Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

Abimaq prevê crescimento de 9% a 10% em segmentos como hidráulica e pneumática

O grande número de feriados,o evento da Copa do Mundo e as eleições presidenciais no Brasil, deverão fazer então o empresariado brasileiro olhar mais adiante, e preparar seu parque industrial para 2015. Essa é a opinião de Carlos Padovan, presidente do comitê da 30ª Feira Internacional da Mecânica, maior feira de máquinas e equipamentos da América Latina, promovida pela Reed Exhibitions Alcantara Machado com o apoio da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), que acontecerá entre os dias 20 a 24 de maio de 2014.

“Na feira, os compradores e expositores vão projetar cenários para 2015. Se existe fôlego para crescimento, você precisa se preparar de um ano a seis meses antes. E a verdade é que precisamos melhorar ainda mais nosso parque industrial. Existem muitas máquinas que estão sendo desenvolvidas para lançamento na próxima Mecânica, e a NR-12 ainda será um dos maiores motivos de busca por novas máquinas”, prevê Padovan. A Norma Regulamentadora Nº 12 do Ministério do Trabalho define referências técnicas, princípios fundamentais e medidas de proteção para a saúde e a integridade física dos trabalhadores.

Para o executivo, o início de 2013 apresentou bons números de venda, mas, de forma geral, o ano se encerra estável em relação a 2012. “O último trimestre apresentou uma pequena melhora, sem falar nos setores que apostaram em certos nichos e surpreenderam. Por isso, acreditamos que em 2014 segmentos como hidráulica e pneumática devem crescer de 9% a 10%”. Ele também aposta no impulso dado por montadoras como Fiat, BMW e Mercedes-Benz, que têm investido de maneira intensa no país.

As previsões vão ao encontro à pesquisa recente do IBGE, que apontou crescimento, apesar do aparente marasmo da economia brasileira. Para o instituto, 21 dos 27 setores industriais registraram aumento na produção em outubro de 2013, na comparação com setembro. No acumulado dos dez meses analisados, a atividade industrial cresceu 1,6% frente a igual período de 2012.Apenas o setor de bens de capital avançou 18,8% na comparação com o mesmo mês de 2012, registrando o 10º resultado positivo consecutivo na comparação com igual mês do ano anterior. Os resultados positivos foram registrados por bens de capital para fins industriais (20,4%), para construção (58,5%), para uso misto (7,8%), agrícola (21,0%) e para energia elétrica (6,7%).

Máquinas brasileiras – A indústria de bens de capital brasileira é uma das mais tradicionais e resilientes do país e surpreende a economia, ano após ano, conquistando novos clientes e garantindo qualidade, mesmo com os desafios que encontra. A Feira Internacional da Mecânica é um reflexo dessa força. Para Carlos Pastoriza, secretário da presidência da Abimaq, 2013 foi um ano desafiador para o setor de bens de capital. “Recuperamos um pouco da produção no segundo semestre. As razões são os suspeitos de sempre: custo Brasil, taxa de câmbio e a profusão de regimes tributários com viés importador”.

Mesmo assim, o empresário exalta as conquistas da entidade neste ano, como a prorrogação da linha PSI do BNDES e a desoneração da folha de pagamento para as indústrias. Ainda de acordo com a Abimaq, de janeiro a setembro de 2013, o consumo de produtos dessa indústria foi de R$ 90,909 bilhões, 7,1% superior ao mesmo período de 2012. Mesmo eliminando o efeito cambial, o resultado permanece positivo com alta de 1,2%. Em setembro as exportações chegaram ao valor de US$ 1 bilhão. Ao longo do ano até setembro, as exportações corresponderam a 32% do faturamento.

Fato é que a indústria brasileira não deve em qualidade para nenhuma parte do mundo. Prova disso são os principais clientes importadores de produtos nacionais. “Entre nossos principais destinos das exportações, apesar das dificuldades, estão Estados Unidos, Alemanha, Itália, ou seja, países altamente industrializados e com tradição na produção de maquinário”, diz Pastoriza. Em setembro de 2013, os Estados Unidos voltaram a ocupar a segunda posição no ranking dos principais compradores de máquinas e equipamentos do Brasil.

