Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

valmet2A Valmet acaba de assinar seu primeiro Contrato de Performance no segmento de bioetanol (etanol de segunda geração E2G) com a Meliora Bio ApS, em Kalundborg, na Dinamarca. O contrato engloba serviços de suporte ao cliente durante as operações e paradas de manutenção e compreende também a alimentação do reator e descarga da produção de bioetanol e açúcar C-5 da moderna biorrefinaria.

“A importante parceria abre um novo segmento de atuação fora dos tradicionais segmentos de celulose, papel e energia. Estamos muito felizes em trabalhar com a Meliora Bio, ajudando-os a desenvolver sua operação e fornecendo-lhes serviços de manutenção e peças de reposição para manter a produção com alta disponibilidade”, diz o gerente de contratos de serviços da Valmet na Europa, Mikael Fröberg.

“O sistema de pré-tratamento da Valmet é essencial para a operação estável da fábrica. Temos o prazer de trabalhar com a Valmet, acessando o seu know-how em planejamento de manutenção e acesso rápido a peças de reposição críticas”, ressalta o diretor administrativo na Meliora Bio ApS, Henrik Maimann.

Representação brasileira no promissor mercado de biocombustíveis

O Brasil desponta em posição de destaque na produção de biocombustíveis, posicionando-o como um dos protagonistas do mercado mundial de E2G. A relevância do etanol de segunda geração se deve, principalmente, ao seu potencial sustentável, tendo em vista que dados do BNDES indicam que o etanol de segunda geração permite uma redução de 80% na emissão de CO2, podendo alcançar uma taxa de 90% em 2025. Em relação aos combustíveis fósseis, como a gasolina comum, a pesquisa revela que o etanol 2G pode emitir até 15 vezes menos carbono na atmosfera. Cabe destacar também que sua produção é feita por meio do reaproveitamento de resíduos, já que utiliza subprodutos do etanol comum e do açúcar.

Comprometida com o propósito de converter recursos renováveis em resultados sustentáveis, a Valmet oferece tecnologias, automação e serviços de ponta que elevam os processos bioenergéticos a um novo patamar em termos de eficiência e produtividade. Sua oferta abrange sistema de hidrólise para otimização de processos e testes de matérias-primas à base de biomassa, válvulas e controladores de fluxo, analisadores de sólidos totais para tratamento de efluentes, soluções de automação para processos produtivos e turbinas, software de gerenciamento de malhas de controle e controles avançados de processos para caldeiras e balanço de vapor de fábrica, além de contratos de serviços e suporte remoto.

Detalhes da entrega

A parceria firmada entre a Valmet e a Meliora Bio ApS cobre o equipamento para alimentação e descarga do reator da produção de bioetanol de segunda geração e açúcar C-5 da Meliora Bio, além de serviços como avaliações de processo, conectividade, Valmet Performance Center, para suporte especializado ativo, avaliação de condições de equipamentos mecânicos, recomendações de peças de reposição, estoque de segurança e treinamento.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

pexels-magda-ehlers-1300975Atualmente a redução do desperdício de alimentos tornou-se um dos desafios mais importantes que a população mundial enfrenta. Segundo dados da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), todos os anos, quase um terço de todos os alimentos produzidos para o consumo humano – cerca de 1,3 bilhão de toneladas – são perdidos ou desperdiçados. Enquanto isso, existem mais de 820 milhões de pessoas que ainda vivem em um estado de desnutrição. Para evitar isso, indústrias vêm buscando soluções tecnológicas que ajudam a reduzir o número de desperdício de alimentos em suas produções.

Hoje, a tecnologia desempenha um papel fundamental no fornecimento de modelos sustentáveis e ferramentas úteis que ajudam a criar maneiras cada vez mais eficazes e eficientes de operar em diferentes setores, incluindo gestão de alimentos e resíduos. A Loomi – empresa de Recife especializada em aceleração digital, tem ajudado os mais diversos segmentos a planejar suas demandas – nem produzir mais e desperdiçar, mas também não produzir menos e ter seu lucro afetado.

