Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

Em 1810 a família francesa Peugeot inicia sua trajetória através de uma iniciativa arriscada: mudar o setor de negócio da família. Transformar o moinho de farinha em uma fundição de aço fino e molas.

Surge então a sociedade Peugeot-Frères e Jacques Maillard-Salins, que após alguns ajustes ao decorrer dos anos, percorreu um longo caminho até o sucesso que é hoje no ramo automobilístico.

Com a missão pautada em criar serviços diferenciados e crescimento da organização, incluindo pessoas e comunidade, a Peugeot tem em sua história o saldo de ser a primeira marca a introduzir pneus de borracha na produção de automóveis.

Este ano a empresa, seguindo a mesma linha de inovação, lança no mercado seu novo slogan “Motion & Emotion” e logotipo, sempre fiel ao Leão que acompanha o legado da Peugeot há mais de um século.

Em 1850 o símbolo do Leão foi registrado em cartório como logomarca da Peugeot. Uma iniciativa no mínimo visionária, já que a preocupação com a identidade visual é um assunto atual, mas não tão comum há 160 anos atrás.

O símbolo está com suas linhas mais suaves, em três dimensões, postura mais enfática, possui tratamento metalizado e fundo branco. Esta modificação acompanha a reformulação do universo visual e reafirma os conceitos de valorização e coerência de expressão da marca.

“O mercado automotivo apresentou um enorme crescimento. O contexto atual é muito favorável e, diante disso, a prioridade na Peugeot é acelerar as suas ações em busca dos resultados propostos.  A meta da empresa para 2010 é comercializar 110 mil veículos, com a ambição de mudar a dimensão da Marca em curto prazo. Para tanto, é necessário empregar uma ação imediata, ou seja, com uma política comercial dinâmica e com forte presença de comunicação”, salienta Rodrigo Tramontina, Assessor de Imprensa da Diretoria de Relações Externas e Peugeot Sport .

Em 2010 a Peugeot já realizou dois lançamentos: picape compacta Hoggar; a primeira do gênero concebida e desenvolvida especialmente pela Marca para o mercado nacional, e o monovolume Partner, remodelado em sua versão Furgão, com inédita configuração de Passeio. Segundo Tramontina, a Peugeot pretende apostar este ano em uma dinâmica de forte impulso comercial, aumentando seu volume de vendas, agregando novos clientes e dando maior fluxo à sua rede de concessionárias.

Um ano de mudanças importantes para a empresa. Embora a Peugeot tenha passado por oito modificações em sua logomarca desde seu início, tal alteração implica em uma era de novos projetos e nova postura da empresa como um todo. 

Por Tatiana Gomes

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

“Viver para melhorar o que já existe”, diz Tiago Apipi, gerente de marketing, reafirmando o lema da Atlasmaq. Com uma gestão de perfil inovador, arrojado e com um grupo de  jovens executivos, os quais grande parte estão na faixa de 30 a 45 anos, a empresa aposta em dinâmica, acertividade nos negócios e fidelização de clientes através de suporte técnico de qualidade .

A Atlasmaq deixa sua marca na mídia regularmente, veiculando seus produtos sempre acompanhados por depoimentos de seus clientes, mostrando sua satisfação e afirmando assim sua confiabilidade. A empresa busca trabalhar esta postura como um diferencial no mercado industrial, captando novos clientes com uma estratégia de vendas agressiva, porém flexível, segundo Tiago Apipi.

Produtos: Os principais produtos da Atlasmaq são as fresadoras ferramenteiras, as guilhotinas e os tornos automáticos. Os lançamentos nesta edição da feira da Mecânica são as mandrilhadoras . A empresa também fabrica uma linha de tornos CNC, tornos mecânicos , afidoras, geradoras de engrenagens, entre outros.(Tatiana Gomes)

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Um dos destaques desta edição da Conferência da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), marcada de 26 a 28 deste mês, será a apresentação de quatro casos de sucesso de MPEs (Micro e Pequenas Empresas), selecionadas pela entidade e pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). São elas Saneabas – Sociesc, Samalou (Brazilian Berrie), HI Technologies e MTA – Senai/Pr.