Em 2012, a Mecânica atingiu a marca de duas mil empresas expositoras e contemplou cerca de 25 setores da indústria, entre eles as áreas de automação e controle de processos, equipamentos para tratamento ambiental e refrigeração, solda e tratamento de superfícies, máquinas-ferramenta, entre outros. Lotados, os corredores do Anhembi, onde a feira acontece, receberam 109 mil visitantes únicos, número que bateu o recorde de 2010, de 105.851 visitantes, vindos de 60 países, entre eles Argentina, EUA, Itália, Alemanha, Espanha, França, Suíça, Canadá, Chile, Peru, Venezuela e Portugal. “Mais de 95% do espaço da feira está comercializado. Diante disso, a expectativa para a edição de 2014 só aumenta, tanto em número de expositores, países participantes, compradores e apoiadores distribuídos em 85 mil m² de área do Pavilhão de Exposições do Anhembi”, afirma Liliane Bortoluci, diretora da feira.

TAGS: , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

O presidente da ABINEE, Humberto Barbato, disse nesta quarta-feira (28), após reunião com o Ministro da Fazenda Guido Mantega, em Brasília, que o governo deverá divulgar, no dia 3 de abril, medidas garantindo a desoneração da folha de pagamento de fabricantes de uma lista de 35 produtos do setor eletroeletrônico.

O anúncio deverá ocorrer na cerimônia de instalação dos Conselhos de Competitividade, com a presença da presidente Dilma Rousseff, marcada para o mesmo dia. Segundo ele, Mantega sinalizou que, para estes produtos, a tributação da folha será substituída por uma alíquota de 1% sobre o faturamento bruto das empresas.

O Ministro afirmou, também, que haverá desoneração integral da contribuição patronal ao INSS sobre a parcela exportada do faturamento das empresas. Barbato citou ainda outras medidas em estudo pelo governo, neste caso, em relação à Cofins com a desoneração deste tributo para a indústria instalada no país e elevação da alíquota para importados.

Segundo o presidente da ABINEE, as medidas atendem aos pleitos que a entidade já tinha apresentado ao governo há cerca de dois anos. “Os setores contemplados são intensivos em mão de obra, por isso, a implementação destas medidas certamente contribuirá para a maior competitividade das empresas”, afirmou Humberto Barbato.

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

0

 O feriado do carnaval em março, ao contrário do usual, em fevereiro, quando houve forte crescimento na indústria, fez cair a maioria dos indicadores industriais no mês, revela a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada nesta segunda-feira, 09.05, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Comparativamente a fevereiro, recuaram, sem influências sazonais, o faturamento real (menos 5,2%), as horas trabalhadas (2,4% menores) e o emprego (0,1% menos). A utilização da capacidade instalada (UCI) decresceu um ponto percentual, de 83,4% para 82,4% de um mês para o outro, voltando praticamente ao mesmo nível de março de 2010. 

A ligeira queda no emprego em março não influenciou para baixo, contudo, a massa salarial e o rendimento médio real, que registraram, ambos, crescimento de 3,7%, segundo a CNI.   Para o gerente da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco, tal desempenho demonstra que “os reajustes salariais concedidos pela indústria estão contemplando um ganho real significativo”. 

Na comparação do primeiro trimestre, a indústria registrou dados positivos. Entre janeiro e março, em relação a idêntico período de 2010, todos os indicadores cresceram, sem influências sazonais, à exceção isolada da UCI: faturamento real (mais 2%), horas trabalhadas (0,4% acima), emprego (mais 0,6%), massa salarial real (6,6% acima) e rendimento médio real (2,5% mais). A UCI recuou um ponto percentual. 

O levantamento da CNI mostra que, por setores, o segmento têxtil, que já vinha registrando dificuldade de recuperação da crise internacional, deteriorou ainda mais sua situação em março sobre o mesmo mês de 2010. O faturamento caiu 10,8% sobre março de 2010, com queda igualmente nas horas trabalhadas, de 0,8% na mesma comparação. O segmento de móveis foi o que apresentou o maior declínio, faturando 23,8% menos em março comparativamente a igual mês do ano passado.

TAGS: ,

Deixe seu comentário

0

Faturamento real em janeiro cresce 12,%, mais aumenta déficit na balança comercial do setor

     

A visão geral ente as entidades que representam o setor industrial é que os índices são positivos, mas a invasão das máquinas importadas está prejudicando o mercado interno brasileiro de maneira desigual.

Durante a Coletiva o encontro mensal que a ABIMAQ- Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos organiza, acorrido hoje(23 de fevereiro), em sua sede, foi divulgado que, embora tenha registrado um crescimento de 12,1% no faturamento real em relação a janeiro de 2010, o setor de máquinas e equipamentos registrou decréscimo de 12,6% nos pedidos em carteira e sofreu fortemente com a invasão de máquinas importadas, que no período foi de 29,3% superior a janeiro de 2010 (dados levantados pelo Departamento de Economia e Estatística da ABIMAQ).

