Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

carreira*Marcia Vazquez

Muito se tem falado e muito se falará, ainda, da reforma da previdência proposta pelo governo federal. Todos os estudiosos, analistas e nós profissionais estamos interessados nela, mesmo que por óticas diferentes.

Analisando especificamente um dos componentes desta reforma, que é a idade mínima para aposentadoria, quero refletir sobre como este dado nos impulsiona a analisar nossa gestão de carreira.

No ciclo virtuoso da carreira é fundamental compreender as diferentes fases pelas quais passa um profissional e entender o contexto de valor de cada uma delas.

De acordo com Citrin e Smith (2005), na fase denominada de ‘Promessa’, que vai dos 20 aos 30 anos de idade, descobrem-se as aptidões e o valor intrínseco é o do potencial do capital humano.

Na fase seguinte, denominada de ‘Impulso’, que vai dos 30 aos 45 anos de idade, ocorre a consolidação da carreira e a busca do equilíbrio entre conhecimento, competência e poder, e o valor intrínseco é o da experiência adquirida.

Na fase final, denominada de ‘Colheita’, que vai dos 45 aos 60 anos, o profissional consolida a preparação dos sucessores, criando uma estratégia para se inovar, e o valor intrínseco é a revitalização da carreira.

Esta trajetória, percorrida pela maioria dos profissionais, e que deságua na aposentadoria, mostra o quanto é natural que a fase da ‘Colheita’ seja alcançada, diante dos avanços científicos – aumentando a longevidade, preservando a saúde mental, física e espiritual, e proporcionando mais qualidade de vida.

E hoje nos deparamos com a ocorrência da reforma da previdência que, fatalmente, deverá nos levar a uma reflexão – e ação –, de como vamos construir / gerir / manter nossa carreira para uma atuação profissional mais longa no tempo e, talvez, uma permanência maior na fase da ‘Colheita’.

Para uma eficiente gestão da carreira, com o intuito de torná-la sólida o bastante para manter nossa empregabilidade por mais tempo do que até agora, teremos de estar atentos primeiramente aos investimentos que fizemos, fazemos e faremos nesta carreira. Aqui cabem os nossos próprios investimentos, tanto quanto aqueles que nossos empregadores fizeram ou farão em nós. Isto tudo refletirá em nosso capital intelectual.

Em segundo lugar, igualmente importante, será nossa capacidade de identificar, criar e aproveitar as oportunidades da carreira. Aqui se esta evidenciando nossa competência de visualização do futuro, nossa habilidade de estabelecer desafios constantes, nossa manutenção do foco e nossa criação de mapas de percurso para a carreira.

Deveremos gerenciar os resultados alcançados, evidenciando não só os resultados quantitativos e financeiros, mas também os resultados qualitativos que se refletem nas novas maneiras de fazer algo. Penso que se estivermos sempre atentos à gestão da carreira desde a fase da ‘Promessa’ até a da ‘Colheita’, mesmo atingidos por uma reforma da previdência que nos faça permanecer mais tempo no mercado de trabalho, teremos a possibilidade de criar uma nova estratégia para guiar nossos passos profissionais.

No fim das contas, os 50, 60 ou 70 anos em nossas vidas serão um poderoso marco de nossa reinvenção!

*Marcia Vazquez é Coach certificada pela ICC – International Coach Community, graduada em Psicologia, MBA em Gestão de Pessoas, Pós-Graduada em Gestão de RH com especialização em Análise Transacional e Gestora do Capital Humano / Educação Corporativa da Thomas Case & Associados, consultoria com 40 anos de atividades, especializada na recolocação de profissionais no mercado e gestão de carreiras aliando tradição com constante inovação.

 

 

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

bebidas blog

Segundo o último estudo da GfK sobre a declaração de consumo do consumidor em supermercados nos últimos 5 anos, enquanto o consumo de todas as bebidas não alcoólicas subiu, apenas a categoria dos refrigerantes caiu, sinalizando uma tendência na direção da busca por uma alimentação mais saudável. Em sentido oposto, reforçando ainda mais essa tendência, quem mais se beneficiou deste crescimento foram as categorias das bebidas energéticas, dos chás gelados e dos yogurts/smoothies.

