Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

bostonA pandemia de COVID-19 alterou as prioridades e criou uma nova realidade para os CEOs de empresas, mas não alterou a necessidade de implantar estratégias de terceirização inteligentes. Para entender o impacto da crise da pandemia na terceirização, o BCG conduziu uma pesquisa com 200 empresas globais com tendência à contratação de provedores de serviços de TI e de outros processos de negócios. Sessenta e um por cento dessas organizações disseram que aceleraram partes de sua transformação digital ao longo do ano, embora 42% tenham notado que atrasaram alguns projetos. Assim, a percepção popular de que a transformação digital só se acelerou em 2020 pode ser enganosa, com algumas qualificações se tornando necessárias para entender as realidades básicas.

A pesquisa revelou também que 82% dos entrevistados viram queda nas receitas, 78% enfrentaram desafios operacionais e 68% tiveram que lidar com desafios relacionados aos seus provedores de serviços. Os resultados também refletem o estado das transformações digitais. A maioria das empresas planeja persistir com sua agenda de transformação digital: 96% das empresas pesquisadas esperam acelerar a execução de seus projetos relacionados a transformação digital nos próximos 24 meses.

As empresas dispostas a optar pela aceleração afirmam que seu foco imediato será o reforço da função de TI, com mais investimentos em segurança cibernética (55%), visto que as pessoas continuarão trabalhando em casa; automação (49%); migração da nuvem para redução de custos (47%); inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina (ML) e análise (46); e inovação crowdsourced (35%). Esse foco é consistente com suas agendas pré-pandêmicas: 80% já estavam se concentrando na segurança cibernética, 76% priorizando a mudança para a nuvem e 72% estavam se concentrando na implantação de IA, ML e análises bem antes da crise.

De acordo com o estudo, quase metade das empresas entrevistadas terceirizarão algum tipo de trabalho em 2021. Nesse sentido, o BCG sugere cinco etapas para que o processo seja implementado de forma inteligente pelos CEOs. São elas: ter resiliência e incorporar novas formas de trabalhar; ser seletivo nas parcerias; estar preparado para o aumento no número de contratos; persistir na agenda de transformação e reavaliar as capacidades internas a fim de preencher possíveis lacunas de talentos.

Ao contrário da percepção popular, é improvável que as companhias mudem sua dependência atual dos provedores de serviços. À medida que a crise diminui, as empresas provavelmente investirão no desenvolvimento de capacidades críticas internamente, mesmo usando seus relacionamentos com os prestadores de serviços para acelerar o ritmo das transformações digitais. Dessa maneira, recai sobre esses parceiros, por sua vez, o ônus de expandir suas habilidades e ofertas.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Vivaldo-José-Breternitz-MackenziePor Vivaldo José Breternitz*

Os profissionais da área de Tecnologia da Informação, já há algum tempo, percebiam que os serviços de cloud computing (computação na nuvem) cresciam, mas muitos deles devem ter sido surpreendidos pelos resultados trazidos por uma pesquisa do Synergy Research Group: em 2020, os gastos com esses serviços superaram aqueles que as empresas tiveram com plataformas próprias de computação.

Os números são ainda mais surpreendentes quando se observa que os valores relativos a serviços na nuvem cresceram 35%, chegando a quase US$ 130 bilhões. Enquanto isso, os gastos com estruturas próprias caíram 6%, para menos de US$ 90 bilhões.

É a primeira vez que isso acontece; até 2019, os valores aproximadamente empatavam; uma das explicações dadas para o fenômeno é a pandemia, que estaria levando as empresas a terem estruturas próprias mais leves.

Os valores despendidos com plataformas próprias, compreendem servidores, armazenamento de dados, serviços de rede e segurança, além de software necessário ao funcionamento de toda essa infraestrutura.

É importante, porém, registrar que esses números divergem dos apresentados pelo Gartner, respeitado grupo de consultoria, cujas pesquisas gozam da confiança dos profissionais da área, e que afirma serem os gastos com processamento na nuvem, apesar de estarem crescendo, muito menores que aqueles feitos com plataformas próprias.