“Enquanto as exportações do setor passaram do pior nível histórico de US$ 465 milhões FOB em janeiro de 2010 para apenas US$ 771 milhões FOB de janeiro de 2011, as importações passaram de US$ 4.604 milhões FOB para US$ 2.074 milhões FOB, contribuindo com US$ 1.303 milhões FOB de déficit comercial brasileira”, explica Luiz Aubert Neto, presidente da ABIMAQ.

Um breve comparativode 2008 a 2011 justifica esta preocupação. Em relação ao crescimento de janeiro do ano passado, faz com que o faturamento real atinja em janeiro de 2011 a marca dos R$ 5.279 milhões, enquanto no mesmo período de 2008 , atingiu-se faturamento de R$ 5.917 milhões, o que representa um decréscimo de 10,8%, conforme Aubert.

O nível de emprego do setor subiu, passando de 237.488 empregados em janeiro de 209 para 253.815 em janeiro desse ano (+6,9%). “Hoje o nível do emprego já está se recuperando pois a produção aumentou”, afirma Carlos Pastoreza, diretor secretário da ABIMAQ.

Contudo, Pastoreza explica que a Indústria, para não perder mercado interno, reduz seus preços e aumenta a produção, o que resulta na alta do emprego do setor.

Aubert ainda chama atenção para a necessidade da manutenção do PSI – Programa Setorial Integrado- para permitir que o setor tenha mínimas condições de crédito para comercialização de suas máquinas e equipamentos.“Empresas estão perdendo, paulatinamente, mercado interno e market share”, finaliza o diretor secretário.

Desempenho Setorial

O setor de máquinas e equipamentos para madeira, no que diz respeito ao desempenho do faturamento, registrou crescimento de 71% em relação a janeiro do ano anterior, seguido por máquinas e equipamentos têxteis, que cresceu 65%. Já no item evolução da carteira de pedidos, o setor de máquinas para madeira registra decréscimo de 18,7% enquanto que o de máquinas e acessórios têxteis decresce 7%.

O pior desempenho foi registrado por máquinas para artigos plásticos que decaiu 21% com um índice de evolução da carteira de pedidos negativo em 42,8%. O segundo pior foi o setor de máquinas-ferramenta, com decréscimo de 9,2%, no desempenho do faturamento real e queda de 32,7% na evolução da carteira de pedidos.

Quanto ao nível de utilização do setor da capacidade instalada, houve variável de 69,1% no setor hidráulica e pneumática até 89,64% no setor de máquinas para artigos plásticos, na média geral a Indústria de Bens de Capital Mecânicos atua com 80,7%.

TAGS:

Deixe seu comentário

0

Acompanhe no material abaixo, divulgado pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos, Abimaq, na terça-feira, 25 de maio, como se comportou o setor de máquinas e equipamentos nos primeiros quatro meses do ano. O faturamento registrou crescimento, mas a balanço comercial continua preocupando…

Embora o faturamento nominal do setor de máquinas e equipamentos continue crescendo, registrando um aumento de 15,8% no primeiro quadrimestre de 2010 em relação ao ano anterior, para Luiz Aubert Neto, presidente da ABIMAQ, o déficit da balança comercial continua sendo uma das maiores ameaças não só sobre o setor de máquinas e equipamentos como também sobre o parque industrial brasileiro como um todo.

“Enquanto as exportações registraram crescimento de 1,8% em relação ao ano anterior, passando de US$ 2554,54 milhões FOB para US$ 2599,43 milhões FOB, as importações cresceram 4.2% no mesmo período, passando de US$ 6463,62 FOB para US$ 6737,48 FOB”, afirma Aubert, que não tem poupado esforços junto ao governo no sentido de conter as importações, inclusive, e principalmente, de máquinas usadas, que representam outra grande ameaça ao setor.

Embora os indicadores sejam todos favoráveis, é importante que não se perca a capacidade de análise dos números como um todo para que não se crie um clima de otimismo sem embasamento, até porque registramos crescimento no número de empregos, de 4,4%, subindo de 232.755 em abril de 2009 para 242.885 em abril de 2010 e no nível de utilização da capacidade instalada que evoluiu 1,7%, passando de 80,16 para 81,55. “Mas não podemos perder de vista – alerta Aubert – que esses números referem-se a apenas utilização da capacidade instalada de um turno, restando ainda dois para serem preenchidos”.

