Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

O ar comprimido de baixa pressão é o pilar de sustentação de muitos processos de produção como já abordado anteriormente. No tratamento de esgoto, no transporte pneumático, na dessulfurização de gás de combustão e nas aplicações industriais, o soprador de parafuso isento de óleo ZS, da Atlas Copco, mantém a produção em plena atividade ao mesmo tempo em que reduz os custos de energia.

Optando por utilizar tecnologias mais sustentáveis, na indústria alimentícia Frito Lay, do grupo PepsiCo, as instalações da Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) contam com sopradores de parafuso isentos de óleo da Atlas Copco, modelo ZS para realizar a aeração dos tanques.

Nível de ruído inferior a 72 dB a uma distância de 1 metro
Atualmente, nenhum isolamento acústico é necessário dentro da sala onde está instalado o soprador na ETAR da Frito Lay, pois o nível de ruído, a uma distância de 1 metro, não atinge a 72 dB. Tal fato está de acordo com a normatização da segurança no trabalho e conformidade com leis ambientais. As antigas tecnologias de aeração, que foram substituídas, operavam com níveis superiores de ruídos e exigiam gastos com isolamento acústico.

30% mais eficiente: unindo o útil ao sustentável
Ao substituir a antiga tecnologia de lóbulo pelo novo soprador de parafuso, a ETAR da Frito Lay alcançou uma média de 30% de eficiência energética em sua produção. O soprador contribuiu para reduzir significativamente os custos de funcionamento da ETAR mesmo com operação contínua de, no mínimo, 7 dias por semana, sendo 18 horas por dia. O soprador de parafuso Atlas Copco modelo ZS gera, em média, economia de energia maior em comparação com um soprador de lóbulos tradicional do tipo “Roots”. Isso pode ser visto no diagrama a seguir, que relaciona a Pressão e o Volume de um soprador de lóbulos, na qual o trabalho de compressão é representado pela área azul e é proporcional à energia consumida.

Conforme mostrado no diagrama a seguir, ainda, que relaciona a Pressão e o Volume de um soprador de parafusos, o trabalho de compressão é representado pela área azul e é proporcional à energia consumida. A área verde representa a economia de energia de um soprador de parafusos em comparação com um soprador de lóbulos rotativos tradicional, do tipo “Roots”. Isso ocorre devido à compressão interna, ou seja, à medida que os rotores se deslocam um em direção ao outro, o volume de ar diminui.

O resultado é o que pode ser constatado na Frito Lay. Investindo em inovação tecnológica no processo de tratamento de águas residuais e uso de fontes alternativas de energias, a indústria conseguiu atingir valores de eficiência energética acima do padrão europeu.

TAGS: , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

Ambientes fechados são o alvo

O modelo de empilhadeira 8 FBN com 2,500 quilos foi a novidade do estande da Toyota na Cemat 2013. A empresa apresentou ao mercado esse modelo de empilhadeira elétrica que tem como diferencial o fato de ser ecologicamente correta. “Desenvolvemos um tipo de empilhadeira que conta com bateria, portanto, não emite poluentes. O modelo é ideal para áreas dos ramos alimentício, cosméticos e ambientes fechados onde máquinas de combustão não podem trabalhar”, explica Gustavo Mesquita, vendedor técnico da Toyota.

O modelo da Toyota consistem em um equipamento que vem com itens de segurança, como, por exemplo, um sensor de presença no banco. “O equipamento só funciona se um operador estiver sentado nele, diferente de outros do mercado que entram em operação a um mínimo toque”, explica Gustavo Mesquita, vendedor técnico da Toyota.

Segundo ele, a bateria funciona como contrapeso da máquina. “É o ponto de equilíbrio do equipamento”, afirma Mesquita.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Empresa referência no mercado de reúso de água e tratamento de água da chuva revela dicas simples para que todos possam contribuir para a preservação do meio ambiente.

O verão está chegando e, junto com a estação mais quente do ano, chegam, também, as corriqueiras e constantes pancadas de chuvas. Mas, esse fenômeno da natureza pode ser um meio para economizar dinheiro, água contribuindo para a preservação do o meio ambiente. Para isso, o engenheiro César Argentieri, da Acquabrasilis, empresa especializada em sistemas de aproveitamento de água, traz algumas dicas para usar a água que vem do céu.

É possível coletar e reservar a água da chuva por meio de recipientes como baldes espalhados pelo quintal; as chuvas de verão são fortes e permitem armazenam o bom volume de água; outra maneira de coletar a água pluvial é por meio das calhas, a partir das quais a água pode ser levada por tubulações para um ponto centralizado para armazenamento. Mas, independente da forma de armazenamento, não se deve guardar a água sem tratamento se não for para uso imediato.

