Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

bostonA pandemia de COVID-19 alterou as prioridades e criou uma nova realidade para os CEOs de empresas, mas não alterou a necessidade de implantar estratégias de terceirização inteligentes. Para entender o impacto da crise da pandemia na terceirização, o BCG conduziu uma pesquisa com 200 empresas globais com tendência à contratação de provedores de serviços de TI e de outros processos de negócios. Sessenta e um por cento dessas organizações disseram que aceleraram partes de sua transformação digital ao longo do ano, embora 42% tenham notado que atrasaram alguns projetos. Assim, a percepção popular de que a transformação digital só se acelerou em 2020 pode ser enganosa, com algumas qualificações se tornando necessárias para entender as realidades básicas.

A pesquisa revelou também que 82% dos entrevistados viram queda nas receitas, 78% enfrentaram desafios operacionais e 68% tiveram que lidar com desafios relacionados aos seus provedores de serviços. Os resultados também refletem o estado das transformações digitais. A maioria das empresas planeja persistir com sua agenda de transformação digital: 96% das empresas pesquisadas esperam acelerar a execução de seus projetos relacionados a transformação digital nos próximos 24 meses.

As empresas dispostas a optar pela aceleração afirmam que seu foco imediato será o reforço da função de TI, com mais investimentos em segurança cibernética (55%), visto que as pessoas continuarão trabalhando em casa; automação (49%); migração da nuvem para redução de custos (47%); inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina (ML) e análise (46); e inovação crowdsourced (35%). Esse foco é consistente com suas agendas pré-pandêmicas: 80% já estavam se concentrando na segurança cibernética, 76% priorizando a mudança para a nuvem e 72% estavam se concentrando na implantação de IA, ML e análises bem antes da crise.

De acordo com o estudo, quase metade das empresas entrevistadas terceirizarão algum tipo de trabalho em 2021. Nesse sentido, o BCG sugere cinco etapas para que o processo seja implementado de forma inteligente pelos CEOs. São elas: ter resiliência e incorporar novas formas de trabalhar; ser seletivo nas parcerias; estar preparado para o aumento no número de contratos; persistir na agenda de transformação e reavaliar as capacidades internas a fim de preencher possíveis lacunas de talentos.

Ao contrário da percepção popular, é improvável que as companhias mudem sua dependência atual dos provedores de serviços. À medida que a crise diminui, as empresas provavelmente investirão no desenvolvimento de capacidades críticas internamente, mesmo usando seus relacionamentos com os prestadores de serviços para acelerar o ritmo das transformações digitais. Dessa maneira, recai sobre esses parceiros, por sua vez, o ônus de expandir suas habilidades e ofertas.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Alexandre_Dias_DiretorOrbitallPor Alexandre Dias*
A transformação digital trouxe um empoderamento para o cliente no que diz respeito à reputação de marca. Se antes as críticas a uma empresa eram feitas de maneira offline e envolvendo apenas a companhia e o consumidor, hoje, com as redes sociais e a digitalização dos canais de comunicação, uma má experiência de um usuário pode viralizar e trazer sérias consequências para a imagem da marca em questão.
Por isso, focar no relacionamento com o consumidor é fundamental. Usar recursos tecnológicos para melhorar processos e fazer uma leitura de mercado para oferecer uma experiência de atendimento mais agregadora e satisfatória para o cliente é um diferencial que terá um impacto positivo nos resultados e na visão de marca pelos consumidores.
A fim de analisar com mais detalhes as preferências dos usuários e redesenhar a prestação de serviços nos canais de comunicação com o cliente, com foco na melhoria da experiência, existe um recurso a ser explorado pelas empresas: o analytics. Por meio dessa ferramenta, é possível ter insights valiosos que podem transformar a forma de atuação da marca e elevar a satisfação dos consumidores.
Tanto com o machine learning e outros modelos matemáticos envolvidos, soluções de analytics aplicadas nos contact centers são capazes de usar dados coletados em cada troca de informação com o cliente para fazer análises e seguir em um processo de tomada de decisão mais eficiente e assertivo. O objetivo é se atentar ao consumidor e às suas preferências, entendendo o que dizem os dados, para conseguir melhorar a experiência do usuário e atender às suas demandas com eficiência.
Como boa parte das operações são digitalizadas, usando inclusive inteligência artificial e bots de atendimento, há um grande nível de dados coletados, que, interpretados pelo analytics, irão possibilitar um contato mais personalizado, eficiente e com maiores chances de satisfação. Segundo o Gartner, se os líderes optarem pelo uso de analytics e participarem da definição de metas e estratégias baseadas neles, poderão aumentar a produção de valor de seu negócio em 2,6 vezes.
A consultoria prevê que em 75% das organizações, a inteligência artificial sairá da fase piloto, até 2024, para entrar em operação, o que irá quintuplicar as infraestruturas de análise, assim como a transmissão de dados. Isso fará com que 33% das grandes empresas tenham analistas exercendo a inteligência de decisão até 2023, de acordo com a consultoria.
Esses dados apontam que o uso de analytics é uma grande tendência, inclusive para o setor de contact centers, uma vez que ao reestruturar a jornada de atendimento e trazer melhorias na produtividade, na qualidade do serviço e nos resultados entregues será possível transformar a interação com o cliente e alcançar índices positivos de CX, uma variável que ganha cada vez mais peso dentro das empresas e que cresce como critério de decisão para o usuário na hora de escolher quem será o prestador de serviço.
Diretor de Novos Negócios na Orbitall, empresa do Grupo Stefanini*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