De qualquer forma, o tema deve ser acompanhado por todos aqueles que tem responsabilidades de gestão na área. Carreiras também podem ser afetadas, pois, em tese, serão necessários menos operadores de computador e analistas de redes e bancos de dados.
Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

diadainternetDia 09 de fevereiro é comemorado o Dia da Internet Segura. A data foi criada com o intuito de unir pessoas e empresas para promover atividades que conscientizem sobre os riscos e ajudar no uso seguro das tecnologias da informação. Um dos problemas mais recorrentes relacionados com a segurança na internet é o vazamento de dados. De acordo com a dfndr lab, laboratório de cibersegurança da PSafe, indica que mais de 5 bilhões de credenciais foram vazadas na internet somente no ano de 2020.

2021 mal começou e também já conta com um vazamento histórico em massa de mais de 220 milhões de pessoas. Informações como nome, data de nascimento, CPF, chassi, placa, CNPJ e razão social, entre outros, foram vazados nas redes, podendo ser usados em crimes, fraudes ou vendidos na Dark Web ou Deep Web como forma de lucro.

Pensando nisso, Jeferson D’Addario, CEO do Grupo Daryus, referência em consultoria empresarial e educação nas áreas de tecnologia e gestão, elencou dicas para as pessoas se protegerem e saber como evitar fraudes na internet:

Não abra e-mails suspeitos

Você já deve ter ouvido falar sobre phishing na internet, que são as tentativas de fraudes para obter informações confidenciais como nomes do usuário e senhas por meio de comunicação eletrônica. Um dos lugares mais comuns de um ataque de phishing é o e-mail, portanto, não esqueça de verificar a veracidade do remetente, o assunto, o conteúdo do e-mail, erros de gramática na mensagem e por fim, certifique-se que de que a comunicação que você recebeu é oficial. Além do e-mail, WhatsApp e SMS também são alvos corriqueiros.

Crie senhas fortes

É sempre bom evitar o uso de palavras simples, como o seu nome e sobrenome ou datas de aniversário, porque são combinações fáceis de serem achadas e, portanto, hackeadas. O ideal é adicionar elementos que dificultem a descoberta, como símbolos, letras maiúsculas ou minúsculas e número aleatórios que não tenham ligação com você.

Use um gerenciador de senhas

Um programa de gerenciamento é ótimo para auxiliar quem tem dificuldade em lembrar o que cadastrou na sua última senha. Eles são aplicativos que oferecem praticidade, agilidade, e acima de tudo, segurança.

Troque as senhas com frequência

Evite usar a mesma senha em sites diferentes, isso pode colocar os seus dados em risco. Se por acaso uma palavra-chave for hackeada, a tendência é que os cibercriminosos vão buscar outras contas do usuário usando a mesma palavra-chave para a senha. Por isso, o ideal, é trocar com frequência, pelo menos a cada 45 dias ou a cada 3 meses.

Cuidado ao usar computadores compartilhados

Ao usar um computador que não é o seu, tenha cuidado e nunca salve suas senhas nos navegadores ou programas que acessar. E principalmente, evite realizar qualquer ação que peça seus dados bancários ou documentos.

Evite Wi-Fi público

Sabe quando vamos a um estabelecimento como restaurante ou shoppings e acessamos o Wi-Fi gratuito? São conexões muitas vezes não seguras, principalmente se você for colocar qualquer dado confidencial ou realizar pagamentos. Se possível, dê sempre preferência para a internet do seu aparelho celular, o 4G. Outra opção é utilizar aplicativos que protejam seu celular criando uma VPN (virtual private network), como por exemplo, o Norton Secure VPN.

Desative contas em sites que você não acessa mais

Não existe um site que seja completamente seguro, por isso, o ideal é sempre manter os seus dados em lugares limitados aos que você usa normalmente. E os que você não acessa mais, é importante desativar. Uma boa dica é utilizar um aplicativo de cofre de senhas, pois, eles ajudam a gerenciar, guardar e podem gerar palavras chaves seguras. O Lastpass e o 1password são soluções que fazem bem essa função. Um detalhe: a única senha que você não pode perder ou esquecer é a principal que dá acesso a esses cofres, é muito trabalhoso recuperá-las.