“Lembrando que esta água não é recomendada para consumo humano, podendo, preferencialmente, ser usada para fins não potáveis, como, rega de canteiros, irrigação das plantas, limpeza de pisos, calçadas e lavagem de carros”, resume Cesar Argentieri.

Quando a residência ou edifício possui um sistema de tratamento para aproveitamento de água de chuva, esta pode ser também usada para descarga de banheiros.  Neste caso, existem  sistemas de tratamento aos quais a água captada é direcionada  e que são constituídos de filtros e de dispositivos de desinfecção da água.

Para aqueles que desejam instalar um sistema de aproveitamento de águas de chuva, sugere-se o desenvolvimento de um projeto específico na fase inicial de concepção da obra, quando é possível prever o tipo de captação das águas, as tubulações de condução até a central de tratamento, o dimensionamento do reservatório e dessa central. O investimento, para uma residência, considerando, inclusive, obras civis e reservatório, fica em torno de quinze mil reais.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Prefeitura do Rio de Janeiro quer ampliar cobertura da coleta seletiva de resíduos para todos os bairros da Cidade

A Cidade do Rio de Janeiro gera aproximadamente 10.000 toneladas diárias de resíduos sólidos urbanos, sendo 47,3% de lixo domiciliar, 38,3% de lixo público e o restante compreendido pelas parcelas de resíduos da construção civil, de grandes geradores, de resíduos hospitalares e remoção gratuita.

O município concluiu o seu Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS, dentro das diretrizes traçadas pela nova Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Esse Plano será integrado ao Plano de Água e Esgoto do município do Rio de Janeiro (PMSB) e periodicamente atualizado.

Este será o tema da palestra da Gerente de Resíduos Sólidos da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura Rio de Janeiro, Cláudia Fróes, que vai falar sobre as estratégias da Cidade do Rio de Janeiro para a gestão integrada de resíduos sólidos, durante o 3º Workshop sobre Soluções e Tecnologias para a Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, que acontece no próximo dia 18 de outubro, no Centro Empresarial Rio, em Botafogo, no Rio de janeiro. O encontro contará também com a presença do o assessor da Diretoria Técnica da COMLURB, José Henrique Penido, que vai falar sobre a gestão de resíduos da construção na cidade do Rio de Janeiro.

De acordo com a Prefeitura, um dos pontos fortes do Plano será a coleta seletiva na Cidade, hoje em escala insuficiente frente à quantidade de lixo gerado, que atende apenas a 41 dos 160 bairros do município e de forma parcial, cobrindo apenas às principais ruas dos bairros. Um grande programa já está em andamento para a ampliação da coleta seletiva para todos os bairros da Cidade, através de um contrato de aproximadamente R$ 52 milhões, assinado entre a Prefeitura do RIO e o BNDES, permitirá a inclusão social de até 1.500 catadores. Sua operação permitirá o aumento do atual percentual de coleta seletiva de cerca de 1% para 5% dos materiais potencialmente recicláveis (31.000 toneladas/ano) até o final de 2014.

À Prefeitura caberá a cessão de seis áreas por 10 anos, renováveis por mais 10 anos, e a ampliação da coleta seletiva “porta-a-porta” na Cidade, duas vezes por semana, nos diferentes bairros do município (bairros da zona sul e parte das zonas norte e oeste, até o final de 2012, e restante da Cidade até final de 2013), estendendo-a a todos os 160 bairros, com recursos estimados em 28 milhões de reais.

Ao BNDES caberá o repasse de recursos, não reembolsáveis, da ordem de 22 milhões para a construção das seis Centrais de Triagem – CTs, devidamente equipadas, para recebimento, triagem, armazenamento temporário e comercialização dos materiais recicláveis provenientes da coleta seletiva domiciliar. Além dos projetos de capacitação das cooperativas de catador e do assessoramento na gestão e na comercialização dos materiais recicláveis, de educação ambiental e de divulgação do Programa.

Além da Gerente de Resíduos Sólidos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Rio, Cláudia Fróes, já confirmaram presença no workshop o Presidente da Emop, Ícaro Moreno;  a Gerente de Educação Ambiental do Instituto Estadual do Ambiente do Rio de Janeiro (INEA), Pólita Gonçalves; o Diretor Executivo Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais  – Abrelpe; o assessor da Diretoria Técnica da COMLURB, José Henrique Penido;  Carlos Silva Filho; o gestor do Programa de Resíduos da Prefeitura de Lençóis Paulista, Benedito Luiz Martins; a Gerente de Sustentabilidade daContemar Ambiental, Camila Passarella Bortoletto; o arquiteto Gustavo Calazans (FAU/USP); o Instituto Brasileiro de Administração Municipal (IBAM), a Prefeitura de Goiânia e o representante do Sindicado de Distribuidores de Combustíveis do Rio de Janeiro.

