Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

Marcos Yabuno GuglielmiPor Marcos Yabuno Guglielmi*

O ano de 2020 certamente ficará na memória de todos, em especial na dos líderes. Diante de tantas incertezas e a grande crise que nos assombra, eles são os mais pressionados. São muitas as decisões que precisam ser tomadas – a maioria delas impopulares e bastante arriscadas. Em um cenário nebuloso como esse, algumas habilidades fazem toda a diferença. Veja cinco das mais importantes:

#1 – Inteligência emocional: Ninguém está feliz com as consequências que a pandemia irá trazer no curto, médio e longo prazo. Mas, o momento pede cautela e atitudes firmes. Deixar-se abater, reclamar ou tentar minimizar o problema não irá te ajudar a resolver a situação. Portanto, é importante ter inteligência emocional para saber administrar os sentimentos e tomar as decisões que menos prejudiquem os negócios. É preciso buscar um equilíbrio entre razão e emoção para decisões mais assertivas.

#2 – Mente aberta às mudanças: Estamos vivendo um momento de profundas transformações e quem se mantiver resistente, fugindo das mudanças, certamente irá ficar para trás. Um bom líder precisa saber ouvir profunda e atentamente não só os seus clientes, como também seus colaboradores, fornecedores e até concorrentes. Muitos modelos de negócios deixarão de existir, outros irão se reestruturar por completo. Quanto antes os movimentos forem identificados e incorporados pela empresa, melhor.

#3 – Feedback constante: Se é preciso saber ouvir, também é preciso saber falar na hora certa. Com a equipe em home-office, muitos líderes simplesmente esquecem de dar feedback. Sem a presença física constante e a falta de uma liderança presente (ainda que virtualmente), é possível que os colaboradores se sintam perdidos e desmotivados, reduzindo assim a produtividade. Também não dá para manter os programas de feedback trimestrais ou semestrais intactos, como se nada estivesse acontecendo. O momento é outro e pede feedback em tempo real.

#4 – Capacidade de adaptação: Darwin já dizia que não são os melhores ou mais fortes que sobrevivem e sim aqueles que melhor se adaptam. Sendo assim, a capacidade de adaptação, somada à alta resiliência, é fundamental para a construção de cenários mais otimistas. Ficar lastimando pelo que deveria ter sido, mas não foi, nunca ajudou em nada. O jeito é arregaçar as mangas, ver o que faz sentido manter, excluir o que já não funciona mais e trabalhar em prol do futuro.

#5 – Visão de negócios: Por fim, todo bom líder sabe que o que mais se espera dele é que seja um profissional com grande visão de negócios. Nesse momento, essa habilidade ganha uma relevância ainda maior, visto que ele precisa enxergar em um ambiente embaçado, incerto, complexo e ainda sem um prognóstico no curto prazo. Se antever a possíveis cenários, tendo cautela para ser ousado e conservador ao mesmo tempo, é uma habilidade rara, mas que, mais do que nunca, precisa ser amplamente desenvolvida por todos aqueles que quiserem sair vitoriosos dessa árdua travessia.

O momento é desafiador, mas certamente reserva boas oportunidades para os que estiverem preparados para elas. Se desapegar do que já não funciona mais e se abrir ao novo é fundamental em um momento como esse. Quem estiver preparado, vai se dar bem. Quem não estiver, vai ter que correr contra o tempo e pedir ajuda. Tentar responder perguntas novas com respostas velhas, simplesmente não irá funcionar. Bem-vindo ao novo mundo.

Coach empresarial certificado da ActionCOACH*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

elemarjuniorPor Elemar Júnior*

A atual urgência pelo modelo de trabalho remoto tem revelado oportunidades de qualificação da gestão, afinal,  evidencia se os gestores têm competência ou clareza para definição de metas e facilitação do home office. Em contrapartida, outros acabam ignorando o fato de que “comando”, às vezes, é necessário, mas, “controle”, é sintoma de uma relação doente.

Antes de tudo, não me parece correto dar continuidade a este artigo sem mencionar os tempos difíceis que enfrentamos agora, devido à pandemia de coronavírus (COVID-19). Em 2015,  em uma apresentação no TED, Bill Gates já anunciava que o maior risco para a humanidade não  seria uma nova guerra nuclear, mas sim uma epidemia. Infelizmente sua previsão estava correta. Diante da presente crise mundial, nós, que podemos trabalhar remotamente, somos privilegiados e sabemos que esta opção não é real para muitas pessoas. E parece até mesmo cruel, de certa forma, falar sobre ficar em casa para quem não pode. Mas não há outra forma.

