Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

img_registroMarcas, redes de varejo, franquias e lojas têm investido bastante na unificação de seus pontos de venda físicos e digitais. Contudo, ainda é comum os canais não serem totalmente conectados, trabalhando com preços, sortimento e serviços diferentes. Essa é uma característica do multichannel, estratégia que vem perdendo espaço para o omnichannel, conforme explica Henri Claude Le Bourlegat, CEO da .
Segundo Bourlegat, ainda existe, no trade, confusão sobre os conceitos. “Você pode ter lojas offline e online. Mas, se elas atuam independentemente e até competem entre si, você é multichannel. Já o omnichannel oferece experiências integradas e contínuas para o consumidor, com as lojas físicas e digitais se complementando. E essa é uma preferência crescente”, destacou o executivo.
O omnichannel representa oportunidades importantes para todos os elos da cadeia de consumo. A estratégia pode, por exemplo, aliar as vontades das marcas que querem estar na internet e mais juntas aos consumidores – mas não desejam que isso gere conflito com os canais de distribuição fortes já criados – com a digitalização do comércio de bairro, que tem proximidade com o público usuário e entende como ninguém as suas necessidades.
Para essa situação, um marketplace especializado é uma solução ideal, também atendendo à propensão crescente do consumidor a fechar compras na conveniência e segurança do lar. “Uma rede com 50 lojas pode ter, em vez de uma filial digital, 50 filiais ‘figitais’ trabalhando em sinergia para proporcionar a melhor resposta ao consumidor. Isso também vale para uma marca com 50 distribuidores”, comenta Bourlegat.
De acordo com o CEO da CaZco Digital, a adoção do omnichannel e das lojas ‘figitais’ cria um modelo completo do novo varejo. E ajuda a proporcionar ao público a melhor experiência de consumo: aquela que deixa vontade de voltar sempre.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Anderson-Mancini-3Por Anderson Mancini*

Não há mais tempo para perfumarias. A pandemia de Covid-19 fez com que as metas e objetivos das empresas tivessem de ser ainda mais assertivas. Conquistar novos clientes, aumentar as vendas e expandir os mercados é, muitas vezes, questão de sobrevivência. Nesse cenário, a principal aposta é a transformação digital.

Uma pesquisa recente da KPMG, que entrevistou 315 executivos de alto escalão em todo o mundo, indicou que mais da metade dos empresários brasileiros irão priorizar investimentos em novas tecnologias e na digitalização de processos como forma de lidar com a crise e preparar as empresas para o pós-pandemia.

Ao contrário do que muitos podem acreditar, a transformação digital não é feita apenas com soluções de inteligência artificial ou machine learning, por exemplo. O investimento necessário para esse processo demanda investimentos, é claro, mas não somente financeiros. É preciso tempo e dedicação para criar uma cultura digital que inspire todos os funcionários de maneira top-down – ou seja, a começar pelos líderes. Conhecimento técnico também é fundamental, assim como diminuir o tempo de decisão, fazendo com que os planos sejam aprovados de forma mais ágil e autônoma.

Tecnologia é o meio, não o fim

Entretanto, como já disse algumas vezes em outros artigos, a transformação digital é feita de pessoas para pessoas. A tecnologia é apenas um dos meios que permitem que ela aconteça. Com a estrutura que sua empresa já dispõe e maior engajamento para conhecer seu público, é possível criar formas diferentes de oferecer seus produtos e serviços. Vale lembrar que a inovação e a transformação também podem ocorrer no seu modelo de negócios – será que ele é o mais adequado para o momento?

Nenhuma estratégia é capaz de atingir bons resultados sem o devido conhecimento do mercado, do comportamento dos clientes e suas expectativas em relação ao que você tem a oferecer. Com essas informações em mãos, é possível desenhar ações para atrair o cliente certo, no momento certo.

Como fisgar os clientes online?

Isso pode ser feito de várias maneiras. Oferecer promoções como “leve junto”, categorizar produtos de acordo com as necessidades dos clientes, disponibilizar diversas formas de filtro para que ele encontre a mais agradável – “Mais vendidos”, “Menor preço”, “Maior desconto”, etc.

Para lojas online que ainda estão começando, uma boa estratégia para fidelizar os clientes é oferecer um desconto na primeira compra a partir do cadastro de e-mail. Assim, você ganha um valioso canal de comunicação com o consumidor e deixa uma boa impressão logo de cara.

