Visite o site da P&S Visite o site do Radar Industrial Visite o site da Banas Ir para página inicial RSS

0

O Complexo Acrílico da BASF em Camaçari, no estado da Bahia, é a primeira unidade de produção da empresa na América do Sul a obter a Certificação Internacional de Sustentabilidade e Carbono (ISCC Plus) para a produção de produtos com balanço de biomassa ou com o selo Ccycled®, utilizando matérias-primas sustentáveis por meio da abordagem de balanço de massa. Estes produtos oferecem o mesmo desempenho e qualidade que os produtos convencionais, com o benefício adicional de ter uma menor pegada de carbono e contribuir para a reciclagem de resíduos. Na localidade são produzidos Ácido Acrílico, Acrilato de Butila e Polímero Superabsorvente (SAP), insumos utilizados em diversas indústrias, como adesivos, construção civil, higiene e produtos de pintura.

“Estamos muito satisfeitos em alcançar este importante marco de sustentabilidade para a BASF na América do Sul. A equipe gerenciou com sucesso um trabalho intenso, com a realização de uma série de auditorias, o que permitiu a conquista da certificação de forma eficiente em um curto espaço de tempo”, afirma Marcos Ferreira de Carvalho, vice-presidente do Negócio de Petroquímicos da BASF para América do Sul. “O padrão ISCC Plus permite a venda de diferentes soluções sustentáveis, que vão desde produtos com balanço de biomassa até produtos Ccycled®, sem comprometer a conhecida qualidade da BASF”.

“Agregar matérias-primas sustentáveis ao nosso processo produtivo possibilita a transformação progressiva da sustentabilidade nas diferentes cadeias de valor da química e contribuindo com o polo de inovação do estado da Bahia”, afirma Tânia Oberding, diretora industrial do Complexo Acrílico da BASF.

Balanço de massa: matérias-primas de origem sustentável

A abordagem de balanço de massa considera as matérias-primas recicladas ou renováveis como alternativas aos recursos fósseis no início da sua cadeia de valor. O órgão certificador realiza auditorias anuais para garantir que o processo segue de acordo com os critérios. A certificação é aplicada pela ISCC, uma organização internacional e independente, especializada em sustentabilidade e pegada de carbono, que apoia cadeias de suprimentos sustentáveis, totalmente rastreáveis, livres de desmatamento e favoráveis ao clima.

A unidade produtiva da BASF em Camaçari, bem como as demais localidades na América do Sul, contribui para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU por meio de produtos e soluções ao longo da cadeia de valor e junto com parceiros. As principais contribuições estão nos quesitos: Fome Zero; Igualdade de Gênero; Água potável e saneamento; Trabalho decente e crescimento econômico; Indústria, inovação e infraestrutura; Consumo e produção responsáveis e Ação contra a mudança global do clima. Além disso, em 2023, mais de 700 mil pessoas foram beneficiadas pelas mais de 200 ações de engajamento social realizadas pela BASF na América do Sul. O impacto partiu tanto da rede de parceiros da empresa, como também de seu programa de voluntariado, que conta com cerca de mil colaboradores nos países da região.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A indústria de transformação começou o ano com avanço da maioria dos Indicadores Industriais. De acordo com a pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI), na passagem de janeiro para fevereiro, os indicadores de faturamento (+2,4%), horas trabalhadas (+2,3%) e emprego (+0,5%) mantiveram o avanço também registrado na transição de dezembro de 2023 para 2024.

“Alguns pontos que podem estar proporcionando um ambiente econômico mais favorável para indústria de transformação são a inflação moderada, a Taxa Selic em queda, a expectativa de melhora nas concessões de crédito em 2024 e o caráter aquecido no qual o mercado de trabalho se encontra”, explica o gerente de Análise Econômica da CNI, Marcelo Azevedo.