Segundo o Coordenador da X Conferência, Mario Barra, o Sebrae está focado em divulgar a importância da inovação por entender que esse tema é prioritário para o crescimento das MPEs e, ano passado, realizou, com o apoio do Anpei, vários workshops sobre “Como a pequena empresa pode lucrar com a inovação”, com a participação de 19.022 empresários de todo o País.

Os trabalhos foram selecionados para mostrar os benefícios que a inovação pode trazer as MPEs e estão marcados para primeiro dia da X Conferência ANPEI, na sede da FIEP – Federação das Indústrias do Estado do Paraná, em Curitiba/PR. Além dos casos de sucesso, haverá ainda a apresentação de duas palestras, uma ministrada pelo presidente da Amata, Roberto Waack, cujo tema é “Inovação Sustentável feita em Cooperação com as MPEs” e uma proferida pelo SEBRAE a respeito de “Soluções Inovadoras”.

TAGS:

Deixe seu comentário

0

Pequenas e médias empresas brasileiras sabem que inovar é indispensável para seu funcionamento e permanência no mercado. Isso é o que mostra o resultado da pesquisa do Comitê Inovação nas Pequenas e Médias Empresas (PME) da Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei), realizado em Outubro de 2009.

De acordo com a pesquisa, é o mercado dinâmico e competitivo que impulsiona as empresas a investirem principalmente em inovação.

Uma inovação bem sucedida representa melhor posicionamento no mercado e, até mesmo a sobrevivência de uma empresa. As PME inovam, principalmente,  para aumentar a eficiência e produtividade por conta das oportunidades de mercado e como reação  à concorrência. A procura por maior lucratividade e a exigência dos clientes também estão entre os fatores que motivam a inovação.

A informática tem se mostrado uma poderosa ferramenta na melhoria, controle e medição dos processos. Ferramentas antes utilizadas somente pelas grandes empresas hoje, são objetos de procura das médias e até pequenas instituições que querem se organizar para o futuro.

Nos últimos anos, essa busca pela inovação vem contribuindo para a crescente aquisição pelas empresas de sistemas de Gestão Empresarial, também conhecido como ERP (Enterprise Resource Planning).

Os sistemas baseados em ERP possuem a capacidade de propiciar a troca rápida de informações entre os setores da empresa, também integram as informações decorrentes das operações que agregam valor na cadeia produtiva, facilitando sua análise para efeito de tomada de decisões empresariais. É uma ferramenta destinada a modelar e automatizar os processos básicos de negócios, integrando as informações resultantes das operações realizadas e tornando-as disponíveis, em tempo real, para os tomadores de decisões da empresa, com isto, asseguram uma vantagem competitiva às empresas.

Uma pesquisa divulgada em dezembro de 2009 pelo SEBRAE – SP mostra que os pequenos e médios empresários paulistas pretendem aumentar os investimentos nos negócios em 2010. O estudo constatou que 72% dos donos de empresa acreditam que o faturamento irá crescer e 71% planejam gastar, principalmente, em inovação tecnológica, compra de máquinas, equipamentos e reforma das instalações.

Acompanhando esse crescimento nos investimentos, pesquisas do IDC (International Data Corporation) estimam que o mercado de ERP fechou 2009 com receita de R$ 2,5 bilhões, com aumento de 17% comparado aos negócios gerados no ano anterior. Em vista ao cenário otimista as previsões são de que as vendas de ERP registrarão crescimento anual de 8,39% até 2013.

Para tanto, uma das grandes saídas para diminuir a fragilidade desse segmento PME, é a adoção de ações inovadoras, dentre elas àquelas referentes aos sistemas ERP focados em Pequenas e Médias Empresas . Essas soluções permitem aumentar a lucratividade, consolidar a competitividade e com isso, promover a sobrevivência sustentável da própria empresa.