Estratégias de marketing digital e de conteúdo, UX (User Experience) e mídias sociais devem fazer parte do planejamento de qualquer negócio online. Quanto mais você puder criar relacionamento com o seu cliente, melhor! Lembre-se que, com a pandemia, a concorrência digital aumentou – e muito! Portanto, ofereça a melhor experiência para se destacar.

Os dados são o bem mais valioso para uma empresa nos dias de hoje. E fazer análise desses dados, transformando isso em informações úteis, novos produtos, serviços, ou novas formas de oferecer os produtos, é essencial para gerar previsões capazes de aumentar vendas e atrair novos clientes. Sem dúvida, vale o investimento.

Fundador da  Neotix Transformação Digital*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

nvidiaO novo ranking dos TOP500 supercomputadores mostra a grande tendência da computação científica moderna, expandida com IA e Data Analytics e acelerada com as tecnologias NVIDIA Enterprise. Oito dos 10 melhores supercomputadores do mundo agora usam GPUs NVIDIA, rede InfiniBand, ou ambos. Eles incluem os sistemas mais poderosos de EUA, Europa e China.

A NVIDIA, após a aquisição da Mellanox, equipa dois terços (333) dos sistemas TOP500 na lista mais recente, de junho de 2020. Na lista de junho de 2017 as duas empresas separadas tinham menos da metade (203). As redes NVIDIA Mellanox InfiniBand e Ethernet conectam 305 sistemas (61%) dos supercomputadores TOP500, incluindo todos os 141 sistemas InfiniBand, e 164 (63%) dos sistemas que utilizam Ethernet.

Em eficiência energética, os sistemas que usam GPUs NVIDIA têm se destacado em relação aos demais. Os sistemas com GPUs NVIDIA, em média, são 2,8 vezes mais eficientes em termos de energia medidos em gigaflops/watt do que os sistemas que não o possuem.

O melhor exemplo dessa eficiência de energia é o Selene, a mais recente adição ao cluster de pesquisa interno da NVIDIA. O sistema era o número 2 na lista mais recente do Green500 e o número 7 no TOP500 geral, com 27,5 petaflops no benchmark Linpack. Com 20,5 gigaflops/watt, Selene está a uma fração de um ponto do primeiro lugar na lista Green500, reivindicada por um sistema muito menor que ficou em 394 em termos de desempenho.

O Selene é o único sistema dos 100 melhores a quebrar a barreira dos 20 gigaflops/watt. É também o segundo supercomputador industrial mais poderoso do mundo, atrás do sistema número 6 da gigante de energia Eni S.p.A. da Itália, que também usa GPUs NVIDIA.

No uso de energia, o Selene é 6,8 vezes mais eficiente que a média dos sistemas que não usam GPUs NVIDIA da lista TOP500. O desempenho e a eficiência energética do Selene são graças aos Tensor Cores de terceira geração nas GPUs NVIDIA A100 que aceleram a matemática tradicional de 64 bits para simulações e o trabalho de menor precisão para IA.

A classificação do Selene é uma façanha impressionante para um sistema que levou menos de quatro semanas para ser construído. Os engenheiros puderam montar o Selene rapidamente porque usaram a arquitetura de referência modular da NVIDIA. O guia define o que a NVIDIA chama de DGX SuperPOD. Baseia-se em uma construção poderosa e flexível para data centers modernos: o sistema NVIDIA DGX A100.

“A tendência atual é pesquisadores e empresas buscarem uma maior aceleração para inteligência artificial e analytics. Com GPUs e sistemas que ajudam a acelerar o processamento e economizar energia, a NVIDIA Enterprise auxilia no desenvolvimento da ciência”, explica Marcio Aguiar, diretor da NVIDIA Enterprise para América Latina. “É por isso também que a última lista TOP500 pode refletir os esforços da NVIDIA Enterprise para democratizar a IA e o HPC.”

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

dj castroHá alguns anos o conceito de transformação digital vem sendo propagado por pesquisas e estudos de consultorias e também por empresas de tecnologia que vendem soluções na área. Mundialmente, a pandemia do Coronavírus despertou e mudou hábitos do dia a dia das pessoas e das empresas, principalmente na forma de trabalhar, vender e se comunicar.

Para o especialista em branding e sócio-proprietário da Nexia Branding, D.J. Castro, o grande objetivo de digitalizar os processos e ter uma visão global da empresa em uma base consolidada de dados, permitindo, muito mais do que o trabalho remoto, é a integração total dela. “Muitas empresas já iniciaram essa evolução, com velocidade diferente, tudo de acordo com demandas do mercado e níveis de investimento, outras, ainda não começaram a implantação por não saberem de que forma implantá-la”, comenta.