Dois indicadores da pesquisa apresentaram estabilidade em fevereiro de 2024. A massa salarial registrou -0,1% de janeiro para fevereiro e a utilização da capacidade instalada (UCI) ficou com 78,7% no segundo mês deste ano.

O único indicador que apresentou recuo na transição do primeiro para o segundo mês do ano foi o que mede o rendimento médio dos trabalhadores: -0,5% na série livre de efeitos sazonais. Ainda assim, o indicador também apresentou aumento (+3,2%) quando comparado com fevereiro de 2023.

Nesta edição da pesquisa, foram consultadas 1.034 indústrias de transformação, entre 1º e 26 de março.

Indicadores tem novo método de apuração dos dados

Em fevereiro de 2024, a pesquisa Indicadores Industriais passou por uma modernização na plataforma utilizada para coleta e cálculo dos dados e, com isso, as séries históricas foram recalculadas.

Entre as razões para esse recálculo, destacam-se as revisões de valores previamente informados pelas empresas e o tratamento dispensado a identificação e correção de valores discrepantes (outliers).

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Prolata Reciclagem, associação sem fins lucrativos criada para cumprimento das políticas de resíduos sólidos, apresenta resultados de coleta de latas de aço no Estado de São Paulo em 2023. Com aumento de 19% em relação ao ano anterior, as 20.170,12 toneladas recolhidas representam o volume de embalagens de aço pós-consumo destinadas corretamente. A partir do esforço para expansão de pontos de entrega e promoção de educação ambiental, a entidade inicia 2024 presente em 11 das 16 regiões administrativas do Estado.

O Programa Prolata concluiu 2023 ativo em 76 municípios por meio da parceria com 15 cooperativas ou associações de catadores e catadoras de materiais recicláveis. Com 25 entrepostos parceiros e 290 pontos de recebimento de latas, totalizando 330 iniciativas em atividade no Estado contribuindo para a destinação final ambientalmente adequada de embalagens de aço pós-consumo.

Thais Fagury, presidente-executiva da Prolata Reciclagem, reconhece a importância do investimento realizado para expansão de pontos de entrega e promoção de educação ambiental, ações direcionadas ao consumidor final. “O programa deu continuidade às ações estruturantes realizadas desde 2013 junto às cooperativas parceiras, incluindo novas formas de apoio e fortalecimento dos grupos”, conta. Destaca também que, em 2023, a Prolata deu sequência à inclusão de novos entrepostos, aumentando a capilaridade e promovendo o escoamento de latas de aço com a rastreabilidade necessárias em novos municípios.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

De acordo com Fabrício Spadine, gerente sênior de vendas da ZF Aftermarket, “o setor automotivo tem ampliado seus conhecimentos sobre as vantagens operacionais, financeiras e ambientais dos produtos remanufaturados. Com isso, as embreagens remanufaturadas vêm ganhando espaço”, afirma. Além das embreagens SACHS para veículos comerciais, no Brasil a ZF também realiza a remanufatura de compressores de ar WABCO em sua unidade de Sumaré, interior de São Paulo. O know how para fortalecer o processo no País vem do exemplo global da ZF, que realiza a remanufatura de mais de 250 produtos em 15 países.

O processo ocorre por meio da logística reversa, a partir de insumos recebidos de fornecedores. Spadine acrescenta que todos os materiais que não podem ser remanufaturados, têm destinação adequada. O padrão de qualidade dos produtos originais é garantido por processos industriais de alta precisão utilizados na remanufatura. “Um dos diferenciais que impactam na qualidade das peças remanufaturadas são das peças novas da ZF, já concebidas e planejadas para serem remanufaturadas no futuro. É um método que aumenta ainda mais a garantia de qualidade e segurança dos produtos”, explica.

Segundo a norma ABNT 15296, somente o fabricante de origem pode realizar um processo de remanufatura, o que diferencia uma peça remanufaturada de uma recondicionada. “O processo segue rigorosamente os mesmos padrões e protocolos de segurança, qualidade e eficiência dos produtos novos e, inclusive, são montadas na mesma linha das peças originais, em nossa unidade de Araraquara, SP”. Durante o processo de remanufatura, todos os componentes que sofrem desgaste são substituídos por componentes novos e genuínos, trazendo as mesmas especificações e garantias de uma embreagem completamente nova.

