Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

AnprotecA Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec), entidade fundada em 1987 e líder do movimento do empreendedorismo inovador no Brasil, consolidou neste mês de dezembro a fusão com a Associação Brasileira de Empresas Aceleradoras de Inovação e Investimento (Abraii) fundada em 2014 e principal associação empresarial do ecossistema de empreendedorismo.

Resultado da iniciativa de aproximação da Associação – que hoje reúne incubadoras de empresas e parques tecnológicos de todo o Brasil – com novos atores do movimento, a fusão possibilitará que as 21 aceleradoras ligadas à Abraii sejam somadas ao quadro de 345 associados da Anprotec. Essa união ampliará o apoio e a representatividade da Anprotec em todo o ecossistema de inovação. Com isso, a Associação dá mais um passo na promoção e no fortalecimento do empreendedorismo inovador, eo principal caminho para construção da nova economia e uma das saídaa para a crise econômica atual.

Para o presidente da Anprotec, Jorge Audy, a união entre a Anprotec e a Abraii pode potencializar o crescimento econômico e o desenvolvimento nacional, tendo a inovação e o empreendedorismo como o principal motor desse processo. “A crise econômica atual nos oferece é uma grande oportunidade: usarmos a inovação, o empreendedorismo, a geração de startups e a criação de novas empresas que utilizam a tecnologia como principal fator, como plataformas para o desenvolvimento no século XXI, assim, nos inserindo na sociedade cada vez mais digital, seja por meio dos diversos mecanismos de geração de empreendimentos ou por meio dos ecossistemas de inovação”, afirma Audy.

Já para o novo diretor de ambientes de inovação da Anprotec e também diretor executivo da Abraii, Alex Jacobs, a fusão representa o mais importante movimento recente do empreendedorismo inovador brasileiro. “Essa ação vai ao encontro de um desejo de toda a sociedade: aproximar a academia do mercado. Esse esforço, que une duas forças tão relevantes do empreendedorismo e da inovação, é essencial para que consigamos dar o salto que todos desejam para o desenvolvimento de novos negócios do Brasil da Economia Pós-Digital.”, explica Jacobs.

Crescimento em escala

As aceleradoras são mecanismos de geração de empreendimentos inovadores com atuação recente no Brasil e no Mundo. Oferecem investimento, capacitação, mentoria continua, acesso ao mercado e sua rede de relacionamentos, geralmente em troca de um equity ou outra forma de remuneração. Inicialmente eram focadas apenas em negócios altamente escaláveis – que apresentam potencial de crescimento rápido – e atrativos para o capital de risco. Surgiram depois aceleradoras voltadas para negócios de impacto social, com ou sem fins lucrativos e mais recentemente surgiram as aceleradoras corporativas como via de mão dupla entre as grandes empresas e o empreendedorismo inovador. /As aceleradoras ofertam geralmente turmas(5 a 15 empresas) de 3 a 12 meses e tem como meta principal transformar a startup em uma empresa autossustentável financeiramente e pronta para receber rodadas de investimento profissional e para enfrentar os desafios de um mercado competitivo. Seu processo de seleção é marcado por uma alta taxa de proponentes por cada equipe selecionada e normalmente acelera startups que já tem uma forte equipe de empreendedores e um modelo de negócios desenvolvido. A Abraii se dedica à articulação junto a demais entidades e associações do ecossistema, órgãos públicos e toda sociedade  na promoção de ações que apoiem o ecossistema empreendedor brasileiro, incluindo a captação de recursos para startups, criação de políticas para o setor,  programas de fomento ao empreendedorismo, e na divulgação das atividades das aceleradoras brasileiras. Ao unir esforços com a Anprotec cria-se uma estrada direta sem desvios entre a academia, o conhecimento, a pesquisa, a inovação, o empreendedorismo e o mercado + investimento.

