Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

O presidente da ABINEE, Humberto Barbato, e o presidente da ABIMAQ assinam na próxima segunda-feira (23), em São Paulo, com o Ministro Aldo Rebelo, Termo de Colaboração com o Ministério do Esporte, visando estabelecer os parâmetros necessários ao acompanhamento da implantação da infraestrutura para a realização da Copa das Confederações 2013 e da Copa do Mundo 2014.

De acordo com o termo, as entidades empresariais acompanharão o grau de participação da indústria brasileira de eletroeletrônicos e de máquinas e equipamentos nas aquisições de bens e serviços necessários à execução das obras previstas, podendo propor recomendações à respeito da melhor forma de promover o aumento do fornecimento local. Para Humberto Barbato, o acordo é importante para que a ABINEE possa indicar ao governo a existência de produção nacional de bens do setor que serão utilizados na construção da infraestrutura dos eventos, principalmente, no que se refere a equipamentos de comunicação.

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

0

As operações de fusão e aquisições no setor de Serviços para Portos a Aeroportos no primeiro trimestre deste ano apresentaram um aumento de 133% em relação ao mesmo período de 2001. Segundo o estudo de Fusões e Aquisições realizado trimestralmente pela KPMG, os negócios saltaram de três para sete no período. Com essas transações, o setor foi um dos que, proporcionalmente, apresentaram maior crescimento  no ranking feito pela KPMG, e que inclui ainda outros 41 segmentos.

Dentre as sete operações, seis delas foram domésticas enquanto uma foi de empresa de capital majoritariamente estrangeiro comprando, de brasileiros, capital de empresa estabelecida no Brasil (CB1).

“A movimentação no setor reflete a tendência dos investimentos que serão efetuados nos segmentos de logística e transporte de passageiros no Brasil e representou 50% do número de transações realizadas em 2011, até agora o ano mais forte com o total de 14 operações.”, pondera Luis Motta, sócio da KPMG responsável pela pesquisa.

Segundo Augusto Sales, sócio líder do Global Strategy Group da KPMG no Brasil, esse é um segmento promissor. “O setor está ligado à área de infraestrutura, e com o crescimento do país, comércio exterior, também impulsionado pelos grandes eventos esportivos que estão por vir e pelo crescimento da exploração de petróleo com o pré-sal, esse é um segmento que deve passar por grandes transformações e receber muitos investimentos nos próximos anos”.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

O Brasil é o quinto país do mundo em extensão territorial e tem uma imensa capacidade de aproveitamento de seus recursos naturais. Mas qualquer assunto que aborde a competitividade advinda dessa vantagem natural emperra na logística: o País é só o 41º na capacidade de escoar sua produção interna, dentro de suas próprias fronteiras ou para fora. A falta de mão-de-obra em todos os níveis da cadeia é o maior freio para o setor.

Os dados foram apresentados por João Guilherme Araújo, diretor geral de negócios do Ilos (Instituto de Logística e Supply Chain), que falou sobre o panorama do setor em 2012 no comitê de Logística Amcham-São Paulo no último dia 27 de janeiro.

“Para a logística, o maior problema não é a infraestrutura, mas a falta de mão-de-obra”, afirmou. “Há necessidade desde top management (alta gestão) até motorista de caminhão.”

O especialista diz que o setor vem crescendo fortemente desde 2008, com exceção de 2009. Grande parte desse movimento é proporcionada pela expansão do mercado interno. Mas a falta de profissionais capacitados a atuar no ramo tem se apresentado como o maior gargalo.

“Apesar de a infraestrutura ser um problema, a escassez de profissionais afeta a todas as empresas de todos os ramos. Hoje há crédito disponível, mas só o capital não resolve, porque não basta comprar um caminhão se não tiver motorista.”

Segundo Araújo, “hoje há cada vez mais tecnologia numa cabine e não é qualquer um que é capaz de operar”. Ele diz que não é possível sequer estimar o total de vagas de que o setor necessita para ficar competitivo.

Faltam rotas

Uma pesquisa do Ilos mostra que o Brasil tem, hoje, 1.600 quilômetros de estradas (não pavimentadas) e 214 mil de rodovias. No caso de ferrovias, são 29 mil km. Isso significa que há mais de 7 km de estradas para cada quilômetro de linha-férrea em operação.