O objetivo do Workshop é apontar e detalhar as exigências da nova lei, as dificuldades e soluções para que os municípios se enquadrem à nova Lei, além de reunir e debater experiências que já foram implementadas em outras cidades brasileiras. Em menos de dois anos  termina o prazo estipulado pela Lei 12.305, que instituiu a Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS), para a erradicação de todos os lixões e sua substituição por aterros sanitários. Isso significa que, até agosto de 2014, todos os municípios terão de estar enquadrados nas diretrizes da nova Lei, sob o risco de perderem o acesso a reursos públicos e ficarem sujeitos a pesadas multas, que variam de R$ 5 mil a R$ 50 milhões.

Serviço: As inscrições para o workshop estão abertas, mas as vagas são limitadas. Os contatos podem ser feitos através dos telefones(21) 2262-9401/ 2244-6211. O formulário de inscrição também pode ser solicitado pelo e-mail inscricao@planejabrasil.com.br ou pelo Atendimento ao Participante nos telefones da Planeja & Informa, promotora e organizadora do evento.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Miguel Bahiense, presidente da Plastivida, entidade que representa a cadeia produtiva do plástico, acredita que o consumidor pode pedir a sacolinha a partir de hoje (21/06) nos supemercados. Segundo ele, a rejeição do Termo de Ajustamento de Conduta, o TAC, permite que o consumidor exerca seus direitos no ponto de venda.

O Ministério Publico de São Paulo disse nesta quarta-feira (20/06) que os supermercados de São Paulo deverão melhorar a proposta do TAC que incentivou o fim da distribuição de sacolinhas gratuitas no Estado para que ele seja aceito.

Em resposta, a Associação Paulistas de Supermercados (APAS) esclarece que até o presente momento o Ministério Público não divulgou qualquer informação.
“Desde o início de abril deste ano, os supermercados paulistas deixaram de distribuir 1,1 bilhão de sacolas plásticas descartáveis, com significativa redução de impactos sobre as cidades”, explica a entidade em nota à imprensa.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Segundo Luciano Basto, o ganho poderia ser até maior se o país investisse na economia de água durante o processo produtivo da indústria nacional

Brasil poderia economizar R$ 32 bilhões por ano, se todos os resíduos fossem reaproveitados. A conta é do pesquisador do Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (Ivig) da Coppe/UFRJ, Luciano Basto, que participou, nesta sexta-feira, do painel  “Consumo, Resíduos e Reciclados: o Luxo e o Lixo”, em conferência promovida pela Coppe/UFRJ, na Cidade Universitária. Segundo Basto, o ganho poderia ser até maior se o país investisse na economia de água durante o processo produtivo da indústria  nacional.

A Coppe/UFRJ tem desenvolvido diversos projetos de reaproveitamento de resíduos, a exemplo de usinas que transforma lixo em energia e esgoto em biogás; e no processo de uso de resíduos da cinza de bagaço de cana em uma mistura para ser usada junto ao cimento, reduzindo assim a emissão de CO2 na atmosfera. O professor Romildo Toledo, professor do Programa de Engenharia Civil da Coppe/UFRJ, também presente ao evento, explicou que os resultados obtidos até agora mostram que é possível misturar até 10% de cinza ao cimento com um pequeno aumento na qualidade, em comparação com o cimento convencional; e até 20%, mantendo a qualidade do produto original.

 Para o presidente da Associação de Catadores de Material Reciclável de Jardim Gramacho, Tião Santos, o mundo ficou pequeno para tanto lixo: “A reciclagem é a saída para diminuir o impacto ambiental e social. No Brasil, que ainda não chegou ao estágio de ter apenas aterros sanitários, a reciclagem surgiu no combate à pobreza. É preciso romper o preconceito diante do lixo, mostrar que reciclá-lo é coisa de gente inteligente.”

 A professora do Programa de Planejamento Energético da Coppe/UFRJ, Alessandra Magrini, ressaltou, entretanto, que deve-se também investir na redução da geração  de resíduos, com princípios de química, e engenharia verde, otimizando plantas industriais. “Também podemos melhorar os produtos, com ecodesign e a previsão de que possam ser reciclados em partes.”