 

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

constructionSummit_2016O Construction Summit 2016, que ocorre entre os dias 15 e 16 de junho, em São Paulo, vai promover uma iniciativa inédita no setor da construção. É o Encontro das Startups da Construção, que irá reunir, em um único local, sete startups, com novas ideias e tecnologias inovadoras, com o objetivo de proporcionar ao mercado mais produtividade, sustentabilidade, competitividade e inovação.
De acordo com Marcos Almeida, coordenador do Encontro, o espaço foi idealizado para demonstrar como boas ideias podem se transformar em negócios escaláveis e sustentáveis e para fomentar o desenvolvimento dessa inovação, a fim de proporcionar maior valor agregado às empresas da construção.
“Realizamos pesquisas com essas startups e percebemos que, apesar de terem ótimos produtos e tecnologias inovadoras, eles não tinham uma comunicação direta e ampla com seu público de interesse, que são os profissionais das construtoras, os gestores públicos e os representantes de entidades setoriais. E, assim, decidimos criar o Encontro das Startups, no Construction Summit, que será uma oportunidade ímpar para relacionamento, conhecimento e informação”, explica.
No Encontro das Startups, os participantes do evento poderão ver as seguintes inovações:
Bom Pedreiro: Maior plataforma de pedreiros especialistas de São Paulo, é a primeira comunidade local que trabalha junto com pessoas já atendidas, para melhorar o curso de uma obra, informando futuros clientes quais as vantagens de cada profissional. Com isso, há uma melhoria significativa na prestação de serviços a cada obra, pois o cliente informa ao próximo como foi o atendimento, obra, comprometimento, experiência do profissional no serviço contratado, deixando um testemunho e nota sobre seu profissionalismo
Bom Bloco: Tijolo feito de isopor internamente e já revestido com argamassa. Ele é termoacústivo, ipermeável, resistente e muito mais econômico.
Construct: Software específico e de fácil utilização para melhorar a sincronia entre o canteiro de obras e o escritório de engenharia e arquitetura. Ele faz uma comunicação instantânea para acompanhamento da obra em tempo real e auxilia para resolver problemas antes que afetem o orçamento. Além disso, gerencia os projetos, gera relatórios para compartilhar com a equipe e armazena todos os dados na nuvem com muita segurança.
Inova House:  Oferece uma solução tecnológica inovadora para a construção civil, a fim de automatizar o processo construtivo, por meio da tecnologia de impressão 3D, eliminando o desperdício de material nos canteiros de obra, aumentando a segurança para o trabalhador da construção civil e diminuir o tempo gasto para a conclusão das obras.
eStoks: Especializada em gerenciamento de estoques e sobras da construção civil. Eles mapeiam, vendem e dão a destinação correta dos excedentes.
LIGA: Primeira rede social destinada ao setor da construção civil. Profissionais, estudantes e empresas podem se conectar tirando dúvidas técnicas, compartilhando experiências, conhecendo as novidades do mercado e ampliando o networking.
Urban 3D: A proposta é criar um novo método de produção para infraestrutura e habitação que permite não só para construir áreas urbanas habitáveis, produtivas e sustentáveis, mas também para construí-los mais rápido, acessíveis e mais bem executados, por meio da integração de planejamento urbano em longo prazo e suas comunidades. A previsão é que esse processo irá permitir a construção com um décimo do custo, dez vezes mais rápido, utilizando materiais sustentáveis e sem produzir resíduos.
A diversidade dos produtos apresentados pelas startups, segundo Almeida, demonstra como na área da construção há um amplo campo de atuação para empreendedores. “Por esse motivo, essa iniciativa do Construction Summit torna-se ainda mais importante para disseminação de ideias que tragam melhoria para nosso setor”, finaliza.
Além do Encontro das Startups, o Construction Summit 2016 terá ainda a Mostra VivaCidade, Exposição Cidades em Movimento, Mostra Light Steel Frame, Mostra da Sustentabilidade e Mostra Produtividade e Industrialização.
Para participar do Construction Summit, basta realizar sua inscrição no site oficial: http://www.constructionsummit.com.br/.
  • Local

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

0

* Por Ricardo Yogui

Quando falamos em mudanças dentro das organizações, é natural uma primeira reação de resistência por parte dos colaboradores (ou pela grande maioria deles). As modificações levam para o desconhecido enquanto manter o status quo, bem ou mal, é algo que se convive no dia a dia e se tem uma ideia do que se pode esperar.

