Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

AnprotecA Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), entidade fundada em 1987 e líder do movimento do empreendedorismo inovador no Brasil, consolidou neste mês de dezembro a fusão com a Associação Brasileira de Empresas Aceleradoras de Inovação e Investimento (Abraii) fundada em 2014 e principal associação empresarial do ecossistema de empreendedorismo.

Resultado da iniciativa de aproximação da Associação – que hoje reúne incubadoras de empresas e parques tecnológicos de todo o Brasil – com novos atores do movimento, a fusão possibilitará que as 21 aceleradoras ligadas à Abraii sejam somadas ao quadro de 345 associados da Anprotec. Essa união ampliará o apoio e a representatividade da Anprotec em todo o ecossistema de inovação. Com isso, a Associação dá mais um passo na promoção e no fortalecimento do empreendedorismo inovador, eo principal caminho para construção da nova economia e uma das saídaa para a crise econômica atual.

Para o presidente da Anprotec, Jorge Audy, a união entre a Anprotec e a Abraii pode potencializar o crescimento econômico e o desenvolvimento nacional, tendo a inovação e o empreendedorismo como o principal motor desse processo. “A crise econômica atual nos oferece é uma grande oportunidade: usarmos a inovação, o empreendedorismo, a geração de startups e a criação de novas empresas que utilizam a tecnologia como principal fator, como plataformas para o desenvolvimento no século XXI, assim, nos inserindo na sociedade cada vez mais digital, seja por meio dos diversos mecanismos de geração de empreendimentos ou por meio dos ecossistemas de inovação”, afirma Audy.

Já para o novo diretor de ambientes de inovação da Anprotec e também diretor executivo da Abraii, Alex Jacobs, a fusão representa o mais importante movimento recente do empreendedorismo inovador brasileiro. “Essa ação vai ao encontro de um desejo de toda a sociedade: aproximar a academia do mercado. Esse esforço, que une duas forças tão relevantes do empreendedorismo e da inovação, é essencial para que consigamos dar o salto que todos desejam para o desenvolvimento de novos negócios do Brasil da Economia Pós-Digital.”, explica Jacobs.

Crescimento em escala

As aceleradoras são mecanismos de geração de empreendimentos inovadores com atuação recente no Brasil e no Mundo. Oferecem investimento, capacitação, mentoria continua, acesso ao mercado e sua rede de relacionamentos, geralmente em troca de um equity ou outra forma de remuneração. Inicialmente eram focadas apenas em negócios altamente escaláveis – que apresentam potencial de crescimento rápido – e atrativos para o capital de risco. Surgiram depois aceleradoras voltadas para negócios de impacto social, com ou sem fins lucrativos e mais recentemente surgiram as aceleradoras corporativas como via de mão dupla entre as grandes empresas e o empreendedorismo inovador. /As aceleradoras ofertam geralmente turmas(5 a 15 empresas) de 3 a 12 meses e tem como meta principal transformar a startup em uma empresa autossustentável financeiramente e pronta para receber rodadas de investimento profissional e para enfrentar os desafios de um mercado competitivo. Seu processo de seleção é marcado por uma alta taxa de proponentes por cada equipe selecionada e normalmente acelera startups que já tem uma forte equipe de empreendedores e um modelo de negócios desenvolvido. A Abraii se dedica à articulação junto a demais entidades e associações do ecossistema, órgãos públicos e toda sociedade  na promoção de ações que apoiem o ecossistema empreendedor brasileiro, incluindo a captação de recursos para startups, criação de políticas para o setor,  programas de fomento ao empreendedorismo, e na divulgação das atividades das aceleradoras brasileiras. Ao unir esforços com a Anprotec cria-se uma estrada direta sem desvios entre a academia, o conhecimento, a pesquisa, a inovação, o empreendedorismo e o mercado + investimento.