Voltando ao tema proposto, por não terem clareza de como entregar valor, muitos gestores, no lugar de resultados e facilitação do trabalho, ficam atentos a quem chega cedo na empresa e quem vai embora mais tarde. Também é comum que observem quem fica mais no computador ou em reuniões. Para profissionais com este perfil, o trabalho remoto é um pesadelo!

De muitas formas – e embora apresente desafios inéditos – este modelo tende a gerar resultados superiores. Ele permite, por exemplo, que as barreiras geográficas sejam superadas e que possamos compor times melhores, ou seja, deveria ser uma novidade bem-vinda. Entretanto, devido a limitação da gestão em conduzir relações saudáveis de trabalho, acaba se materializando como um entrave.

As dificuldades em estabelecer políticas de home office, mesmo em momentos de crise como o que estamos vivendo, evidencia o fato de que a teoria X de Douglas McGregor, economista e um dos pensadores mais influentes na área das relações humanas, ainda predomina nas nossas práticas e crenças de gestão. Afinal, segundo a hipótese de McGregor, a menos que um gestor “fique de olho” na conduta das pessoas, é provável que ninguém cumpra seu papel.

Teorias X e Y de Douglas McGregor

Em administração, as teorias X e Y são correntes de pensamentos opostas a respeito das relações entre os colaboradores e o comportamento destes em uma empresa. Idealizadas por Douglas McGregor na década de 1960 em seu livro The Human Side of Enterprise, são dos mais conhecidos conceitos na área de gestão de recursos humanos.

A teoria X, também chamada de “hipótese da mediocridade das massas”, diz que os funcionários possuem aversão ao trabalho e o encaram como um mal necessário para ganhar dinheiro. Artifícios como punição, elogios, dinheiro e coação seriam fundamentais, pois o colaborador evita responsabilidades, deseja ser dirigido e ter estabilidade e segurança.

A teoria Y diz que os funcionários encaram o trabalho como algo natural, como se estivessem fazendo uma atividade de lazer. Assim, as pessoas são esforçadas e gostam de ter o que fazer. Essa hipótese parte do pressuposto que o ser humano não é preguiçoso; a empresa tem que dar as condições necessárias para o funcionário trabalhar plenamente. As pessoas são competentes e criativas, gostam de assumir responsabilidades, possuem autogestão e têm suas recompensas não baseadas apenas no dinheiro, mas no reconhecimento e na possibilidade de ascensão dentro da empresa.

O home office, para funcionar, precisa  se basear em práticas de gestão indicadas na teoria Y. Ela demanda que todos façamos bem nossos trabalhos e que acordemos de forma explícita quais são as metas e objetivos que precisamos cumprir ou tentar superar.

O curioso é que é relativamente comum que as pessoas se identifiquem como exemplares da teoria Y, mas veem as demais pessoas no ambiente de trabalho como representantes da X.

A obra de McGregor, publicada em 1960, como crítica ao que já era considerado, na época, pensamento retrógrado com relação ao comportamento e ao trabalho, talvez tenha encontrado, seis décadas depois, o momento mais oportuno para se cristalizar. Gestores que insistirem em condutas baseadas na teoria X não vão conseguir prosperar nesses tempos de crise.

CEO EximiaCo*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

reuniao_mpiPesquisa anual da Desenvolve SP mostra que para 24% das pequenas e médias empresas paulistas a principal dificuldade encontrada para investir em inovação é obter linhas de crédito. Para mapear os entraves e dar o suporte necessário para que projetos inovadores saiam do papel, a instituição reuniu nesta terça-feira, 6/2, em sua sede, empreendedores que encaminharam pedidos de financiamento, mas não deram continuidade ao processo. Além dos empresários, participaram do encontro representantes da Financiadora de Estudos e Pesquisas (Finep) e do Instituto Euvaldo Lodi (IEL).

 “Esta é mais uma iniciativa da Desenvolve SP ligada ao Movimento pela Inovação, que leva conteúdo e atendimento a empresários em busca de recursos para inovar em seus negócios. Nosso objetivo, após identificar projetos de alto potencial que por algum motivo não seguiram adiante, é ajudar as empresas paulistas a repensarem a inovação de seus processos e produtos e a encontrar a melhor solução financeira para colocar em prática ideias que gerem desenvolvimento e riqueza para a sociedade”, diz Eduardo Saggiorato superintendente de negócios da Desenvolve SP.

O empresário Junior Ribeiro, da Aplud Serviços de Contact Center, conta que um dos principais problemas encontrados para tocar o seu projeto de inovação é a falta de garantias. “Não ter garantias reais para apresentar é uma grande barreira na hora de buscar crédito para investir”. Dificuldades no preenchimento de planilhas financeiras não ficam de fora dos apontamentos. “Às vezes é preciso uma melhor orientação técnica por parte das instituições”, avalia Allan Pires, da PA Lationamericana.