Porém, a história está repleta de casos onde as organizações ficaram em sua zona de conforto e acharam que os seus produtos e mercados seriam eternos. Do outro lado, pequenas e emergentes empresas entenderam os leves sinais que o mercado estava dando e surfaram a onda da mudança, através da inovação.

Um exemplo clássico foi a Xerox. Em seu famoso laboratório de pesquisa PARC (Palo Alto Research Center), ela desenvolveu inovações que se tornaram referência no mundo digital: a interface gráfica e o mouse. Porém, seus executivos não conseguiram ver valor em tais “invenções” nos rentáveis negócios de impressão e fotocopias, cedendo estas invenções para a uma menor e promissora empresa de tecnologia, a  Apple.

Outro exemplo foi a Kodak, fundada 1888. Ela desenvolveu a primeira câmera digital do mercado, mas como estava com uma forte posição consolidada na venda de filmes fotográficos, acabou não investindo na tecnologia, abrindo espaço para as outras empresas que começaram apostar na nova tecnologia. Em 2012, a Kodak solicitou o pedido de concordata para poder tentar reorganizar seus negócios.

Vencer esta resistência à mudança é um dos desafios que as organizações precisam tratar para poderem estar preparadas a operar em um mercado global e em constante mutação.  O que a maioria das empresas faz é priorizar a consolidação no seu posicionamento no mercado atual e tem dificuldades em fazer a projeção de seu posicionamento futuro. E quando o mercado vive momentos de incertezas, muitas empresas se recolhem tentando preservar algo que talvez não existirá em um futuro próximo.

A inovação é o processo que prepara a organização para o futuro, tornando-a líder de um mercado ou, ainda, criando um novo mercado.  A Microsoft entendeu isto ao focar nos programas de computadores pessoais em um momento em que todos apostavam na fabricação dos computadores.  A Embraer fez o mesmo, ao investir no desenvolvimento de jatos regionais enquanto empresas como Boeing e Airbus desenvolviam aeronaves cada vez maiores.

O fato é que qualquer empresa, independentemente de seu porte, pode se preparar para este mercado futuro através da inovação, inclusive no desenvolvimento de serviços.

Quando se fala em inovação, é comum as pessoas pensarem em produtos, mas a inovação pode estar presente em serviços e até complementando e agregando valores em produtos não tão inovadores. Há alguns anos, a Amazon lançou o seu leitor eletrônico de livros, o Kindle. Ele não era tecnologicamente superior a outros produtos similares no mercado, mas oferecia serviços inovadores em torno do produto, o que agregou maior valor para os usuários e assim ganhou a maior fatia do mercado.

Infelizmente a maioria das empresas pensa em inovação quando seus negócios atuais não estão atingindo resultados esperados. A inovação deve ser tratada como um tema constante na agenda da reunião da diretoria e presidência das empresas.

Além disso, deve-se gerar uma cultura de inovação entre os colaboradores das organizações, para que eles possam contribuir na criação e operacionalização de novos produtos e serviços inovadores.

Afinal, como vimos neste artigo, a boa ideia para a inovação pode estar dentro de casa, mas a falta de cultura de inovação e a tal zona de conforto no cenário atual podem abortar um potencial sucesso da empresa no futuro!