luiz castanhoPor Luiz Alexandre Castanha*

As abordagens de ensino têm sido aprimoradas no decorrer dos anos. Essa disrupção precisa ser acelerada ainda mais no ensino corporativo, tornando-o leve e prazeroso tanto para quem repassa as informações quanto para quem recebe.

Nessa jornada, principalmente em cursos e conteúdos a distância, recursos como gamificação, quizzes, realidade aumentada e virtual são utilizados com sucesso. É necessário ir além das abordagens acadêmicas tradicionais onde se utiliza a aprendizagem mecânica e exames! Chega de lidar apenas com conteúdos teóricos, memorização das aprendizagens e realização de exames.

O caminho que pode ser tomado é o de oferecer abordagens mais pragmáticas de aprendizagem. E um desses métodos modernos é o Aprendizado Baseado em Projetos (Project-Based Learning na sigla em inglês).

Esse tipo de aprendizagem dá aos alunos a oportunidade de desenvolver conhecimentos e habilidades por meio de projetos envolventes em torno de desafios e problemas que eles podem enfrentar no mundo real.

Na prática, instituições de renome mundial como Harvard já usam o Project-Based Learning em seus cursos de graduação. A Fundação Bill e Melinda Gates costuma incentivar a utilização da metodologia em escolas dos Estados Unidos. Na Europa também é comum haver o financiamento de projetos em todos os estágios de aprendizagem.

É uma revolução em relação ao que é proposto na estrutura cognitiva de outros métodos de aprendizagem. Ela se inicia com a Criação e termina com a Lembrança de aspectos e Habilidades importantes. Como então essa metodologia é capaz de revolucionar a aprendizagem? Confira a seguir:

1. Constrói soluções
A Aprendizagem Baseada em Projetos começa com o projeto e a construção de soluções que visam resolver os problemas da vida real, com os alunos motivados a criar um modelo que seja a solução de uma dificuldade enfrentada realmente.

2. Avalia a viabilidade
A Aprendizagem Baseada em Projetos treina professores e tutores para, juntos dos alunos, testarem a viabilidade do modelo construído – esta é a técnica de avaliação da segunda fase. Ela prega que os alunos avaliem a viabilidade, a examinando de acordo com a solução do problema real.

3. Examine e repita
Quando a avaliação é feita, os alunos são motivados a avaliar com atenção os projetos até atingirem o objetivo. A Aprendizagem Baseada em Projetos propõe que os alunos dividam as etapas e funções e se concentrem no sucesso do projeto.

4. Funcionalidade em outras áreas
A quarta etapa das técnicas de Aprendizagem Baseada em Projetos é explorar a funcionalidade do projeto e colocá-lo em prática, mesmo em um objetivo diferente do original.

5. Reconhecer os elementos multidisciplinares
No quinto estágio da Aprendizagem Baseada em Projetos, os facilitadores e os alunos juntos reconhecem todos os elementos multidisciplinares que foram utilizados. É quando os tutores conscientizam os alunos sobre diferentes habilidades e disciplinas utilizadas. Por exemplo, ao construir uma ponte, os conceitos de engenharia, bem como os físicos e arquitetônicos, são levados em consideração.

O sexto e último estágio da abordagem Aprendizagem Baseada em Projetos é perceber as conclusões importantes e significativas do modelo que eles construíram. É aqui que os alunos se lembram do que aprenderam e das habilidades que desenvolveram.