Segundo Gabriel Albuquerque, Ceo da Loomi, é preciso uma análise inicial feita por meio da tecnologia, usando diversos dados que vão desde o histórico da empresa até dados do mercado externo. “Entender o comportamento do consumidor e auxiliar na tomada de decisões diretamente ligadas à produção é o principal ponto. Via tecnologia agora é possível entender a real demanda, mas caso o indicador não seja fiel, ocorre uma auto calibração”, revela.

Cada operação é única e merece uma análise cautelosa e individual para encontrar os pontos em que valem um aperfeiçoamento .  “Toda fábrica tem potencial para melhorias, a introdução de tecnologias mais novas é importante para gerar maior eficiência na produção. A Transformação digital é um processo de mudança de mentalidade nas empresas que passam a usar a tecnologia para cumprir o objetivo de se tornarem mais modernas, melhorarem os seus desempenhos, aumentarem o alcance de mercado e ampliarem os avanços tecnológicos que impactam pessoas do mundo todo.”, finaliza Albuquerque.

Foto: Magda Ehlers

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

EpsonA Seiko Epson Corporation (TSE: 6724, “Epson”) lançou uma parceria internacional de três anos com o WWF, organização mundial de conservação focada na restauração e na conservação de florestas em todo o mundo. É a primeira vez que uma empresa japonesa do setor de eletrônica e instrumentos de precisão faz este tipo de parceria, a qual é baseada no relacionamento existente entre as duas organizações, que começou em março de 2022 com o trabalho na conservação marinha no Sudeste Asiático.

Com base na ambição compartilhada por tratar questões ambientais de interesse comum, a parceria vai abranger três objetivos:

1. atender a pegada ambiental da Epson;

2. apoiar os projetos de restauração e de conservação de florestas do WWF em sete países de quatro regiões; e

3. fornecer informações sobre assuntos ambientais.

Para isso se tornar possível, a Epson planeja contribuir com 240 milhões de ienes japoneses (aproximadamente 1,6 milhões de euros) durante os próximos três anos a partir de março de 2023, que serão alocados para projetos florestais do WWF.

Através da parceria, a Epson vai apoiar as atividades de conservação florestal, bem como os esforços de recuperação da natureza implementados pelo WWF em várias “frentes de desmatamento”1, e visará à melhoria da sustentabilidade em sua cadeia de fornecimento enquanto participante do programa Forests Forward2 do WWF. A fim de atingir juntos um mundo positivo para a natureza, a parceria também vai promover o uso responsável dos recursos florestais (papel) nas empresas, além das futuras considerações sobre a preservação dos ecossistemas de água doce e sobre as atividades que contribuem para uma economia circular3.

“Ficamos muito contentes pela assinatura deste acordo com o WWF”, comenta Yasunori Ogawa, presidente executivo da Epson. “O mundo enfrenta uma catástrofe ambiental, e nossa atuação atual é essencial para preservarmos a biodiversidade do nosso planeta antes de que seja tarde demais. Esta parceria reflete o compromisso da Epson com a conservação do meio ambiente, a diminuição dos resíduos e a garantia de sustentabilidade na utilização dos recursos naturais. Visando à conquista de um futuro onde as pessoas possam viver em harmonia com a natureza, o WWF coincide perfeitamente com a Epson”.

Em 2021, a Epson anunciou sua Visão Ambiental, segundo a qual a empresa fez o compromisso de se tornar carbono negativo e de eliminar o uso de recursos subterrâneos não renováveis até o ano de 2050. A fim de atingir tais objetivos, a Epson está implementando uma série de iniciativas que visam à descarbonização, ao fechamento do ciclo de recursos, ao oferecimento de produtos e serviços que reduzem o impacto ambiental, e ao desenvolvimento de tecnologias ambientais. A Epson reconhece que é preciso participação de toda a comunidade para alcançar uma sociedade sustentável, e está trabalhando com parceiros que compartilham seus ideais, tais como o WWF, a fim de criar consciência e adotar medidas firmes com o intuito de resolver os problemas ambientais enfrentados pelo nosso planeta.

“O WWF aprecia esta ambiciosa parceria com a Epson para o futuro da floresta”, declara TOBAI, Sadayosi, diretor-geral do WWF-Japão. “Não é apenas o compromisso de um empresa só, mas também representa um passo importante para a aceleração dos esforços do setor privado e para o impedimento da degradação da natureza, particularmente das florestas, de que todos nós dependemos”.