* % de consumidores com mais de 15 anos que bebem bebidas sem álcool semanalmente ou com mais frequência

 

 

 

 

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

ambevA Ambev, dona de marcas como Skol, Stella Artois, Budweiser e Guaraná Antarctica, reduziu em 43% o consumo de água na produção de suas bebidas nos últimos 14 anos. A empresa já havia batido em 2015 a meta global estabelecida para 2017 de usar ao máximo 3,2 litros de água para cada litro de bebida envasado. No último ano, a cervejaria foi ainda mais longe e chegou a 3,04 litros.

A redução, em comparação a 2015, foi de 4,1%. A evolução permanente nos índices de consumo de água se dá pelo trabalho em diversas frentes, com treinamentos dos funcionários, campanhas internas de conscientização, utilização dos melhores equipamentos e tecnologias disponíveis, padronização de processos, ações de reaproveitamento de água e estabelecimento de metas individuais e coletivas.

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

dentes okO cenário de instabilidade política econômica que vem assolando o Brasil nos últimos anos reflete diretamente no desempenho dos principais responsáveis pela engrenagem da economia brasileira. E o setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (HPPC) – historicamente mais resiliente – sente, pelo segundo ano consecutivo, o impacto deste cenário negativo somado às medidas indiscriminadas de aumento de alíquotas tributárias no país.

O setor fechou 2016 com faturamento “Ex-factory”, líquido de imposto sobre vendas, de R$45 bilhões e queda real de 6% com relação ao ano anterior. “A indústria de HPPC segue empenhando esforços para superar o momento que estamos vivendo no Brasil e, apesar da queda, já conseguimos entregar um resultado melhor do que em 2015”, comentou João Carlos Basilio, presidente executivo da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC).

O aumento das alíquotas tributárias teve impacto direto em importantes categorias de cuidados pessoais e o consumidor brasileiro – que já vem mantendo o orçamento apertado – sentiu a alta nos preços. Categorias ligadas diretamente à saúde, como produtos de higiene oral, por exemplo, perderam posição no ranking mundial de consumo, de 3ª para 4ª posição. “Somente o creme dental, essencial para o cuidado da saúde bucal, teve queda de volume de 4,6%. Do ponto de vista da saúde do brasileiro, significa dizer que estamos dando um passo para trás”, alerta Basilio.

O efeito cambial para conversão do real para dólar também influenciou o resultado negativo e, como consequência, o setoracabou perdendo liderança no mercado mundial em outras categorias de reconhecimento internacional e essenciais no dia a dia, como a de cuidados para os cabelos (passando de 3° para 4° consumidor mundial).

Cenário político econômico e perspectivas

A ABIHPEC acredita que o setor volte a crescer e feche 2017 com pequena melhora em relação a 2016. “Se tudo correr da forma como estamos planejando, prevendo e trabalhando, somado ao encaminhamento das reformas vitais para a sustentação da economia nacional, acreditamos em uma breve recuperação ao longo do ano” analisa Basilio. O Brasil segue como um dos mais importantes mercados mundiais e o consumidor reconhece a essencialidade que os artigos de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos representam para a manutenção da saúde e bem-estar. “Vamos continuar trabalhando fortemente para antecipar necessidades e entregar os melhores produtos para o brasileiro”, finalizou o presidente executivo da entidade.

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

0

bemisNão é de hoje que o consumidor é influenciado pelo que vê nas gôndolas dos supermercados e nas prateleiras de farmácias e perfumarias. Estudos de comportamento mostram que elementos visuais como as cores, o layout e o formato da embalagem e a maneira que são expostos são fatores que motivam a compra de um produto.