Os EUA, por exemplo, têm 2,4 km de ferrovias para cada 100 km² de área, enquanto esse índice no Brasil está em 0,33 km. São 4,21 milhões de estradas pavimentadas e 227 mil de trilhos no território americano. A China tem 1,57 milhão de km e 77 mil km, respectivamente.

“O setor tem necessidade de uma capacidade instalada imensa”, afirma. “Porque uma coisa é a economia conseguir produzir mais. A outra é ela conseguir colocar a produção]no mercado.”

Além de estradas e linhas-férreas, o Brasil tem 19 mil km de dutovias e 14 mil km de hidrovias. Os EUA têm 793 mil km e 41 mil km, respectivamente. A China, 58 mil km e 110 mil km de cada um.

Araújo diz que as empresas no Brasil gastam em torno de 8,3% de seu faturamento com custos logísticos, para fazer seus produtos e matérias-primas chegarem aos consumidores. “Há uma agenda do setor público com relação a investimentos, que vem trazendo novas oportunidades, seja por um novo corredor, um marco ferroviário, ou do setor privado, com investimentos em cabotagem e terminais, por exemplo.”

Problemas

Mas Araújo diz que ainda há muito a melhorar. Uma pesquisa sobre o índice de desempenho logístico feita pelo Banco Mundial mostra que o Brasil passou da 61ª à 41ª posição entre 2007 e 2010. O País aparece à frente de Índia (47º em 2010) e da Rússia (94º da lista), mas fica muito atrás de China (27º), EUA (15º) e Canadá (14º).

Perde ainda para pequenas Alemanha (1º), Suécia (3º), Holanda (4º) e Luxemburgo (5º). Cingapura foi o 2º país do ranking de desempenho logístico do Banco Mundial.

“A má conservação das estradas e a falta de malha ferroviária são os principais problemas de infraestrutura na opinião dos profissionais do setor”, afirma. Dados do próprio Ilos mostram que, na avaliação de motorista, gerentes e outros profissionais do setor, 92% reclamam das rodovias ruins – que encarecem o frete e derrubam o dinamismo das entregas.

No top 10 dos principais entraves ainda aparecem malha ferroviária insuficiente (77%), falta de infraestrutura para intermodalidade (72%), má qualidade dos acessos terrestres aos portos (71%), rios sem infraestrutura para navegação (70%), malha ferroviária mal conservada ou insuficiente (68% cada), falta de infraestrutura de armazenagem ou de terminais (67%), poucos portos (67%) e navegabilidade pouco eficiente nas hidrovias (67%).

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

* Claudio Nasajon

Fala-se continuamente em apagão de mão de obra, mas o termo está errado. O que está havendo é uma valorização da mão de obra em função do aumento da demanda. E isso é bom!

Para as corporações sempre foi conveniente tratar empregados como escravos modernos, estabelecendo o menor valor possível para os salários. Por outro lado, a febre de empreendedorismo que se instalou no mundo passou a oferecer aos empregados uma alternativa que permite não só remover os limites da remuneração, como também estabelecer as suas próprias condições de trabalho, incluindo local e horário das jornadas.

Claro que empreender não é para todos e tem seus pontos desfavoráveis. Estatisticamente, a maioria dos empreendimentos dura menos de três anos e não conheço um único empreendedor que trabalhe menos do que 12 horas por dia na fase inicial. Mas, o simples fato de existir a alternativa permite um “leilão” mais justo das condições de trabalho.

Segundo a FIRJAN (Federação das Indústrias do Estado do RJ), o Rio de Janeiro é o estado que atrai o maior volume de investimentos públicos e privados do país. Serão cerca de R$ 180 bilhões até 2013, fazendo do Rio o maior concentrador de investimentos do mundo. As consequências são visíveis. Em 2011, a movimentação no mercado de trabalho fluminense foi caracterizada pelo contínuo aumento das contratações no setor de Serviços, gerando quase 29 mil novos postos de trabalho somente na capital. Os profissionais disponíveis passaram a ser disputados a tapa pelas empresas. Os salários subiram. As exigências de qualidade aumentaram e as novas demandas levaram a uma busca por maior capacitação. Criou-se um círculo virtuoso de qualificação da mão de obra que é espetacular para o futuro do país.