A proteção e a gestão responsável dos ecossistemas florestais ocuparam um lugar destacado na pauta de debates mundiais recentes, como a conferência COP27 das Nações Unidas sobre o clima e a conferência COP15 das Nações Unidas sobre a biodiversidade. É fundamental aproveitarmos este impulso assumindo um forte compromisso e implementando mudanças transformadoras urgentes, necessárias para reverter a perda de biodiversidade e construir uma sociedade mais sustentável.

Através da parceria e da participação no programa Forests Forward, a Epson e o WWF comprometem-se juntos a salvar as florestas ameaçadas em paisagens vitais, tanto dentro quanto fora da cadeia de fornecimento da Epson, mediante o aprimoramento da gestão florestal e a restauração da natureza.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

ETE-EkmaO Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março, é tempo de refletir sobre as questões relacionadas à importância e preservação deste importante recurso para os seres vivos do planeta e movimentar a economia. Em muitos segmentos da indústria, como o de alimentos, o uso consciente da água se tornou vital para produzir cada vez mais e com menos custo, além de assegurar a produção para futuras gerações.

Na Ekma,  a água move toda a cadeia de produção, desde higienização da instalação e dos equipamentos até movimentação de maquinários e no processamento de produtos. A empresa reaproveita 100% da água usada na produção de 3 mil toneladas de cerca de 40 itens do seu portfólio.

A sua planta industrial de Taquaritinga, interior de São Paulo, conta com dois poços artesianos e Estação de Tratamento de Água (ETA) e de Efluentes (ETE), de onde vem a água potável para higienização da matéria-prima, como o tomate in natura, e também utilizados na preparação dos molhos e atomatados. “Toda água de reúso e do poço artesiano passam por um rigoroso controle de qualidade, atendendo as legislações da Cetesb e do Ministério da Saúde”, afirma Dauto Azarite Jr., diretor comercial da Ekma.

Essa água ainda é reutilizada na movimentação de caldeiras, maquinários da linha de produção e higienização da instalação e equipamentos. E toda a água gerada no processo produtivo é encaminhada para a Estação de Tratamento de Efluentes, onde a água é tratada com lodo biológico, e passa ainda por um novo tratamento na Estação de Tratamento de Água, para se tornar potável.

A produção sustentável  com o uso consciente da água já proporciona à fábrica uma economia de 70% na captação de água do poço artesiano.

Além de investir na infraestrutura, a empresa também vem adotando práticas para promover economia de água, principalmente a conscientização do quadro de colaboradores.

“Acreditamos na importância do papel da indústria na preservação dos recursos naturais para futuras gerações. E hoje sabemos que investir em produção responsável é um caminho para ganhar competitividade, reduzindo desperdício. E nesse processo, todos os atores envolvidos – a sociedade, meio ambiente e a indústria – saem ganhando”, conclui Dauto José Azarite Junior, diretor comercial da empresa.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

thyssenkruppA thyssenkrupp Metalúrgica Campo Limpo,  segue investindo em inovação e tecnologia para a destinação correta e tratamento adequado dos resíduos gerados na unidade, que está localizada em Campo Limpo Paulista (SP) e é a maior operação fabril do grupo thyssenkrupp na América do Sul. Como parte das iniciativas que permitiram que a fábrica alcançasse a meta de ser “Zero Aterro”, foi instalado um biodigestor que trata os resíduos orgânicos gerados nos refeitórios. Antes, esse material era coletado por uma empresa terceirizada e seguia para compostagem.

“Esta é uma tecnologia inovadora, 100% brasileira, que ainda é utilizada por poucas empresas no país. O funcionamento dela consiste na combinação de um processo eletromecânico com um composto biológico, em que os micro-organismos transformam o resíduo orgânico na chamada “água cinza”, totalmente segura para ser descartada no sistema de esgoto. No caso da unidade, nós já realizamos o tratamento dos efluentes na própria planta, por meio de nossa ETEI (Estação de Tratamento de Efluentes Industriais)”, explica Amadeu Crodelino, COO da thyssenkrupp Metalúrgica Campo Limpo.