Ainda segundo a associação, os pedidos em carteira também mostram um crescimento acima do faturamento nominal, atingindo 22,1%, evoluindo de 18,10 para 22,10 de semanas em média para atendimento dos pedidos.

Exportação

Entre os setores que apresentaram maior crescimento nas exportações durante o período, de acordo com a entidade, destaque para o segmento de máquinas para logística e construção civil, que obteve crescimento de 38,3% na venda de produtos para o mercado internacional, em comparação com o primeiro quadrimestre de 2009. As indústrias de máquinas para agricultura e máquinas para bens de consumo, com crescimento de 32,9% e 30,4%, respectivamente, completam a lista dos setores que mais venderam para o mercado externo. Entre os destaques negativos, os itens que representam as maiores perdas foram os destinados à indústria de máquinas para petróleo e energia renovável, com déficit equivalente a 56,5%, representando apenas 0,1% de todas as exportações do setor de máquinas e equipamentos.

No topo do principal destino dos produtos da indústria de máquinas nacional, os EUA receberam, entre janeiro e abril deste ano, cerca de US$ 398.908.626 FOB, valor 19,9% inferior ao registrado no mesmo intervalo de um ano atrás. Argentina, Holanda e México aparecem, nesta ordem, entre outros destinos que mais demandaram dos equipamentos da indústria de máquinas brasileira.

Importação

No setor de importação, o segmento que mais importou produtos durante os quatro primeiros meses de 2010 foi o de componentes para indústria de bens de capital, que cresceu 39,8% e chegou a mais de US$ 1 bilhão FOB.

Os países que mais exportaram seus produtos para o mercado doméstico nacional foram: EUA, Alemanha, China e Japão.

Destaques

Os setores que apresentaram maior desempenho no faturamento nominal, no acumulado até o mês em análise sobre mesmo quadrimestre do ano anterior, os maiores destaques foram a indústria de máquinas e equipamentos para madeira, que obteve crescimento de 97,6%, máquinas para artigos plásticos, com 86,7%, máquinas para acessórios têxteis, com 81,7% e bombas e motobombas, com 41,7%. A maior baixa foi vista na indústria de materiais de mecânica pesada, com déficit de 14,6%.

Fonte: Assessoria de Impresa

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

A Merax, empresa importadora e distribuidora de máquinas e equipamentos para os setores petrolífero, químico, metalúrgico e de engenharia de montagens industriais, acompanha a retomada do mercado e acredita que a Feira da Mecânica reflete bem este momento. A direção da empresa estima faturamento em torno de R$ 1 milhão, com a feira este ano.

Para o gerente de marketing da Merax, Luiz A. Lacreta, o público está mais objetivo em suas buscas, são mais profissionais e exigem maior qualidade e especificações técnicas mais precisas: “ Em 2008, havia muita euforia, o público procurava mais novidades, sem um foco específico”.

O executivo observou, ainda, aumento significativo do número de pessoas do Norte e Nordeste do Brasil, que procuraram o estande nestes três dias, e crê que seja em função dos investimentos e incentivos realizados pelo governo federal em 2010.

A Merax lança a rosqueadeira portátil MX-02 C composta por material mais leve e a linha de desentupidoras industriais: CQ – 75, GQ – 200 e GQ – 600 e domésticas, de uso manual, com ou sem furadeira acoplada para tubulações de até 75 mm. (Tatiana Gomes)

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

A Schulz está confiante com Feira da Mecânica 2010. Com os resultados estimulantes obtidos em feiras anteriores, a empresa decidiu investir em espaço e melhor localização nesta edição. “Negócios estão sendo concluídos. Sentimos o entusiasmo dos nossos parceiros e fornecedores”, diz Francisco Xavier Ayroso, consultor técnico comercial da empresa. Este ano a direção da empresa decidiu dobrar o espaço físico do estande em comparação a 2008. “Ficávamos no meio do pavilhão e agora estamos em posição estratégica, o que nos possibilita atender maior número de clientes e fechar mais negócios.”

Os lançamentos expostos são o MSV 6/50 Dental Split – linha médico-odontológica, compressores de ar portáteis a diesel, compressores rotativos de parafuso SRP 4020/4025/4030 flex, além da linha Bravo CSLV com o 60 BR 15 HP – 60 pcm – 175 Ibs com deslocamento efetivo: 45 pcm; o 70 BR 15 HP – 70 pcm – 115 com deslocamento efetivo: 55 pcm; e o 80 BR 20 HP – 80 pcm – 175 Ibs com deslocamento efetivo: 60 pcm.