Por outro lado, como as Instituições de Ensino Superior levam tempo para reagir aos estímulos, a solução passa por importar empregos. O ritmo de criação de novos cursos e formação de mão de obra não acompanha o crescimento da economia, mesmo que no momento a crise externa esteja nos castigando com um período de baixa expansão do PIB. Uma das soluções é usar a cara mão de obra local para serviços de inteligência de alto nível, contratando os serviços de execução de baixo nível no exterior, mediante plataformas de teletrabalho como e-lance, o-desk ou freelance, por exemplo. Estamos deixando de ser como a Índia, que presta serviços em escala industrial a preço absurdamente baixo para outros países, e vamos nos equiparando à Bélgica, que tem um dos maiores índices de desenvolvimento humano do planeta.

Como empresário do bem, educador, pai e principalmente como cidadão brasileiro, apoio esse movimento. Digo SIM à valorização do trabalho, não pela via da imposição de leis trabalhistas, mas pela muito mais poderosa mão das leis da oferta e da demanda no livre mercado.

* Claudio Nasajon é Presidente da Nasajon Sistemas, Professor da PUC-Rio e Presidente do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Associação Comercial do Rio de Janeiro.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

O senador Clésio Andrade alega que o estado de Minas Gerais sofre esvaziamento no cenário nacional nos últimos anos

O senador Clésio Andrade reclama perda de espaço político institucional de Minas na última década e relaciona uma série de fatos que justificam esta situação, assim como possíveis soluções. Andrade diz que, enquanto outros estados receberam grandes empreendimentos e obras públicas, como a instalação do Porto de Suape em Pernambuco, a Usina Nuclear Angra 3 no Rio de Janeiro, entre outros, em Minas tiveram apenas obras médias, como a duplicação da BR-050, entre Uberaba e Uberlândia, e a duplicação da BR-262, entre Betim e Nova Serrana.

O parlamentar também cita montadoras como Nissan, Honda, Peugeot, Ford, Hyundai  terem se instaladas em várias regiões do País, exceto Minas, que inclusive perde a segunda fábrica da Fiat, cujo novo endereço será Pernambuco. Em seu manifesto enviado para a imprensa, fala também da dívida do Estado com a União, que nos últimos anos passou de R$11 bilhões para R$64,5 bilhões (2010).

A área de agronegócios também é lembrada com preocupação. Andrade afirma que neste setor, em especial o cultivo de café, Minas produz mais de 50%da produção nacional e  perdeu muito do apoio que tinha, ficando sem direcionamento desde a extinção do IBC (Instituto Brasileiro do Café).

Alternativas

Como propostas de melhoria, o senador cita a instalação de seis empreendimentos de grande porte no estado, a compensação financeira pela exploração de recursos minerais(CFEM), que inclui elevar o percentual dos royalties do minério de ferro de 2% para 4%.

Uma alternativa citada também é a renegociação da dívida do Estado com a união, além da criação da Empresa Brasileira do Café (EBC), com sede em Minas, para fomentar a cultura do café e incentivar políticas industriais que agreguem valor ao café para exportação, entre outras.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

O forte crescimento das economias do Brasil, China e Índia está provocando uma inversão total na divisão do mercado mundial de máquinas e equipamentos utilizados no setor de construção e de obras de infraestrutura. Segundo um estudo de várias fontes nacionais e internacionais consolidado pela Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Equipamentos e Manutenção, em 2015, 60% das vendas mundiais de equipamentos para esse segmento acontecerão no Brasil, China e Índia. “A crise de 2008 acelerou um processo de concentração desse mercado nos países emergentes”, diz Brian Nicholson, consultor econômico da entidade. Além do Estudo de Mercado da própira Sobratema, Nicholson usou dados da Off-Highway Research, de Londres, e da Abimaq.

Essa participação prevista representa uma inversão total da situação vivida em 2004. Naquele ano, os três países juntos representavam apenas 23% da demanda por máquinas e equipamentos para construção e obras de infraestrutura. O consultor salienta ainda que a tendência deverá se acentuar ainda mais com o agravamento da crise na Europa e os bons números do desempenho nos países emergentes, especialmente os referentes à economia chinesa.