De acordo com Carolina Sicari, analista de sustentabilidade responsável pela implantação do biodigestor na unidade, há uma série de benefícios obtidos com a adoção dessa solução. “Além de evitar a emissão de poluentes, como o metano e o CO2, por não depositar os resíduos em aterros sanitários, também evitamos a emissão do CO2 que ocorreria durante o transporte do material até o local em que era processado anteriormente”, explica Carolina.

A especialista destaca a redução do consumo de energia elétrica, uma vez que o resíduo orgânico não precisa ser mais armazenado em câmaras frias e que o biodigestor oferece baixo consumo, além de eliminar o mau odor e a presença de vetores como pombos e insetos. “O resíduo orgânico dos nossos refeitórios vai sendo tratado assim que é gerado, 24 horas por dia e sete dias por semana”, reforça.

Com o uso da tecnologia aplicada no biodigestor, a thyssenkrupp Metalúrgica Campo Limpo deixou de emitir, em um mês, mais de 17 toneladas de CO2 equivalente, o que corresponde a 290 árvores plantadas ou quase 8 mil litros de diesel que deixaram de ser consumidos. “Em um ano, nossa expectativa é reduzir a pegada de carbono em mais de 200 toneladas de CO2 equivalente”, prevê Carolina, com base nas metodologias WARM Model e GHG Calculator utilizadas pela Bioconverter, empresa que desenvolveu a tecnologia do biodigestor.

“Nosso compromisso é oferecer à thyssenkrupp Metalúrgica Campo Limpo todo o suporte para que este projeto atinja 100% das suas expectativas do ponto de vista operacional e de sustentabilidade, de forma que estimule a expansão dessa tecnologia a outros setores e unidades do grupo, o transformando em uma referência neste setor”, destaca Arthur Oliveira, diretor comercial da Bioconverter.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

basfffIncentivar, estimular a participação, promover o acesso e reforçar a importância do tratamento igualitário para ampliar a presença das mulheres nos campos da Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. Estes são alguns dos propósitos do Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, instituído pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e celebrado em 11 de fevereiro.

A Unesco estima que atualmente 30% de cientistas do mundo sejam mulheres. E entre as pessoas que estão em formação, os estudantes matriculados em cursos de Ciência, Tecnologia, Engenharias e Matemática, 35% são mulheres. Preocupada com a representatividade, a Academia Brasileira de Ciências promoveu ativamente uma mudança e elegeu em 2022 mais cientistas mulheres do que homens para o quadro titular de acadêmicos. Ao todo, oito dos treze novos membros do quadro titular são pesquisadoras e reforçam o intuito de criar referência para atrair cada vez mais as jovens para a carreira científica.

A BASF, como uma das maiores indústrias Químicas do mundo e que tem aplicado anualmente mais de 2 bilhões de euros em Pesquisa & Desenvolvimento, BASF busca promover a equidade de gênero, empoderar mulheres em diversos níveis hierárquicos, desenvolvendo talentos e as incentivando a ocuparem cargos de liderança. Mais de 33% do quadro de colaboradores da BASF na América do Sul já são mulheres — 35% em cargos de liderança, segundo o Relatório Anual de 2021 e muitas delas trabalhando diretamente com a produção científica, nos laboratórios de aplicação e de Pesquisa & Desenvolvimento da companhia.

A engenheira Bioquímica, Gabriela Budemberg, é uma das cientistas que está à frente dos trabalhos de Pesquisa e Desenvolvimento no segmento de soluções para Mineração da BASF. Foi ao conseguir o estágio na companhia, aos 22 anos, quando cursava o 5º ano de Engenharia Bioquímica na Universidade de São Paulo que conheceu o universo da mineração, que é ainda predominantemente masculino. O trabalho no desenvolvimento de soluções nos laboratórios abriu um universo de possibilidades e despertou a paixão pela área. Inclusive seguiu com o Mestrado voltado para a síntese de novos materiais na USP.

