da pozolana em separado, permitindo aumentar as adições de pozolana nos cimentos, trazendo mais estabilidade e qualidade aos nossos produtos. Esta é mais uma iniciativa na busca de melhores produtos com menores emissões de CO2 e com menores custos. O objetivo da CIPLAN é de reduzir suas emissões de CO2 em 35% até 2030. “Com o objetivo de alinhar os produtos com as diretrizes de redução da emissão de CO2, a CIPLAN lançou no mercado dois novos produtos Este desenvolvimento foi possível graças à colaboração ativa de alguns clientes e profissionais da construção e da equipe de P&D da CIPLAN. Além de produtos mais ecológicos com menos emissões de CO2, nosso objetivo é proporcionar produtos de melhor qualidade aos nossos clientes”, afirma o presidente Sérgio Bautz.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

alfomedeirosMas qual é a base para o medo de que partículas da embalagem contaminem os alimentos? Luisa Kristina Murer, estudante da Universidade Técnica de Munique (TUM), dedicou seu projeto de último ano a essa questão. O seu compromisso com a segurança alimentar foi distinguido pela MULTIVAC com o Prémio Hans Joachim Boekstegers 2022.

Seja salsicha, queijo ou carne picada, os alimentos embalados em plástico são uma parte inevitável de nossas vidas diárias. E isso por um bom motivo: a embalagem protege os produtos contra a sujeira e prolonga sua vida útil usando uma atmosfera modificada, reduzindo o desperdício de alimentos e melhorando o balanço de carbono do setor de alimentos. Os contentores são compostos por materiais reciclados numa percentagem crescente. Então não há problema? Sim e não. Conjecturas estão circulando na mídia sobre a possibilidade de pequenas partículas de plástico serem transferidas da embalagem para o alimento e assim chegarem ao corpo do consumidor. Estas são suposições com quase nenhuma base científica, pois faltam dados e conclusões sobre o papel desempenhado pelo processo de fabricação de embalagens. Luisa Kristina Murer desenvolve novos métodos para determinar a quantidade de partículas microplásticas Com a sua tese, esta aluna de “Tecnologia Alimentar e Biotecnologia” da Universidade Técnica de Munique analisa, do ponto de vista científico, os receios sobre a presença de resíduos plásticos nos alimentos.

Especificamente, em seu trabalho ele analisa os fatores que influenciam o aparecimento do microplástico na fabricação de embalagens plásticas para alimentos. Em seu trabalho, a autora desenvolveu um método padronizado para determinar a quantidade de partículas microplásticas em diferentes folhas de plástico. Tomando como modelo os alimentos padronizados, investigou se os microplásticos podem atingir os alimentos. “Pessoalmente, foi importante para mim lidar com esse tema sensível de forma imparcial, porque muitas vezes é mal interpretado e informações errôneas sobre ele aparecem na mídia”, diz Luisa Kristina Murer. “Por esta razão, no meu trabalho não me limito a dar números absolutos, mas também valores comparativos com partículas naturais para contextualizar as quantidades de microplástico.”

Embora ainda sejam necessários mais trabalhos de pesquisa para consolidar o significado das estatísticas e poder fazer afirmações confiáveis ​​sobre a importância das partículas de plástico, este trabalho, de qualquer forma, já produziu a seguinte conclusão: o processo de fabricação das embalagens plásticas influencia a quantidade de partículas microplásticas. “Um dos meus maiores objetivos na vida é deixar este mundo um pouco melhor do que o encontrei” O júri do Prêmio Hans Joachim Boeksteger ficou impressionado com a pesquisa realizada por Luisa Kristina Murer. Professores das Universidades Técnicas de Munique e Dresden, bem como representantes da MULTIVAC, concordaram: a dissertação de Murer foi a melhor de todas as teses e dissertações sobre engenharia de embalagens e tecnologia de alimentos relevantes para a indústria. duas universidades e do Instituto Frauenhofer de Engenharia de Processos e Embalagem nas unidades de Freising e Dresden. Por isso, o comitê reconheceu o trabalho de Murer com um prêmio de 1.000 euros. “Estou honrado por ter recebido este prêmio”, diz Murer, para quem é muito mais do que um prêmio para si mesma. “Na minha opinião, a questão dos microplásticos é uma questão altamente atual. Significa muito para mim que agora, graças ao Prêmio Hans Joachim Boeksteger, esteja no centro das atenções. Isso me mostra que inovações que levem em conta aspectos ecológicos são importantes”. Agora Murer se sente ainda mais motivada para iniciar sua vida profissional no setor de Pesquisa e Desenvolvimento.

Foto: Alfo Medeiros

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

novidade máquinas exportação IBGE Perspectivas importação PIB Meio Ambiente Industrial CNI Revista P&S máquina Evento Feira Internacional da Mecânica Pesquisa inovação Artigo FIESP Investimento meio ambiente sustentabilidade máquinas e equipamentos Lançamento mercado Economia Feimafe tecnologia Feira indústria Site P&S Radar Industrial