 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

feiraCom a instabilidade econômica vivida pelo País, há grande expectativa em cima da Feira do Empreendedor, marcada para fevereiro de 2016. O evento deve atrair mais interessados em ter a própria empresa. O Sebrae-SP projeta crescimento de 10% em negócios gerados, ou seja, um montante de aproximadamenteR$8 milhões. Aumento de público deve ser de 20%, 120 mil pessoas devem passar por lá durante os quatro dias de evento, que acontece de 20 a 23 de fevereiro, em São Paulo.“A Feira do Empreendedor é uma excelente vitrine para os expositores e para quem quer empreender, seja por oportunidade ou por necessidade, como no momento atual de crise econômica. O visitante poderá encontrar soluções de negócios em todos segmentos, como franquias, negócios online, máquinas e equipamentos, entre outros”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae-SP, Bruno Caetano

Feira do Empreendedor representa uma grande vitrine para quem quer fazer contatos, além de oferecer serviços, novos produtos e soluções para melhorar a empresa. Os participantes poderão participar de palestras e consultorias abrangendo temas como marketing, finanças, tendências, inovação, exportação, entre outros.

Em um espaço de 30 mil metros quadrados estarão presentes mais de 400 expositores contemplando franquias, negócios online, máquinas e equipamentos, representação comercial porta a porta e serviços.

 

Inscrições

Para os participantes em geral, a entrada é gratuita e as inscrições devem ser feitas pelo link:http://feiradoempreendedor.sebraesp.com.br/. Vale lembrar que é proibida a entrada de menores de 14 anos.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

eletronicoSomente no último ano, foram gastos mais de US$ 1,024 trilhão com tecnologia no mundo. Os gastos foram liderados pelos dispositivos móveis – smartphones e tablets, mas também se destacam as câmeras digitais inteligentes, os computadores desktops, laptops e aparelhos de TVs. Dentre as principais tendências estão os tablets conversíveis em laptops e as TVs de alta definição, Ultra HD (4K) e com conectividade (smart TVs).

Empresas de pesquisa de mercado têm apontado o Brasil como um dos maiores consumidores de equipamentos eletrônicos do mundo e também nas intenções de compras de novos aparelhos. Neste contexto, de 03 a 05 de novembro de 2015, a ICEEB – International Consumer Electronics Expo Brazil reúne em uma área de aproximadamente 4.000m² empresas expositoras do setor de eletrônicos de consumo, trazendo novidades e apresentando lançamentos para o mercado nacional, no Palácio das Convenções do Anhembi, em São Paulo.

Plataforma de negócios e relacionamento para toda a indústria da América do Sul e importante porta de entrada para que empresas internacionais possam ingressar no mercado brasileiro e sul-americano, o evento espera receber, em sua primeira edição, mais de 3.000 visitantes e compradores profissionais. Em exposição: produtos de consumo pessoal, produtos audiovisuais, eletrodomésticos, tecnologia emergente, iluminação, hardware, software e serviço de comunicação, materiais e componentes eletrônicos, produtos eletrônicos públicos e drone VANT (Veículo Aéreo Não Tripulado).

O evento é aberto e gratuito aos profissionais do setor. O credenciamento antecipado pode ser realizado através do site: www.iceeb.com.br

O Comitê Organizador da feira é formado pelo Grupo China Trade Center, a DFE International (Hong Kong) Limited e a 8Com Marketing Solutions. O evento conta com o apoio do SincoElétrico – Sindicato do Comércio Varejista de Material Elétrico e Aparelhos Eletrodomésticos no Estado de São Paulo; Euromonitor Internacional; Sebrae-SP, SP Turis, BR Trade, EMME, ACSP – Associação Comercial de São Paulo e CECIEx – Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras.

Serviço

ICEEB – International Consumer Electronics Expo Brazil

Data: 03 a 05 de novembro de 2015

         * Dias 03 e 04, das 10h às 18h/ Dia 05 das 10h às 17h

Local: Palácio das Convenções do Anhembi – Av. Olavo Fontoura, 1209 – Santana, Portão 38 acesso estacionamento – São Paulo – SP/ Brasil

Mais informações: www.iceeb.com.br

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Considerado o maior evento do setor sucroenergético do mundo, a Fenasucro chega em 2014 à sua 22ª edição e com uma expectativa positiva com relação à geração de negócios durante a Feira e à intenção de investimentos dos visitantes. Os organizadores anunciaram que, faltando pouco mais de três meses para a realização da Fenasucro – 26 a 29 de agosto – 90% dos espaços disponíveis para a Feira já foram comercializados. A expectativa é que 550 expositores integrem os pavilhões do evento que somam mais de 75 mil metros quadrados.