Evite fazer o download de softwares piratas

Softwares desconhecidos muitas vezes são alvos de vírus e golpes de cibercriminosos, podendo roubar dados e senhas do computador. Inclusive, isso vale para extensão de navegador. O ideal é sempre buscar analisar as avaliações de usuários antes de baixar qualquer coisa. De preferência compre as versões oficiais, são mais caras, porém, tem suporte e a segurança do fabricante.

Use um bloqueador de Pop-Ups

Os pop-ups podem espalhar malwaresransomware e aplicar golpes de phishing, então, a maneira de evitar que aconteça é ativar a função do navegador que bloqueia automaticamente. Entenda a necessidade de cada pop-up e libere-os sob demanda e quando precisar.

Cuidado ao clicar em links de redes sociais

Não é novidade para ninguém que redes sociais como WhatsApp e Facebook são alvos comuns de golpes, então, sempre fique atento com link de vídeos, promoções ou lojas que você vê ou recebe, mesmo que o remetente seja alguém conhecido. Neste caso, mande uma mensagem para o autor e confirme se realmente foi ele (a) quem escreveu e a autenticidade da mensagem.

Ative a segurança do seu WhatsApp

Aplicativos como WhatsApp são muito usados e algumas dicas podem protegê-lo de golpes bem comuns neste tipo de aplicativo. Primeiro ative as senhas e/ou biometria para abri-los. Nas configurações ative seu nível desejado de privacidade. Ative as notificações de segurança e a verificação em duas etapas (two-step verification).

Compras na internet com cartão virtual

Tenha um cartão para suas compras na internet ou emita um cartão virtual no seu banco, dessa forma é mais seguro e fácil de controlar seus gastos e evitar fraudes. Outra dica é utilizar hubs de pagamentos como o PayPal, que tem níveis de segurança adicionais e você não compra diretamente do vendedor e sim por meio do PayPal.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

elipseA Elipse Software acaba de lançar a nova versão 5.6 do Elipse E3 e Elipse Power . O Elipse E3 é a solução de supervisão e controle para gerenciamento de processos industriais, enquanto o Elipse Power é a plataforma integrada para o gerenciamento de sistemas elétricos.

Visando uma melhoria na segurança cybernética, uma criptografia foi adicionada na comunicação entre os módulos nas novas versões dos softwares. A integração do módulo de usuários com o Microsoft Active Directory também foi aprimorada, permitindo utilizar grupos de usuários cadastrados no domínio de rede.

Para melhorar o suporte a aplicações com um grande número de tags de comunicação e alto volume de escritas, uma nova opção para agrupamento do envio de escritas aos drivers de comunicação foi criada. Além disto, o módulo inteligente Self-Healing do Elipse Power ADMS foi otimizado, facilitando a busca pela melhor combinação de chaveamentos para restaurar o sistema.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

img_registroMarcas, redes de varejo, franquias e lojas têm investido bastante na unificação de seus pontos de venda físicos e digitais. Contudo, ainda é comum os canais não serem totalmente conectados, trabalhando com preços, sortimento e serviços diferentes. Essa é uma característica do multichannel, estratégia que vem perdendo espaço para o omnichannel, conforme explica Henri Claude Le Bourlegat, CEO da .
Segundo Bourlegat, ainda existe, no trade, confusão sobre os conceitos. “Você pode ter lojas offline e online. Mas, se elas atuam independentemente e até competem entre si, você é multichannel. Já o omnichannel oferece experiências integradas e contínuas para o consumidor, com as lojas físicas e digitais se complementando. E essa é uma preferência crescente”, destacou o executivo.
O omnichannel representa oportunidades importantes para todos os elos da cadeia de consumo. A estratégia pode, por exemplo, aliar as vontades das marcas que querem estar na internet e mais juntas aos consumidores – mas não desejam que isso gere conflito com os canais de distribuição fortes já criados – com a digitalização do comércio de bairro, que tem proximidade com o público usuário e entende como ninguém as suas necessidades.
Para essa situação, um marketplace especializado é uma solução ideal, também atendendo à propensão crescente do consumidor a fechar compras na conveniência e segurança do lar. “Uma rede com 50 lojas pode ter, em vez de uma filial digital, 50 filiais ‘figitais’ trabalhando em sinergia para proporcionar a melhor resposta ao consumidor. Isso também vale para uma marca com 50 distribuidores”, comenta Bourlegat.
De acordo com o CEO da CaZco Digital, a adoção do omnichannel e das lojas ‘figitais’ cria um modelo completo do novo varejo. E ajuda a proporcionar ao público a melhor experiência de consumo: aquela que deixa vontade de voltar sempre.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Anderson-Mancini-3Por Anderson Mancini*