TAGS: , , , , , , ,

Deixe seu comentário

0

 

Mais de 30 mil m² de baffles de teto feitos da espuma Basotect® da BASF foram instalados no Dongsheng National Fitness Center Stadium, na cidade de Ordos, no norte da China, a fim de otimizar a acústica do local. O empreendimento de 50 metros de altura e 320 de largura apresenta capacidade para 50 mil pessoas sentadas e, portanto, é o maior estádio da China com um teto retrátil. O estádio foi projetado por Cui Kai, vice-presidente da China Architecture Design & Research Group (CADRG), localizada em Beijing, e sua equipe. A construção exigiu não apenas um isolamento acústico eficaz, mas também uma solução leve.

Durante apresentações ou eventos esportivos, a cacofonia de sons pode ser bastante intensa em um estádio. Graças às suas células abertas e estrutura de espuma fina, Basotect® absorve efetivamente reverberações causadas por múltiplas reflexões de sons em superfícies duras. Isso proporciona ao público uma experiência acústica muito mais confortável. Além disso, os baffles de Basotect® são fáceis de instalar e, devido à baixa densidade (9 kg por m³), o teto retrátil necessita transportar pouco peso adicional. “Esse projeto demonstra mais uma vez o potencial de Basotect® para aplicações em grande escala”, afirma Dr. Tobias Haber, Responsável Regional de Especialidades Plásticas para a BASF na Ásia.

A Escola de Arquitetura da Universidade de Tsinghua, que deu suporte aos proprietários do estádio sobre como otimizar a acústica da construção, optou por Basotect G+. Essa linha foi recentemente lançada e apresenta as mesmas propriedades comprovadas de Basotect G, tais como resistência à chama e processamento simples de fibras livres. Além disso, Basotect G+ é consideravelmente mais leve na cor. O valor de luz reflexiva é mais do que 30% maior do que Basotect G. Isso facilita a projeção da iluminação no interior do estádio devido à reflexão da luz pela espuma. “Proporcionar absorção sonora eficaz para um estádio dessa proporção é um grande desafio, mas estávamos convencidos da qualidade de Basotect®”, conta o Professor Yan Xiang, consultor de acústica para o estádio e diretor do laboratório de acústica da Faculdade de Arquitetura da Universidade de Tsinghua.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

Empresa caxiense será responsável por tornar o Estado referência em transporte público no Brasil

O Grupo Voges entregou na última sexta-feira, 2 de dezembro, o painel de controle do Aeromóvel. O projeto, que fará a ligação direta entre a Estação Aeroporto e o Aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre, apresenta um sistema rápido, seguro, confortável, econômico e sem prejuízo para o meio ambiente. A Voges participa no projeto com uma solução de acionamento que une motor elétrico e inversor de frequência. A entrega do painel, na sede da Voges Motores, em Caxias do Sul, contou com a presença do diretor-presidente do Aeromóvel e idealizador do projeto, Oskar Coester, do diretor-presidente do Trensurb, Humberto Kasper, e do diretor-presidente do Grupo Voges, Osvaldo Voges, entre diretorias e gerências de projetos, engenharias e equipes técnicas das três empresas.

Para o projeto, a Voges forneceu um motor de 500 HP, 2 polos, carcaça 355. O motor, de alto rendimento, customizado e desenvolvido especificamente para a aplicação, é o responsável por acionar o ventilador que promove o fluxo de ar que impulsiona o Aeromóvel. Na parte de inversores, a linha Unidrive SP, desenvolvida em parceria com a Emerson Control Techniques, aciona eletronicamente o motor, controlando a velocidade e o fluxo de ar do sistema.

A participação da Voges no Aeromóvel está acertada desde o surgimento da ideia, quando o engenheiro Oskar Coester, na década de oitenta, contatou a ainda Eberle Motores Elétricos, fabricante do primeiro motor brasileiro, para integrar o projeto. “A opção pela solução Voges deu-se pela referência histórica muito positiva dos 27 anos de operação da Linha Piloto do Aeromóvel em Porto Alegre, operada com os motores da então Eberle, tradicionalmente associados com robustez e confiabilidade em aplicações de alto compromisso”, comenta Coester.  O engenheiro faz ainda referência à pujança da cidade em engenharia e soluções de projetos e do pioneirismo na captação e inovação de produtos. “Caxias do Sul, como um polo industrial de referência nacional, tem se destacado na composição do arranjo produtivo da empresa Aeromovel Brasil S.A., com geração de empregos e renda no Rio Grande do Sul, reafirmando o potencial deste estado em desenvolver soluções tecnológicas competitivas e inovadoras”, diz Coester.