“Além de contribuir com os planos de sustentabilidade da ZF, as embreagens remanufaturadas trazem diversos benefícios para os clientes, desde a qualidade, até a garantia e competitividade de preço”, assegura Spadine”.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Por Carlos Rodolfo Schneider – empresário

A comemorar a aprovação no Congresso Nacional, ao apagar das luzes de 2023, de uma etapa da reforma tributária, aquela que trata dos impostos sobre o consumo. Foram décadas de discussões, de idas e vindas, para tentar alguma simplificação na caótica estrutura de impostos do país, certamente a mais confusa do planeta. Mas o resultado não foi nota dez. Conseguimos uma nota sete, deu para passar de ano.  A quantidade de exceções à alíquota padrão acolhidas nas duas casas do Congresso, garantindo privilégios a grupos de pressão, permitem prever desdobramentos: comprometimento parcial da simplificação que se buscava; aumento da alíquota para os demais setores, não beneficiados com regimes especiais (considerando que por pressuposto o governo não quer perder arrecadação), provavelmente para a alíquota mais alta do mundo; e criação de inúmeras oportunidades para questionamentos judiciais de atividades buscando enquadramentos favoráveis.

A dificuldade de se fazerem reformas no país, ressalvados alguns importantes avanços nos últimos anos, vem de dois fatores principais: dificuldade da sociedade brasileira de fazer escolhas e a defesa do status quo, de interesses, de privilégios, por grupos, segmentos, regiões. Todos são a favor das reformas desde que não mexam com os seus “direitos”, às vezes até transformados em “direitos adquiridos”, garantidos constitucionalmente. Isso tem retardado as mudanças e levado a nos conformarmos com o politicamente possível, abrindo mão do necessário. Logicamente num regime democrático as mudanças devem ser negociadas, mas temos nos conformado com avanços modestos, que emperram o crescimento do país.

Por definição, a eficiência do gasto público é menor do que a do gasto privado, pelas necessárias amarras e controles que precisa haver no setor público, e pelas variáveis políticas frequentemente presentes na alocação dos recursos. Então, quanto maiores as transferências da sociedade para o Estado, via impostos, maior a ineficiência na alocação de recursos do país. Como o Brasil tem a maior carga tributária entre os países em desenvolvimento, potencializamos a ineficiência. Além do que, estudos têm demonstrado que nós temos a pior relação do planeta entre impostos cobrados e retorno à sociedade. Lembrando que tributos foram criados para que o governo preste serviços, mas são hoje dispendidos majoritariamente para manter a máquina pública. Algo como 20% do PIB. E a discussão não é sobre escolha entre Estado grande ou pequeno, e sim entre Estado forte e ágil versus obeso e ineficiente. Sem desmerecer os muitos bons servidores, que na realidade não são reconhecidos, por receberem o mesmo tratamento dos de baixo desempenho, por falta de uma verdadeira meritocracia.

Como bem destacou a agência de rating S&P Global Ratings Brasil na recente elevação da nota soberana do Brasil, reconhecendo alguns avanços como a reforma tributária: “o componente ausente tem sido a falta de progresso para lidar com os gastos grandes, rígidos e ineficientes do governo”. E sabemos que o novo arcabouço fiscal não pretende cuidar do crescimento do gasto, pelo contrário, permite a expansão das despesas acima da inflação, o que exige, de outro lado, um crescimento contínuo da arrecadação. E o Ministro da Fazenda, que deveria estar preocupado com a eficiência do gasto e a sustentabilidade do crescimento econômico, não tem feito outra coisa senão buscar mais impostos para cobrir o crescimento do gasto público. Tanto que o Ministério da Fazenda já vem sendo chamado de Ministério da Arrecadação. Com isso o aumento da carga tributária está sacramentado e o crescimento do Custo Brasil é certo, diante de uma sociedade que não reage, e de um setor financeiro que se preocupa com o equilíbrio das contas públicas, o que é importante, mas não se preocupa com o nível de extração de riquezas da sociedade para cobrir ineficiências públicas, o que é pelo menos igualmente importante.