O levantamento “A Hora Certa de Ativar o Shopper”, divulgado pela Nielsen, mostra que, em média, 70% das decisões de compra são tomadas em frente à gôndola, e que o shopper (comprador) gasta 15 segundos nos corredores dos supermercados e dá atenção de apenas 1,6 segundo para cada estímulo visual. A pesquisa também aponta que, entre os gatilhos de quem planeja uma compra, estão a marca (54%), a quantidade (18%) e a variedade de um produto (16%). O tamanho da embalagem e quanto pretendia gastar têm a mesma importância para o consumidor (13%), seguidos pelo tipo de embalagem (11%).

Para produtos que demandam baixo planejamento de compra como chocolates em barra, iogurtes, queijos, biscoitos e molhos de tomate, as embalagens podem incentivar a compra por impulso.

Já na categoria de produtos com alto planejamento, como papéis higiênicos, cremes dentais, desodorantes, sabonetes, fraldas, sabão para roupas, café, carnes e margarinas, o shopper é mais sensível a alterações de preço, porém menos propenso à troca brusca de marcas, mantendo-se no seu leque de marcas já conhecidas.

Desta forma, as embalagens evoluem para acompanhar o perfil do consumidor, como as garrafinhas de iogurte substituídas por copos para o público jovem, copos de plástico e não de vidro para requeijão que são empilháveis e evitam a quebra, e stand-up pouch (bolsa plástica que para em pé) para atomatados no lugar de latas, para consumidores que procuram praticidade e embalagens mais leves.

A busca por hábitos de vida mais saudáveis também influencia a gama de produtos e os lançamentos, a fim de contribuir com a manutenção da saúde e o bem-estar do consumidor. As embalagens desse produtos, por sua vez, seguem a linha da diferenciação, com design mais moderno e colorido. Entre os exemplos estão margarina, iogurte, requeijão e sorvete nas versões “light” e “zero gordura”, produtos sem lactose, sem glúten e vegan para quem tem restrições alimentares ou não consome alimentos e produtos de origem animal.

Outra tendência é a “premiunização” de produtos, que cria experiências mais marcantes e interativas, com a combinação de sabores e aromas diferentes dos tradicionais e coordenados com embalagens sofisticadas.

Um movimento crescente nos últimos anos tem sido a redução do tamanho das embalagens e o aumento das porções individuais, por conta do número de pessoas solteiras ou que moram sozinhas e querem evitar o desperdício.

Porém, especialmente no Brasil, mesmo com várias opções de produtos em quantidade menor, muitos consumidores ainda preferem as embalagens consideradas “econômicas”, com 1Kg, 2,5L e 5L, por conta da relação custo x benefício.

O uso de novas tecnologias em embalagens traz praticidade e conveniência ao consumidor, e ainda aumenta o prazo de validade de produtos, como é o caso da tecnologia resselável (“abre e fecha”) de frios, de materiais “micro-ondáveis” que podem ser aquecidos no micro-ondas e do filme que pode ser levado ao forno porque possibilita o cozimento de uma carne na própria embalagem.

Independentemente dos rumos que os hábitos de vida sigam, o consumidor continuará sendo o grande alvo a ser alcançado, tanto com novidades de produtos como de embalagens, de forma que tenha mais conveniência e vantagens para, então, ter suas necessidades supridas e prosseguir comprando.

*Priscila Troian, diretora de Pesquisa e Desenvolvimento da Bemis para a América Latina

 

 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

eskoA Esko uma das líderes globais no fornecimento de soluções integradas para a indústria de embalagens, anunciou uma estratégia abrangente para auxiliar as empresas a adequarem suas embalagens às novas regulamentações sobre rotulagem nutricional. “Vemos alterações significativas nas legislações sendo introduzidas por diversos governos em todo o mundo a fim de educar o consumidor sobre o produto via embalagem”, explica Philippe Adam, Vice Presidente de Marketing Global da Esko. “Para as indústrias de alimentos e bebidas, bem como para as farmacêuticas e nutracêuticas, isto significa manter-se atento às várias regulamentações e adaptar sua embalagem e processos adequadamente. Com soluções customizadas e softwares inteligentes, podemos ajudar.”