“Esta grande adesão à Fenasucro mesmo em um cenário considerado difícil para o setor, mostra que há o interesse em investir em produtividade, aumento de eficiência e alternativas no mercado. E é exatamente este o objetivo do evento: apresentar soluções para os diferentes setores que compõem a cadeia produtiva da cana, com alternativas reais que podem colaborar muito para superarmos este momento”, explica Gabriel Godoy, Diretor da Fenasucro. A feira deve estar completamente vendida em meados de julho.

Godoy destaca ainda que a adesão de novas empresas e a presença de gigantes do setor mostram que existe uma expectativa geral de que o evento seja realmente um vetor de soluções neste momento. Outro ponto positivo apontado pelo diretor é a perspectiva de público internacional e a intenção de compra dos visitantes em geral. “Temos a confirmação de visitantes/compradores da América do Sul, Caribe e até África. Além disso, cerca de 60% dos pré-credenciados apontam intenção de compra nesta edição do evento”, afirma Godoy, tendo como base pesquisa aplicada durante a solicitação de credenciamento dos visitantes.

Setores

Atenta às novas possibilidades e demandas na cadeia produtiva da cana, a feira também traz neste ano um novo setor (Transporte e Logística) e sub-setores inéditos (Armazenagem, Equipamentos de Proteção Individual e Segurança Eletrônica). No geral, a Fenasucro é setorizada em Agrocana (setor agrícola voltado para a lavoura), Forind (Fornecedores Industriais), Indústria e, o novo Transporte e Logística. “A cadeia produtiva da cana é bastante extensa e novos setores estão despontando e temos que trazer isso para o nosso visitante/comprador”, diz o diretor do evento.

Espaço Conhecimento e Gestão Profissional: palestras e conteúdo inédito exclusivo para o setor

Para receber um público estimado em aproximadamente 33 mil visitantes/compradores, a Fenasucro estreia o Espaço Conhecimento  e Gestão Profissional, que irá centralizar todas as palestras, debates, conferências, entre outros eventos de conteúdo da feira. Neste espaço, que fica em anexo ao pavilhão dos expositores, ocorrerá o debate de soluções do setor com eventos como o Congresso Datagro, reunião Gerhai, Seminário Agroindustrial STAB Fenasucro, Seminário GEGIS, 2º Congresso de Automação e Inovação Tecnológica Sucroenergética, Encontro de Produtores Canaoeste/Orplana, Rodada de Negócios Internacional Apla/Apex e Rodada de Negócios organizada pelo FIESP e SEBRAE.  Além disso, serão realizados no Centro Cultural a abertura e o fechamento do evento.

A Fenasucro também terá um espaço totalmente dedicado às pequenas e médias empresas através de uma parceria com o Sebrae. “Serão cerca de 30 empresas que terão a oportunidade de estar na Fenasucro, próximas de grandes fornecedores e compradores”, explica Gabriel Godoy.

Outra novidade, integrando o setor de Transporte e Logística, é a possibilidade de realizar em plena feira Test Drive de caminhões. A ação é uma parceria da Fenasucro com a TT Editora.

A Fenasucro é organizada pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, em conjunto com o CEISE Br (Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis).

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Segundo expositores, esse total de recursos será alcançado com negócios iniciados na Feira e concretizados nos próximos meses.

A 27ª edição da FIEE 2013 (Feira Internacional da Indústria Elétrica, Eletrônica, Energia e Automação) deve registrar um volume de negócios de mais de R$ 4 bilhões. Esse total de recursos será alcançado com negócios iniciados na Feira e concretizados nos próximos seis meses.

Numa edição que contou com 60 mil metros quadrados de exposição, a FIEE 2013, reuniu mais de 1.200 marcas, entre as maiores empresas do setor eletroeletrônico. O evento recebeu cerca de 55 mil visitantes, entre executivos, técnicos e especialistas, representantes de empresas do Brasil e do exterior. A feira registrou empresas expositoras de 18 países: Alemanha, Argentina, Suíça, Bélgica, Chile, China, França, Índia, Itália, Portugal, Coréia do Sul, Rússia, Espanha, Taiwan, Turquia, Hong Kong, Estados Unidos e Reino Unido, além do Brasil.