Alguns modelos mais antigos mostram uma hierarquia de aprendizagem. Mas, na realidade, não há um estágio de aprendizagem que esteja abaixo ou acima dos outros. Cada aluno tem uma mente dinâmica e a Aprendizagem Baseada em Projetos é projetada para manter os alunos no centro da abordagem, o que garante que eles adquiram conhecimento e habilidades pragmáticas em vez de apenas conceitos teóricos.

Você já tinha pensado em colocar esses conceitos em prática dessa maneira?

Administrador de Empresas com especialização em Gestão de Conhecimento e Storytelling aplicado à Educação*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Ana-EmmerichPor Ana Paula Emmerich*

Falar sobre o crescimento do consumo digital ao longo dos últimos meses é, mais uma vez, constatar tudo que vimos ser diretamente impactado pela pandemia e pelo distanciamento social. A mudança de comportamento do consumidor para um mundo quase que integralmente on-line, a grande demanda gerada pelos e-commerces e os desafios logísticos desse cenário deixaram profundas marcas que, com certeza, farão parte do cotidiano da nossa cultura mercadológica daqui para frente.

Ao passar de 2020, vivenciamos diferentes fases e incertezas. Quando nos enxergamos socialmente afastados e postos diante de uma realidade antes desconhecida, tudo foi colocado à prova. Nessa fase inicial, experimentamos a especulação sobre o recuo da globalização. A pandemia possibilitou que muitos críticos da conectividade global acreditassem que sofreríamos uma crise sem precedentes, com a formação de blocos econômicos rivais, a volta da produção nacional, a criação de cadeias de suprimentos mais curtas e a expansão das indústrias nacionais essenciais.

Contudo, como grande ensinamento, tornou-se quase palpável que a globalização está mais viva do que nunca. O consumo digital global, o comércio e a logística funcional ganharam forma e foram as grandes forças locomotoras desse período que ainda vivenciamos. Com base nesse entendimento macro, esmiuçar as mudanças de hábitos do consumidor digital e a chegada permanente do alto número de compras on-line torna-se viável e necessário.

O crescimento da utilização dos e-commerces é um fato, e a curva do aprendizado logístico nesse curto período é positivamente notória, o que prova, mais uma vez, a tremenda força da globalização. Além disso, o comércio digital estimulou também o e-commerce cross-border, e o que, antes, tratava-se de uma tendência, hoje podemos chamar de realidade.

O consumo eletrônico superou as barreiras transfronteiriças no Brasil e, ao final do último ano, o País fechou sua balança comercial com um superávit de US$ 50,9 bilhões. Circunstância, essa, possibilitada devido aos estudos dos cenários econômicos globais, à preparação de plataformas para o recebimento das novas demandas e à escolha de melhores operadores logísticos pelos comerciantes.

Ou seja, a cadeia logística integrada tornou-se fundamental nesse processo, e a “entrega de última milha”, também conhecida como last mile, ganhou uma notoriedade ainda maior. Com a centralização de poder nas mãos do consumidor, outra tendência que agora se encontra como realidade de mercado, essa etapa, que consiste no trajeto entre os centros de distribuição dos vendedores até a entrega final na porta do cliente, passou a fazer parte determinante na rotina das lojas e dos consumidores on-line. Além de ser uma barreira no processo logístico brasileiro, qualquer possível problema na “entrega de última milha” pode impactar diretamente o relacionamento, a satisfação e a fidelidade do consumidor com a marca.

Assim, vale ressaltar uma vez mais que, para evitar transtornos, perda de lucros e clientes, o planejamento logístico é o diferencial. Pesquisar, analisar, comparar valores e tempo de trânsito tornaram-se parte essencial do processo de vendas, bem como estar alinhado com todas as alternativas que apareceram no mercado exclusivamente para essa etapa “de última milha”. Motocicletas, bicicletas, drive-thrus, drones, e-boxes e pick-up stores são algumas das possibilidades que ganharam destaque no ano passado.

Esse cuidado na relação com o consumidor, com suas demandas no centro das operações, fez com que, além da atenção reforçada à last mile, outra necessidade surgisse: a preocupação com a logística reversa. Segundo pesquisa do Conselho de Logística Reversa Brasileira, mais de 75% dos compradores pesquisam os detalhes de como o retorno do produto poderá ser realizado, caso haja necessidade de devolução ou troca. Todo esse processo passou a demandar proporcionalmente mais agilidade e eficiência de qualquer plano logístico já existente antes de a realidade ser impactada pela pandemia.