Na ocasião, Saggiorato explicou que a Desenvolve SP já oferece a possibilidade de contratação de Fundos de Garantidores. “Se uma empresa não tem acesso ao crédito por falta de garantias, com os fundos garantidores ela passa a ter. No entanto, muitos ainda desconhecem essa opção, que permite cobrir até 100% dos financiamentos para inovação”, diz.

Para Marco Francisco Almeida, superintendente da Finep, todos ganham com a troca de experiências nesses encontros. “O que estamos fazendo é inovador. Não estamos parados esperando os melhores projetos e, sim, indo até os empresários para conhecer suas necessidades e discutir as melhores soluções para que possam transformar suas ideias em realidade”, analisa.

 

TAGS: , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

servicoPor Márcio de la Cruz Lui

Em um ambiente cada vez mais competitivo, estar à frente das tendências é essencial para o sucesso de uma empresa. Desafios como globalização, velocidade das mudanças, concorrência, novidades tecnológicas, acessibilidade às informações, novos canais de comunicação e múltiplos clientes, demandam que as empresas estejam preparadas não só para atenderem seus atuais clientes como também para ingressar em novos mercados com produtos e serviços diferenciados. O sucesso das organizações é em grande parte impactado pela excelência na qualidade dos serviços e no planejamento de ações com os olhos voltados a um todo. Essa filosofia empresarial vem se consolidando como uma iniciativa que otimiza o relacionamento das organizações com seus públicos, gerando uma sustentável vantagem competitiva nos negócios.

Uma empresa orientada ao mercado preocupa-se com todo o ecossistema de negócio, contemplando consumidores, distribuidores, concorrentes, influenciadores e macroambiente. As organizações que utilizam esse conceito concentram-se na geração de valor para seus clientes, buscando, primeiramente, um entendimento do mercado e suas necessidades, para então elaborar um plano de ação mais assertivo. Com o envolvimento e apoio de toda força de trabalho, essas empresas que optam por esta orientação precisam entender as mudanças das necessidades e desejos dos clientes; serem capazes de decodificar essas mutações e responder rapidamente para garantir a satisfação do seu público. Além disso, para que elas sejam mais lucrativas e eficientes do que seus concorrentes, precisam implementar inovações de maneira mais rápida e ser mais assertiva ao tomar decisões estratégicas.

Dentro do universo de oferta de produtos e serviços digitais, uma forma de garantir esta orientação é empregando ferramentas de service assurance. Atualmente, poucas soluções no mercado são capazes de proporcionar uma coordenação interfuncional com visão holística do processo de entrega de valor superior. Por isso, o ideal é apoiar-se em tecnologias que além de darem um diagnóstico correto da qualidade da oferta dos serviços, possam agilizar a resolução de problemas por meio de um service desk inteligente, acompanhar de maneira mais precisa os níveis de serviços (SLAs) e níveis operacionais (OLAs) para tomada de decisão estratégica, além das informações estatísticas, analytics e big data.

Tecnicamente falando, a garantia da entrega da qualidade dos serviços pressupõe a adoção de uma plataforma completa de serviços de distribuição de conteúdo Over The Top (OTT) e de uma aplicação multi-tenant, capaz de administrar essa infraestrutura com o menor custo possível, sem afetar o desempenho, a escalabilidade ou a segurança, integrando os sistemas de suporte a operações e negócios (OSS/BSS). Estes elementos se aplicados conjuntamente otimizam o gerenciamento das redes, o desenvolvimento de serviços inovadores e o relacionamento com o cliente.

Desta forma, conduzir a empresa a um modelo de orientação ao mercado, na verdade, acaba por gerar uma vantagem competitiva sustentável, auxiliar no planejamento e a obter uma visão a longo prazo capaz de orquestrar e unificar as principais diretrizes estratégicas da companhia.

Márcio de la Cruz Lui é Gerente Comercial Sênior da ISPM, fornecedor líder na América Latina em software de gerenciamento e monitoração de serviços de Telecomunicações e Tecnologia.

 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Atlas Copco CMYKA multinacional sueca Atlas Copco possui um programa de incentivo à carreira de profissionais mulheres em suas unidades. Atualmente, a empresa está presente em mais de 180 países e conta com outras iniciativas pela qualidade de vida de seus colaboradores.

O trabalho no sentido de aumentar a proporção de mulheres em posição de gerência na Atlas Copco é contínuo. A rede Pleiades se empenha em possibilitar o crescimento e o desenvolvimento das colaboradoras da empresa, através de interações interfuncionais, divisionais e nacionais com outras mulheres do Grupo.