De acordo com levantamento feito pela ABINEE durante a FIEE, 85% dos expositores aprovaram a qualidade do público visitante (entre ótimo e bom). Em relação à quantidade de visitantes, 70% dos expositores aprovaram o volume de circulação no pavilhão (entre ótimo e bom). Na avaliação geral da Feira, 80% dos expositores aprovaram o evento (entre ótimo e bom).
A 27ª FIEE – Feira Internacional da Indústria Elétrica, Energia e Automação -, realizada e promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, e contou com o apoio oficial da ABINEE – Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica.

Foto: Reed Exhibitions Alcantara Machado

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

0

*Por Mikio Kawai Jr.

O passado não explica o futuro e, por isso, é necessário saber olhar também para as perspectivas do mercado de energia. Diferentemente de áreas com tendências bem definidas, como das commodities, o mercado livre de energia possui uma lógica própria. O cenário mostra que não basta utilizar softwares e instrumentos analíticos, é importante avaliar situações futuras. Projetar os próximos passos baseado no que já passou é um erro, é manter os mesmos resultados sempre. Parece filosofia de vida, mas é tática de inteligência competitiva e vou explicar o motivo.

Atualmente, de acordo com levantamento feito pelo Sistema Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), as indústrias brasileiras pagam por uma das energias mais caras do mundo, perdendo apenas para países como Turquia, Itália e República Tcheca. Esse cenário faz com que grandes empresas, responsáveis pelo consumo de um alto volume de energia, invistam na formação de equipes focadas na compra e gestão deste insumo. Adotando práticas de outras áreas, como nas negociações em bolsas de valores, os profissionais tentam usar o mercado livre para garantir eficiência operacional e ganho financeiro, o que representa um risco devido, principalmente, à volatilidade do mercado, que neste ano chegou a casa dos 300%.

A falsa sensação de simplicidade acarreta em diversos desafios de gestão, pois o planejamento, na maior parte das vezes, é feito com base em indicadores do passado e não em modelos que possam prever o futuro. Isso quer dizer que o budget orçado para o período de janeiro a dezembro pode não ter sido o suficiente nem mesmo para se chegar com tranquilidade ao final do primeiro trimestre. O que vemos, então, é o pouco uso de uma verdadeira inteligência de mercado, não baseada em ferramentas, mas numa forma de entender o andamento do cenário.

Vale ressaltar que a prática de inteligência competitiva aplicada ao mercado livre de energia é completamente inovadora no setor. É utilizada uma estrutura sofisticada de análise completa do segmento, que leva em conta possíveis oscilações, aliada ao know how e perspectiva de consultores altamente qualificados. A eficácia alcançada com este método é totalmente diferente do resultado raso proveniente de planejamentos baseados em cálculos simples, visto que o setor de energia deve ser analisado a partir de previsões, já que depende de fatores externos, como clima ou medidas governamentais.

Como exemplo, existem duas grandes indústrias brasileiras, dos mercados automotivo e químico, que descobriram as vantagens deste novo modelo de gestão, com todas as ações baseadas em suas necessidades, perfis de consumo e focadas na sustentabilidade.

O fato é que existem diversas empresas do ramo que ainda utilizam um modelo defasado de planejamento para seus clientes, resultando em análises incompletas, que levam o cliente a uma falsa sensação de satisfação. E em um mercado tão amplo e complexo, é possível seguir por caminhos que mostrem resultados melhores do que se imagina. A estratégia deve ser adotada não apenas na gestão do consumo de energia, ela precisa estar inserida em planos de negócios de maneira geral.