Com isso, datas de altos picos de vendas, como a Black Friday e o Natal também tiveram destaque em 2020. De acordo com o Índice Cielo de Varejo Ampliado (ICVA), no feriado religioso, por exemplo, o e-commerce cresceu 15,5%, em comparação ao mesmo período de 2019. Consequentemente, com o mercado já fortemente aquecido, devido ao distanciamento social e ao crescimento do consumo digital, foi possível acompanhar o fortalecimento das novas tendências que passarão a ser vistas além de 2020.

O “esquenta” para os períodos de alta no e-commerce, a necessidade de preparação logística com mais antecedência, para suprir todas as demandas dos clientes, a automatização de processos e políticas de envio de remessas e o mercado cada vez mais competitivo são apenas alguns dos pontos que foram trazidos como aprendizado nos últimos meses e que, agora, tornaram-se parte integrante da cadeia de consumo. Assim, é possível dizer que, apesar das dificuldades, a passagem do último ano foi de extremo crescimento para o setor. Evidenciando, mais uma vez, que contar com um parceiro logístico com experiência e qualidade na entrega nacional e internacional tornou-se um pré-requisito para um ótimo desempenho ao longo deste e dos próximos anos.

*Gerente comercial & eCommerce da DHL Express.

 

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

unnamedPor Dani Verdugo*

A Inclusão Trans ainda representa um tabu para inúmeras instituições – é um fato. Apesar disso, cada vez mais discute-se acerca de sua importância – o que acaba por acarretar, gradativamente, o surgimento de oportunidades formais no País neste sentido.
No período de um ano – janeiro de 2020 a janeiro de 2021 – a plataforma Transempregos, por exemplo, conquistou um crescimento de 315%. Além disso, empresas de grande porte das mais diversas nacionalidades têm investido na seleção e retenção de profissionais transgênero – independentemente do setor.

Mas a verdade é que, apesar da crescente evolução do mercado de trabalho em direção ao respeito à diversidade, muitos indivíduos ainda sentem o acanhamento no momento do processo seletivo, entre outras situações – dado o histórico de discriminação sofrido por estes profissionais.

Com vistas a reduzir esse tipo de desafio, estados como São Paulo e Rio de Janeiro têm oferecido projetos que visam o suporte para o desenvolvimento desses candidatos. O intuito é restaurar sua autoestima e retirá-los do cenário de vulnerabilidade – ainda tão pungente.

Um exemplo é o programa Transcidadania, que existe há 13 anos. A iniciativa da Secretaria Municipal de Direitos Humanos de São Paulo concentra-se na progressão escolar e na capacitação de trans e travestis. Ao todo, são 510 vagas distribuídas na capital paulista, e os participantes recebem uma bolsa mensal no valor de R﹩ 1.097,25.

A deputada estadual Renata Souza (PSOL), do estado do Rio de Janeiro, apresentou um projeto de lei que propõe obrigatoriedade, a empresas privadas que recebem incentivos fiscais, de reserva de 5% de suas vagas para travestis e transexuais.

Frente a tantos percalços, o que precisa ser ressaltado aqui é o fato de que contratar candidatos transgênero não deve ser encarado como um favor – porque, de fato, não é. Afinal, trata-se de um profissional como outro qualquer, que, no fim das contas, representa a mesma possibilidade de lucro para a organização a que presta seus serviços.

*Empresária e headhunter, atua com Executive Search na THE Consulting

TAGS: ,

Deixe seu comentário

0

Pic. 03_Light packagingO desenvolvimento de uma economia circular para lidar com a emergência de resíduos de plástico depende da criação de demanda para material reciclado de alta qualidade. A STADLER, fornecedora de plantas de triagem para a indústria de reciclagem, experimentou uma mudança no mercado, com mais de 80% de seus projetos para plantas de separação de plástico em 2020 envolvendo atualizações e modernizações significativas de instalações já existentes para atender a uma produção consistente e de alta qualidade necessária para entrar na economia circular dos plásticos.

 O plástico é um produto excepcional, com inúmeros benefícios que o tornaram indispensável na vida moderna. Sua durabilidade extrema, no entanto, cria um difícil problema no fim de sua vida útil, que precisa ser tratado com urgência. A solução está na mudança para uma economia circular, onde o plástico é reutilizado ou reciclado, nunca se transformando em resíduo. A indústria de reciclagem tem um papel central a desempenhar neste processo, com o desafio de maximizar a quantidade de plástico recuperado de resíduos e produzir uma produção de Resina Pós-Consumo (PCR) consistente e de alta qualidade, que consegue competir com a resina virgem.