O Estado precisa aprender a gastar com mais eficiência o enorme volume de recursos que já arrecada. Temos que entender que o avanço vem de gastar melhor e não de gastar mais. Como na educação, onde gastamos perto de 6% do PIB, mais do que países que são referência e têm as melhores colocações no teste PISA (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes), em que estamos entre os últimos colocados. Gastar mais significa consumir hoje, gastar melhor significa pensar no amanhã. Os países só evoluem quando investem no futuro, quando conseguem transformar o seu potencial em PIB potencial.

TAGS: , , ,

Deixe seu comentário

0

O transporte de produtos perigosos envolve o deslocamento de cargas que requerem precauções de segurança especiais, como explosivos, gases, materiais radioativos, substâncias tóxicas, líquidos inflamáveis e qualquer outro item que represente ameaça ao meio ambiente e à saúde das pessoas envolvidas. Nesse sentido, a fim de garantir um transporte eficiente, há uma série de medidas que devem ser cumpridas por parte tanto do embarcador quanto do transportador.
 

As licenças ambientais, desse modo, são ferramentas criadas para garantir a segurança e a proteção ambiental nesse modelo de transporte. Estabelecem padrões e requisitos específicos para controlar os riscos associados a essas atividades e ajudam a minimizar potenciais danos ao meio ambiente e à saúde pública. Ao decorrer disso, a Autorização Ambiental para Transporte de Produtos Perigosos é um documento emitido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), com obrigatoriedade desde 10 de junho de 2012, para o exercício da atividade de transporte marítimo e de transporte interestadual (terrestre e fluvial) desse tipo de produto.
 

Ao exigir a conformidade legal com regulamentações ambientais, as licenças garantem que empresas e operadores cumpram as normas estabelecidas, evitando penalidades legais. Eduardo Leal, secretário executivo da Associação Brasileira de Transportes e Logística de Produtos Perigosos (ABTLP), explica que orienta os associados regularmente sobre as questões voltadas às regulamentações ambientais. “É essencial conhecer as leis relevantes e avaliar como as operações podem impactar o meio ambiente”.
 

Complementando, o secretário executivo esclarece que para garantir a segurança e a proteção ambiental é essencial fornecer treinamentos específicos e capacitação adequada aos colaboradores envolvidos, incluindo orientação sobre os produtos e seus riscos associados, procedimentos seguros de manuseio, prevenção de acidentes e resposta a emergências. “Além disso, é importante manter os funcionários atualizados sobre as regulamentações ambientais e realizar treinamentos reciclando regularmente. Investir nessa capacitação não apenas aumenta a segurança das operações, mas também demonstra o compromisso da empresa com a responsabilidade ambiental”.
 

Esse tipo de transporte é totalmente regulamentado, envolvendo diversos agentes e não só a empresa de transporte. Um acidente no deslocamento desses produtos alcança responsabilidades nas esferas administrativa, civil e criminal. Dependendo do dano causado, pode acarretar obrigações de reparação, de indenização ou de compensação.
 

Com objetivo de promover a padronização e atualização das normas relacionadas às licenças ambientais para o transporte de produtos perigosos, contribuindo para a segurança e a sustentabilidade do setor, é fundamental para o setor a participação da ABTLP em fóruns de discussão relacionados ao transporte de produtos perigosos. “Estamos ativos em todas as esferas, incluindo governamentais, institucionais e comerciais. Essa presença nos permite representar amplamente nossos associados de forma consistente e justa. Além disso, essas discussões nos mantêm atualizados sobre as últimas regulamentações, tendências e desafios enfrentados pelo setor, permitindo-nos adaptar nossas práticas e políticas conforme necessário”, afirmou.
 