Não há mais tempo para perfumarias. A pandemia de Covid-19 fez com que as metas e objetivos das empresas tivessem de ser ainda mais assertivas. Conquistar novos clientes, aumentar as vendas e expandir os mercados é, muitas vezes, questão de sobrevivência. Nesse cenário, a principal aposta é a transformação digital.

Uma pesquisa recente da KPMG, que entrevistou 315 executivos de alto escalão em todo o mundo, indicou que mais da metade dos empresários brasileiros irão priorizar investimentos em novas tecnologias e na digitalização de processos como forma de lidar com a crise e preparar as empresas para o pós-pandemia.

Ao contrário do que muitos podem acreditar, a transformação digital não é feita apenas com soluções de inteligência artificial ou machine learning, por exemplo. O investimento necessário para esse processo demanda investimentos, é claro, mas não somente financeiros. É preciso tempo e dedicação para criar uma cultura digital que inspire todos os funcionários de maneira top-down – ou seja, a começar pelos líderes. Conhecimento técnico também é fundamental, assim como diminuir o tempo de decisão, fazendo com que os planos sejam aprovados de forma mais ágil e autônoma.

Tecnologia é o meio, não o fim

Entretanto, como já disse algumas vezes em outros artigos, a transformação digital é feita de pessoas para pessoas. A tecnologia é apenas um dos meios que permitem que ela aconteça. Com a estrutura que sua empresa já dispõe e maior engajamento para conhecer seu público, é possível criar formas diferentes de oferecer seus produtos e serviços. Vale lembrar que a inovação e a transformação também podem ocorrer no seu modelo de negócios – será que ele é o mais adequado para o momento?

Nenhuma estratégia é capaz de atingir bons resultados sem o devido conhecimento do mercado, do comportamento dos clientes e suas expectativas em relação ao que você tem a oferecer. Com essas informações em mãos, é possível desenhar ações para atrair o cliente certo, no momento certo.

Como fisgar os clientes online?

Isso pode ser feito de várias maneiras. Oferecer promoções como “leve junto”, categorizar produtos de acordo com as necessidades dos clientes, disponibilizar diversas formas de filtro para que ele encontre a mais agradável – “Mais vendidos”, “Menor preço”, “Maior desconto”, etc.

Para lojas online que ainda estão começando, uma boa estratégia para fidelizar os clientes é oferecer um desconto na primeira compra a partir do cadastro de e-mail. Assim, você ganha um valioso canal de comunicação com o consumidor e deixa uma boa impressão logo de cara.

Estratégias de marketing digital e de conteúdo, UX (User Experience) e mídias sociais devem fazer parte do planejamento de qualquer negócio online. Quanto mais você puder criar relacionamento com o seu cliente, melhor! Lembre-se que, com a pandemia, a concorrência digital aumentou – e muito! Portanto, ofereça a melhor experiência para se destacar.

Os dados são o bem mais valioso para uma empresa nos dias de hoje. E fazer análise desses dados, transformando isso em informações úteis, novos produtos, serviços, ou novas formas de oferecer os produtos, é essencial para gerar previsões capazes de aumentar vendas e atrair novos clientes. Sem dúvida, vale o investimento.

Fundador da  Neotix Transformação Digital*

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

nvidiaO novo ranking dos TOP500 supercomputadores mostra a grande tendência da computação científica moderna, expandida com IA e Data Analytics e acelerada com as tecnologias NVIDIA Enterprise. Oito dos 10 melhores supercomputadores do mundo agora usam GPUs NVIDIA, rede InfiniBand, ou ambos. Eles incluem os sistemas mais poderosos de EUA, Europa e China.

A NVIDIA, após a aquisição da Mellanox, equipa dois terços (333) dos sistemas TOP500 na lista mais recente, de junho de 2020. Na lista de junho de 2017 as duas empresas separadas tinham menos da metade (203). As redes NVIDIA Mellanox InfiniBand e Ethernet conectam 305 sistemas (61%) dos supercomputadores TOP500, incluindo todos os 141 sistemas InfiniBand, e 164 (63%) dos sistemas que utilizam Ethernet.