  “Temos que retirar do omelete novamente os ingredientes individuais iniciais”, explica Enrico Siewert, diretor de Desenvolvimento de Produto e Mercado da STADLER. “Os avanços da tecnologia nos últimos 10 anos revolucionaram a indústria. Hoje, podemos separar plásticos de forma muito eficiente, em percentagens muito altas. Uma planta de triagem mecânica STADLER pode atingir até 95% de pureza. Com equipamentos eletrostáticos ou de lavagem, pode ser próximo a 100%”.

 A indústria de reciclagem está respondendo a essa demanda, atualizando suas instalações para atingir a consistência e a alta qualidade necessárias para que a PCR entre na economia circular dos plásticos e aumente sua capacidade de processamento.

 A STADLER está no centro dessa evolução: “Desenvolvemos a tecnologia avançada de que as usinas de reciclagem precisam”, explica Enrico Siewert. “Estamos constantemente inovando e desenvolvendo novos processos, adaptando as plantas de nossos clientes às suas necessidades em constante mudança. Estamos vendo em primeira mão que a indústria está se intensificando para atender a essa nova demanda: no ano passado, as atualizações, modernizações e expansões de plantas representaram mais de 80% de nossos projetos no setor de plásticos, um aumento de mais de 38% em relação a 2019”.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Vivaldo-José-Breternitz-MackenziePor Vivaldo José Breternitz*

Os profissionais da área de Tecnologia da Informação, já há algum tempo, percebiam que os serviços de cloud computing (computação na nuvem) cresciam, mas muitos deles devem ter sido surpreendidos pelos resultados trazidos por uma pesquisa do Synergy Research Group: em 2020, os gastos com esses serviços superaram aqueles que as empresas tiveram com plataformas próprias de computação.

Os números são ainda mais surpreendentes quando se observa que os valores relativos a serviços na nuvem cresceram 35%, chegando a quase US$ 130 bilhões. Enquanto isso, os gastos com estruturas próprias caíram 6%, para menos de US$ 90 bilhões.

É a primeira vez que isso acontece; até 2019, os valores aproximadamente empatavam; uma das explicações dadas para o fenômeno é a pandemia, que estaria levando as empresas a terem estruturas próprias mais leves.

Os valores despendidos com plataformas próprias, compreendem servidores, armazenamento de dados, serviços de rede e segurança, além de software necessário ao funcionamento de toda essa infraestrutura.

É importante, porém, registrar que esses números divergem dos apresentados pelo Gartner, respeitado grupo de consultoria, cujas pesquisas gozam da confiança dos profissionais da área, e que afirma serem os gastos com processamento na nuvem, apesar de estarem crescendo, muito menores que aqueles feitos com plataformas próprias.

De qualquer forma, o tema deve ser acompanhado por todos aqueles que tem responsabilidades de gestão na área. Carreiras também podem ser afetadas, pois, em tese, serão necessários menos operadores de computador e analistas de redes e bancos de dados.
Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

zebraUma das ferramentas responsáveis por manter as vacinas de COVID-19 na temperatura indicada pelo fabricante são sensores Bluetooth, que monitoram a climatização das doses, garantindo que as diferentes marcas de imunizantes disponíveis no mercado estejam corretamente armazenadas durante o caminho entre laboratório e paciente. A solução está sendo usada nos Estados Unidos para supervisionar cada uma das doses que são aplicadas no país.

A tecnologia é essencial para garantir que as vacinas chegarão à ponta em perfeito estado. Caso o imunizante tenha saído da faixa de temperatura ideal, o sistema emite um alerta para que a dose não seja utilizada. Além disso, a solução também coleta dados que ficam armazenados na nuvem e permitem a geração de relatórios em tempo real.

“Essa inteligência permite que os gestores de saúde tomem decisões mais acertadas na distribuição das vacinas e controle correto do transporte e armazenamento.  É ainda uma garantia de que todas as doses estão em perfeito estado para serem aplicadas, dando tranquilidade para a população”, explica o presidente da Zebra Technologies no Brasil, Vanderlei Ferreira. A empresa é fornecedora de tecnologia de rastreamento de vacinas para o governo americano.