Para apoiar ainda mais a diversidade, a política de Grupo estipula que o recrutamento de gerentes deve contar com pelo menos uma candidata mulher, ao recrutar candidatos externos para cargos que exijam um diploma universitário.

Também existe um esforço para contratar pessoas de nacionalidades diferentes e priorizar que moradores do país onde a empresa se instala façam parte de sua gestão. Atualmente, cerca de dois terços de todos os gerentes seniores são recrutados localmente.

A cada dois anos, a empresa realiza uma pesquisa global com os funcionários, para mensurar sua satisfação. O desenvolvimento de competências é uma das formas de contribuir para a carreira de todos.

Recentemente, a Atlas Copco Brasil lançou o aplicativo Job Connexion, para que interessados em trabalhar na empresa recebam avisos sempre que surgir uma vaga compatível com seu perfil.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Gestão, Tecnologias, Soluções e Equipamentos para dar mais segurança às Usinas Nucleares e reduzir prazos e custos estarão na pauta do IV Seminário

O governo federal sinalizou, de forma clara para o mercado, que não desistiu da expansão do parque nuclear brasileiro, com uma referência a novas centrais nucleares no Plano Decenal de Energia 2021, que entrou em consulta pública em setembro último. No documento, o Ministério das Minas e Energia (MME) cita ainda a realização de estudos de áreas propícias à instalação de centrais nucleares, que a Eletrobrás Eletronuclear já vem desenvolvendo em parceria com a Coppe/UFRJ, para identificar áreas do território nacional mais apropriadas a abrigar os projetos.

Mesmo depois  do acidente de Fukushima, a decisão não chegou a surpreender os especialistas, tendo em vista os entraves ambientais aos projetos hidrelétricos e à aversão  às termelétricas a carvão. A proposta do MME, nesta próxima fase, é acompanhar o desenvolvimento de novos projetos pelo mundo, de olho na redução de prazos e custos.

Outro ponto importante, pós Fukushima, é a busca de mecanismos que possam dar mais segurança às usinas brasileiras, inclusive Angra 3, confirmada para entrar em operação ainda nesta década, em 2016. O assunto será o tema central do IV Seminário Internacional de Energia Nuclear, que acontece nos dias 27 e 28 de março de 2013, e que, há três anos consecutivos, vem sendo realizado em parceria com a ELETRORAS ELETRONUCLEAR.

Já consagrado no calendário do setor, o Seminário terá a participação de diversos convidados e profissionais de organismos estrangeiros ligados ao setor nuclear, de forma a dar mais profundidade e alcance à discussão que vem ganhando espaço em todo o mundo: a segurança nas usinas nucleares e em outras atividades da cadeia industrial e de geração de energia.

O acidente nuclear de Fukushima, no Japão, em março de 2011, gerou importantes progressos no sentido de reforçar a segurança nuclear mundial, de acordo com a agência de energia nuclear das Nações Unidas. Tais avanços foram uma resposta ao questionamento mundial sobre a energia nuclear, que expôs a necessidade de se tomar medidas mais coordenadas, inclusive um aumento na fiscalização de segurança dos reatores, para garantir que tal acidente não ocorra novamente.

O assunto interessa diretamente ao Brasil por conta do posicionamento do governo em relação à manutenção e fortalecimento de seu programa nuclear. Por isso, o Seminário de Energia Nuclear terá exatamente esse foco, discutindo modelos e experiências brasileiras e internacionais com ênfase na prevenção de riscos e no aumento da segurança na área nuclear e nos demais segmentos da cadeia produtiva da indústria e geração de energia, planos de emergência, monitoramento climático etc.

A exemplo das edições anteriores, a indústria nacional e estrangeira ligada à produção de equipamentos, tecnologia, projetos, construção e montagem industrial poderá participar ativamente patrocinando o evento e integrando a agenda de debates. A proposta é reunir representantes da cadeia nuclear brasileira e internacional, agências internacionais de segurança, empresas de consultoria, construção e montagem industrial, fornecedores de equipamentos e soluções tecnológicas para discutir as demanda de mercado, disponibilidade e formação de mão de obra especializada e novas tecnologias para atender ao projeto nuclear brasileiro e seus requisitos de segurança.

Serviço: As inscrições para participação no evento – aberto a todos os profissionais e empresas públicas e privadas do setor – podem ser feitas pelo email inscricao@planejabrasil.com.br, além dos telefones (21) 2262-9401 / 2215-2245.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Por Roberto Haddad*

“O Brasil é diferente de todos os outros países do mundo”. Essa frase é citada repetidamente por estrangeiros que estão começando a encarar os desafios fiscais de fazer negócios no Brasil. E por que dizem isso? Será que não estão exagerando? Afinal, desde sempre as reclamações relacionadas aos impostos são uma realidade no mundo todo.