Cristiano Mesquita dos Santos é economista e atua como consultor de negócios da ABC71 Soluções em Informática Ltda.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

De 8 a 10 de março, a Escola de Marketing Industrial, EMI, centro de aperfeiçoamento e desenvolvimento de competências no relacionamento entre empresas sob a ótica da inovação, realiza o programa “Foco do Cliente”.

O objetivo da iniciativa é decodificar o universo do cliente por meio do Marketing Industrial, mostrando uma forma reveladora de pensar e agir, a qual é possível perceber por meio da leitura e percepção das reais necessidades do cliente, que nem sempre são verbalizadas.  A partir desse entendimento, conceitos e práticas são discutidos para permitir se antecipar a essas necessidades e criar soluções de valor inovadoras.

Os participantes terão a oportunidade de discutir temas relevantes como:

– tarefa empresarial das empresas válidas;

– cliente industrial e suas Identidades;

– mundo das contrariedades;

– mundo das necessidades;

– diferenças entre foco NO cliente e foco DO cliente;

– subsistemas empresariais;

– leituras de ambientes;

– valor percebido e

– plano de marketing.

Este programa é realizado em três dias, durante período integral, em uma única fase. Os resultados esperados são o fortalecimento e enriquecimento das relações da empresa com os seus clientes, utilizando-se da visão inovadora do Foco do Cliente; a identificação de desafios e oportunidades e a troca de experiências entre os executivos que atuam na área de marketing corporativo.

Serviço

Local: Escola de Marketing Industrial

Agenda: 8 a 10 de março

Público alvo: profissionais que buscam conhecer, ordenar e sistematizar os esforços de Marketing Industrial no Foco do Cliente

Investimento: R$ 4.860,00

Informações: no site www.emkti.com.br, pelo tel.: (11) 4613-8653 ou e-mail bernadete@emkti.com.br.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A inauguração da fábrica de semicondutores do Centro Nacional em Tecnologia Eletrônica Avançada, Ceitec, no dia 5 de fevereiro último, em Porto Alegre, RS, compõe a ação nº 14 – Centros Tecnológicos, do Programa do Setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, TIC, da Política de Desenvolvimento Produtivo, PDP. O Programa de TIC da PDP é coordenado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, MCT. Os investimentos na unidade da Ceitec de Porto Alegre foram da ordem de R$ 400 milhões.

Lançada em maio de 2008 pelo governo federal, a PDP reúne 34 programas de ação dos mais diversos setores produtivos, tendo como foco investimentos em inovação e incremento da competitividade de médio e longo prazos da indústria nacional. A PDP é coordenada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, com apoio da Secretaria Executiva, formada pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial, ABDI, Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES, e Ministério da Fazenda, MF.

TAGS: , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

ideiaA grandes empresas são mais resistentes a novas ideias e projetos. Os empreendimentos inovadores são mais bem aceitos em empresas novatas, que ainda estão buscando se colocar no mercado. A constatação é de um estudo do Instituto de Psicologia (IP) da USP, que avaliou a importância da criatividade humana no mundo dos negócios.

Autora da pesquisa, a psicóloga Lisete Barlach relata que o interesse no assunto começou ainda no mestrado, quando investigou como as pessoas desenvolvem ideias criativas para lidar com situações adversas. “Uma pessoa com uma doença terminal pode desenvolver uma solução criativa para que consiga viver o resto da vida com qualidade, apesar da doença”, exemplifica a pesquisadora.

O tema da criatividade no trabalho é muito próximo ao da inovação, mas são coisas diferentes. “Por exemplo, um cata-vento de criança e uma usina eólica têm o mesmo princípio de funcionamento. A ideia de transformar um cata-vento em uma usina é uma ideia criativa. Já uma inovação é o ato de investir em pesquisa, desenvolver a usina e conseguir pessoas que patrocinem esse empreendimento, ou seja, é transformar a ideia criativa em realidade”, explica Lisete.

Segundo ela, muitas vezes o profissional tem uma ideia criativa que não produz uma inovação. Hoje, o trabalho humano dentro das organizações demanda que cada profissional seja um empreendedor inovador e criativo. “Não há mais espaço para uma coisa pronta, para tarefas pré-determinadas, com horário, ordem e formas fixas. Nada é tão previsível e tão linear”, enfatiza Lisete.