Os sensores Bluetooth ainda permitem o acesso às informações sem a necessidade de cabos ou de conexão à internet, sendo grandes aliados para uma campanha de vacinação eficiente.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Haggenmueller_VetterEm 2021, a MULTIVAC celebra 60 anos de história e desde o primeiro mês do ano,  faz sorteios e ofertas exclusivas para os seus clientes. Em Janeiro, a empresa sorteou um dia de workshop em seu Corporate Training & Innovation Center (Centro Corporativo de Inovação & Treinamento), localizado na matriz da empresa, em Wolfertschwenden. Os 4 vencedores irão desfrutar de um dia de muito aprendizado, como também de uma consultoria exclusiva e adaptada as suas necesidades individuais.

“Nossa oferta foi muito bem recebida entre os nossos clientes de todo o mundo, os quais pertencem aos mais diferentes setores de negócio. Um dos ganhadores trabalha na Indústria Frigorífica na Turquia, outro na Suiça.”, revela Stefan Scheibel, vice-presidente do Corporate Training & Innovation Center d MULTIVAC. “O terceiro ganhador foi um cliente da Costa Rica que trabalha na Indústria Láctea e o quarto, um cliente da Alemanha, da Indústria de Medicamentos”.

Os workshops ocorrerão nas próximas semanas, tanto de forma presencial, quanto virtual, no Centro de Inovação da Multivac. “Nestes workshops falaremos detalhadamente sobretodas as tendências atuais de embalagens e esboçaremos novas ideias em torno de temas de embalamento e sustentabilidade. Com base nas necessidades específicas de cada cliente, desenvolveremos com eles projetos para obter uma solução de embalagem sob medida e adequada para o futuro”.

O Centro de Inovações oferece as condições ideais para isso, pois ele dispõe de um time de especialistas e de uma infraestrutura únicapara desenvolver soluções inovadoras de embalagens,otimizar conceitosexistentes, assim como realizar análises, oferecer consultorias personalizadas e realização de amostras.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

juliobastosPor Julio Bastos*

Neste ano, o Dia do Consumidor (15 de março) também será lembrado pela mudança verificada no comportamento da população na hora da compra diante dos desafios do “Novo Normal”. Com o isolamento social e a necessidade de fugir das aglomerações, os consumidores estão pesquisando mais na Internet antes de ir às compras, para economizar o tempo e dinheiro.
“Hoje, os consumidores brasileiros, mesmo imediatistas, pesquisam primeiro, tomam decisão e já chegam com a lista de compra pronta no ponto de venda, buscam objetividade e rapidez”, afirma Julio Bastos, head comercial da agência de marketing promocional C2C – Close to Consumer. “Por questões de saúde, ele não quer mais ficar passeando nos corredores de supermercados ou no ambiente com muitas pessoas por muito tempo experimentando e escolhendo produtos”.

Para o executivo, é preciso que o varejo evolua para atender esses consumidores mais conscientes que não têm hábito de utilizar o e-commerce por uma série de complicadores, como prazo e taxa de entrega, mas começam a jornada de compra no online e terminam na loja física, o chamado “fígital”.

Por isso, os lojistas devem focar em quatro pontos estratégicos para proporcionar mais facilidade e recepção diferenciada aos consumidores:

– Melhorar a exposição no ponto de venda para que o consumidor possa encontrar fácil e rapidamente os produtos nas gôndolas, principalmente os mais essenciais, sem ter que percorrer toda loja.

– Criar ações para encantar o consumidor oferecendo produtos que deseja e serviço que faça ele se sentir bem atendido e de forma ágil e segura.

– Contar com colaborador treinado no ponto de venda para esclarecer dúvidas e eliminar objeções do consumidor sobre produtos que pesquisou na Internet.

– Oferecer oportunidades para que o shopper possa ter boa experiência de compra, com promoções de produtos de sua preferência e facilidades.

Muitos estabelecimentos já começam a enxergar saídas para que o seu cliente seja atendido como ele quer, da forma que quer e com a linguagem que quer ouvir, observa Bastos. “Vemos serviços de delivery que levam ao consumidor que evita sair de casa aquele vinho que ele gosta de beber, itens sazonais que não podem faltar nas datas especiais como ovo de Páscoa e até refeição de restaurante. Pois as restrições de circulação estão aumentando, mas o consumidor não vai deixar de comprar”, conclui.

 

Head comercial da agência de marketing promocional C2C – Close to Consumer*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas IBGE importação PIB CNI máquina Revista P&S Evento Feira Internacional da Mecânica Pesquisa inovação Artigo Investimento FIESP meio ambiente Lançamento sustentabilidade máquinas e equipamentos mercado Economia tecnologia Feimafe Feira Site P&S Radar Industrial indústria