Durante uma reunião para discutir uma transação de aquisição de empresa, um investidor recém-chegado, interessado na compra de um grupo brasileiro de empresas, soube que cerca de 40 empregados desse grupo estavam exclusivamente alocados na área fiscal. A notícia foi recebida com surpresa e insinuava que talvez a empresa-alvo não fosse tão eficiente. Afinal, o investidor, um grupo estrangeiro maior do que o grupo brasileiro, tinha cerca de oito profissionais em sua área fiscal.

Um brasileiro presente na sala disse que, na verdade, esse número de empregados talvez nem fosse suficiente para lidar com a gestão dos tributos de um grupo desse tamanho no Brasil. Essa situação precisa ser mais bem compreendida. O cenário descrito é real e recorrente. Por que o sistema tributário brasileiro é considerado tão complexo? Por que são necessárias tantas pessoas para conduzir a área fiscal? E por que os impostos no Brasil, diferentemente de qualquer outro país do mundo, são considerados tão mais complexos e diferentes tanto para estrangeiros, como para brasileiros?

Responder a essas questões não é tarefa simples. Não podemos afirmar que, considerados de forma individual, os tributos brasileiros sejam mais complexos que os de outros países desenvolvidos, como Estados Unidos, Reino Unido, França ou Espanha. Por outro lado, o que sim podemos destacar é que existe uma complexidade que provém do número de impostos importantes que se aplicam às operações de uma empresa.

Para ilustrar esse ponto, temos, por exemplo, o Imposto de renda das empresas que é composto por dois tributos diferentes: o IRPJ (o imposto de renda propriamente dito) e a CSL (contribuição social sobre o lucro). Ambos têm cálculo similar, mas destinação diferente depois de recolhidos pelo governo federal.

A alíquota conjunta é de 34%, semelhante a muitos países. Ocorre que, além de IRPJ e da CSL, há o PIS, a COFINS, o ICMS, o IPI, o ISS e o IOF, entre outros (como II, CIDE e outros impostos e contribuições especiais que se aplicam a setores de indústria específicos, como a CFEM para mineração). Já nos países mais desenvolvidos, há normalmente o imposto de renda e o IVA (imposto sobre valor agregado) ou um imposto sobre consumo. Esses são os principais tributos que usualmente incidem nas operações das empresas no exterior.

Dessa forma, enquanto os países desenvolvidos operam com um sistema de basicamente dois principais impostos sobre as operações, as empresas no Brasil precisam lidar com um arcabouço formado por pelo menos oito impostos. Além disso, os oito impostos são tratados em diferentes níveis de Governo: Federal, Estadual e Municipal. Cada um com interesses diferentes e autoridades fiscais diferentes, resultando em uma enorme confusão legislativa e de gestão para os contribuintes.

Obviamente, mesmo as autoridades fiscais têm dificuldades em lidar com tantos tributos, e esta é uma das razões pelas quais existem tantas áreas obscuras nas diferentes legislações. Isso porque, mesmo as autoridades fiscais não têm a oportunidade de se concentrar e aprofundar nas questões inerentes a poucos impostos, o que evitaria muitas discussões administrativas, processos judiciais, mal-entendidos e várias interpretações. Tais autoridades precisam cuidar dos vários impostos e essa falta de foco provoca, por conseguinte, falta de clareza e profundidade.

Em relação aos diferentes tributos, há especificidades e complexidades. Por exemplo, o PIS e a COFINS incidem em praticamente todas as receitas, tendo uma alíquota conjunta de 9,25%, com créditos sobre alguns insumos permitidos. Essa alíquota é reduzida para 3,65% sem créditos, caso seja aplicado um sistema alternativo de IRPJ.

O ICMS, outro exemplo, é um imposto estadual sobre valor agregado com uma legislação federal principal e 27 legislações específicas para cada um dos 26 Estados e o Distrito Federal. Se uma venda for realizada de um Estado para outro, este último poderá não aceitar o crédito de ICMS caso o primeiro tenha concedido alguns tipos específicos de incentivos fiscais. Este é apenas um dos campos de batalha da chamada guerra fiscal.

Em relação ao IRPJ, como último exemplo, não há consolidação fiscal no Brasil. Cada empresa é um contribuinte individual, e não se pode ter uma combinação dos resultados de um grupo de empresas a fim de compensar os lucros com as perdas, as receitas com as despesas. Na verdade, esta é uma das principais áreas que precisam ser resolvidas pelo Governo Federal.

O sistema tributário brasileiro necessita urgentemente de consolidação fiscal, o que evitaria a imensa quantidade de litígios envolvendo incorporações, cisões e outros fluxos societários. Isso acabaria com muitas discussões subjetivas relacionadas com o propósito negocial de certas transações, a questão de operações e serviços realizados entre empresas de um mesmo grupo, além de uma série de outras discussões que só existem em razão da ausência de consolidação fiscal.