Lisete analisou 6 das 20 entrevistas realizadas com empreendedores que criaram novos negócios inovadores no Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec), que é a incubadora de empresas da USP. “Eu fiz entrevistas qualitativas, em profundidade, sem intenção de generalizar os dados. As perguntas abordavam o surgimento da ideia, como nasceu, quais as dificuldades enfrentadas para os novos empresários viabilizarem aquele negócio, entre outras”, esclarece.

A psicóloga observou que a maioria dos novos empreendedores tinha tentado vender a ideia dentro de grandes empresas (como intraempreendedores), que resistiram em levar adiante esses projetos. “Uma das entrevistadas era uma engenheira química, que trabalhava como gerente de projetos numa indústria de adesivos. Num determinado momento, ela resolveu desenvolver adesivos que fossem ecologicamente corretos e sem substâncias tóxicas na sua composição. A empresa recusou sua proposta alegando que o tempo e o custo para desenvolver tais adesivos seriam muito altos. Então, ela pediu demissão e resolveu abrir uma pequena empresa para viabilizar aquela ideia”, narra a psicóloga.

Onde estão as novas ideias?

Lisete observou que inovação e criatividade são mais fáceis em empresas nascentes porque aquelas que já estão inseridas no mercado de uma maneira sólida e consolidada têm a tendência de não enxergar mais aquilo que é novo. “O motivo principal é o que chamamos de ambidestria organizacional, que é o fato de uma empresa ter que, ao mesmo tempo, manter aquilo que já conquistou e inovar permanentemente para não ficar para trás e sair do mercado”, analisa.

Embora se reconheça a importância da inovação e da criatividade para o mundo de hoje, pouco se estuda sobre o assunto. As técnicas para desenvolver o tema da criatividade são muito incipientes e pouco fundamentadas. “Todos dizem que é preciso ter um diferencial competitivo, mas como se desenvolve esse diferencial? Quais fatores ajudam a desenvolver a criatividade e que fatores bloqueiam ou impedem a pessoa de ser criativa?”, questiona a psicóloga. “O estudo é importante porque podemos mostrar às pessoas o que pode ajudá-las a serem mais criativas e o que pode ser um obstáculo para a criatividade”, destaca.

Muitas vezes a cultura da empresa breca a criatividade das pessoas. Ideias geniais, que poderiam salvar empresas, são abandonadas dessa forma. “Um fator que ajuda, por exemplo, é a segurança psicológica. Uma pessoa precisa se sentir confortável para colocar uma ideia na mesa, assim como precisa aprender a receber críticas. É preciso um clima favorável para novas ideias”, conclui.

Hoje, a empresa de adesivos ecologicamente corretos é uma indústria grande, consolidada no mercado. Antes, porém, a engenheira química teve de convencer o mercado que seus adesivos eram tão bons quanto aqueles que continham substâncias tóxicas em sua composição.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

A Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei) já está recebendo a apresentação de casos a serem proferidos na X Conferência Anpei, a ser realizada entre 26 e 28 de abril de 2010, em Curitiba, no Paraná. O tema do evento será “Cooperação para Inovação Sustentável”.

As empresas devem enviar a proposta de apresentação e o resumo do caso de sucesso até o dia 15 de fevereiro de 2010 para anpei@anpei.org.br.

Os resumos serão avaliados pelo Comitê Técnico da Conferência com base nos seguintes critérios técnicos: pertinência da apresentação ao tema proposto, clareza da apresentação da proposta, contribuição para a prática empresarial de gestão de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação e impacto econômico e ambiental do caso de sucesso e sua mensuração.