Apesar de essencial, o licenciamento ambiental para empresas pode ser um processo desafiador devido à complexidade das regulamentações, ao tempo e ao custo envolvidos, à necessidade de análises técnicas detalhadas, ao envolvimento de várias partes interessadas, às exigências de monitoramento e de cumprimento e às mudanças regulatórias. Superar esses desafios requer um compromisso significativo no investimento em tempo, em recursos e em expertise na gestão adequada do processo, incluindo o envolvimento precoce com as autoridades reguladoras, o desenvolvimento de estratégias de mitigação de riscos e o estabelecimento de sistemas eficazes de gestão ambiental.
 

Por fim, Eduardo explica que, para o futuro das regulamentações ambientais no transporte de produtos perigosos, o cadastro autodeclaratório é um modelo muito bem aceito e funcional no setor. Trata-se de uma abordagem na qual as empresas fornecem informações sobre suas atividades, instalações ou projetos diretamente às autoridades reguladoras por meio de declarações próprias, sem a necessidade de uma verificação independente inicial.
 

Apesar de o modelo oferecer certa praticidade e eficiência tanto para as empresas quanto para as autoridades reguladoras, também pode apresentar desafios, como a possibilidade de informações imprecisas ou incompletas, que podem levar a riscos ambientais. Por isso, a implementação eficaz exige uma supervisão cuidadosa e uma forte cultura de conformidade por parte das empresas e órgãos fiscalizadores. “Para melhorar a conformidade e os padrões de segurança e de sustentabilidade nesse setor, as empresas precisam adotar medidas como aderência às regulamentações, investimento em tecnologia, treinamento contínuo, colaborações estratégicas e avaliação periódica do impacto ambiental. Essas iniciativas garantem práticas mais seguras e sustentáveis no setor”, finaliza Leal.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A Siemens Smart Infrastructure forneceu e instalou 200 equipamentos VersiCharge e um sistema de gestão de carregamento inteligente no edifício Infinity, um dos locais residenciais mais altos de Lisboa, Portugal. José Cardoso Botelho, CEO da Vanguard Properties, proprietária do edifício Infinity, apontou: “A atividade imobiliária tem um impacto considerável tanto ambiental como social na comunidade. A Infinity é um projeto de imenso orgulho para nós, e uma importante referência da nossa transformação digital. Estamos felizes por ter colaborado com a Siemens para criar um edifício sustentável para o amanhã.”

A solução integrada de carregamento de VE (veículo elétrico) foi personalizada pelas equipes de engenharia e software da Siemens em Portugal. Permite uma gestão de carregamento no local dinâmica e inteligente. Os painéis, que são intuitivos e fáceis de usar, apresentam informações abrangentes ao gerente ou operador do edifício, que pode visualizar instantaneamente todas as informações sobre cada carregador, bem como monitorar o consumo de energia em tempo real. São produzidos relatórios precisos por apartamento com base no consumo mensal, facilitando a otimização do desempenho energético do edifício.
 

Os VersiCharge são distribuídos em seis ilhas de carregamento, em três andares do edifício. A gestão de energia também está preparada para a futura integração de sistemas fotovoltaicos ou outros de geração de energia renovável, bem como o armazenamento de energia que contribuirão ainda mais para a eficiência energética e a redução das emissões de gases de efeito estufa do edifício. O conjunto inclui as mais recentes funcionalidades de segurança cibernética e apoia os esforços globais para atingir as metas climáticas, permitindo a expansão das energias renováveis.
 

Markus Mildner CEO da área de eMobility da Siemens Smart Infrastructure acrescentou: “A gestão da infraestrutura de carregamento de veículos elétricos através de uma gestão inteligente da carga é crucial para sistemas de energia sustentáveis e para a estabilidade da rede”.