Cada vez mais a tecnologia está se tornando essencial da vida das pessoas auxiliando-as na adaptação profissional perante essa nova fase.  “De repente a pandemia forçou as empresas a comprimir grande parte da digitalização em um espaço pequeno de tempo. Uma quarentena, com a maioria dos trabalhadores em home office ou de férias, fez com que o trabalho remoto fosse imprescindível nos segmentos de atuação em que isso era possível”, informa Castro.

Uma transição complexa em todos os sentidos

O especialista em branding comenta que além do trabalho remoto as empresas estão se vendo forçadas a utilizar os mais diversos meios digitais para oferecer seus produtos e serviços e, também, para gerenciar seus processos internos. “A necessidade de repensar os modelos de negócios em meio a uma crise global em que ninguém sabe direito o que está acontecendo e, nem quando vai terminar, criou um clima de incerteza muito forte. Mas é na incerteza e nos momentos de grandes desafios que as grandes lideranças tem que mostrar o seu verdadeiro trabalho e valor”.

Para Castro a transição da transformação digital não é algo fácil para muitas organizações pois pode gerar falhas nas operação e perdas de produtividade até que o processo seja alinhado. “Agora é o momento de todos passarem por esse momento de transformação digital”.

Cultura e atitude

Mais do que os problemas tecnológicos inerentes a qualquer mudança de paradigma, Castro informa que isso acontece pois o processo de transformação digital envolve muito mais do que tecnologia, ele depende diretamente da cultura organizacional e das atitudes da empresa e de seus líderes, gestores e colaboradores.

“Para acontecer de verdade, a transformação digital precisa envolver uma evolução na cultura da empresa o que reflete em uma mudança de todos os lados. Além de processos claros e bem definidos, é preciso ter engajamento das pessoas, interação entre líderes e liderados, espírito de time e senso de propósito. Assim, cumulativamente, se constroem as bases para uma transformação digital consistente e duradoura, além do período de necessidade imediata e de senso de sobrevivência causados pela crise”, informa.

D.J. Castro também informa que é necessário um pensamento de longo prazo na cadeia de tomada de decisões para que seja estruturada as bases do futuro da empresa no mundo digital, incluindo processos, gestão humana, logística, marketing e alta gestão.

As lideranças estão em cheque

De acordo com o especialista, este momento de pandemia com todas as adversidades e dificuldades existentes, também serve para que os gestores e líderes de empresas repensem sobre como podem direcionar as pessoas no mesmo sentido.

“Empresas que mostraram que já tinham uma cultura mais voltada para a interação, horizontalizada, com espírito de equipe e processos claramente definidos, foram as que tiveram uma maior capacidade de se adaptar e continuar funcionando com um índice menor de problemas.  E isso deu espaço e tempo para que se pensasse em novas ideias para adaptar as ações da empresa ao novo cenário de mercado, em que segmentos inteiros tiveram suas atividades prejudicadas, e em que novas oportunidades passaram a se apresentar para quem pudesse percebê-las e adaptar-se”.

D.J. Castro ainda informa que é imprescindível compreender que tecnologia é apenas uma ferramenta, ela precisa ter propósito e um motivo para ser utilizada. “A boa aplicação de tecnologias depende da atitude todos, sejam colaboradores, clientes ou consumidores finais, para, assim, funcionar e gerar resultados”.

“As empresas se desenvolvem a partir da evolução das atitudes das pessoas que delas fazem parte. Para que esse processo evolutivo aconteça, toda empresa necessita de competência na gestão estratégica, alinhamento de propósitos e um foco total nas pessoas. Assim a transformação digital pode realmente acontecer”, conclui D.J. Castro.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

conexoA tecnologia que integra cada vez mais as unidades fabris no âmbito da Indústria 4.0 precisa passar também pelos processos de manutenção. Com automação completa, é possível economizar, prevenir falhas de máquina e evitar paradas desnecessárias, além de estender a longevidade dos equipamentos e oferecer rastreabilidade no processo industrial.

Uma solução inédita no mercado para promover total controle e manter operantes todas as peças de uma linha de produção é o Sistema Conexo, baseado em radiofrequência (RFID). Desenvolvido há dois anos pela matriz alemã da GEMÜ Válvulas e Sistemas de Medição e Controle, o método chega agora ao Brasil.