* Ricardo Yogui é consultor e mentor em Processos de Inovação e diretor da RYO Consulting. Possui mestrado em Administração pelo IBMEC-RJ, MBA em Gestão Empresarial pela FGV-RJ, pós-graduação pela ESPM-SP e graduação em Engenharia pela FEI-SBC. É professor da PUC-Rio e do CBA RH do IBMEC, além de palestrante. Possui mais de 20 anos de experiência profissional em Processos de Gestão & Inovação (Tecnológica, Modelos de Negócios e Desenvolvimento de Produtos).

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

Prêmio FINEP de Inovação 2011

Icone Evento,Prêmio | Por em 6 de julho de 2011

0

O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, instituições científicas e tecnológicas e inventores brasileiros, desenvolvidos no Brasil e já aplicados no País ou no exterior. Podem concorrer ao Prêmio as empresas que tenham a inovação como elemento relevante em suas estratégias de atuação.

 As empresas e instituições inovadoras são aquelas que desenvolvem soluções em forma de produtos, processos, metodologias e/ou serviços novos ou significativamente modificados, que estejam no mercado há pelo menos 3 anos.

Serviço:

As inscrições encerram-se em 6 ou 14 de outubro, conforme a categoria.

Informações:  http://www2.finep.gov.br/premio/index.php?pg=regulamento

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Criada em 2008 pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), a MEI tem como meta até 2013 conscientizar 30 mil empresas para o desafio de inovar e realizar atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I).  Convênio de cooperação técnica e financeira na ordem de R$ 48 milhões pretende capacitar 15 mil empresas ao final de 2013.

Neste sentido, será lançado durante o evento da Mobilização Empresarial pela Inovação (MEI) nesta sexta-feira (22), a partir das 9h, o Núcleo de Inovação Paulista, composto pelo Departamento de Competitividade e Tecnologia (Decomtec) da Fiesp, Sesi e Senai-SP, Sebrae-SP  e Secretaria de Desenvolvimento do Gesp.

O objetivo é utilizar recursos na capacitação em inovação das indústrias presentes nos 15 Arranjos Produtivos Locais (APLs) atendidos atualmente pelo Projeto do BID (BID/Sebrae-SP/Fiesp/SD Gesp), atuantes nos seguintes setores: móveis; cerâmica; têxtil e confecção; artigos de cama, mesa e banho; calçados; jóias; artigos médicos-odontológicos; plásticos; etanol; petróleo e gás.

A estrutura de governança da MEI é composta por um Comitê de Líderes Empresariais e uma Secretaria Executiva, composta pelas instituições CNI, Sebrae, BNDES, MCT e ABDI. Além destes, há o Comitê Gestor Nacional da RNI, constituído por representantes da CNI, Sesi/DN, Senai/DN, IEL/DN, Sebrae/NA e CNPq.

Além dos representantes destas instituições, também comporão a governança do Núcleo Estadual o Comitê Empresarial da Inovação da MEI, formado por representantes das empresas: Natura; Brasilata; Embraer; Usiminas; Siemens; Vitopel; Grupo Ultra; Recepta Biopharma; Metalúrgica Fundex; MRS Indústria e Comércio; PPE Fios Esmaltados e Usina São Martinho.

Fonte: Assessoria de Jornalismo Institucional

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Com novo projeto gráfico, a Editora Banas reafirma seu compromisso em melhorar continuamente seus produtos e serviços acompanhando as tendências e tecnologias

“Garantir a melhoria contínua dos nossos produtos e serviços, preservando os três princípios que norteiam a empresa desde a sua fundação: honestidade, verdade na informação e ética”. A política de qualidade da Editora Banas norteia todas as mudanças que aconteceram e acontecem ao decorrer destes 60 anos de comprometimento com o jornalismo econômico, pois o objetivo de superar expectativas dos clientes (leitores e anunciantes) só é alcançado com ações arrojadas, criativas, versáteis e atuais. Um verdadeiro legado da Editora para a história da imprensa do país.