O contrato inclui a entrega do SICAM Dynamic Load Management (DLM) altamente escalável, baseado na plataforma de automação de energia SICAM A8000. A série SICAM A8000 é uma linha de dispositivos modulares para aplicações de automação de telecontrole e rede elétrica em todas as áreas de fornecimento de energia. O SICAM DLM é um sistema de gerenciamento de estação de carregamento altamente robusto e pronto para o futuro. Ele está preparado para receber sinais de restrição de rede de operadores de distribuição (DSOs) e para integrar recursos locais de energia distribuída (DER) e armazenamento de energia, tornando-o a solução ideal para a transição energética.

A solução facilita a comunicação com os carregadores, a partir do qual extrai informações relacionadas ao consumo e oferece algoritmos dinâmicos de gerenciamento de carregamento. Como parte do portfólio Siemens Xcelerator, uma plataforma digital aberta que permite aos clientes acelerar sua transformação digital de forma mais fácil, rápida e em escala, o dispositivo apoia uma estratégia dinâmica de gerenciamento de carga para os operadores do edifício.

O plano de recuperação e resiliência de Portugal visa apoiar o crescimento econômico e prepará-lo para o futuro. Ele prevê a implantação de 15 mil estações de recarga de veículos elétricos até 2025. O edifício Infinity é um condomínio de luxo da Vanguard Properties localizado em Sete Rios, Campolide, Lisboa. É um dos maiores projetos residenciais da cidade, com 26 andares acima do solo, 195 apartamentos e 352 vagas de estacionamento, cobrindo mais de 50.000 metros quadrados de área útil. Pretende ser o local residencial mais alto e icônico do centro da cidade de Lisboa, com a engenharia ambiental e a sustentabilidade no seu cerne.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

Mendubim solar project, January 2024Photo credit: Scatec

A Hydro Rein, Equinor e Scatec vão iniciar operações do projeto solar Mendubim no estado do Rio Grande do Norte. A usina de 531 megawatts (MW) foi desenvolvida em parceria entre os provedores de soluções de energia renovável Scatec, Equinor e Hydro Rein. Com esse marco alcançado, a usina solar começou a fornecer eletricidade para a refinaria de alumina Alunorte da Hydro.

“Estamos emocionados em concluir o primeiro dos projetos de energia renovável da Hydro Rein no Brasil. Nossa missão é desenvolver soluções de energia renovável para indústrias mais sustentáveis e Mendubim faz exatamente isso. A maior parte da energia gerada será destinada à refinaria de alumina Alunorte da Hydro no Pará, apoiando um dos maiores projetos de descarbonização do mundo. Estamos muito orgulhosos de participar deste desenvolvimento junto com a Equinor e Scatec”, diz o líder da Hydro Rein, Olivier Girardot.

A Alunorte comprará aproximadamente 60% da energia da produção prevista, por meio de um contrato de compra de energia (PPA), em dólares, pelo período de vinte anos. Os volumes restantes serão vendidos no mercado brasileiro de energia.

“Temos um plano muito robusto de descarbonização para produzir alumina mais verde na refinaria Alunorte, o que nos levará a ser uma das refinarias com menores emissões de carbono do mundo até 2030 e alcançar zero emissões até 2040. Com este projeto, reforçamos o compromisso da Hydro em fornecer produtos de alumínio zero carbono aos clientes, e a Alunorte é um importante facilitador da ambição geral de neutralizar as emissões de carbono até 2050,” diz o vice-presidente de Operações da Hydro Alunorte, Carlos Neves.

“Este projeto representa um marco crucial na realização de nossos objetivos estratégicos e reforça nossa posição em um mercado de crescimento de energia renovável proeminente, fortalecido por nossos parceiros Equinor e Hydro Rein. O crescente mercado de energia solar no Brasil está alinhado com nosso compromisso com o progresso sustentável, e estamos animados para avançar neste projeto impactante com aproximadamente três milhões de toneladas de equivalentes de dióxido de carbono evitados,” diz o CEO da Scatec, Terje Pilskog.