O produto surgiu após extensa pesquisa com o objetivo de gerenciar a validação e manutenção em indústrias sensíveis como a farmacêutica, mas também pode ser utilizado na indústria pesada, como siderurgia, fabricação de fertilizantes e peças automotivas, sistemas de energia, entre outros.

O Conexo é composto por uma “caneta” de leitura, chips a serem acoplados aos equipamentos, além da licença para usar o software de gerenciamento na nuvem. “O sistema permite controlar todos os processos da manutenção preventiva, o que evita que uma bomba quebre, por exemplo, e a fábrica fique parada durante horas”, explica o engenheiro de projetos da GEMÜ, Péricles Teixeira da Costa. “O próprio sistema indica quando é hora de trocar os equipamentos.”

Isso é possível graças à instalação de chips nas diferentes partes integrantes das válvulas GEMÜ (corpo, diafragma de vedação e atuador), que contêm todas as informações a respeito do equipamento. Quando a válvula não contém o chip, é possível adicionar um tag metálico ou etiqueta com chip, de forma a possibilitar a identificação.

Com isso, no momento da manutenção fica tudo registrado: quem trocou a válvula, se ela veio com um manual específico, quais suas características etc. O tempo gasto com documentação cai drasticamente, permitindo a rastreabilidade tanto legal quanto técnica, bem como a rápida identificação dos equipamentos da planta.

“Hoje as manutenções fabris são frequentes e os técnicos responsáveis precisam saber a periodicidade das trocas das válvulas ou outros equipamentos, quais exatamente foram trocados e documentar tudo isso”, explica o gerente geral de vendas para a área industrial da GEMÜ, Mateus Souza.

Com o Sistema Conexo, para fazer a leitura desses dados basta aproximar a caneta equipada com sensor de radiofrequência (RFID) ao chip do equipamento. Além da caneta, o sistema inclui um software que deve ser instalado num tablet, para permitir a utilização em trânsito pela fábrica. A informação é armanezada na nuvem, com protocolos de segurança, de forma a conter todo o histórico de manutenção e documentação do produto, bem como suas licenças.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

sebrae3107Com apenas seis meses de abertura do negócio de pães artesanais na zona oeste de São Paulo, a empreendedora Patcha Pietrobelli não sabia mais o que fazer quando perdeu todos os clientes, após o anúncio do avanço da pandemia do coronavírus no país. Foi então que recebeu o convite para participar do projeto piloto do Sebrae Acelera Digital, que aconteceu um pouco antes da Páscoa. “Foi minha tábua de salvação. Eu nem sabia por onde começar a divulgar os meus produtos. Não sou uma pessoa que uso redes sociais. Até tenho uma conta no Instagram, mas com pouquíssimas postagens”, contou.

Durante 10 dias, a empreendedora mergulhou no universo digital focado nas vendas online junto com um grupo de empresários do ramo. Segundo ela, depois de participar do Sebrae Acelera Digital, o faturamento dela cresceu 50% em relação ao período anterior à pandemia. Trabalhando sozinha em casa, ela concentra a produção em três dias da semana, principalmente na zona oeste, mas também faz entregas para toda a região de São Paulo. “Além de aprender a usar várias ferramentas, os consultores deram ideias de onde buscar inspiração para criar conteúdos e atrair os clientes”, disse.

Outra empresária do ramo de panificação que colocou em prática o que aprendeu no programa e está percebendo resultados no negócio foi Ilnara Gomes de Lima, de Mossoró (RN). Quando entrou no grupo para participar dos encontros virtuais, ela estava começando a implementar o delivery na panificadora São Miguel. “Aprendi como divulgar o meu negócio na internet e melhorar meu atendimento com técnicas para dar mais agilidade”, destacou. Para ela, a troca de experiências com outros donos de pequenos negócios do segmento foi a parte mais relevante. “A ideia de criar um espaço específico para o drive thru surgiu durante esse compartilhamento dentro do grupo. Tinha pessoas de vários lugares do país. Apesar de cada um viver uma realidade, estávamos dividindo o mesmo problema que é melhorar as vendas com auxílio da internet e das redes sociais”, destacou.

Lançado oficialmente no dia 27 de abril, o Sebrae Acelera Digital está com as pré-inscrições abertas. Ao longo da Jornada de Aceleração Ágil de 10 dias, os participantes recebem mentorias gratuitas sobre tecnologia e marketing digitais direcionadas para o negócio. São três encontros virtuais em pequenos grupos fechados no Whatsapp, divididos por segmento e maturidade digital, ou seja, de acordo com o nível de aplicação das tecnologias digitais no dia a dia da empresa para promoção e vendas.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

anac dronesNo inicio deste mês,  a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) anunciou, durante o 8º Fórum Empresarial, a abertura da chamada para participação social do processo de tomada de subsídios sobre o futuro das aeronaves não tripuladas no Brasil, popularmente conhecidos como drones. As contribuições serão recebidas até 5 de fevereiro de 2020.