Em tempo, a maior parte dos países desenvolvidos possui sistema de consolidação fiscal. É claro que os Governos não querem perder suas receitas fiscais. Contudo, a redução na carga tributária não é a principal reivindicação das empresas. Elas querem menos complexidade, menos quantidade de impostos, menos áreas obscuras, menos processos judiciais. Querem contar com a capacidade de prever, com razoável segurança, as regras às quais estarão sujeitas.

É possível alcançar essa realidade. O Brasil já evoluiu incrivelmente em diversas áreas da economia e o País está agora em franca expansão, oferecendo oportunidades únicas. Atingir uma menor complexidade tributária é uma questão de vontade política e comunicação entre as autoridades fiscais, contribuintes e tributaristas.

Apesar de todas essas questões, o sistema tributário não deveria ser visto como um fator limitador para se fazer negócios no Brasil. Com certeza ele é um desafio, mas não uma limitação. Os investidores internacionais recém-chegados, assim como os próprios brasileiros, que compreenderem o ambiente fiscal e descobrirem a melhor forma de estruturar e conduzir os negócios nesse país não só permanecerão operando, como crescerão e terão muitos frutos por aqui.

* Roberto Haddad é sócio da área de Tributação Internacional e M&A da KMPG no Brasil

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

O mercado brasileiro está em constante mudança e o empresário, seja ele de pequeno, médio ou grande portes, tem de se preparar para tais transformações. Como exemplo recente, podemos lembrar o quadro que a crise mundial de 2008/2009 deixou em vários países: acontecimento especulativo que abalou investimentos, aumentou a taxa de desemprego e deixou algumas sequelas. Contudo, qual a melhor forma para se precaver de surpresas desagradáveis, e sobreviver às crises, ou até mesmo tirar proveito delas? Felizmente, existem profissionais qualificados que, com sua experiência, prestam consultoria com visão ampliada das possíveis saídas e artimanhas nesses casos.

Nelson Bruxelas Beltrame é um exemplo nesse ramo. Graduado em engenharia de produção, Beltrame tem mais de duas décadas de vivência nas áreas de análise de custos, orçamento empresarial, planejamento e controle da produção e logística integrada para empresas de grande, médio e pequeno portes nas áreas da indústria, comércio e serviços, entre outros.

Como proprietário do Portal Custos, o especialista presta consultoria em sistemas de gestão estratégica de compras e de formação de preços para comércio e indústria. Seu site possui clientes como: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – Abimaq, Fundação Instituto de Administração – FIA/USP, Grupo Saint Gobain, Roche Diagnóstica Brasil.

No workshop Rodada 10, Beltrame será um dos palestrantes e discutirá o tema Tendências do Mercado Brasileiro de Consumo e o Impacto de Novas Regras Tributárias. Para ele, também professor da FIA em MBAs e cursos executivos, o ambiente atual é de mudanças e acompanhá-las faz parte da sobrevivência das empresas. “Você pode tornar-se obsoleto ou ultrapassado, mesmo sendo um líder de mercado, simplesmente por não acompanhar as mudanças do ambiente em que vive.”

Segundo o especialista, essas mudanças fazem parte da evolução humana. Contudo, analisa que nunca vivenciamos no passado esta profundidade de transformações em tão curto espaço de tempo, e salienta: “Para que um empresário possa atualizar-se constantemente é necessário manter contato direto com os meios de comunicação disponíveis, sejam eles impressos, televisivos ou digitais, da forma mais focada possível”.

Beltrame enxerga que o volume de informações colocadas no mercado hoje em dia também tem seu lado negativo por conta de sua grande quantidade disponível. Quanto mais específico for o veículo de informação, mais assertivo o empresário será em seus objetivos.  

Em sua palestra na Rodada 10, a ser realizada no dia 31 de agosto, Beltrame abordará a implementação eficaz da Nota Fiscal Eletrônica, a Substituição Tributária de ICMS e o SEPD Fiscal. “Não necessitamos temer estas novas modalidades de gestão do fisco, necessitamos sim compreendê-las e dominá-las em seus aspectos organizacionais e estratégicos.”

O palestrante cita participações em eventos como Rodada 10 uma importante oportunidade de apresentar produtos e serviços, assim como localizar soluções e novos recursos.

Currículo do palestrante – Pós-graduado em engenharia de produção e gerência de operações e graduado em engenharia de produção, possui 25 anos de vivência nas áreas de análise de custos, orçamento empresarial, projetos de viabilidade econômico-financeira, sistemas informatizados de gestão integrada, planejamento e controle da produção e logística integrada para empresas de grande, médio e pequeno portes nas áreas da indústria, comércio e serviços.