Seu trabalho em desenvolvimento na companhia oferece a liberdade de criação, a busca por novas possibilidades, resolver problemas — especialmente os específicos de cada cliente. Construiu uma carreira sólida e hoje é responsável pelo desenvolvimento global de flotação de não-sulfetos (fosfato, nióbio e minério de ferro), e faz a troca constante com especialistas da BASF em outros países. “Apesar do preconceito estar arraigado na nossa sociedade, vejo que com o tempo e paciência veremos as mudanças acontecendo. O mais importante é a mudança cultural, que é construída aos poucos”, considera. Na área de Mineração na América do Sul da BASF, as mulheres ocupam 50% dos cargos de liderança.

Aos 27 anos, a engenheira Química Gabriela Uchôna foi finalista num prêmio de Inovação da companhia para a América do Sul pelo desenvolvimento de um solvente de origem vegetal e biodegradável que atua na proteção contra contaminação por bactérias e fungos — evita mau odor em esponjas e roupas, por exemplo. Há 6 anos a jovem cientista desenvolve soluções para produtos de limpeza doméstica na companhia. “A cada ano fui percebendo o número de mulheres crescendo na faculdade, numa área que era historicamente dominada por homens” considera. “Acredito que a ciência pode solucionar a maioria dos problemas do mundo, depende apenas de interesse e investimento, inclusive para a formação das pessoas desde o ensino básico”, defende.

Recém-chegada aos laboratórios de Formuladores Industriais, a estagiária de aplicação Isabely Fernanda dos Santos Ribeiro está muito feliz com a autonomia e liberdade para sugerir ideias e a possibilidade se integrar completamente em projetos em aditivos para agro e formulações para a indústria de álcool e açúcar. “Entendo que as mulheres já estão presentes na ciência, ao menos na minha faculdade e aqui na BASF. É uma realidade que já está acontecendo e espero que aconteça cada vez mais”.

Essas histórias mostram que há um terreno fértil para as mulheres se desenvolverem e crescerem ainda mais no mundo da ciência. Cada dia é uma nova oportunidade para tomar decisões, e essas mulheres, cada uma a partir de seu papel, de sua paixão, mostram o espaço que existe para que as histórias sobre mulheres na ciência continuem a ser criadas e contadas.

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

tigreA Tigre realizou no dia 24 de janeiro, encontro de engenharia de aplicação e capacitação no Hospital da Criança Grendacc (Grupo em Defesa da Criança com Câncer), em Jundiaí (SP). A ação, que contou com a parceria do ICRH (Instituto Carlos Roberto Hansen), braço social da companhia, envolveu 50 voluntários.

Instrutores técnicos, engenheiros de aplicação e analistas se dedicaram à manutenção e à instalação de torneiras automáticas Tigre e à pintura do local, entre outras atividades de capacitação, mas que deixam um legado para o hospital. Também foram doados kits com pincéis artísticos Tigre para as crianças internadas e organizadas barraca de brincadeiras e mini gincana com arrecadação de verba e distribuição de brindes para a comunidade.

“O nosso objetivo foi capacitar o time de engenharia em nosso portfólio com uma ação social para uma entidade que cumpre o seu propósito, reforçando assim a mensagem do voluntariado e o quanto podemos ser solidários, cada um fazendo a sua parte, dentro de suas possibilidades. Geralmente, após os treinamentos de produtos aos times, esses produtos são descartados. Pudemos treinar os times com as ferramentas para pintura, hidráulica e Tigre Metais e praticar uma boa ação”, afirma Toshio Kiwara Junior, gerente de Engenharia de Aplicação da Tigre.

O Hospital da Criança Grendacc atende crianças e adolescentes pelo SUS (Sistema Único de Saúde), por meio de encaminhamentos feitos pelas Unidades Básicas de Saúde de Jundiaí e região e também atende alguns convênios. Para ajudar na manutenção do hospital, que conta com 11 leitos de internação, cinco quartos duplos, um leito de isolamento e cinco de UTI, basta acessar: https://grendacc.doarfacil.com.br/campanhas/manutencao-da-nossa-estrutura

“A ideia é sensacional: ao mesmo tempo que treinamos nossos profissionais na instalação de produtos Tigre, apoiamos uma entidade com melhorias e reformas em suas instalações hidráulicas e elétricas, além da pintura do local”, resume Julio Franco, executivo do ICRH. Ao participar da campanha, a ajuda segue diretamente às 21 crianças que estão em tratamento efetivo (fazendo quimioterapia ou radioterapia) e outras 76 que estão em acompanhamento (passando por consultas e exames periodicamente).