O fórum trouxe ao debate o uso das  geotecnologias e drones no contexto indústria 4.0 e seus desdobramentos em diversos setores econômicos no Brasil e no mundo, como o mapeamento de queimadas, agricultura, inspeções de obras e cidades inteligentes; as smart cities.

Após mais de dois anos de vigência do Regulamento Brasileiro de Aviação Civil Especial nº 94 (RBAC-E nº 94), que dispõe sobre os requisitos gerais para aeronaves não tripuladas de uso civil, e considerando o desenvolvimento da aviação não tripulada e a proliferação dessa tecnologia em diversos setores, a Agência identificou a necessidade de rediscutir o assunto para permitir a contínua evolução do mercado em condições seguras.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

WhatsApp-Image-2019-10-16-at-17.37.43por Wanderson Leite*

A maioria das grandes empresas realiza treinamentos apenas uma vez por ano, colocando seus funcionários em uma sala fechada, com as luzes apagadas e um especialista passando slides. Mas, na era da tecnologia, celular 24h na mão e constantes transformações, esse tipo de situação pode se tornar contra produtiva.

Estas situações ficam ainda mais contraproducentes se o treinamento é realizado em um local distante da empresa, deixando os custos deste desenvolvimento ainda maiores. E esses custos só vem crescendo. Segundo uma pesquisa da Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD), em 2017, o investimento das empresas em treinamento aumentou 21%.

Pensando em facilitar os treinamentos corporativos para as empresas de maneira menos custosa, surgem as Edtechs, startups que utilizam a tecnologia para o desenvolvimento da educação. Elas não param de crescer. Segundo um mapeamento realizado em 2018, pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups) em conjunto com o Centro de Inovação para a Educação Brasileira (CIEB), as Edtechs crescem 20% ao ano.

O diferencial dessas Edtechs no ambiente corporativo é que, além da empresa gastar menos, já que há o custo-benefício de uma sala, os funcionários se mantém muito mais engajados e interessados. Isto se dá pela ampla gama de recursos apresentados, como podcasts para completar o conteúdo, gameficação para desenvolvimento de forma lúdica e até meditação para despertar mais foco e equilíbrio emocional.

Os podcasts são importantes ferramentas para manter esse interesse, já que o funcionário pode estudar intrigantes conteúdos, e até mesmo se divertir, de qualquer lugar que estiver, seja no ônibus, ao dirigir, no banho, na cozinha, ao caminhar e fazer exercícios, por exemplo. E, para o engajamento, nada melhor do que a competição gerada por um game, no qual muitas vezes o adversário é ele mesmo.

Ao ver seus resultados, o colaborador se instiga a conquistar cada vez mais, além de desenvolver o autoconhecimento. Ele começa a conhecer seus pontos fortes e fracos, e descobre onde precisa melhorar. E a evolução dele não para por aí. O gestor pode ter acesso a todos esses resultados e tomar decisões estratégias, realocando os melhores funcionários para as diferentes áreas. Afinal, é comum ter aquela pessoa que se destaca mais no trabalho manual, outra no estratégico, outra no relacionamento, entre outros.

Com a chegada das novas gerações ao mercado de trabalho, é importante que as empresas desenvolvam treinamentos mais atrativos. Não há nada melhor do que reter um talento por meio da qualificação que a própria empresa oferece. A solução que as Edtechs trazem não é a de apenas um treinamento por ano, mas sim de uma qualificação contínua. Com essa aproximação, o colaborador segue motivado, já que cria uma sensação de pertencimento em relação à companhia.

Para a empresa que quer investir nestes benefícios tecnológicos, a dica é procurar uma empresa, startup ou aplicativo que complemente os conceitos que a organização quer transmitir para a sua realidade, sem perder a essência. Para produzir resultados realmente satisfatórios, os treinamentos precisam ser constantes. Só assim é possível acompanhar o desenvolvimento de um colaborador e oferecer a ele as condições necessárias para que ele atinja seus objetivos e os da empresa.