É diretor da Data Custos – Análise e Gerenciamento de Sistemas, instrutor da Fiesp/Ciesp, Sindipeças, Abimaq, Abifa, Sindiplast, Simabesp, Saint Paul, Canal Varejo, Integração e outros. É também colaborador do livro Finanças no Varejo (3ª edição) e proprietário do Portal Custos (www.custos.com.br).  Faz parte do Laboratório de Finanças, centro institucional voltado para as ciências financeiras que promove pesquisas e exploração de aplicações e técnicas de finanças contemporâneas no Brasil.

Sobre o evento – Rodada 10 é um evento de relacionamento e formação de parcerias entre as principais empresas compradoras e fornecedoras do mercado industrial do Brasil, que acontecerá no dia 31 de Agosto, no Esporte Clube Banespa, em São Paulo, SP. Informações sobre inscrições e participações no Workshop no www.rodada10.com.br ou (11) 3500-1900. (Tatiana Gomes)

TAGS: , , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

A 28ª Feira Internacional da Mecânica, que acontece de 11 a 15 de maio, no Pavilhão de Exposições do Anhembi, em São Paulo, conta com uma novidade: a realização de um simpósio internacional, cujo objetivo é debater três pilares que permeiam o setor de máquinas e equipamentos para a indústria: economia, gestão/inovação e tecnologia.

O Simpósio Internacional Mecânica 2010 – Novos Tempos, Novas Soluções, agendado entre 12 e 14 de maio, no Holiday Inn Parque Anhembi, é direcionado aos profissionais de todo o setor industrial, principalmente, para gerentes, executivos, diretores, técnicos responsáveis pelas áreas de robótica, manutenção, qualidade, compras, comercial, sustentabilidade, produção, administrativo-financeira, entre outros.

Com a participação de renomados especialistas, a agenda do evento abordará relevantes assuntos econômicos, como, por exemplo, os desafios da indústria nacional, a retomada da economia mundial, como competir no cenário internacional e fusão e aquisição. No caso de inovação, será apresentado o Sistema Nacional de Inovação, o papel da sustentabilidade, a importância da gestão de inovação e a uma caso de sucesso de uma empresa inovadora, e na parte de tecnologia, serão tratados temas relacionados à novos materiais, usinagem, robótica, automação e sistemas de segurança em processos de solda.

As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas pelo site oficial, www.meccanica.com.br. Mais informações podem ser obtidas por meio Central de Atendimento, cujos contatos são: (11) 3717-0737 ou mecanica.inscricao@reedalcantara.com.br.

Programação*

Horário 12/05 – Quarta-feira 13/05 – Quinta-feira 14/05 – Sexta-feira
Economia, Finanças e Negócios Gestão Empresarial Tecnologia e Inovação
9h A retomada da economia mundial e os desafios da indústria nacional Sistema Nacional de Inovação Automação
10h Cenários Tecnologia e Inovação Gestão de Inovação / Pessoas e Tecnologia Robótica
11h Intervalo
11h30 Preparar empresas para competir no cenário internacional Sustentabilidade de ponta a ponta Usinagem
12h30 Intervalo
14h Fusão e aquisição de empresas no setor industrial Caso Prático de Inovação Sistemas de Segurança em Processo de Solda
15h Empresas Empreendedoras Design como Diferencial Competitivo Novos Materiais
16h Encerramento – 1º dia Encerramento – 2º dia Encerramento do Simpósio

*Programação sujeita à alteração

Feira — A Feira da Mecânica se prepara este ano para receber mais de 100 mil visitantes/compradores, de 40 países, interessados em conhecer as novidades de mais de 1.950 expositores, de 35 nacionalidades. Com área de 78 mil m2 de exposição, o evento atenderá os setores de automação e controle de processos, medição e informática aplicada; ferramentas e dispositivos; solda e tratamento de superfícies, máquina-ferramentas; máquinas e equipamentos diversos e acessórios; máquinas e equipamentos para plástico e borracha; motores, acoplamentos, redutores e engrenagens; equipamentos para tratamento ambiental e refrigeração, válvulas, bombas, compressores, equipamentos hidráulico e pneumático; equipamentos para movimentação e armazenagem, fornos, estufas, caldeiras e tratamento térmico.