Em eficiência energética, os sistemas que usam GPUs NVIDIA têm se destacado em relação aos demais. Os sistemas com GPUs NVIDIA, em média, são 2,8 vezes mais eficientes em termos de energia medidos em gigaflops/watt do que os sistemas que não o possuem.

O melhor exemplo dessa eficiência de energia é o Selene, a mais recente adição ao cluster de pesquisa interno da NVIDIA. O sistema era o número 2 na lista mais recente do Green500 e o número 7 no TOP500 geral, com 27,5 petaflops no benchmark Linpack. Com 20,5 gigaflops/watt, Selene está a uma fração de um ponto do primeiro lugar na lista Green500, reivindicada por um sistema muito menor que ficou em 394 em termos de desempenho.

O Selene é o único sistema dos 100 melhores a quebrar a barreira dos 20 gigaflops/watt. É também o segundo supercomputador industrial mais poderoso do mundo, atrás do sistema número 6 da gigante de energia Eni S.p.A. da Itália, que também usa GPUs NVIDIA.

No uso de energia, o Selene é 6,8 vezes mais eficiente que a média dos sistemas que não usam GPUs NVIDIA da lista TOP500. O desempenho e a eficiência energética do Selene são graças aos Tensor Cores de terceira geração nas GPUs NVIDIA A100 que aceleram a matemática tradicional de 64 bits para simulações e o trabalho de menor precisão para IA.

A classificação do Selene é uma façanha impressionante para um sistema que levou menos de quatro semanas para ser construído. Os engenheiros puderam montar o Selene rapidamente porque usaram a arquitetura de referência modular da NVIDIA. O guia define o que a NVIDIA chama de DGX SuperPOD. Baseia-se em uma construção poderosa e flexível para data centers modernos: o sistema NVIDIA DGX A100.

“A tendência atual é pesquisadores e empresas buscarem uma maior aceleração para inteligência artificial e analytics. Com GPUs e sistemas que ajudam a acelerar o processamento e economizar energia, a NVIDIA Enterprise auxilia no desenvolvimento da ciência”, explica Marcio Aguiar, diretor da NVIDIA Enterprise para América Latina. “É por isso também que a última lista TOP500 pode refletir os esforços da NVIDIA Enterprise para democratizar a IA e o HPC.”

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

dj castroHá alguns anos o conceito de transformação digital vem sendo propagado por pesquisas e estudos de consultorias e também por empresas de tecnologia que vendem soluções na área. Mundialmente, a pandemia do Coronavírus despertou e mudou hábitos do dia a dia das pessoas e das empresas, principalmente na forma de trabalhar, vender e se comunicar.

Para o especialista em branding e sócio-proprietário da Nexia Branding, D.J. Castro, o grande objetivo de digitalizar os processos e ter uma visão global da empresa em uma base consolidada de dados, permitindo, muito mais do que o trabalho remoto, é a integração total dela. “Muitas empresas já iniciaram essa evolução, com velocidade diferente, tudo de acordo com demandas do mercado e níveis de investimento, outras, ainda não começaram a implantação por não saberem de que forma implantá-la”, comenta.

Cada vez mais a tecnologia está se tornando essencial da vida das pessoas auxiliando-as na adaptação profissional perante essa nova fase.  “De repente a pandemia forçou as empresas a comprimir grande parte da digitalização em um espaço pequeno de tempo. Uma quarentena, com a maioria dos trabalhadores em home office ou de férias, fez com que o trabalho remoto fosse imprescindível nos segmentos de atuação em que isso era possível”, informa Castro.

Uma transição complexa em todos os sentidos

O especialista em branding comenta que além do trabalho remoto as empresas estão se vendo forçadas a utilizar os mais diversos meios digitais para oferecer seus produtos e serviços e, também, para gerenciar seus processos internos. “A necessidade de repensar os modelos de negócios em meio a uma crise global em que ninguém sabe direito o que está acontecendo e, nem quando vai terminar, criou um clima de incerteza muito forte. Mas é na incerteza e nos momentos de grandes desafios que as grandes lideranças tem que mostrar o seu verdadeiro trabalho e valor”.