Mikio Kawai Jr. é economista pela FEA-USP (1995), mestre em economia pela Unicamp (1999 – dissertação sobre gestão de riscos) e Advanced Executive Management pela IESE Business School (Espanha 2011). Iniciou a carreira no mercado financeiro em bancos de investimentos, tanto nacional como estrangeiro, migrou para o mercado de energia na sua gênese, em 1998, tendo trabalhado na CPFL Energia ate 2004, atuou como gerente de suprimento de energia na AES Brasil, gerente de operações na Openlink (Nova York e SP). Desde 2008 ocupa o cargo de diretor executivo do Grupo Safira.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Apenas 10% das empresas globais são capazes de melhorar o valor do negócio em mais de 40% após a realização de uma operação de fusão, aquisição ou venda. Essa foi a prinicpal conclusão de um estudo realizado pela KPMG internacional que mostrou ainda que parte relevante do sucesso de um negócio está na realização adequada do processo de integração e separação das empresas.

O levantamento feito pela KPMG Internacional teve por como objetivo examinar as fusões e aquisições realizadas no mundo, a forma como são geridas e o valor que eles representam no mercado. A pesquisa deixou claro que os benefícios de uma aquisição bem-sucedida são evidentes, desde que a compra ou a venda de uma empresa seja feita da melhor forma e no momento correto. Foram ouvidos 162 executivos de empresas que tinham negócios realizados com valor superior a U$ 75 milhões.

De acordo com o Augusto Sales, sócio da KPMG no Brasil e responsável pelos serviços de Consultoria em Integração e Separação das empresas, o levantamento aponta para a necessidade de os gestores calcularem e testarem sinergias durante o processo de negociação, avaliarem os riscos e oportunidades de integração durante a fase de due diligence, bem como planejar de forma objetiva os cem primeiros dias pós-aquisição.

“O levantamento começa bem antes da transação ser concluída. Com base em uma avaliação feita no pré-acordo, são validados e quantificados os possíveis riscos, oportunidades e desenhadas estratégias para uma integração que permita criação de valor. A operação de integração ou separação das atividades de negócios pode maximizar as sinergias, a potencializar o valor de seus negócios, aumentar o  valor da empresa mais rapidamente e tornar o processo de fusão, aquisição e venda o mais suave possível para todos os envolvidos, incluindo os acionistas, mas também os funcionários e clientes”, explica.

Segundo Sales, quem está realizando uma negociação, precisa estar preparado para se adequar a uma nova realidade de negócios. “Muitas integrações falham por falta de planejamento e crença demasiada em promessas de ganhos que não se realizam no mundo real. Há falta de preparação e análise de diversas questões operacionais importantes, como comunicação, marca, pessoas, processos fabris, adminisitrativos, financeiros, contabilidade, entre outros, que precisam ser integrados ou separados nesse novo negócio. Se bem feito, a integração poderá gerar economia e ganho de receita, melhorar a performance financeira e agregar valor ao negócio; caso contrário, pode ser destruidora”, afirmou.

COMO AGREGAR VALOR AOS NEGÓCIOS – Cinco principais ações que podem ajudar uma empresa a agregar valor em uma transação:

1.      A primeira refere-se à sinergias de receita  – As empresas precisam acompanhar, analisar e preparar um relatório sobre sinergias de receita visando melhorar a percepção do mercado sobre o valor decorrente do seu negócio;

2.      Adotar uma nova abordagem para realização de diligência e planejamento com foco em um plano de crescimento futuro;

3.      As empresas precisam planejar a sua transferência para mercados desenvolvidos do Ocidente e emergentes  que são considerados mais atraentes para compradores que estão em busca de crescimento;

4.      Melhoria no longo prazo nas questões relacionadas a pessoas – Esta área ainda é considerada não-prioritária durante a due diligence, apesar do impacto crítico que ela pode ter sobre o sucesso de um negócio; e

5.      Os compradores podem melhorar o desempenho de suas transações por meio da institucionalização de processos e criação de ferramentas para que permitam aprender e construir através de experiências.

TAGS: ,

Deixe seu comentário

0

*Por José Carlos Teixeira Moreira

O nome não ajuda muito mas a área é responsável por quase 8 vezes o PIB do Brasil.

Os negócios entre empresas representam a base da riqueza de um país e dão vida a tudo o que acontece no consumo lá na frente.

No início dos anos 70, o que se ouvia de marketing tinha a ver apenas com bens de consumo. Acadêmicos e especialistas alertavam executivos das multinacionais para a não existência do marketing industrial, e diziam: se existir é o patinho feio do marketing.