A Banas, sempre conhecida pela sua postura inovadora, criou em seu início o Boletim Econômico, a primeira revista em formato de boletim com visão macroeconômica do cenário mundial, que se tornaria Revista Banas. Fazendo uma breve retrospectiva, desde então surgem os Anuários Setoriais com títulos como: Brasil Industrial, Brasil Financeiro, Imagem do Brasil e América Latina, Anuário de Química e Petroquímica, Anuário Metalmecânico além de Quem é Quem na Indústria.

Na década de 70, conforme as tendências mundiais, a Banas lança a revista tablóide P&S Produtos e Serviços voltada ao setor de bens de capital. Nos anos 80 surge a revista Controle de Qualidade, Banas de Qualidade, seguida pela Pack, Metrologia e Instrumentação e a Pack Agroindústria. E na década de 90 a Pack Embalagens.

Em 2010 a Banas consolida sua característica vanguardista anunciando ao mercado a nova identidade visual de sua publicação P&S. O lançamento deste projeto aconteceu durante a Rodada 10, rodada de negócios voltada ao setor industrial brasileiro, ocorrida ontem no Clube Banespa, São Paulo, anunciado por Cristina Banas,diretora executiva da Editora e também por Paulo Galante,diretor comercial. Um evento inovador, realizado pela primeira vez por uma editora, que contou com o apoio da Abimaq, Cies Sul e Senai.

Dentre as alterações do projeto gráfico estão a padronização, harmonização e leveza à revista, por conta do formato das colunas, cores e fonte, proporcionando também mais clareza nas informações. A disposição do editorial, notas técnicas, entrevistas também passarão por mudanças, para que tenham o devido destaque. A logomarca da revista muda de azul para laranja, cor que remete sucesso, estímulo, criatividade e produtividade. A edição de outubro já estará no novo formato.

Uma nova marca denota novo posicionamento. Esta é a mensagem que a revista P&S deixa ao mercado e ao público, no ano em que completa seus 60 anos. Diretamente ligada ao aperfeiçoamento e adequação ao mundo globalizado atual, a Banas respeita e acompanha as  tendências e resume o conceito destas mudanças em uma frase: Inovamos e criamos a revista do presente.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

A BASF, fabricante de defensivos agrícolas, participará da 43ª edição do Congresso Brasileiro de Fitopatologia, que está acontecendo (dias 15 a 19 de agosto em Cuiabá-MT), região de grande importância na produção de soja, milho, algodão e cana-de-açúcar. “Vamos divulgar as novas tecnologias no controle e manejo de doenças em cultivos agrícolas, com enfoque no gerenciamento da ferrugem asiática da soja, doenças do algodoeiro e milho”, explica o Gerente de Desenvolvimento Técnico de Mercado Brasil, Sérgio Zambon. Também nesta edição, o evento discutirá a difusão dos resultados de pesquisa e extensão em Fitopatologia, de acordo com as necessidades do setor produtivo.

A BASF destacará seu portfólio de tecnologias e inovações para o manejo em diversos cultivos. Além disso, estará presente o Coordenador Desenvolvimento Mercado – Cereais Centro Nordeste da BASF, José Carlos Silva Perez, que apresentará a palestra “Novas Tecnologias no controle de doenças em plantas”, a ser ministrada no dia 18 de agosto, a partir das 14h. “Esperamos que o público participe ativamente durante o congresso para que possamos trocar experiências e entender suas reais necessidades acerca do manejo de doenças em alguns cultivos, em especial ao controle da ferrugem asiática no cultivo da soja. Assim também contribuímos para difusão de novas tecnologias” acredita Perez.

Durante o evento, a BASF também fará demonstração do Digilab, que auxilia o agricultor na identificação precisa dos sintomas das principais doenças em diferentes culturas, através de um microscópio digital que captura a imagem com aumento de até 200 vezes. A ferramenta utiliza uma biblioteca virtual de saúde vegetal para consulta e comparação das imagens capturadas.