O anúncio da Esko vai de encontro à declaração da Food and Drug Administration (FDA), dos Estados Unidos, sobre a introdução de um rótulo modernizado para a “Tabela Nutricional” para alimentos embalados, que entrará em vigor em julho de 2018. O Departamento de Agricultura dos EUA propôs a atualização das informações nutricionais para carnes e aves. Os governantes de outros países já estão avaliando regras similares para comunicar a tabela nutricional na embalagem; estas mudanças já foram anunciadas no Canadá e na França e, em breve, outros países seguirão.

Soluções para acabar com o problema

Dependendo das necessidades de cada empresa e do canal de comercialização do produto, a Esko pode indicar três soluções. A Solução 1 começa com o brand owner, a Solução 2 com a agência de criação da arte e a Solução 3 passa pela completa integração do sistema. Cada organização pode escolher a solução mais adequada à sua situação e confiar que o processo de produção do rótulo com a tabela nutricional será otimizado, unificando as informações. Informações detalhadas sobre cada solução podem ser encontradas em Esko’s white paper on regulatory compliance process and technology.

A Esko também está lançando um dispositivo único que extrai as informações nutricionais dos arquivos de embalagem existentes (AI ou arquivos PDF) e as converte em um canal de informação a ser usado em qualquer arte, automatizando a criação. Espera-se que esta solução reduza o tempo dos trabalhos em até 70% para os clientes que têm que adaptar os rótulos com tabelas nutricionais às novas regulamentações da FDA.

“É importante que as empresas se antecipem a todas as novas regulamentações e estejam confiantes que cada SKU produzido terá uma embalagem adequada”, explica Adam. “A Esko continuará a dar suporte aos clientes com novostemplates nos quais as informações nutricionais e relativas aos ingredientes possam ser colocadas automaticamente. Com estas soluções, as novas regulamentações podem tornar-se um padrão diário do negócio e não algo excepcional que ameace o bom andamento da empresa.”

 

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

basfA BASF apresenta o Acronal 2434, um novo aglutinante acrílico aquoso para não-tecidos que atende às altas exigências em termos de estabilidade termo-dimensional. O ligante é adequado principalmente para não-tecidos que são utilizados em aplicações de construção e abrasivos. O aglutinante inovador complementa o abrangente portfólio de produtos da divisão de dispersões e resinas da BASF, que foi apresentado na feira Index, em Genebra, no início de abril.

Não-tecidos dimensionalmente estáveis

Com o Acronal 2434, a BASF oferece uma dispersão acrílica de auto-reticulação covalente que confere aos não-tecidos que são expostos às tensões térmicas, altos níveis de estabilidade mecânica. O aglutinante é adequado principalmente para não-tecidos feitos a partir de fibras sintéticas, tais como poliéster. O produto recentemente desenvolvido é compatível com outros sistemas de reticulação, tais como, resinas de melamina e ureia. Além disso, ele pode ser facilmente aplicado em conjunto com sistemas convencionais de foulard.

“O Acronal 2434 é outro aglutinante de alta performance que oferecemos aos nossos clientes na indústria de não-tecidos”, afirma Jürgen Pfister, vice-presidente de Dispersões para Adesivos e Fiber Bonding da BASF Europa. “Nossa nova dispersão acrílica apresenta efeitos extraordinários especialmente quando se trata de não-tecidos que são expostos a altos níveis de tensão térmica e mecânica. Com este aglutinante inovador e sustentável, encontramos uma solução voltada para as necessidades de nossos clientes. Desta forma, conseguimos ajudá-los a ter sucesso”, considera.

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

otimismoCrises e oportunidades podem andar juntas se tiverem o devido respaldo de uma visão estratégica e cuidadosamente forjada nas mais prementes necessidades do mercado, leia-se inovação, eficiência e qualidade com redução de custo.

Sabemos que isso ainda é pouco para quem planeja prosperar no mercado brasileiro tal como ele é, no melhor estilo montanha russa – cheio de curvas e ladeiras íngremes nas quais não se pode enxergar mais de um palmo adiante.