Transportes  – Em outro painel, foram debatidas alternativas para a sustentabilidade das cidades. Transportes foi apontado como o maior vilão da atualidade no tocante à mobilidade urbana. Segundo o professor do Programa de Engenharia de Transportes da Coppe/UFRJ, Márcio D´Agosto , seria possível reduzir em até dez vezes o consumo de energia no Rio de Janeiro caso a população passasse a utilizar mais transporte público

 “Basta levar em conta que, em média, um automóvel percorre dez km com um litro de combustível transportando apenas uma pessoa, enquanto um ônibus percorre 2,5 km por litro, com 60 pessoas”, disse o professor.

TAGS: , , , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

* Romilton Santos  
O Dia Mundial da Água foi criado na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1992 e é comemorado desde 22 de março de 1993. Água remete a saúde, limpeza, sustentabilidade.A sustentabilidade está ligada diretamente ao Triple Bottom Line, que representa a necessidade de uma organização avaliar o seu desempenho sob três diferentes perspectivas: ambiental, social e econômica. Ou seja, qual a capacidade de uma organização se manter ativa e gerando valor para a sociedade e o meio ambiente em longo prazo.

Para empresas do setor de limpeza profissional, esta responsabilidade é ainda maior. Limpar, em si, é um ato de defesa do meio ambiente. Mas é preciso garantir que os procedimentos, os equipamentos e produtos corram na mesma direção. E este é um dos papéis da Abralimp – Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional: fortalecer o conceito de sustentabilidade no mercado.

A cadeia produtiva da limpeza profissional é composta por distribuidores de máquinas e equipamentos; distribuidores de descartáveis e produtos; fabricantes de máquinas; fabricantes de equipamentos, acessórios e dosadores; fabricantes de químicos; fabricantes de descartáveis; prestadores de serviços e usuários. Cada mercado tem se movimentado para atender à nova demanda, investindo na produção de materiais mais sustentáveis.

Essa responsabilidade começa desde a adequação dos meios e recursos produtivos com consumo consciente de energia, minimização de poluentes a serem lançados na atmosfera, da quantidade de efluentes e resíduos sólidos gerados e a não contaminação do solo e da água. Além disso, há políticas e procedimentos com o fim de não gerar passivos ambientais. A ordem é reduzir, reciclar e reutilizar.

No caso das prestadoras de serviços, o foco é na otimização dos processos operacionais para reduzir consumo de produtos de limpeza e tempo de utilização de máquinas. Além disso, é imperativo manter um quadro de colaboradores com mão de obra qualificada para a execução deste tipo de trabalho.

Nesta frente, a Abralimp entra com os treinamentos da Uniabralimp – Unidade de Formação Profissional da Abralimp, para educação e capacitação de profissionais. Afinal, de que adianta uma empresa dispor de equipamentos de última geração, se o operador não sabe utilizar metade de suas funções?

Os usuários finais de serviços de limpeza, os chamados facilities, de setores como o industrial, de hotelaria, educação, instituições financeiras, shopping centers e instituições médico-hospitalares devem buscar em seus fornecedores os mesmos comprometimentos. Uso de produtos químicos verdes, descartáveis cujo custo-benefício seja em prol do meio ambiente, máquinas e equipamentos que economizam recursos e outras possibilidades de redução dos impactos ambientais são práticas que levam à garantia do tripé da sustentabilidade, cada vez mais inerente às organizações modernas.

A operação de limpeza não é mais executada por pessoas sem treinamento. Somos o segundo segmento que mais emprega no País. São 1,5 milhão de pessoas trabalhando com carteira assinada. Com a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016 para acontecer no País, temos que aproveitar este grande momento para mostrar as melhores práticas de limpeza e sustentabilidade no mercado de asseio e conservação, que vem participando de forma cada vez ativa da economia brasileira.

* Romilton Santos é presidente da Abralimp – Associação Brasileira do Mercado de Limpeza Profissional

 

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

A campanha publicitária da Apas sobre as sacolinhas foi suspensa por unanimidade de votos, em reunião da 1ª Câmara, por estar fora dos padrões legais da normatização do Conselho

O Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (CONAR) decidiu por unanimidade, na última quinta-feira, 1º de março, pela suspensão da campanha “Vamos tirar o planeta do sufoco”, veiculada em jornais, revistas, internet, outdoor e materiais promocionais e ações internas nos supermercados, com objetivo de mostrar as sacolas plásticas como vilãs do meio ambiente. A campanha é uma iniciativa da Associação paulista de Supermercados (Apas) e do Governo do Estado de São Paulo.