TAGS: ,

Deixe seu comentário

O bombeiro de Osasco

Icone Gestão&Empreendedorismo | Por em 13 de novembro de 2009

0

Domingos Colin Neto, dono da Maximicro Manutenção Industrial

Domingos Colin Neto, dono da Maximicro Manutenção Industrial

Detector ótico de faísca para ambientes fechados: por trás desse extenso nome técnico está um aparelho que cabe na palma da mão e traduz a essência do verdadeiro espírito empreendedor do brasileiro, composto por uma combinação de visão de oportunidade, disposição para inovar e coragem para ir atrás do sonho. O pequeno detector é o orgulho de Domingos Colin Neto, dono da Maximicro Manutenção Industrial, que, aos 67 anos, transformou a edícula de sua casa em Osasco numa oficina digna do Professor Pardal das histórias em quadrinhos. É ali que ele desenvolveu um produto que começou a nascer de uma necessidade da multinacional em que trabalhava e, hoje, se tornou a base de sua confiança em uma nova empreitada.

Segundo o empreendedor, o aparelho foi resultado de uma parceria estratégica: “Tudo aconteceu graças ao apoio do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), que, por meio do programa Sebraetec, do Sebrae-SP, deu forma final ao projeto, em 2008”. Mas a história é mais antiga e remonta ao período em que Colin Neto trabalhou numa indústria têxtil de Osasco. “A manipulação dos fardos de algodão é um processo complexo, em que as máquinas trabalham com muito atrito. Se houver um pedacinho de pedra ou metal misturado com o algodão, podem ser geradas faíscas que, quando sugadas para dentro da tubulação que transporta o algodão para as máquinas, causam focos de incêndio. Então decidimos criar um detector mais eficiente do que os sistemas anti-incêndio que existiam na época”, explica Colin. Em três anos, a equipe de engenharia desenvolveu o detector, para uso interno, mas logo depois a fábrica fechou e o projeto foi abandonado.

Ao se aposentar, Colin decidiu recuperar a ideia e transformar o detector num negócio próprio. Para isso, utilizou uma pequena empresa que havia criado em 1987, a Usimaig, que 12 anos depois se transformou na Maximicro. Colin chegou a fazer boas vendas, especialmente para indústrias têxteis, mas aos poucos os negócios foram minguando, até que, em 2007, ele percebeu que precisava dar novos rumos à empresa.

Ovo de Páscoa – “Eu já tinha conseguido um alto padrão de qualidade, sensibilidade, funcionamento e operacionalidade, mas precisava voltar ao mercado com um produto reestilizado e com medidas padronizadas, em condições de atrair clientes. Precisava de apoio em design e marketing. Resolvi então procurar o Escritório Regional do Sebrae-SP em Osasco. A partir do momento em que os consultores me ouviram e perceberam o potencial do produto, tudo mudou. Três meses depois eu estava dentro do laboratório do IPT e na USP”, conta Colin Neto. Em 2008, o empreendedor finalmente recebeu o protótipo do IPT: “Eu chorei de alegria. Era semana de Páscoa, e o novo aparelho parecia meu ovo de presente. Naquele momento já comecei a trabalhar para criar a infraestrutura de divulgação e o site da Maximicro.”

Os clientes preferenciais de Colin estão no setor têxtil, mas ele diz que o detector pode ser utilizado por indústrias de áreas como couro e móveis. “Meu produto se aplica a qualquer fábrica que manipule produtos inflamáveis em um tubo fechado, em ambiente escuro. O detector é sensível ao infravermelho, uma onda eletromagnética componente do espectro solar, que não enxergamos a olho nu. A faísca que precede o incêndio gera essa onda eletromagnética, que o semicondutor do detector enxerga dentro de uma tubulação ou num lugar fechado e manda um aviso para a central, que aciona os sistemas antifogo”, explica. Colin diz que duas multinacionais têm produtos parecidos, para detecção de fogo e fumaça,
mas não há nada tão específico como seu detector.

Já com a patente requerida do aparelho, site no ar e a publicação dos primeiros anúncios em revistas especializadas, Colin diz que está pronto para entregar ao mercado quantas peças forem necessárias: “Toda a infraestrutura de produção é terceirizada. Mando fazer fora a montagem das placas e as caixas. Assim, se precisar fabricar mil detectores em dois meses, eu consigo. Agora é marketing e divulgação, e também nessa parte estou tendo muito apoio do Sebrae-SP”. No início de 2009, o empreendedor já contabilizava a venda de um conjunto de detectores para uma indústria têxtil de São Carlos, interior de São Paulo, e concluía outro negócio em Blumenau, Santa Catarina: “Estou otimista, mas quero ficar com os pés no chão, muito cauteloso. Um amigo perguntou se eu não estava louco em começar um negócio desse na minha idade. Eu disse que não, que iria seguir em frente. É isso o que estou fazendo.”