“O lançamento de uma grande nova usina solar no Brasil em parceria com Scatec e Hydro Rein é uma conquista importante. A Equinor tem realizado negócios no Brasil há mais de duas décadas, e vemos o país como uma área central para crescimento lucrativo a longo prazo. Ao investir em energia renovável, estamos apoiando as ambições do Brasil em direção a uma matriz energética diversificada e ajudando a atender ao crescimento esperado da demanda por energia no país”, diz Olav Kolbeinstveit, vice-presidente sênior para Onshore e Mercados em Renováveis na Equinor.

Todos os três parceiros têm participação igual de 30% no projeto. Em conjunto com o início das operações comerciais, a Hydro Alunorte exerceu sua opção de compra e agora detém os 10% restantes.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A Atlas Schindler vem conquistando avanços na construção de um ambiente de trabalho mais inclusivo, igualitário e plural. Por meio de seu Comitê de Inclusão e Diversidade, a empresa investe em diversos programas e iniciativas para promover a participação feminina em um mercado tradicionalmente masculino.
 

Exemplo disso é a parceria que estabelece com o SENAI. Há sete anos, a multinacional incentiva a capacitação de mulheres na área de manutenção de elevadores, abrindo portas para novas oportunidades de carreira para o público feminino. “Acreditamos que a promoção da igualdade de gênero por meio de ações que envolvam o empoderamento das mulheres e a equidade de oportunidades nasce em um ensino de qualidade. Por isso, a importância da parceria com o SENAI”, destaca Otavia Bortoti, diretora jurídica e de compliance da Atlas Schindler.
 

A colaboração com a instituição já vem trazendo resultados: em 2017, havia apenas 11 mulheres atuando como técnicas em campo pela Atlas Schindler. Já neste início de 2024, esse número chegou à 90. A expectativa da multinacional é atingir a marca de 100 técnicas ainda neste ano.
 

Além desta meta, a Atlas Schindler busca alcançar 30% de mulheres em cargos de liderança até 2030. Hoje, a empresa já vivencia um cenário positivo, com cerca de 18%. E a tendência é de crescimento com novas oportunidades que vêm surgindo na companhia.
 

Ao mesmo tempo, a multinacional implementa programas inovadores para fomentar a inclusão e o desenvolvimento das mulheres, como o programa Alavancagem de Carreira, que oferece mentoria para mulheres e outros grupos minoritários, conectando-os a profissionais experientes da companhia. Ao longo das três edições, 51% dos mentorados foram mulheres.
 

O impacto do programa foi reconhecido, inclusive, pela Prefeitura de São Paulo, na 5ª Edição do Selo Municipal de Direitos Humanos e Diversidade em 2022 pelas boas práticas de inclusão, gestão da diversidade e promoção dos direitos humanos adotados pela companhia.
 

“Na Atlas Schindler, acreditamos que uma cultura de inclusão é a chave para o sucesso. Investimos em programas de treinamento, políticas antidiscriminatórias e ações para criar um ambiente acolhedor para todos os colaboradores. Reconhecemos a importância da liderança feminina para nosso crescimento e desenvolvimento, entendendo que a diversidade de ideias e perspectivas é essencial para a inovação e o sucesso a longo prazo”, destaca Otavia.
 

Além da frente Equidade de Gênero, o Comitê de Inclusão e Diversidade da Atlas Schindler tem como pilares Étnica e Racial, Diversidade Sexual e de Gênero (LGBTQIA+), Pessoas com Deficiência (PcD) e Integração de Gerações.

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

0

A Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR) vai reunir, no dia 20 de março, em Brasília (DF), empresários, consultores, autoridades públicas e especialistas para uma série de debates sobre avanços e as perspectivas da energia solar na região Centro-Oeste e no País. Trata-se do ABSOLAR Meeting Centro-Oeste, evento que discute as novas oportunidades de negócios e investimentos para as companhias do setor, tanto no âmbito nacional quanto no desenvolvimento regional.