O diretor-presidente da Trensurb,  Humberto Kasper, ficou surpreso com a potência das fábricas Voges e parabenizou o presidente pela tecnologia e investimentos em inovação e novos negócios. “ É um orgulho ter uma empresa gaúcha deste nível sendo a responsável por fazer voar nosso aeromóvel”, comentou Kasper.

Para o diretor-presidente do Grupo Voges, Osvaldo Voges, participar de um projeto de vanguarda como é o Aeromóvel, que está em plena sintonia com a sustentabilidade, a inovação e a eficiência energética, missões do Grupo Voges, é um orgulho. “Nestes anos que estamos à frente da segunda maior fábrica de motores elétricos da América Latina, herdeira de uma tradição centenária e referência em todo o setor, conseguimos impulsionar a Voges para que participe cada vez mais de projetos que ofereçam soluções em energia. E entregar o painel que vai ser o responsável por colocar o Aeromóvel  em movimento é motivo de orgulho, ainda mais na semana em que conquistamos a ISO 14001, que reconhece o nosso Sistema de Gestão Ambiental.”

O projeto do Aeromóvel vai possibilitar uma maior integração para o transporte público da região Metropolitana de Porto Alegre, colocando o estado do Rio Grande do Sul como referência no transporte público brasileiro.

O projeto Aeromóvel e seus benefícios

O Aeromóvel é um meio de transporte 100% automatizado (sem condutores a bordo) que funcionará em via elevada, ligando a estação da Trensurb ao aeroporto Salgado Filho, em Porto Alegre (RS). Os veículos suspensos, movidos a ar, permitirão percorrer 944 metros em apenas 90 segundos. Estão previstos modelos para 150 e 300 passageiros por viagem, cuja escolha dependerá da demanda do período. A tecnologia que será utilizada no projeto foi desenvolvida no Brasil e demonstra excelente aplicação na capital da Indonésia, Jacarta, onde funciona há 21 anos.

A ligação direta entre a Estação Aeroporto e o Aeroporto Salgado Filho, feita em um sistema rápido, seguro, confortável, econômico e sem prejuízo ao meio ambiente foi idealizada em um projeto que trará mais integração para o transporte público da região metropolitana de Porto Alegre, e que demonstra o compromisso da Trensurb na melhoria da infraestrutura da cidade para a Copa de 2014.

Seus principais diferenciais e vantagens se concentram nos quesitos a economia e segurança.

Economia pois a tecnologia de construção e operação é 100% nacional, com baixo custo de energia e possuirá veículos leves com capacidade para 150 e 300 passageiros.

Segurança justificada por ter veículos totalmente automatizados, sem condutores a bordo, funcionamento em via elevada com veículos trafegando em diferentes trechos, sistema de propulsão a ar movido por ventiladores elétricos e tecnologia “limpa”, sem a emissão de poluentes, preservando o meio ambiente.

Além disso, o sistema de freio pneumático de alta confiabilidade, oferece mais conforto no deslocamento, com veículos silenciosos, sem ruído de motores, acessibilidade universal, com espaço para cadeirantes e idosos.

Outro foco do aeromóvel também é o cuidado com o meio ambiente. Além de e atender às legislações ambientais vigentes, o aeromóvel trabalhará com tecnologia “limpa”, com motores elétricos e sem a emissão de poluentes gasosos. Suas estruturas serão elevadas e menos espessas, motores dispostos em casas de máquinas acusticamente isoladas evitando poluição sonora;

Em suma, um projeto que eleva a qualidade de vida e do transporte público da Grande Porto Alegre, pensando na melhoria da infraestrutura da cidade para a Copa de 2014.

*Crédito da Foto Grupo Voges. Na foto Coester,Voges e Kasper.