Evidentemente, no mundo empresarial a diferença entre naufragar com as estatísticas de economias decadentes e surfar nas ondas que tentam nos derrubar também depende de coisas como olhar para dentro. Avaliar nossas próprias proficiências e identificar rigorosamente cada uma de nossas fragilidades para então tratar de saná-las é indispensável para qualquer empresa em qualquer circunstância.

Dito isto ainda resta acreditar – otimismo é mesmo muito importante – e investir. Foi exatamente assim que conseguimos alçar em nossa empresa, 100% brasileira, o crescimento de 52% em serviços a projetos de engenharia em 2016, puxados principalmente por testes na área automotiva. Não foi uma tarefa fácil, como devem imaginar.

Dentro desse escopo projetamos para 2017 crescer mais 25%, respaldados por investimentos na expansão da estrutura de testes, no aumento e na capacitação do capital humano especializado – de que o mercado não dispõe – e em novos segmentos de negócios.

Cremos que fazer engenharia no Brasil seja uma chave importante para melhorar a eficiência e diminuir os obstáculos ao desenvolvimento mais rápido do setor produtivo brasileiro. Como players, temos apostado, com sucesso, na estratégia de trazer para o mercado serviços de suporte a processos de engenharia que não se encontravam por aqui.

No mundo corporativo não há quem ignore que a incrível lacuna existente no Brasil quanto ao suporte local a processos de engenharia, notadamente em segmentos industriais de alta complexidade como o automotivo, ainda gera muitos contratempos e dores de cabeça.

Não bastasse a eterna pressão para preços mais competitivos ante o custo Brasil, as empresas ainda sofrem as consequências de terem de mandar suas amostras ao Exterior para validação e testes, enfrentando trâmites alfandegários, despacho aéreo e marítimo e filas para a execução de testes, que podem levar meses se houver problemas na execução.

Não precisa ser assim. O desenvolvimento da economia brasileira acontecerá, e ainda temos imenso potencial a ser explorado com perspectivas positivas. Basta apostar no Brasil.
*Ricardo Nogueira é presidente da SMARTTECH, empresa 100% brasileira especializada em tecnologia e serviços de apoio a projetos de engenharia.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Museu Garoto_2Espaço localizado na fábrica da empresa reúne importantes momentos da trajetória de 88 anos da marca no país

 A Chocolates Garoto, uma das principais fabricantes de chocolates brasileira e que possui uma das 10 maiores fábricas de chocolates no mundo, reabre o Museu da Garoto, situado nas dependências da empresa em Vila Velha, no Espírito Santo, com espaços renovados e área ampliada. Esta é mais uma iniciativa da companhia que comprova a sua forte ligação e grande compromisso em investir no estado, promovendo importantes ativos sociais, que são o fomento ao turismo e o desenvolvimento da economia local.

O público vai poder vivenciar momentos marcantes de toda a história da Garoto ao longo dos 88 anos e conhecer sua relação de confiança e orgulho com o Espírito Santo. Isso porque o amplo espaço do Museu da Garoto foi dividido em três ambientes, que apresentam a história da empresa passando pelo plantio de cacau, depois introduzindo as primeiras máquinas utilizadas na produção e trazendo outros fatos, que fizeram parte do crescimento da Garoto desde a venda de balas pelas ruas de Vila Velha até os tempos atuais.

O Museu passa a enriquecer ainda mais a experiência promovida por meio do programa denominado Chocotour, o qual recebe, anualmente, cerca de 350 mil turistas em sua fábrica e na loja, que disponibiliza artigos exclusivos da marca. Tamanha relevância deste número de visitantes confere à fábrica da Chocolates Garoto o título de segundo ponto turístico mais visitado no estado, ficando atrás apenas do Convento da Penha.

O Chocotour é referência não apenas para os turistas, mas também para a população local, uma vez que 60% das visitas são destinadas a escolas e instituições, sendo que os colégios públicos podem contar com a gratuidade para a entrada dos alunos. Os participantes são guiados por equipes de atendimento compostas em 70% por universitários dos cursos de Turismo, História e Comunicação.