TAGS: ,

Deixe seu comentário

0

Com 100 anos de história documentada o Grupo Bambozzi comemora sua trajetória com ações voltadas ao constante crescimento da empresa

Quando os irmãos Bambozzi, imigrantes italianos, iniciaram a primeira oficina de reparos em carroças, carroções e implementos básicos para a agricultura não imaginavam que iriam alcançar seu centenário, como “empresa orgulhosamente brasileira”. Para compartilhar a trajetória destes 100 anos a empresa investiu em um vídeo institucional comemorativo que relata a história em uma retrospectiva com imagens e depoimentos, desde a sua criação até os dias de hoje.

O roteiro conta a história detalhadamente, desde 1910, zona rural de Matão, interior de São Paulo, quando a Bambozzi iniciou suas atividades. Percorrendo década por década o espectador faz uma verdadeira viagem no tempo, como na década de XX, em plena época de industrialização que o mundo passava, na qual a empresa fabrica os primeiros aparelhos frigoríficos do país: balcões, geladeiras e geradores de energia elétrica.

Ou como durante a 2ª Guerra Mundial, 1939, quando a Bambozzi precisou se reinventar. O gás sulfuroso, presente na fabricação de geladeiras, foi proibido em todo mundo. Neste mesmo ano, com a descoberta do primeiro poço de petróleo do país em Salvador/BA, a empresa firmou parceria com a Petrobrás. No final da guerra, 1945, a Bambozzi entra em uma nova era, reconhecida mundialmente com o advento da máquina de solda e alternadores.

As máquinas Bambozzi foram responsáveis por grandes obras brasileiras: Construção de Brasília (1956), refinaria de Duque de Caxias(1ª do Brasil – 1961), Ponte Rio-Niterói(1968), Usina de Itaipú(1971), linha do Metrô de São Paulo Jabaquara-Santana(1974), Gasoduto Brasil-Bolívia(1999) e Jogos Panamericanos no Brasil, no Rio de Janeiro(2007). Desde então, a empresa acompanha as tendências de mercado, se adaptando às mudanças que o mundo atravessa.

Hoje o Grupo mantém 41% do mercado de soldas e 75% de lembrança de marca entre os consumidores, que através de pesquisas comprova ser líder no segmento. Para 2015 a meta é alcançar 50% deste mercado.

Pensando na Copa de 2014 e nas Olimpíadas de 2016, ambos eventos esportivos que terão sede no Brasil, a empresa se prepara para dar estrutura e suporte às futuras construções com toda sua linha de produtos que atendem este segmento. “Hoje somos os maiores fornecedores de máquinas para a Petrobrás”, dia Marcos Pavarina, gerente de marketing da empresa, quanto se refere a constante evolução e cobertura de mercado do Grupo Bambozzi.

No setor de eventos a empresa tem presença marcada com seus produtos e lançamentos nas feiras Mecânica, Feimafe, Agrishow, Movimat e Metalmecânica.

A Bambozzi, empresa de administração familiar, se orgulha de não depender de capital estrangeiro, mesmo nos períodos de crise e promete grandes investimentos na área de marketing e publicidade para este ano.

Em comemoração ao centenário, a empresa selou parceria com o Sport Club Corinthians Paulista (que também completa 100 anos em 2010) e tem participação prevista para setembro em comerciais televisivos. “O sonho não é sonho, tem que ser realidade” é a frase de Wagner Bambozzi, conselheiro administrativo do Grupo que define os próximos 100 anos da empresa.

 Acesse o site e assista o vídeo : http://www.bambozzi.com.br/inst_bamb_hd.wmv

Por Tatiana Gomes

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

0

Em 1810 a família francesa Peugeot inicia sua trajetória através de uma iniciativa arriscada: mudar o setor de negócio da família. Transformar o moinho de farinha em uma fundição de aço fino e molas.