TAGS: , , , ,

Deixe seu comentário

0

A Siemens estará presente de 26 a 30 de novembro na segunda edição da Soccerex, realizada no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, para apresentar variadas soluções focadas no desenvolvimento e crescimento sustentável dos grandes centros urbanos.  Durante a convenção global, direcionada a megaeventos como a Copa do Mundo 2014 no Brasil e as Olimpíadas 2016 no Rio de Janeiro, a companhia, referência mundial em infraestrutura para grandes eventos, apresentará seu portfólio completo de tecnologias integradas capazes de atender as demandas existentes e potenciais por infraestrutura geradas pelo grande fluxo de visitantes, como a distribuição e gerenciamento eficiente de energia, melhoria da mobilidade urbana, sistemas para portos e aeroportos, além da segurança de bens e pessoas.

Durante a Soccerex, a empresa também terá um espaço aos visitantes que, por meio de iPads, poderão conhecer e explorar de forma dinâmica a cidade virtual Siemens e todas as suas soluções voltadas aos centros urbanos em prol do desenvolvimento sustentável. Este portfólio abrange a infraestrutura aeroportuária, hoteleira e de telecomunicação; tratamento de água, segurança, saúde, transporte ferroviário e rodoviário, a gestão inteligente de estádios e arenas, bem como sua construção, iluminação e controle de fluxo de visitantes.

Responsáveis, hoje, por 30 bilhões de euros do faturamento global da empresa, as soluções ambientais da Siemens correspondem a mais de um terço do total de 76 bilhões de euros arrecadados em 2010. Já no Brasil, um terço do faturamento está ligado também ao portfólio ambiental, com destaque para mobilidade, energias renováveis e soluções industriais para eficiência energética e de tratamento de água.

Na Soccerex 2011 será apresentada ainda a experiência da Siemens em grandes eventos esportivos, como a Copa da Alemanha em 2006, e seu trabalho na estruturação da África do Sul para os jogos de 2010, com intervenções na construção de oito dos nove estádios, além de ter fornecido tecnologia para mais de 150 arenas esportivas em todo o mundo.

Entre os demais destaques da empresa na convenção está a apresentação de animações mostrando soluções da companhia, como o suporte à Olimpíada de Pequim e à Copa do Mundo de 2006, além de tecnologias relacionadas à mobilidade urbana e sinalização de trânsito em Londres e Viena.


Serviço

 

16ª edição do Global Soccerex Convenção

– Rio de Janeiro – cidade sede da Copa do Mundo 2014 Final e das Olimpíadas de 2016.

– Data: 26 a 30 de novembro

TAGS: ,

Deixe seu comentário

0

A Kroton Educacional, juntamente com o patrono da Rede de Ensino Desportivo Pelé, anunciaram hoje, 18 de novembro, durante evento na grande São Paulo, que serão lançados 12 cursos de pós-graduação com foco na gestão do esporte brasileiro e profissionalização neste segmento, pensando nos próximos grande eventos sediados no País, Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016.

Ruy Cezar, secretário municipal do Rio de Janeiro para os jogos mundiais e participante da mesa do debate, citou que estes eventos marcam um ciclo de desenvolvimento que abrange diretamente a indústria em todos os sentidos, seja ela automobilística, civil, mecânica, química, alimentícia, têxtil, etc, assim como o varejo, o turismo, o transporte, as telecomunicações, entre outros mercados e, consequentemente, a abertura de diversas vagas no mercado de trabalho.

Por este motivo, a pauta discutida no encontro foi justamente a falta de mão de obra qualificada no Brasil, daí entra a importância do ensino segmentado. “Falta mão de obra em um país de desempregados, digo mão de obra qualificada”, lembrou Ary Graça, presidente da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) e também membro do debate.

Pelé, patrono do projeto e eterno Rei do futebol, exaltou a relevância de um ensino especializado na área esportiva e também a atenção aos investimentos em infraestrutura no País. “A Copa do Mundo no Brasil será a melhor de todos os tempos”, afirma Pelé.

TAGS: , , , , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

seminário Rodada 10 Perspectivas faturamento máquinas negócios infraestrutura exportação IBGE CNI importação PIB Revista P&S Pesquisa Evento inovação Feira Internacional da Mecânica Artigo meio ambiente Investimento sustentabilidade FIESP Lançamento Economia tecnologia mercado máquinas e equipamentos Feimafe Feira indústria