Nos dias de hoje os novos conceitos e saberes práticos oriundos das relações entre empresas são considerados, nos meios empresariais mais atentos, como o que há de mais provocador e inspirador no continente do marketing moderno.

O marketing aplicado aos negócios entre empresas cuida do que chamamos da geração e produção de riquezas – aliás o que sugere a etmologia da palavra indústria – enquanto o marketing aplicado ao consumo é voltado para o usufruir da riqueza.

Ambas dimensões são indissociáveis. Uma não existe sem a outra, até porque o que interessa realmente é que as pessoas, como autoras da Sociedade, possam se sentir melhores e mais capacitadas para a realização de seus desejos e sonhos.

Essas duas buscas – sentir-se melhor e mais realizado – está no íntimo de todo ser humano em qualquer cultura.

Empresas, sejam do porte que forem, produzindo o que acharem que deve, só fazem sentido se estiverem compromissadas com aquelas duas aspirações humanas.

O mundo do marketing entre empresas cuida de toda a cadeia de produção de modo a torná-la  uma cadeia de valor no foco dos três principais stakeholders, pilares de um empreendimento que pretende crescer, ser admirado e prosperar: clientes, colaboradores (funcionários, fornecedores, distribuidores, revendedores e provedores) e acionistas.

As empresas quando buscam quem os atenda, identifica projetos nos quais o bem ou serviço a ser comprado se transforme em um ingrediente fundamental para o produto que será fornecido para os seus clientes. Por conta disso, o mundo do marketing industrial reune e orquestra todas as funções da Administração: Finanças, Produção, Sistemas, Logística, Recursos Humanos e o próprio Marketing/Vendas do cliente.

Isto requer do profissional de Marketing Industrial alguém muito bem formado e sagaz para antever e propor estratégias empresariais que façam o cliente mais equipado para o seu mercado e blindado contra a concorrência predadora.

Observando com muito interesse os mais emblemáticos profissionais da área saltam aos olhos alguns atributos pessoais realmente primorosos:

•são impecáveis no cuidar de sua credibilidade e da empresa que representam;

•são extremamente disponíveis para o cliente, mantendo uma distância amorosa no lidar com a intimidade nos negócios;

•mostram uma forma genuína de estar junto com as pessoas, em todos os níveis da sua organização e daquela do seu cliente;

•movidos pelo prazer de vender, fazem o que fazem cuidando de todos os detalhes, equilibrando o que deve ser gratuito e o que deve ser remunerado;

•todos são, nas suas empresas, muito considerados e candidatos preferenciais para a alta administração.

Os brasileiros têm se destacado como figuras ideais para esse papel.

Uma das razões é o trânsito cultural, isto é, a facilidade de se sentirem em casa nas diferentes culturas, respeitando suas singularidades.

Esse predicado, emoldurado pela hospitalidade, reconhecida por todos os estrangeiros que por aqui passam, dão o molho essencial quando se trata de conjugar interesses de pessoas de múltiplas origens e motivações.

É por isso, por esse diapasão que dá tom entre pessoas, que o marketing industrial não separa gente da técnica comercial. Tudo se dá entre pessoas, até porque empresa não existe.

Por isso, uma maneira muito adequada de nomearmos o Marketing Industrial é escrevermos assim: maRHketing.

Nos últimos anos muitas empresas brasileiras e outras estrangeiras atuando aqui, vem apresentando um desempenho exemplar no ambiente CNPJ to CNPJ.

Um punhado delas, movidas pelos conceitos que foram por essas bandas desenhados, vão mostrando resultados tão expressivos que seus modelos correm o mundo e são tomados como referência.

Um dos aspectos que merecem ser pontuados é o fato de que, para elas, o marketing que professam tem como pressuposto que o ser humano é analógico e não digital. Gente é processo e não um On-Off.

Cliente é sempre um co-autor, nunca um usuário. Usuário é para droga.

Sendo um co-autor, uma vez que qualquer coisa só dá certo se alguém souber corretamente “pilotá-la” como o esperado, o contexto de cooperação se sobrepõe ao de competição.

Só isso já bastaria para nocautear o disseminado e superado conceito de competividade.