Para Castro a transição da transformação digital não é algo fácil para muitas organizações pois pode gerar falhas nas operação e perdas de produtividade até que o processo seja alinhado. “Agora é o momento de todos passarem por esse momento de transformação digital”.

Cultura e atitude

Mais do que os problemas tecnológicos inerentes a qualquer mudança de paradigma, Castro informa que isso acontece pois o processo de transformação digital envolve muito mais do que tecnologia, ele depende diretamente da cultura organizacional e das atitudes da empresa e de seus líderes, gestores e colaboradores.

“Para acontecer de verdade, a transformação digital precisa envolver uma evolução na cultura da empresa o que reflete em uma mudança de todos os lados. Além de processos claros e bem definidos, é preciso ter engajamento das pessoas, interação entre líderes e liderados, espírito de time e senso de propósito. Assim, cumulativamente, se constroem as bases para uma transformação digital consistente e duradoura, além do período de necessidade imediata e de senso de sobrevivência causados pela crise”, informa.

D.J. Castro também informa que é necessário um pensamento de longo prazo na cadeia de tomada de decisões para que seja estruturada as bases do futuro da empresa no mundo digital, incluindo processos, gestão humana, logística, marketing e alta gestão.

As lideranças estão em cheque

De acordo com o especialista, este momento de pandemia com todas as adversidades e dificuldades existentes, também serve para que os gestores e líderes de empresas repensem sobre como podem direcionar as pessoas no mesmo sentido.

“Empresas que mostraram que já tinham uma cultura mais voltada para a interação, horizontalizada, com espírito de equipe e processos claramente definidos, foram as que tiveram uma maior capacidade de se adaptar e continuar funcionando com um índice menor de problemas.  E isso deu espaço e tempo para que se pensasse em novas ideias para adaptar as ações da empresa ao novo cenário de mercado, em que segmentos inteiros tiveram suas atividades prejudicadas, e em que novas oportunidades passaram a se apresentar para quem pudesse percebê-las e adaptar-se”.

D.J. Castro ainda informa que é imprescindível compreender que tecnologia é apenas uma ferramenta, ela precisa ter propósito e um motivo para ser utilizada. “A boa aplicação de tecnologias depende da atitude todos, sejam colaboradores, clientes ou consumidores finais, para, assim, funcionar e gerar resultados”.

“As empresas se desenvolvem a partir da evolução das atitudes das pessoas que delas fazem parte. Para que esse processo evolutivo aconteça, toda empresa necessita de competência na gestão estratégica, alinhamento de propósitos e um foco total nas pessoas. Assim a transformação digital pode realmente acontecer”, conclui D.J. Castro.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

conexoA tecnologia que integra cada vez mais as unidades fabris no âmbito da Indústria 4.0 precisa passar também pelos processos de manutenção. Com automação completa, é possível economizar, prevenir falhas de máquina e evitar paradas desnecessárias, além de estender a longevidade dos equipamentos e oferecer rastreabilidade no processo industrial.

Uma solução inédita no mercado para promover total controle e manter operantes todas as peças de uma linha de produção é o Sistema Conexo, baseado em radiofrequência (RFID). Desenvolvido há dois anos pela matriz alemã da GEMÜ Válvulas e Sistemas de Medição e Controle, o método chega agora ao Brasil.

O produto surgiu após extensa pesquisa com o objetivo de gerenciar a validação e manutenção em indústrias sensíveis como a farmacêutica, mas também pode ser utilizado na indústria pesada, como siderurgia, fabricação de fertilizantes e peças automotivas, sistemas de energia, entre outros.

O Conexo é composto por uma “caneta” de leitura, chips a serem acoplados aos equipamentos, além da licença para usar o software de gerenciamento na nuvem. “O sistema permite controlar todos os processos da manutenção preventiva, o que evita que uma bomba quebre, por exemplo, e a fábrica fique parada durante horas”, explica o engenheiro de projetos da GEMÜ, Péricles Teixeira da Costa. “O próprio sistema indica quando é hora de trocar os equipamentos.”