Para conhecer apenas o Museu da Garoto, não há necessidade de agendamento. O ingresso tem o valor de R$ 2,00 e a visita pode ser feita de segunda à sexta-feira, das 9h às 16h30, e aos sábados, das 9h às 14h.

Museu Garoto_1Caso o interesse seja visitar a Fábrica além do Museu, deve-se fazer o agendamento pelo site www.garoto.com.br. O roteiro completo de visita pelo Chocotour custa R$ 20,00 e é preciso verificar a disponibilidade de vagas ao fazer o agendamento pelo site.

 

SERVIÇO

Museu da Garoto

Endereço: Praça Meyerfreund, 1 – Glória, Vila Velha

Horário de visitas: de segunda à sexta-feira, das 9h às 16h30, e aos sábados, das 9h às 14h

Classificação: todas as idades

Entrada: R$ 2,00

 

Chocotour: Visita à Fábrica e Museu da Garoto

Endereço: Praça Meyerfreund, 1 – Glória, Vila Velha

Horário de visitas: agendamento deve ser feito pelo site www.garoto.com.br

Classificação: todas as idades

Entrada: R$ 20,00

TAGS: , , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

ICIO setor industrial brasileiro apresentou, em março, o seu maior ICI (Índice de Confiança da Indústria) desde maio de de 2014, depois da terceira alta consecutiva, chegando a 90,7 pontos. “A alta de março consolida a tendência de recuperação e parece retratar um setor em fase de transição no ciclo econômico. Temos boas notícias como o expressivo espalhamento setorial da alta e a melhora das expectativas”, afirmou o superintendente de Estatísticas Públicas da FGV/IBRE, Aloisio Campelo Júnior.

O aumento do ICI atingiu 17 de 19 segmentos industriais, entre eles o de alimentos, vestuário, celulose, química, farmacêutica, metalurgia, máquinas e equipamentos e veículos automotores. “Com mais confiança e sinais consistentes de melhora da economia, investir em tecnologia para processos industriais pode trazer vantagem competitiva às empresas que apostam no aumento da eficiência produtiva para ganhar posições no mercado e se recuperar após o período de crise”, disse o diretor de operações Latino-americanas da OMEGA Engineering, Antonio José Vergara Gomes.

A medição e o controle de processos traz benefícios em diferentes aspectos fabris como economia de energia e de matérias-primas, redução de custos de operação, alcance de níveis de segurança elevados, concordância com padrões de qualidade, além de proporcionarem monitoramento e coleta de dados que são fundamentais para a tomada de decisões.

“A OMEGA™ vem apostando em soluções sem fio (wireless) para medição e transmissão de dados, dentro do conceito de IIoT (Internet Industrial das Coisas) visando o aumento na eficiência”, comenta Antonio. A empresa disponibiliza um portfólio muito abrangente e que engloba diversos produtos com tecnologia de ponta, entre eles estão sensores e sondas, transdutores e transmissores até receptores e registradores de dados.

Situação atual e expectativa

A cenário mais confiante do setor produtivo também está revelado em outros índices da FGV. A melhoria da confiança dos industriais espalhou-se por todos os indicadores como, por exemplo, o IE (Índice de Expectativa) e o ISA (Índice de Situação Atual). O principal fator a alta do IE foi a perspectiva de evolução da produção. Atingindo 93,3 pontos em março, o indicador aponta uma proporção maior de empresas prevendo aumentar a produção nos três meses seguintes.

A melhoria ocorreu na percepção dos gestores com a situação atual. O ISA mostrou aumento da parcela de empresas que avaliam o nível de estoques atual como insuficiente e, portanto, dispostas a elevar a produção.

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

seminário Rodada 10 Perspectivas faturamento máquinas negócios infraestrutura exportação IBGE CNI importação PIB Revista P&S Pesquisa Evento inovação Feira Internacional da Mecânica Artigo meio ambiente Investimento sustentabilidade FIESP Lançamento tecnologia mercado Economia máquinas e equipamentos Feimafe Feira indústria