Quando o contexto induz à cooperação a competição é superada. Resgata-se o que é básico para a Economia funcionar: a Confiança. Confiança é o mesmo que riqueza.

Esse é o mantra do Marketing Industrial: se eu deixo esgarçar a confiança tudo o mais vira apenas conveniência, e conveniência quer dizer preço.

Preço é apenas uma informação psicológica entre fornecedor e comprador. Quando o  preço se torna o grande quesito é porque o valor percebido não existe mais.

Marketing Industrial é sinônimo de Valor Percebido; aliás foi o Instituto de Marketing Industrial que no início dos anos 90, nos seus elogiados Fóruns de Setembro em SP, levantou essa bandeira que hoje flamula por aí.

Marketing Industrial é um sistema que parte de ideias, de propostas, de processos, de ações, de desempenhos notáveis que levam clientes a preferir, escolher, promover e remunerar de maneira justa uma empresa diante das demais.

O profissional de marketing industrial é acima de tudo, um admirável gestor; alguém que cria, desenvolve e mantém empreendimentos de sucesso.

*José Carlos Teixeira Moreira, presidente da JCTM Marketing Industrial e da Escola de Marketing Industrial  –

TAGS: ,

Deixe seu comentário

0

A partir de segunda-feira (28) até 1ª de abril, as principais tendências tecnológicas da indústria elétrica e eletrônica estarão na 26º FIEE Elétrica e a 6º electronicAmericas, que ocorrem no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo.

A expectativa é que, durante cinco dias, o evento movimente grande volume de negócios das empresas expositoras, nacionais e internacionais, gerados por meio da promoção de produtos e serviços, atingindo US$ 2 bilhões. Ainda de acordo com a organização do evento, espera-se receber mais de 60 mil visitantes, número superior ao evento anterior.

Organizadas pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, com apoio institucional da Abinee, as Feiras que totalizam cerca de 1.100 expositores, ocupando um espaço de 60 mil metros quadrados. A FIEE Elétrica é direcionada a empresários e técnicos dos segmentos de Automação e Instrumentação; Componentes Elétricos para Máquinas e Equipamentos Industriais; Equipamentos para Geração, transmissão e Distribuição de Energia Elétrica; Materiais para Instalação Elétrica; Concessionária de Energia e Meio Ambiente.

A electronicAmericas reúne expositores nas áreas de Componentes; Equipamentos e Tecnologias para Equipamentos; Manufatura em Eletrônica (montagem, sistemas e subsistemas) e Tecnologia a Laser; Óptica e Fibra Óptica.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

 

A GM, empresa fabricante de veículos, promove hoje um leilão em que serão expostas para venda algumas máquinas da sua linha de Usinagem e também Pneus de Testes novos e semi-novos como renovação do seu parque industrial.

A negociação e venda é realizada por meio de leilão oficial online e presencial promovido pela Superbid, empresa especializada na avaliação e venda de ativos físicos por meio de leilões oficiais presenciais e via Internet, simultaneamente.

Os 61 lotes estão localizados nas unidades de São Caetano do Sul/SP, São José dos Campos/SP e Indaiatuba/SP e são destaques: 02 Linhas de Usinagem Thyssen DVT 400; Torno Plana Do-All D-824-12; Centro de Usinagem 6 Estações Huller Hile Diedesheim Diaflex; Fresadora Copiadora Hosoi; 20 Pneus Automotivos “novos e semi-novos” das marcas: Continental Premium Contact/Bridgestone Turanza Potenza/Good Year Eagle; entre outros.

  Os bens serão vendidos no estado em que se encontram e sem garantia. O encerramento acontecerá hoje, dia 11 de agosto a partir das 13h30min, mas a utilização da internet no processo fará com que os interessados possam participar de imediato, oferecendo os lances através do site da Superbid www.superbid.net , assim como cadastro no evento.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

seminário Rodada 10 Perspectivas faturamento máquinas negócios infraestrutura exportação IBGE CNI importação PIB Revista P&S Pesquisa Evento inovação Feira Internacional da Mecânica Artigo meio ambiente Investimento sustentabilidade FIESP Lançamento tecnologia mercado Economia máquinas e equipamentos Feimafe Feira indústria