O executivo acredita que a empresa não foi diretamente afetada com a crise financeira mundial. Um ponto positivo para a imagem da Schulz diante seus clientes, que resulta em maior segurança na hora dos investimentos: “Esta percepção do cliente mostra que temos estrutura sólida e uma política econômica financeira capaz de se manter em tempos difíceis”.

A empresa estima faturar R$ 3 milhões com negócios imediatos, somando os resultados do pós feira. A médio e longo prazos, a receita deve chegar a R$ 20 milhões. (Tatiana Gomes)

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A SBU MetalBras, fabricante há mais de três décadas de linha completa de conexões em latão para diferentes necessidades, participa desta edição da Feira da Mecânica com foco no lançamento de conexões de engate rápido para freios a ar e conexões com cônico 45 (SAE) e cônico 37º (JIC).

Para Raul Inácio, diretor comercial da SBU MetalBras, o objetivo principal no evento é fidelizar clientes mas, acima de tudo, aumentar em torno de 30% sua carteira de clientes novos. Com isso, a empresa retornaria aos índices de faturamento anual, que em 2009 foi de R$ 18 milhões. Em 2008, a receita alcançou R$ 25 milhões, o que mostra uma diferença significativa, segundo o executivo.

Iniciativa - “Em tempo de crise, não adianta ficar só esperando o telefone tocar com solicitação de pedidos. É preciso investir em novas oportunidades”, diz Raul Inácio. No primeiro trimestre deste ano a empresa investiu na estruturação do site (www.sbu.com.br), contratação de novos representantes e também na qualidade de seus materiais publicitários. (Tatiana Gomes)

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A Enerpac, que apresenta na Feira Internacional da Mecânica soluções para o mercado de aparafusamento, acredita nos bons resultados que eventos deste porte podem gerar. Tanto que trouxe para a feira seus principais lançamentos para comercialização neste primeiro trimestre: bomba hidráulica acionada por bateria, morsa hidráulica de bancada série BV e tensionador.

Segundo José Carlos de Carvalho, gerente territorial da empresa, a Enerpac registrou queda em suas vendas no ano passado em consequência da crise econômica mundial. Porém, o executivo acredita que, passada a fase mais crítica, os clientes estão mais confiantes para novos investimentos: “Agora é o momento de acreditar em resultados, mesmo que sejam para longo prazo”.

O faturamento da empresa subiu cerca de 25% este ano, o que justifica a afirmação de Carvalho. (Tatiana Gomes)

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Waldomiro Modena

Após um 2009 “não muito bom”, nas palavras do presidente da Festo, Waldomiro Modena, a empresa começou 2010 a todo vapor, anunciando investimentos de R$ 25 milhões para os próximos dois anos. O valor será aplicado na construção de novo prédio de 4 700 m2, previsto para ficar pronto em 2012. A ação servirá para triplicar a capacidade de produção da planta de 44 000 m2 localizada na Via Anchieta, em São Paulo, SP.

Com a expansão, o atual quadro de 600 funcionários, diretos e indiretos, aumentará 35% e abrangerá as áreas de manufatura, engenharia de processos, planejamento de produção, administração e vendas. As ações devem se refletir também no faturamento da Festo, que projeta receita da ordem de R$ 250 milhões para este ano, valor que representa retorno para os níveis de 2008, ano considerado muito positivo pela empresa. Em 2009 houve queda de 12% sobre 2008.

“A recuperação das exportações, prioritariamente, para as américas e a prorrogação do PSI-Finame pelo governo federal auxiliarão muito para que alcancemos nosso objetivo como, também, na retomada da indústria brasileira de máquinas e equipamentos em 2010”, finalizou o presidente da Festo durante coletiva para a imprensa realizada nesta terça-feira, 11 de maio, na Feira Internacional da Mecânica.

TAGS: , , , , , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

seminário Rodada 10 Perspectivas faturamento máquinas negócios infraestrutura exportação IBGE CNI importação PIB Pesquisa Revista P&S Evento inovação Feira Internacional da Mecânica Artigo meio ambiente Investimento sustentabilidade FIESP Lançamento máquinas e equipamentos mercado Economia tecnologia Feimafe Feira indústria