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

aureo

Áureo Bordignon, CEO da Golden IT

As projeções divulgadas no último relatório Focus, do Banco Central, no fim do ano passado, elevaram as expectativas da inflação para 2023 e 2024. Isso significa que o preço dos alimentos — dentro e fora do lar — deve subir igual ou até mais do que nos últimos quatro anos, quando foi possível sentir na pele (e no bolso) um percentual de 57%, do café da manhã às demais refeições diárias, bem acima, até mesmo, dos 30% da inflação geral do período.

Então, com o custo de alimentos ascendente e inibindo a quantidade de produtos na mesa das famílias, a tendência é que as pessoas poupem recursos e comprem somente o indispensável. Ademais, a crise internacional, a guerra da Rússia contra a Ucrânia e os altos custos de produção são fatores que acendem um sinal amarelo para a indústria de alimentos não operar com prejuízo.

Neste sentido, há quem pense que funcionar no vermelho é uma exclusividade das pequenas empresas no setor, mas infelizmente grandes estabelecimentos são frequentemente afetados por falta de atenção ou prudência, essencialmente quando o assunto diz respeito aos procedimentos internos. A perda de matéria-prima é um dos principais obstáculos aqui. Uma vez que estamos falando de produtos perecíveis e de alto nível de destrutibilidade em transportes e manuseio, esse erro é um dos que mais causam desperdícios e danos nas indústrias.

Áureo Bordignon, CEO da Golden IT, especialista em sistemas ERP para a indústria alimentícia, chama atenção para estoques sem planejamento, vencimento das datas de validades e até mesmo superprodução de produtos, muitos dos quais não serão consumíveis. A saída, segundo ele, para reverter esse cenário está na automação de processos, em que não há necessidade de interação humana ou de automatização (a qual necessita desse tipo de relação). “Felizmente, após a pandemia, os negócios estão voltando à normalidade, e as empresas necessitam recuperar os prejuízos, é claro, mas é importante evitar novos. Com isto, muitos estabelecimentos estão investindo em máquinas e equipamentos mais eficientes e autônomos”.

O problema é que, com a evolução da tecnologia, quando uma nova ideia é implementada, dentro de pouco tempo o que era inovação já está obsoleto. “Isso não quer dizer que a solução esteja ultrapassada, mas que é necessário estar sempre investindo em tecnologia. E as empresas do segmento de alimentos devem sempre contar com profissionais preparados para aprender novas tecnologias. Na maioria dos casos, as pequenas empresas não conseguem manter estes profissionais no quadro de funcionários. Então, a solução é ter parcerias com empresas que forneçam estes profissionais”, comenta Áureo.

Para o processo de automação, são necessários diversos recursos que necessitam de várias empresas para colocá-lo em prática. E, sabendo disso, a Golden IT fechou parcerias com distintas empresas, desde fabricantes de equipamentos a importadores e consultores especializados em OEE (Overall Equipment Effectiveness, ou Eficiência Global do Equipamento). “Uma empresa que investe em automação consegue produzir mais com menos operadores. Isto se traduz em redução de custos e aumento de produtividade”, explica Áureo, salientando que, se uma empresa não investir em automação, vai chegar um tempo que não terá preço competitivo para se manter no mercado.

A automação em uma indústria de alimentos ainda supre a carência da mão de obra básica, não especializada. Porque, em um processo industrial em que há dez operadores, com a automação, são necessários somente dois. Outra vantagem, neste sentido, é a facilidade em treinar os profissionais em um processo automatizado em relação a um processo manual.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

etienne-girardet-nxI4JyYosNY-unsplashA Schneider Electric lançou um apelo urgente para governos e empresas de todo o mundo para acelerarem suas ações de sustentabilidade que intensifiquem os investimentos em tecnologias que os ajudarão a reduzir suas emissões de carbono e reforçar sua segurança energética.

A chamada ocorre em meio ao aumento dos preços da energia, uma crise de fornecimento de energia e uma rápida aceleração das mudanças climáticas, que juntos representam grandes desafios para empresas, economias e sociedades em todo o mundo. Esses desafios formaram o pano de fundo da reunião anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, de 16 a 20 de janeiro, da qual participaram executivos seniores da Schneider Electric.