Isso é possível graças à instalação de chips nas diferentes partes integrantes das válvulas GEMÜ (corpo, diafragma de vedação e atuador), que contêm todas as informações a respeito do equipamento. Quando a válvula não contém o chip, é possível adicionar um tag metálico ou etiqueta com chip, de forma a possibilitar a identificação.

Com isso, no momento da manutenção fica tudo registrado: quem trocou a válvula, se ela veio com um manual específico, quais suas características etc. O tempo gasto com documentação cai drasticamente, permitindo a rastreabilidade tanto legal quanto técnica, bem como a rápida identificação dos equipamentos da planta.

“Hoje as manutenções fabris são frequentes e os técnicos responsáveis precisam saber a periodicidade das trocas das válvulas ou outros equipamentos, quais exatamente foram trocados e documentar tudo isso”, explica o gerente geral de vendas para a área industrial da GEMÜ, Mateus Souza.

Com o Sistema Conexo, para fazer a leitura desses dados basta aproximar a caneta equipada com sensor de radiofrequência (RFID) ao chip do equipamento. Além da caneta, o sistema inclui um software que deve ser instalado num tablet, para permitir a utilização em trânsito pela fábrica. A informação é armanezada na nuvem, com protocolos de segurança, de forma a conter todo o histórico de manutenção e documentação do produto, bem como suas licenças.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

sebrae3107Com apenas seis meses de abertura do negócio de pães artesanais na zona oeste de São Paulo, a empreendedora Patcha Pietrobelli não sabia mais o que fazer quando perdeu todos os clientes, após o anúncio do avanço da pandemia do coronavírus no país. Foi então que recebeu o convite para participar do projeto piloto do Sebrae Acelera Digital, que aconteceu um pouco antes da Páscoa. “Foi minha tábua de salvação. Eu nem sabia por onde começar a divulgar os meus produtos. Não sou uma pessoa que uso redes sociais. Até tenho uma conta no Instagram, mas com pouquíssimas postagens”, contou.

Durante 10 dias, a empreendedora mergulhou no universo digital focado nas vendas online junto com um grupo de empresários do ramo. Segundo ela, depois de participar do Sebrae Acelera Digital, o faturamento dela cresceu 50% em relação ao período anterior à pandemia. Trabalhando sozinha em casa, ela concentra a produção em três dias da semana, principalmente na zona oeste, mas também faz entregas para toda a região de São Paulo. “Além de aprender a usar várias ferramentas, os consultores deram ideias de onde buscar inspiração para criar conteúdos e atrair os clientes”, disse.

Outra empresária do ramo de panificação que colocou em prática o que aprendeu no programa e está percebendo resultados no negócio foi Ilnara Gomes de Lima, de Mossoró (RN). Quando entrou no grupo para participar dos encontros virtuais, ela estava começando a implementar o delivery na panificadora São Miguel. “Aprendi como divulgar o meu negócio na internet e melhorar meu atendimento com técnicas para dar mais agilidade”, destacou. Para ela, a troca de experiências com outros donos de pequenos negócios do segmento foi a parte mais relevante. “A ideia de criar um espaço específico para o drive thru surgiu durante esse compartilhamento dentro do grupo. Tinha pessoas de vários lugares do país. Apesar de cada um viver uma realidade, estávamos dividindo o mesmo problema que é melhorar as vendas com auxílio da internet e das redes sociais”, destacou.

Lançado oficialmente no dia 27 de abril, o Sebrae Acelera Digital está com as pré-inscrições abertas. Ao longo da Jornada de Aceleração Ágil de 10 dias, os participantes recebem mentorias gratuitas sobre tecnologia e marketing digitais direcionadas para o negócio. São três encontros virtuais em pequenos grupos fechados no Whatsapp, divididos por segmento e maturidade digital, ou seja, de acordo com o nível de aplicação das tecnologias digitais no dia a dia da empresa para promoção e vendas.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

negócios infraestrutura máquinas exportação Perspectivas IBGE importação PIB CNI máquina Revista P&S Evento Feira Internacional da Mecânica Pesquisa inovação Artigo Investimento FIESP meio ambiente Lançamento sustentabilidade máquinas e equipamentos mercado Economia tecnologia Feimafe Feira Site P&S Radar Industrial indústria