A campanha publicitária da Apas sobre as sacolinhas foi suspensa por unanimidade de votos, em reunião da 1ª Câmara, por estar fora dos padrões legais da normatização do Conselho, especialmente no aspecto que zela pela sustentabilidade, pelas questões socioambientais e pelo direito do consumidor.

A decisão está publicada no site da entidade: www.conar.org.br .

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

A Agência de Fomento Paulista – Nossa Caixa Desenvolvimento – coloca à disposição dos associados da ABINEE uma equipe de profissionais especializados para incrementar suas operações. O objetivo é que os associados da entidade tenham acesso às linhas de financiamento da Nossa Caixa Desenvolvimento de forma proativa.

Os representantes da agência agendarão visitas às empresas para detalhar as linhas de financiamentos. Estes especialistas serão responsáveis pelos cadastros e coletas de documentos cadastrais, bem como toda a formalização da operação. Entre as linhas oferecidas pela agência de fomento está Financiamento ao Investimento Paulista (FIP); Linha Especial de Investimentos (LEI); e a Linha Economia Verde, que financia projetos do setor produtivo que proporcionem a redução de emissões de Gases de Efeito Estufa no meio ambiente.

A Nossa Caixa repassa, também, recursos do BNDES, através dos programas Finame, BNDES Automático, BNDES-PSI e Progeren (Capital de Giro). As linhas podem atender, também, os clientes das associadas localizados tanto no Estado de São Paulo como nos Estados limítrofes (Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul).

Empresas interessadas em agendar uma visita de representantes da Nossa Caixa Desenvolvimento, devem entrar em contato com Tadeu Cortez, por e-mail: ou tadeu@bns.com.br ou por telefone: 11 2125-7900.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Em junho de 2012, líderes de 193 países debaterão, no Rio de Janeiro, o futuro da sustentabilidade ambiental do planeta durante a Conferência Rio+20 sobre Desenvolvimento Sustentável. Entre as diversas etapas de discussão preparatória, promovidas por vários segmentos da sociedade brasileira, acontece no dia 9 de fevereiro próximo, em São Paulo, no Hotel Maksoud Plaza, o “Despertar para a Rio +20”. Promovido pela ABAG – Associação Brasileira do Agronegócio, o Fórum reunirá, num café da manhã, especialistas governamentais ligados aos ministérios de Relações Exteriores, do Meio Ambiente e da Agricultura, que estão diretamente envolvidos com a preparação do encontro no Rio.

Participarão do Fórum o embaixador André Correa do Lago, chefe do Departamento de Meio Ambiente e Temas Especiais do Ministério das Relações Exteriores; Fernando Antonio Lyrio Silva, chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais do Ministério do Meio Ambiente; e Erikson Camargo Chandoha, secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos estão trabalhando na preparação da Rio +20.

O principal objetivo do encontro dos especialistas com as lideranças empresariais do agronegócio brasileiro é antecipar como se encaminhará a discussão em relação a um dos temas centrais da Rio+20, que é o do desenvolvimento sustentável e da erradicação da pobreza. Tal ponto, a ser discutido no evento, que comemora os 20 anos da realização da conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, promovida em 1992 na capital carioca, tem relação direta com o agronegócio na medida em que a própria ONU estabeleceu que ele deve ser tratado no contexto da economia verde, definida como aquela que resulta em melhoria do bem-estar das pessoas, em razão de uma maior preocupação com a equidade social, com os riscos ambientais e com a escassez dos recursos naturais.

Os analistas econômicos e de sustentabilidade lembram ainda que o desenvolvimento sustentável envolve três áreas que enfrentaram graves crises nos últimos anos. A saber: a econômica, pela instabilidade financeira que assola os países desenvolvidos e desafia o crescimento do mundo em desenvolvimento; a social, em que a estabilidade dos empregos e o acesso aos bens básicos ainda não são possíveis à grande parte das pessoas; e a crise do meio ambiente, pelas pressões sobre os recursos naturais e as consequências da mudança do clima.

 

Serviço:

Fórum ABAG – “Despertar para a Rio+20”

Data: 09 de fevereiro de 2012 (5ª feira)

Local: Hotel Maksoud Plaza – Al. Campinas, 140 – Sala Brasil – São Paulo

Horário: 8:30 às 11:30 horas

Inscrições franqueadas pelo telefone (11) 3285-3100

gislaine@abag.com.br

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas Site P&S IBGE importação PIB CNI Revista P&S máquina Evento Radar Industrial inovação Pesquisa Feira Internacional da Mecânica Artigo Investimento meio ambiente FIESP sustentabilidade Lançamento máquinas e equipamentos mercado tecnologia Economia Feimafe Feira indústria