“As crises climáticas e energéticas de hoje são uma realidade econômica para um número cada vez maior de pessoas. À medida que líderes empresariais e formuladores de políticas se reúnem em Davos, devemos agir de acordo com nossos próprios interesses de longo prazo, não de curto prazo”, afirmou Jean- Pascal Tricoire, presidente e CEO da Schneider Electric. “Não devemos evitar as decisões difíceis. Não há prosperidade de longo prazo sem uma transição energética completa. Na Schneider, nossa abordagem é ‘Digitalizar, Criar estratégias, Descarbonizar’ — empresas, governos e sociedades devem fazer isso agora, para cumprir os compromissos que assumiram.”

Com 38% das emissões globais de CO2 provenientes do ambiente construído e outros 32% da indústria, os produtos, softwares e serviços da Schneider Electric nas áreas de automação industrial e gerenciamento de energia ajudam empresas, indústrias, gerentes de edifícios e residências a descarbonizar e digitalizar seu uso de energia.

A Schneider Electric também oferece insights profundos sobre tendências e soluções de descarbonização, por meio de pesquisas e relatórios detalhados compilados pelo Schneider Electric Sustainability Research Institute.

Uma pesquisa independente com mais de 500 executivos de alto escalão encomendada pela Schneider no ano passado descobriu que os compromissos e investimentos em sustentabilidade corporativa são frequentemente prejudicados pela complexidade da descarbonização. Em média, o compromisso financeiro com iniciativas de sustentabilidade e descarbonização nas empresas pesquisadas foi inferior a 2% da receita projetada nos próximos três anos — apesar do fato de que esses investimentos costumam ser eficientes e econômicos, com retorno do investimento muitas vezes abaixo de um para três anos.

Os entrevistados destacaram o alinhamento das partes interessadas, orçamento, tecnologia, habilidades e regulamentação como desafios para a implementação da sustentabilidade. No entanto, a maioria observou que a automação industrial aprimorada e a atualização da infraestrutura elétrica formarão uma parte fundamental de seu plano de sustentabilidade para os próximos três anos.

A aquisição de energia renovável está entre as principais iniciativas do lado da oferta, enquanto a eletrificação — uma medida importante do lado da demanda — tem uma pontuação baixa entre as prioridades de sustentabilidade das organizações. Juntamente com a eletrificação, o fornecimento de maior eficiência na infraestrutura existente por meio da digitalização e automação estará entre as alavancas mais importantes na próxima década, sendo o meio mais rápido e eficiente em termos de capital para muitas organizações reduzirem as emissões.

Adotando nos negócios sustentabilidade com soluções digitais essenciais para navegar na crise global de energia

Um outro relatório recente da Schneider Electric sobre o potencial de eletrificação da UE descobriu que o foco em setores em que a eletrificação é viável e atraente poderia aumentar a participação da eletricidade no mix de energia de cerca de 20% para 50%. Por sua vez, a quota do gás natural e do petróleo cairia cerca de 50%, contribuindo significativamente para uma maior segurança energética. A Schneider Electric oferece soluções específicas e práticas para ajudar as empresas a navegar nessa transição com mais rapidez e eficiência.

A companhia aponta que a atual crise energética europeia segue décadas de energia segura, confiável, disponível e preços relativamente estáveis. Muitos estão experimentando, pela primeira vez, suprimentos de energia imprevisíveis e preços inacessíveis, demonstrando uma falha tanto na preparação para a segurança energética de longo prazo quanto na implementação de planos de descarbonização. Isso, por sua vez, ressalta a importância de reavaliar toda a equação energética, desde o lado da oferta (transição energética) até o lado da demanda (eficiência energética).

“O propósito e os lucros devem se alinhar para se tornarem forças poderosas na luta contra a mudança climática”, disse o Sr. Tricoire. “Já temos a tecnologia para evitar as crises energética e climática, também para fornecer distribuição e uso de energia segura, confiável e sustentável. Nossa abordagem baseada em dados, abrangendo automação industrial, digitalização e a tecnologia digital do metaverso corporativo, se combinam para destravar um futuro mais promissor, mais sustentável e mais próspero. A urgência por ação nunca foi maior do que agora.”