Surge então a sociedade Peugeot-Frères e Jacques Maillard-Salins, que após alguns ajustes ao decorrer dos anos, percorreu um longo caminho até o sucesso que é hoje no ramo automobilístico.

Com a missão pautada em criar serviços diferenciados e crescimento da organização, incluindo pessoas e comunidade, a Peugeot tem em sua história o saldo de ser a primeira marca a introduzir pneus de borracha na produção de automóveis.

Este ano a empresa, seguindo a mesma linha de inovação, lança no mercado seu novo slogan “Motion & Emotion” e logotipo, sempre fiel ao Leão que acompanha o legado da Peugeot há mais de um século.

Em 1850 o símbolo do Leão foi registrado em cartório como logomarca da Peugeot. Uma iniciativa no mínimo visionária, já que a preocupação com a identidade visual é um assunto atual, mas não tão comum há 160 anos atrás.

O símbolo está com suas linhas mais suaves, em três dimensões, postura mais enfática, possui tratamento metalizado e fundo branco. Esta modificação acompanha a reformulação do universo visual e reafirma os conceitos de valorização e coerência de expressão da marca.

“O mercado automotivo apresentou um enorme crescimento. O contexto atual é muito favorável e, diante disso, a prioridade na Peugeot é acelerar as suas ações em busca dos resultados propostos.  A meta da empresa para 2010 é comercializar 110 mil veículos, com a ambição de mudar a dimensão da Marca em curto prazo. Para tanto, é necessário empregar uma ação imediata, ou seja, com uma política comercial dinâmica e com forte presença de comunicação”, salienta Rodrigo Tramontina, Assessor de Imprensa da Diretoria de Relações Externas e Peugeot Sport .

Em 2010 a Peugeot já realizou dois lançamentos: picape compacta Hoggar; a primeira do gênero concebida e desenvolvida especialmente pela Marca para o mercado nacional, e o monovolume Partner, remodelado em sua versão Furgão, com inédita configuração de Passeio. Segundo Tramontina, a Peugeot pretende apostar este ano em uma dinâmica de forte impulso comercial, aumentando seu volume de vendas, agregando novos clientes e dando maior fluxo à sua rede de concessionárias.

Um ano de mudanças importantes para a empresa. Embora a Peugeot tenha passado por oito modificações em sua logomarca desde seu início, tal alteração implica em uma era de novos projetos e nova postura da empresa como um todo. 

Por Tatiana Gomes

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

“Viver para melhorar o que já existe”, diz Tiago Apipi, gerente de marketing, reafirmando o lema da Atlasmaq. Com uma gestão de perfil inovador, arrojado e com um grupo de  jovens executivos, os quais grande parte estão na faixa de 30 a 45 anos, a empresa aposta em dinâmica, acertividade nos negócios e fidelização de clientes através de suporte técnico de qualidade .

A Atlasmaq deixa sua marca na mídia regularmente, veiculando seus produtos sempre acompanhados por depoimentos de seus clientes, mostrando sua satisfação e afirmando assim sua confiabilidade. A empresa busca trabalhar esta postura como um diferencial no mercado industrial, captando novos clientes com uma estratégia de vendas agressiva, porém flexível, segundo Tiago Apipi.

Produtos: Os principais produtos da Atlasmaq são as fresadoras ferramenteiras, as guilhotinas e os tornos automáticos. Os lançamentos nesta edição da feira da Mecânica são as mandrilhadoras . A empresa também fabrica uma linha de tornos CNC, tornos mecânicos , afidoras, geradoras de engrenagens, entre outros.(Tatiana Gomes)

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

seminário Rodada 10 Perspectivas faturamento máquinas negócios infraestrutura exportação IBGE CNI importação PIB Revista P&S Pesquisa Evento inovação Feira Internacional da Mecânica Artigo meio ambiente Investimento sustentabilidade FIESP Lançamento tecnologia mercado Economia máquinas e equipamentos Feimafe Feira indústria