N.R.: Este texto foi extraído do livro 99 Soluções Inovadoras, editado pelo Sebrae-SP

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

Por Raquel Corrêa, de Caxias do Sul, RS

 

Três importantes propósitos foram apresentados nesta terça-feira, 20 de

Paulo Tigre, presidente do Sebrae/RS

Paulo Tigre, presidente do Sebrae/RS

outubro, durante a abertura da 18ª Mercopar – Feira de Subcontratação e Inovação Industrial, que segue até 23 de outubro, em Caxias do Sul, RS. Fortalecer e incrementar os negócios das pequenas e médias empresas, oferecer facilidades de compra e venda de produtos e serviços industriais e estreitar os laços com outros países, fortalecendo a economia nacional e internacional, foram os compromissos assumidos por Paulo Tigre, presidente do conselho deliberativo do Sebrae/RS, Marcelo Lopes, diretor superintendente da instituição, Andreas Gruchow, representante do grupo alemão Deutsche Messe, e Aman Chadha, CEO da Engineering Export Promotion Council, EEPC.

Motivos para que as perspectivas se cumpram se respaldam nos números estimados para o evento. Segundo Tigre, a feira, que este ano conta com 11% mais expositores do que em 2008, pretende movimentar R$ 50 milhões em negócios. São esperados 32 mil visitantes nos quatro dias, com média de 84 contatos potenciais por expositor.

A novidade desta edição, que ganha sua maioridade, é a parceria Brasil – Índia, que viabilizou a participação de mais de 130 empresas daquele país. O interesse dos indianos em fazer parte de uma feira na região Sul do Brasil surgiu em 2003, quando a EEPC, organização para a promoção do comércio na Índia, realizou uma exposição exclusiva de engenharia em São Paulo. Por conta do sucesso do evento, o conselho decidiu voltar ao Brasil para se integrar à Mercopar.

A Revista P&S acompanhou a coletiva de imprensa e perguntou ao representante da Índia qual a expectativa desta participação e o principal desafio a ser superado para que os negócios sejam positivos para ambos os lados. Aman Chadha respondeu que as expectativas são as melhores, e que a possibilidade de se fazer negócios com o Brasil está sendo recebida pela entidade que ele representa de forma bastante animadora: “O único desafio que enxergo é a barreira da língua. Se conseguirmos ultrapassá-la, o relacionamento será próspero para todos”, brincou.

Participantes da coletiva de imprensa durante a abertura da Mercopar 2009

Participantes da coletiva de imprensa durante a abertura da Mercopar 2009

A Mercopar 2009 conta com mais de 500 expositores provenientes, principalmente, do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro. Participam, também, as delegações de Alemanha, Argentina, África do Sul, China, Emirados Árabes e Holanda, que prometem movimentar os setores de automação industrial, de borracha, eletrônico, de energia, de meio ambiente, metalmecânico, de movimentação e armazenagem de materiais, de plástico e de serviços industriais.

Durante os quatro dias, serão realizadas palestras, seminários, rodadas de negócios, mostras e diversos atendimentos ao empresário comprador, fornecedor e distribuidor. A programação completa pode ser vista no www.mercopar.com.br.

E não deixe de acompanhar a cobertura da Mercopar 2009 aqui, no Blog Industrial.

TAGS: , , , , , , , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas IBGE importação PIB CNI Revista P&S máquina inovação Evento Pesquisa Feira Internacional da Mecânica Artigo Investimento FIESP meio ambiente Lançamento sustentabilidade máquinas e equipamentos mercado Site P&S Economia tecnologia Radar Industrial Feimafe Feira indústria