Foto: Etienne Girardet

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

abb2A ABB tem trabalhado com a Boliden, empresa sueca de mineração e fundição, para desenvolver uma cooperação estratégica para usar cobre com baixo carbono em seus equipamentos de agitação eletromagnética (EMS) e motores elétricos de alta eficiência. O objetivo é reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) enquanto impulsiona a transição para uma economia mais circular.

A parceria com a Boliden é parte integrante do objetivo estratégico da ABB de reduzir o impacto ambiental das matérias-primas utilizadas em seus produtos, substituindo-as por alternativas de baixo carbono. Além de usar cobre reciclado, a ABB se comprometeu a aumentar o uso de aço elétrico reciclado (e-steel) e alumínio reciclado. A mudança também é um passo importante para fechar o ciclo de circularidade que já visualizou a ABB projetando seus motores para serem até 98 por cento recicláveis, com os dois por cento restantes dos materiais disponíveis para serem incinerados para recuperação de calor. A reciclagem de cobre, alumínio e aço oferece economia de energia entre 75 e 95 por cento em comparação com a produção virgem.

“Como parte da estratégia de sustentabilidade da ABB para 2030, nossa meta é que 80% de nossos produtos e soluções sejam cobertos por uma abordagem de circularidade. O trabalho com a Boliden é um passo importante em direção a esse objetivo”, afirmou Ola Norén, chefe de Produtos de Metalurgia, Indústrias de Processo da ABB. “Ao fazer um balanço da entrega até o final deste ano, garantiremos que todos os nossos produtos de metalurgia usem condutores ocos de cobre reciclado a partir de 2023.”

“Queremos possibilitar um futuro mais sustentável e eficiente em termos de recursos e, com essa colaboração, nossos clientes podem não apenas descarbonizar, atualizando para motores com eficiência energética, mas também instalar a tecnologia ABB que tem uma pegada ambiental melhorada, graças ao cobre da Boliden,” afirmou Ulf Hellstrom, diretor administrativo da ABB Motion, na Suécia. “Este é um excelente exemplo de economia circular na prática.”

Com a cooperação, a ABB fez o primeiro pedido de cobre reciclado certificado da Boliden através da Luvata, especialista finlandesa em fabricação de metais. O fio condutor oco feito do material será usado nos produtos EMS da ABB para fabricação de aço e alumínio.

Além disso, a partir de 2023, a ABB comprará cobre reciclado e de baixo carbono da Boliden para cobrir a demanda por seus motores IE5 Ultra-Premium Efficiency SynRM e e-mobility produzidos na Europa. As duas empresas também assinaram um memorando de entendimento que permitirá à ABB auxiliar a Boliden na identificação de motores de baixa tensão ineficientes em suas unidades operacionais. Esses motores podem então ser substituídos por motores de alta eficiência dentro da estrutura de reciclagem da ABB, com os motores antigos reciclados para fornecer matéria-prima para o cobre reciclado da Boliden.

O cobre é um material vital para a fabricação de equipamentos elétricos industriais, mas sua produção requer consumo energético elevado. Para resolver isso, a Boliden desenvolveu cobre de baixo carbono que é extraído usando energia livre de fósseis e também produz cobre usando matéria-prima secundária de produtos reciclados. A pegada de carbono desses produtos é 65% menor do que a média do setor. Um motor típico de 75 kilowatts (kW) pesando 650 kg pode incluir 80 kg de cobre. O uso do cobre da Boliden economiza aproximadamente 200 kg de emissões de CO₂ para cada um desses motores fabricados. Cada agitador tem até 2.700 kg de cobre, economizando até 6.700 kg de CO2 por agitador.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

exportação #revistaps importação IBGE Perspectivas Oportunidade PIB CNI máquina Revista P&S Evento Pesquisa inovação Feira Internacional da Mecânica Meio Ambiente Industrial Artigo FIESP Investimento meio ambiente sustentabilidade Lançamento máquinas e equipamentos mercado Economia Feimafe tecnologia Feira indústria Site P&S Radar Industrial