Serviço

Simpósio Internacional Mecânica 2010

Data: 12 a 14 de maio de 2010

Local: Hotel Holiday Inn Anhembi – Rua Professor Milton Rodrigues, 100 – Santana – São Paulo / SP

Site: www.mecanica.com.br

Central de atendimento: (11) 3717-0737 ou mecanica.inscricao@reedalcantara.com.br

Feira Internacional da Mecânica

Data: 11 a 15 de maio de 2010

Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi – Rua Olavo Fontoura, 1.209 – Santana – São Paulo

Fone: (11) 3060-4954

Site: www.mecanica.com.br

Visitação: Gratuito pelo site – Exclusivamente para industriais, comerciantes, compradores e técnicos do setor e afins, sendo proibida a entrada para menores de 16 anos, mesmo que acompanhados. É obrigatória a apresentação de cartão comercial.

TAGS: , , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

Para fechar a semana, reproduzo um artigo enviado por Nuno Rebelo dos Santos, integrante do Instituto de Marketing Industrial e consultor da JCTM Marketing Industrial. Neste texto, ele argumenta que profissionais motivados e integrados têm melhores ideias, são mais produtivos e mais eficientes no cumprimento de objetivos e metas, por consequência mais felizes. Confira!

A seleção natural destaca os mais aptos, mas estes podem não ser os melhores para o desenvolvimento da espécie ou da sociedade a médio e longo prazo. O desafio humano é superar os limites impostos pela seleção natural integrando os “menos aptos”, que também têm contribuições importantes a dar e que hoje não são devidamente valorizadas. Isto pode causar um retrocesso à sociedade e aos negócios, pois todas as pessoas e aptidões são necessárias, dentro de um espírito de colaboração e aceitação, para a evolução social e econômica.

“Nos negócios, como na vida, existem direitos universais que devem ser respeitados e considerados na definição de metas e objetivos de médio e longo prazo. Valorizar as pessoas, seus diferentes pontos de vista e contribuições, ser sustentável na essência da palavra e capaz de identificar diversas alternativas em qualquer situação são determinantes para o sucesso ou fracasso de uma iniciativa empresarial”, afirma Nuno Rebelo dos Santos, integrante do Instituto de Marketing Industrial e consultor da JCTM Marketing Industrial.

Ele ressalta que a vida humana vale por si só e que é essencial permitir a cada pessoa realizar-se como ser humano e como profissional. “Qualquer resultado depende de um trabalho em grupo e cada participante tem o seu valor e deve ser reconhecido por isto. O problema é a tendência de só se valorizar o líder e os mais competitivos”, esclarece o executivo.

O cenário corporativo atual apresenta uma competição desleal e descontrolada, visando resultados e lucros imediatos e deixando de lado muitas vezes fatores essenciais como a história da empresa, sua filosofia e legado para o futuro. “A tecnologia dá poder, facilita processos e ajuda a estabelecer diferenciais estratégicos, mas sua má utilização traz conseqüências catastróficas. Em sua implementação é sempre necessário considerar as pessoas, que de fato asseguram o valor da companhia diante de seus clientes”, diz Rebelo dos Santos.

Outro aspecto controverso é a postura de muitas companhias de só valorizar os talentos mais competitivos e que se destacam dentro de determinado grupo, deixando de perceber e de considerar a contribuição dos demais integrantes das equipes, que também detém conhecimentos e habilidades importantes para a obtenção de bons resultados e, por conseqüência, para a evolução da companhia.  

Para Rebelo dos Santos, a trajetória de qualquer corporação depende hoje de uma revisão destes e de outros equívocos empresariais, como os bloqueios às iniciativas individuais, os excessos de regulamentação e o constrangimento muitas vezes da ação e da criatividade. “É óbvio que o trabalho em equipe deve ser valorizado, mas cada pessoa contribui de maneira única para o desempenho e deve ser incentivada. É preciso sempre motivar a ação e a criatividade, para que mudanças benéficas ocorram em todas as esferas da organização, evitar o excesso de regras e de fiscalização, bem como a homogeneização de atitudes e ideias”, acrescenta ele.

Ele acredita que, ao propiciar um ambiente de trabalho saudável e dar liberdade para que as pessoas se expressem, as empresas ganham agilidade e eficácia, assim como melhor percepção de seu valor atribuído por seus talentos, clientes e fornecedores. “Profissionais motivados e integrados, reconhecidos como seres humanos, se empenham mais em suas ações, trabalham na mesma direção e buscam aperfeiçoamento constante, o que resolve parte do dilema atual das empresas que é manter um sistema complexo de regras e segurança ou focar-se na qualificação e responsabilização dos responsáveis pelos diferentes projetos. Estes dois aspectos precisam e devem andar juntos”, esclarece Rebelo dos Santos. 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas IBGE importação PIB CNI máquina Revista P&S Evento Feira Internacional da Mecânica Pesquisa inovação Artigo Investimento FIESP meio ambiente sustentabilidade Lançamento máquinas e equipamentos mercado Economia tecnologia Feimafe Site P&S Radar Industrial Feira indústria