O evento tem a presença confirmada de Ibaneis Rocha, governador do DF, de Fernando Mosna, diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), de Thiago Prado, presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), de Jorge Viana, presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), de Ronaldo Koloszuk, presidente do Conselho de Administração da ABSOLAR, de Rodrigo Sauaia, CEO da ABSOLAR, de Bárbara Rubim, vice-presidente de geração distribuída da ABSOLAR, e de demais players e especialistas do setor de energia solar da região e do País.   
Segundo dados da ABSOLAR, a geração própria de energia solar já proporcionou aos estados do Centro-Oeste ao Distrito Federal a atração de mais de R$ 20,6 bilhões em investimentos e geração de mais de 125,5 mil empregos. Toda a região possui atualmente mais de 4,1 gigawatts (GW) de potência instada em residências, comércios, indústrias, propriedades rurais e prédios públicos.

A proposta do ABSOLAR Meeting Centro-Oeste, que conta com a fintech Meu Financiamento Solar como anfitriã e com a parceria da ApexBrasil, é colaborar com as empresas na geração de novos negócios e atualização profissional, bem como ampliar o relacionamento e o networking entre fornecedores, integradores, fabricantes e clientes que compõem a cadeia produtiva da energia solar no País.

Na ocasião do evento, que conta ainda com o apoio da Ecom Energia, Growatt, Solar Group, Sungrow e WEG, serão organizados painéis de debates e palestras com especialistas sobre os avanços da energia solar na região e no Brasil, o desenvolvimento econômico, ambiental e social a partir da fonte fotovoltaica, os modelos de financiamento de projetos e o avanço do empreendedorismo no segmento, entre outros. O credenciamento começa às 8h, as palestras, às 9h e as atividades se encerram às 18h.

Inscrições e mais informações podem ser obtidas no link: http://absolarmeeting.org.br/.


Serviço:
ABSOLAR Meeting Centro-Oeste

Brasília – DF
Data: 20 de março
Horário: das 8h às 18h
Local: Auditório da ApexBrasil
Centro Empresarial CNC – SAUN Quadra 05, Lote C, Torre B, 2º subsolo – Asa Norte, em Brasília (DF).

TAGS: , ,

Deixe seu comentário

BUSCA

CATEGORIAS

SOBRE O BLOG INDUSTRIAL

O Blog Industrial acompanha a movimentação do setor de bens de capital no Brasil e no exterior, trazendo tendências, novidades, opiniões e análises sobre a influência econômica e política no segmento. Este espaço é um subproduto da revista e do site P&S, e do portal Radar Industrial, todos editados pela redação da Editora Banas.

TATIANA GOMES

Tatiana Gomes, jornalista formada, atualmente presta assessoria de imprensa para a Editora Banas. Foi repórter e redatora do Jornal A Tribuna Paulista e editora web dos portais das Universidades Anhembi Morumbi e Instituto Santanense.

NARA FARIA

Jornalista formada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-Campinas), cursando MBA em Informações Econômico-financeiras de Capitais para Jornalistas (BM&F Bovespa – FIA). Com sete anos de experiência, atualmente é editora-chefe da Revista P&S. Já atuou como repórter nos jornais Todo Dia, Tribuna Liberal e Página Popular e como editora em veículo especializado nas áreas de energia, eletricidade e iluminação.

ARQUIVO

#blogindustrial IBGE importação Perspectivas Oportunidade #revistaps PIB CNI máquina Revista P&S Evento Pesquisa inovação Feira Internacional da Mecânica Meio Ambiente Industrial Artigo FIESP Investimento meio ambiente sustentabilidade Lançamento máquinas e equipamentos mercado Economia Feimafe tecnologia Feira indústria Site P&S Radar Industrial