*Fundador das empresas ProAtiva, app de treinamentos corporativos digitais, ASAS VR, que leva realidade virtual para as empresas e escolas; e Prospecta Obras, plataforma de relacionamento do segmento de construção civil.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

robos33Um relatório divulgado pelo U.S. Bureau of Labor Statistcs reacendeu o debate sobre a necessidade de automação nas indústrias. Pela primeira vez na história, o número de postos de trabalho superou a quantidade de trabalhadores capacitados para preencherem as vagas, o que acarreta uma significativa perda de produtividade.

A crise é mais latente na área de soldagem – que, quando somada a área mecânica, responde por cerca de 50% das vagas na manufatura do país. Os principais entraves residem na pouca qualificação somada à avançada idade média dos trabalhadores (55 anos), o que criará um gap ainda maior nos próximos dez anos. Segundo pesquisa da Society of Manufacturing Engineers (SME) and the National Association of Manufacturers (NAM), 89% das empresas no país relatam dificuldade em encontrar mão de obra qualificada.

Além de Estados Unidos, Canadá e países da Europa, esse contexto também é uma realidade no Brasil que sofre com a falta de qualificação da mão-de-obra, sobretudo longe dos grandes centros. “Ensinar uma pessoa a soldar é caro e leva muito tempo até que se atinja uma qualidade satisfatória. Somente alguns grandes centros possuem escolas técnicas com essa estrutura, então as empresas são obrigadas a assumir a responsabilidade de treinar seus funcionários e arcar com esses custos. Fora dos grandes centros, existe uma enorme dificuldade em contratar esses profissionais”, explica Marcio Mininel, gerente geral da Cobots Automação e especialista em soldagem robotizada.

De acordo com Miniel, em indústrias do Rio Grande do Sul, por exemplo, onde a agroindústria é bem pulverizada, empresas fabricantes de pequenos tratores e implementos agrícolas do interior do estado não conseguem atrair soldadores devido aos salários menores e por isso são obrigados a treinar novos soldadores. No entanto, quando estes ficam experientes e qualificados, acabam migrando para os grandes centros em busca de melhores condições salariais e deixam os empresários sem soldadores.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

FLIR0004---rainbow-c-JPEG--Print---300-dpi-Reparar dispositivos eletrônicos pode ser uma tarefa complicada e que exige um grande orçamento quando a manutenção é identificada tardiamente, especialmente para fábricas e indústrias, que contam com um maquinário extenso e de alto custo. No entanto, a evolução da tecnologia faz com que, com apenas uma fração do que a empresa teria que gastar para consertar um dispositivo, seja possível identificar aparelhos que necessitam de manutenção antes que, de fato, aconteça uma falha.

Isso acontece por meio de imagens termográficas, ferramentas poderosas na manutenção de sistemas e aparelhos elétricos por seus poderes de identificar de antemão problemas e falhas através do aumento de temperatura de cada dispositivo.

Toda corrente elétrica naturalmente gera calor enquanto flui através de um circuito e sistemas eletrônicos e mecânicos tendem a aquecer antes de apresentarem falhas. Esse calor é geralmente perceptível muito antes de o circuito falhar, portanto, inspeções regulares com uma câmera de imagem térmica podem detectar tais falhas em um estágio inicial. Isso ajudará a evitar danos caros e evitar situações perigosas.

Uma câmera como a FLIR E75 ou a CM275, da FLIR Systems, líder global em imagens termográficas, oferece medições precisas de temperatura sem precisar entrar em contato direto com os objetos para isso – o que facilita em casos de perigo.  E encontrar falhas é fácil: basta apontar a câmera, observar a imagem de perda de calor gerada e identificar os pontos superaquecidos ou sobrecarregados (em tons de vermelho) que precisam de reparos.

Sistemas de ventilação e aquecimento, por exemplo, têm muitos elementos elétricos e mecânicos e todos devem ser inspecionados regularmente para evitar falhas, de acordo com Macson Guedes, diretor geral da FLIR Systems para a América Latina. “Um scan rápido com uma câmera termográfica pode mostrar muito sobre a saúde desses sistemas e, caso eles se sobrecarreguem, será fácil identificar circuitos e fusíveis quentes que podem indicar um possível curto-circuito”, afirma.

Outras falhas elétricas que podem ser visualizadas com câmeras de imagem térmica incluem danos no fusível interno, falhas no disjuntor e possíveis curtos-circuitos.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas IBGE importação PIB CNI máquina Revista P&S Evento Feira Internacional da Mecânica Pesquisa inovação Artigo Investimento FIESP meio ambiente sustentabilidade Lançamento máquinas e equipamentos mercado Economia tecnologia Feimafe Site P&S Radar Industrial Feira indústria